Apanhador de Sonhos Follow story

sweet-mary Mary

"O brilho de seus olhos ainda existe e embeleza todas as flores em volta de seu jardim. Não importa quantas nuvens pesadas se abram. Pode estar tarde demais para que reconheça a inebriante fragrância do bem querer, a distância impossibilita que o brilho dos seus olhos me acolha na escuridão, mas ao alvorecer, juntamente com o novo dia, seu nome bem baixinho irei chamar, acendendo cuidadosamente o castiçal da paciência. O tempo não me pertence, como você também não. Flui livremente o ciclo das águas, tal qual o meu amor que apenas deseja te amar e a sua felicidade acima de qualquer interesse de outra natureza que não seja o bem." Sabe-se que o verdadeiro amor tem começo, mas jamais chega ao fim, entretanto vivemos em um mundo imprevisível, acostumando-nos com os entraves que separam duas almas que se desejam sobremaneira. A dor castiga o peito, mas a certeza de que os sonhos de amor nunca morrem mantém a esperança viva como uma chama acesa dentro do peito quando fortes ventanias tentam apagá-la, inclusive, com bastante brutalidade.


Short Story Romantic All public.

#amor #saudade #prosa-poética #sonhos
Short tale
3
4231 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Apanhador de sonhos

As penas azuis dançam. O vento gelado de outono entra pelas janelas, dedilha sussurros no vidro trincado. O apanhador de sonhos não tem um parecer conspícuo em relação ao anoitecer.

Os olhos amanhecem úmidos, carentes por abrigo, fechados para não arderem em displicência.

Ainda é o mesmo lugar, a parede em tons melancólicos de inocência rasgada, a cama que resguarda o descanso procura manter-se sempre arrumada para se ter à impressão de que aquele sorriso ainda existe.

Revivo tantas mil vezes o último verso, provocante reticência, típico rascunho criacionista.

O sossego de que tanto implora a alma persiste nas preces. Pelo menos num sonho. Onde a realidade a contento se refaz. O medo pode ser grande, mas a coragem se sobressai nos mais tenros instantes de projeção, protegendo por instinto o desejo que lhe pertence.

Quando o peso do mundo tomba em meus ombros, sigo te sentindo, como se ainda fosse o meu anjo que segurando na minha mão me ajudava a suportar os momentos mais difíceis.

Imagine você agora que na escuridão da noite eu choro sentindo uma dor tão grande no coração.

Diz a lua:

— Sinto toda a sua força daqui onde estou. O brilho de seus olhos ainda existe e embeleza todas as flores em volta de seu jardim. Não importa quantas nuvens pesadas se abram. Pode estar tarde demais para que reconheça a inebriante fragrância do bem querer, a distância impossibilita que o brilho dos seus olhos me acolha na escuridão, mas ao alvorecer, juntamente com o novo dia, seu nome bem baixinho irei chamar, acendendo cuidadosamente o castiçal da paciência. O tempo não me pertence, como você também não. Flui livremente o ciclo das águas, tal qual o meu amor que apenas deseja te amar e a sua felicidade acima de qualquer interesse de outra natureza que não seja o bem.

As noites seguem iluminadas pelas estrelas. Os botões de rosa amanhecem cobertos por serenas gotas de orvalho. São confidentes e ouvintes da lua, compadecidas com todas as lágrimas presas pelo pungente otimismo.

A orquestra sinfônica das constelações inspirou-se numa noite dessas a falar sobre tal amor tão puro e desprendido que nasceu para entrar na história e não ser apenas um gemido de dor em versos calculados para entreter uma plateia exigente, de compaixão tão carente.

O apanhador de sonhos balança, o sono da criança grande embala. O coro de anjos combina bem com as pétalas de rosas espalhadas pelo chão do quarto.

O caderno entreaberto deixou um mistério. Guardou ali o que os lábios não souberam dizer, mas o coração traduziu com fidelidade.

Nunca deixou de ser amor. Porque sempre foi. Até quando uma muralha de silêncio se ergueu, o verdadeiro amor aparecia nos sonhos, prometeu ali sempre estar.

Eles nunca se encontraram pessoalmente, mas já se amaram e nem sequer sabem que Deus é um sensível artista e capta a essência de cada sonho, esperando que os sonhadores sejam pacientes para receberem no momento certo a resposta que esperam.

Deus é a própria perfeição. O que é abençoado por ele tem o selo confiável da imortalidade. Nunca padecerá.

Um dia, seja quando for, esses humildes versos farão muito sentido. Terão uma direção. Não serão dois corações solitários e desencontrados, mas dois corações que batem com sintonia, entusiasmo e propósito, no compasso daquilo que os iguala diante de todas as diferenças.

Acredite que as penas azuis estão sinalizando o caminho para que não nos percamos outra vez. Os sonhos de amor nunca morrem!

Jan. 13, 2019, midnight 2 Report Embed 3
The End

Meet the author

Mary Curitibana, futura jornalista, escritora em constante progresso, escorpiana com ascendente e lua em peixes. Apaixonada por todas as singelezas da natureza, onde se encontra o olhar compassivo de Deus. Em matéria de livros, filmes e músicas, minha lista tende a crescer, mas sempre há aqueles que têm um espacinho especial no meu coração. Prazer, eu sou a Mary.

Comment something

Post!
JD Jasmim Diogo
Maravilhoso. Simplesmente.... Maravilhoso
Jan. 22, 2019, 7:21 p.m.

  • Mary Mary
    Muitíssimo obrigada ❤ Jan. 22, 2019, 8:01 p.m.
~