Location Follow story

foxyblanc Natalia Christina

A verdade era clara: O passado é inalcançável. Mas Heitor não queria acreditar nisso, pois Davi ainda era seu presente. 「oneshot | Delipa 20 | Heitor&Davi」


Drama Not for children under 13.

#yaoi #drama
Short tale
2
3223 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Sempre estive atrás de você.

Imagem da Capa © Pixiv-id: 12769733

Capa editada por mim.

Fanfic postada no Nyah!Fanfiction e Spirit.

//

História feita para o desafio do DELIPA 20 lá no grupinho da Panelinha da Limonada no Face. S2

Meu tema foi: Atrás de você (Se eu fiquei com raiva desse tema? Sem palavras, apenas sofrimento). A história não foi betada.

Agradecimentos para a Leh que me deu uma direção de que caminho seguir, apenas deixei ele triste. :v

Recomendo que leiam escutando a música Location do Khalid, além de ser boa, serviu de inspiração para esse pequeno sofrimento.

Espero que gostem. s2



“Send me your location

Let's focus on communicating

'Cause I just need the time and place to come through.”


Ele tragou o cigarro mais uma vez durante aquele pôr do sol, a fumaça preencheu seus pulmões por inteiro, procurando ocupar um vazio muito além do que aquele órgão respiratório podia suprir. Inspirando e expirando o ar do mundo até o último suspiro daquele ser humano decadente. Esse final trágico parecia mais acolhedor do que a vida monótona e desagradável que Heitor levava.

Estava vivo por ser a lei natural das coisas, mais especificamente: ainda não era sua hora.

Sem esforços.

Sem preguiça.

Só existia.

Vivia cada dia de maneira atônica, a mesma rotina, o mesmo trabalho, a mesma casa e, é claro, a mesma ruína de pensamentos: Davi.

O dono dos cabelos crespos mais belos do mundo; da pele negra e exuberante mais charmosa que já existiu; dos olhos castanhos escuros mais profundos e cheios de emoção que Heitor já contemplou e não menos importante: Era o eterno dono do coração daquele homem à beira mar olhando o fim do pôr do sol.

Se Heitor achava isso ruim? Tampouco argumentava o contrário ou tentava melhorar seu estado emocional.

Se ele pudesse voltar atrás, o faria sem pensar. Apenas para tentar reparar as falhas e mudar a si mesmo, algo que Davi não iria permitir.

— Como que ele dizia mesmo? — Heitor soprou a fumaça para fora sentindo o ar frio chocar-se com seu pulmão ao respirar novamente. Durante o dia inteiro, essa foi a primeira frase que ele pronunciou. — Nunca deixe de ser você mesmo só por causa de outra pessoa.

Ele riu. Lembrou exatamente da voz de Davi falando isso, do dia que passaram juntos. Foi um dos poucos dias felizes que tiveram…

Ele parou de rir. Olhou o relógio no pulso. Estava na hora. Finalmente tiraria o peso de estar sempre atrás dele.

Alguns dias atrás, Heitor conversara com Joana, uma colega do trabalho. A conversa sobre as novas diretrizes que a empresa adotou passara, inconvenientemente, para um papo desleixado e descontraído a respeito de ambos. Mas dentre tantos assuntos pessoais, Joana quisera saber o porquê daquele cara tão bem sucedido ser tão fechado e triste. Tão… infeliz.

A conversa atingira em cheio o cerne daquele sofrimento incalculável. E Heitor não saberia dizer se fora o cansaço — quem sabe a bebida —, mas ele contara o motivo. Falara tudo.

Dissera o quanto admirara Davi e seu jeito único, como sempre tentara impressiona-lo com regalias, e como sempre brigaram pelo mesmo motivo: Davi não quisera tornar a relação dos dois pública.

As brigas foram diárias, cansativas, chatas, longas, entre tantos outros adjetivos negativos que ele não pudera citar todos. Tentara de todos modos entender esse receio, para ele não fazia sentido, mas se fazia para Davi… Heitor esperaria para vê-lo feliz. Mas para variar, agira como um idiota.

Quão sufocante fora vê-lo escorregar de seus braços e não poder segura-lo. Apenas o observara ir embora para sempre.

Arriscara algumas vezes ligar para Davi, mas ele nunca entendera ou retornara as ligações de Heitor.

Joana suspirara de tristeza, fora notável a dor e desconforto nos olhos de Heitor. Apenas quisera fechar o assunto e voltar a falar sobre a empresa. “Ao menos agora ele está fora do seu alcance. Vê-lo todos os dias seria mais difícil, né?”, seria magnífico se Heitor pensasse assim.

Contudo ele ainda pensava que tinha chances.

E essa frase apenas aguçara suas esperanças já há muito tempo pisadas.

Pensava que se soubesse onde ele trabalhava poderia tentar conversar com ele. Cogitou saber a casa, mas soaria como um maníaco para Davi, disso Heitor tinha certeza.

Por isso voltou a procurar a respeito do seu amado pelas redes sociais. Estava novamente voltando no passado para ir atrás dele. Resolver o “inacabado”.

Amassou o cigarro na cerca metálica em que estava apoiado, seu relógio pontuou as oito horas, e Heitor se dirigiu ao estabelecimento que Davi trabalhava, um barzinho perto do centro da cidade. Seria uma viagem curta.

O coração batia forte durante todo o trajeto, não sabia se era o certo a fazer. Ele está bonito… Como será vê-lo mais de perto? Ousou pensar nisso… Ousou pensar em tantas coisas sem ter certeza de nada…

Passou por esquinas, atravessou algumas ruas, caminhou curtos trajetos na calçada, às vezes parava para arrumar as madeixas negras em algum vidro que refletisse sua imagem, até que, enfim, chegou no seu destino. Observou o barzinho por alguns segundos, estava nervoso.

Transmitia um ar agradável, isso tranquilizou Heitor um pouco. Ele se aproximou, viu as pessoas conversando alegremente através das janelas. Lá dentro parecia ter uma iluminação um pouco fraca, mas reconfortante. Parou de bisbilhotar quando viu um homem de cabelo crespo e pele negra, não sabia se era, mas sua mão foi de encontro imediato com a maçaneta.

A porta abriu antes, ele se afastou para o lado.

Um casal de dois homens saiu de lá, os braços cruzados e riam abertamente. As fisionomias de um, Heitor ignorou por completo, mas do outro rapaz ele sabia da cabeça aos pés. No entanto, ambos não notaram Heitor. Por desviar a tempo, a porta não o pegou, e isso o desprendia de um pedido de desculpas. Assim não havia motivos para falarem consigo.

— Davi… — Heitor sussurrou. Tão baixo mais tão baixo que mais pareceu um suspiro. — Estou aqui… atrás de você…

Heitor arregalou os olhos e percebeu o que disse. Seguiu com os olhos o casal andando e sumindo ao virar a esquina. Sabia que podia ter um final assim, só não queria acreditar, aquela felicidade repentina era boa demais para ele receber.

A verdade era clara, apenas Heitor que não queria vê-la. Não importava se soubesse onde Davi estava, ou com quem estava, desde que se separaram ele passou a ficar atrás daquele homem, pelo simples fato de que: Enquanto Davi ainda era o presente de Heitor, Heitor já era o passado de Davi.

Dec. 9, 2018, 11:27 p.m. 0 Report Embed 1
The End

Meet the author

Natalia Christina Amante de flores e todos os tipos de animais e bichinhos, vez ou outra escrevo originais, mas prefiro manter o foco em fanfics. <3 | Este lírio-do-vale manda energias positivas para você! >w< | Icon © pixiv-id=2750098

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~