Thinking 'Bout You Follow story

bielcastelli Biel Castelli

Itachi sempre amou Naruto, mas uma burrada o fez perder o homem que ele amava. Agora o Uchiha vivia uma vida infeliz e uma rotina tediosa, seu loiro havia ido embora de sua vida e não havia mais sol. Uma noite era tudo que ele precisava para ter seu amor de volta.


Fanfiction For over 18 only.

#thinking-bout-you #songfic #boyxboy #drama #itanaru #naruto #itachi
Short tale
3
4.4k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

I can't stop thinking 'bout you

Faziam exatos seis meses que eu estava preso em uma rotina decadente, desde que aquele maldito loiro foi embora da minha vida. Nesses seis meses as reclamações dos vizinhos tinham mudado, antes era por causa de nossas transas e do gemidos altos que você dava enquanto eu te penetrava sem dó. Agora é por causa da música alta de uma playlist qualquer que eu coloco ás três da manhã, para não ter que lidar com o vazio que você deixou.


   Eu só penso em você, em cada toque, na sua pele bronzeada, o beijo cadenciado e cada declaração de amor trocada.


“ – Eu te amo Naruto. Amo cada pedacinho seu, não sei o que faria sem você em minha vida.


 – Eu também te amo Itachi Uchiha e provavelmente eu criaria coragem para chegar em você, porque você já é meu desde o dia que te vi naquele café.”


   Como pode me permitir estragar tudo que nós tínhamos por causa de ciúmes. Eu sempre fui controlado em relação a isso, mas quando o assunto era você o medo de te perder me consumia e não conseguia me controlar. Quando vi aquele cara de cachorro dar em cima de você, te abraçando com tanta intimidade. A cena dos braços dele na sua cintura, seus braços no pescoço do moreno e você sorrindo tão abertamente. Fiquei cego pelo ciúmes e simplesmente surtei.


   Talvez eu tenha exagerado ao quebrar o nariz dele e ainda deixá-lo com um olho roxo, mas só Deus sabe o quanto me arrependi. Quando você me afastou dele dando um tapa em meu rosto falando que Kiba Inuzuka era um amigo de infância, senti minhas pernas tremerem. Foi a primeira vez que você dirigiu aquele olhar frio pra mim, eu nunca tinha te visto agir daquela forma


   Fechei o notebook e guardei minhas coisas, me daria o direito de sair mais cedo do escritório, já que por hoje não conseguiria mais trabalhar. Dava graças á Deus que era sexta e não precisaria conviver com a sociedade no dia seguinte. Eu me trancaria em casa fingindo que o mundo não existia aqui fora, às vezes sentia que depois da sua partida os dias eram sempre nublados e quase nunca fazia sol.


   – Estou indo embora Tenten, pode sair mais cedo hoje – avisei a morena que estava lendo mangá no trabalho, não julgo porque até eu fazia outras coisas na sexta. É raro aparecer uma alma viva no escritório em um início de fim de semana.


   – Obrigada chefe – sorriu começando a guardar suas coisas.  


   Fui até o estacionamento do prédio e entrei no carro e me pus a dirigir lentamente pela cidade, olhando as pessoas voltando para casa cansadas de mais um dia exaustivo em seus trabalhos. De certo modo imaginava que elas estavam felizes apesar do cansaço, por saberem que quando chegassem nos seus lares teriam alguém esperando por elas.


   Sempre fui uma pessoa muito centrada em meus objetivos e a solidão era a última coisa que me incomodava, pelo menos até ele chegar pra depois ir embora. E desde então sou uma pessoa melancólica que só pensa naquele maldito sorriso que faz qualquer um se apaixonar.


   Acabei dirigindo até onde eu conheci Naruto, o café do seu Tio Nagato. Desci do carro e adentrei no lugar que tinha um cheiro de café maravilhoso, fora a nostalgia que me bateu me fazendo lembrar de quando conheci o loiro. Nunca vou me esquecer do dia frio que entrei para comprar um café e fui atendido por um loiro sorridente. Naruto tinha uma aura encantadora que me lembrava o sol, naquele dia as pessoas se aqueciam só por serem tratadas de forma tão especial pelo loiro.


   – Boa tarde, Itachi – saudou Nagato rindo de mim enquanto eu estava parado no meio do café pensando em mil coisas.


   – Boa Tarde, me vê um café forte pra levar?


   – É pra já! Como anda a vida?


   – Péssima - virei os olhos fazendo o ruivo rir.


   – Pelo jeito que você estava parado no meio do caminho, eu acredito que estava se lembrando dele – falou arqueando a sobrancelha enquanto sustentava um sorriso debochado no rosto.


   – Impossível entrar aqui e não me lembrar do dia que nos conhecemos - suspirei.


   – Eu realmente não entendo vocês – ficou sério – Parecem dois adolescentes com os hormônios à flor da pele.


  – Nagato não…


  – Vai me escutar agora Itachi - se aproximou entregado o copo com o café – Já passou pela sua cabeça o quão imaturo você foi aquele dia pra chegar aqui e já ir pra cima do Kiba ?


  – Você não sabe como eu me senti quando vi aquele cara abraçando e beijando o rosto do meu Naruto.


  – Talvez eu não saiba, mas você errou feio aquele dia. Eu também não concordo com o que Naruto fez contigo, aquela cena do tapa foi totalmente desnecessária. Vocês podiam muito bem terem se sentado e conversado como pessoas civilizadas, mas preferiram agir como dois adolescentes de quinze anos.


  – Se eu pudesse voltar no tempo, eu teria feito tudo diferente - suspirei.


  – Naruto esteve aqui hoje – falou me fazendo arregalar os olhos, já que desde a nossa separação o loiro parecia ter sumido do mapa – E eu conversei seriamente com ele do mesmo jeito que estou conversando contigo agora. Mas Naruto é uma pessoa livre, não se prende a ninguém e quando se prende acaba se magoando facilmente. Eu não sei se ele vai perdoar você depois de tudo, meu sobrinho confiava em você. – disse se afastando do balcão indo para o fundo do estabelecimento.


   Nagato soltou aquelas palavras e saiu me deixando ali com a cabeça a mil por hora. Peguei meu café, jogando o dinheiro sobre o balcão e fui para o carro me sentindo um verdadeiro lixo depois de tudo que escutei. Me forcei a dirigir em direção ao meu apartamento precisava de um banho, me jogar na cama e esquecer da minha vida de merda.


   – Deixa de ser dramático Itachi – debochei de mim mesmo enquanto estacionava na garagem do prédio que eu morava. Entrei no elevador apertando o botão para o quinto andar, me encostei na parede e suspirei fechando os olhos enquanto amarrava meu cabelo em um coque desajeitado.


   Sai do elevador caminhando em passos rápidos em direção ao meu apartamento, tirei a chave do bolso notando que a porta estava entreaberta, mas eu não teria esquecido de trancar quando sai de manhã. A pior das hipóteses que era que alguém havia arrombado a porta do apartamento.


   Entrei devagar para não fazer barulho, peguei o taco de beisebol que tinha como decoração para tentar bater na pessoa caso tivesse alguém ali ainda. Escutei um barulho vindo de dentro do meu quarto, andei até lá em passos lentos encontrando a porta do mesmo aberta.


   Eu não estava preparado para ver a pessoa que tinha virado a minha vida de cabeça para baixo nos últimos meses.


   – Naruto – chamei a atenção do loiro que pegava suas roupas que tinham ficado aqui no guarda- roupa e as colocava na pequena mochila.


   – Olá Itachi – disse sem desviar a atenção das peças – Não vai precisar usar o taco de beisebol, só estou pegando as minhas roupas que ficaram aqui.


   – Eu… Ah, como você está? – perguntei não deixando de reparar o quão bonito Naruto estava com os cabelos mais curtos, meu olhar caiu para sua mão notando que ele ainda usava o anel que eu lhe dera no início do nosso namoro.


   – Estou bem, como nunca estive antes – sorriu ácido me fazendo pensar que ele já tinha seguido em frente.


   – Tá namorando? – perguntei me encostando no batente da porta e admirando a visão que eu tive de sua bunda quando ele se virou.


    – Isso não é da sua conta! Mas, não eu não estou namorando – pegou a mochila colocando as costas e passando por mim me deixando entorpecido pelo seu perfume cítrico invadindo minhas narinas.


   – Não precisa mentir se estiver namorando com aquele cara de cachorro – falei vendo o loiro parar no meio do caminho.


   – E por qual motivo eu mentiria para você Itachi? Mas sabe, eu e Kiba já tentamos ter algo uma vez só que não deu certo e decidimos que somos melhores como amigos. Mas até hoje eu me lembro do sexo maravilhoso que tinha com ele, acho que nunca tive uma transa tão maravilhosa como a que tive com Kiba – sorriu maldosamente.


   – Eu fui só um brinquedo para você usar não é? Você nunca me amou de verdade Naruto – despejei meu rancor


   – Não se faça de vítima Itachi! Nós não somos mais o que éramos há dois anos atrás, eu te amei como nunca amei alguém na minha vida. Foram dois ótimos anos de namoro que você jogou tudo por água abaixo por causa do seu ciúmes. Por sua causa tudo terminou, você simplesmente partiu pra cima do Kiba sem nem ao menos me permitir te apresentar ele antes – deixou uma lágrima escorrer que foi rapidamente limpa.


    – Ele estava te agarrando Naruto, você não sabe o que eu senti quando vi aquela cena – gritei – Eu te amava tanto Naruto, não podia perder a pessoa que era o meu mundo – desabafei tentando controlar o choro que estava prestes a cair.


    – Eu… Talvez seja melhor assim. Adeus Itachi – se virou saindo do apartamento.


Deixei as lágrimas fluírem livremente, senti que esse era o único jeito de aliviar o aperto que sentia em meu peito depois dessas palavras que um proferiu ao outro. Caminhei em direção a mesa da sala de estar afrouxando minha gravata e me servi enchendo o copo de Whisky e me joguei no sofá adormecendo.


Acordei ouvindo batidas intensas na porta do apartamento, olhei para a parede onde tinha o relógio e me assustei quando vi que já passava das onze horas da noite. Eu tinha dormido tanto assim? Me levantei olhando para a janela vendo que caía uma chuva forte lá fora.


   – Já vai – gritei – Parei diante da porta olhando pelo olho mágico e vendo que era Naruto ali fora, um pouco molhado por causa da chuva.


   – Oi – falei em um sussurro abrindo a porta, eu não tava disposto em brigar novamente.

             

             – Tachi – sorriu fracamente pronunciando o apelido que o mesmo tinha colocado.


   – Entra – falei dando espaço para o loiro entrar.


   – Eu vim pedir desculpas por hoje mais cedo, eu tava com a cabeça quente com as coisas que meu tio tinha dito para mim.

   

   – Sem ressentimentos. Eu estive lá hoje, também acabei ouvindo muita coisa de Nagato.


   – Eu vou ir embora de Konoha – falou começando a chorar – Vou voltar para os Estados Unidos, eu não aguento mais esse lugar. Não consigo mais suportar tudo o que tô sentindo e quero me livrar disso, só que pra isso acontecer precisava te devolver isso – estendeu a mão contendo o meu anel.


  – Não – me aproximei rapidamente dele pegando em seu rosto secando suas lágrimas com os dedos – Não vá embora por favor – supliquei.


 – Eu não mereço você Itachi, olha o que um ciúmes bobo e uma conversa deixada de lado fez com a gente. Você merece alguém melhor, que te ame e maduro o bastante. Já que eu com 26 anos ainda pareço com uma criança mimada – sorriu amargamente


   – Naruto – aproximei nossos lábios sentindo sua respiração acelerar com a aproximação – Eu não sou capaz de viver sem você. Eu preciso do meu sol não aguento mais acordar sem ter você em meus braços, vamos nos dar mais uma chance de recomeçar! Por favor!


   – Eu te amo tanto Tachi, talvez eu tenha que dar mais uma chance para seus ciúmes - sorriu lindamente


   – Eu também te amo, Naru – sorri selando nossos lábios, puxei sua cintura colando nossos corpos fazendo ele arfar com o contato.

   

Invadi sua boca com a minha língua começando um ósculo cheio de saudade e por Deus como eu sentia falta daqueles lábios carnudos que eu amava morder. Amava sentir o gosto de sua boca, nossas línguas fazendo uma linda dança em meio ao beijo. Interrompi o contato por um momento e admirei seu rosto corado, seus lábios vermelhos e inchados. Nossa essa visão era a prova de que o paraíso existe sim, o Uzumaki era o meu na terra.


    – Como eu senti falta desse seu lado dominador – me olhou malicioso passando a mão em meu membro que já dava sinal de vida – Espero que você não tenha se atrevido a pegar alguém – apertou me fazendo gemer baixinho – Se não eu vou ter que castigar você, Uchiha - sussurrou a última frase em meu ouvido me fazendo arrepiar.


   – Vou te ensinar quem é que manda aqui – apertei sua bunda, pegando ele no colo e o levando ao quarto enquanto eu maltratava seu pescoço com minhas mordidas.


O joguei em cima da cama tirando rapidamente meus sapatos e minha calça, ficando apenas com a camisa social preta, a gravata cinza e minha boxer branca. Subi na cama ficando por cima de Naruto, que mordia seus lábios com a atenção voltada para meu pau que estava marcando o volume na cueca.


   – Você não sabe o quanto me deixa molhado te vendo de gravata – gemeu enquanto eu beijava seu pescoço – Tá esperando o quê para tirar minha roupa, Tachi – sussurrou em meu ouvido passando suas unhas em minha nuca subindo a mão até o coque do meu cabelo desfazendo o mesmo.


   – Por que a pressa Naru – falei entre seus lábios e descendo minha mão adentrando em sua calça e agarrando seu membro – Tão molhado, vadia – mordi seu maxilar fazendo o loiro gemer em uma mistura de dor e prazer.


   – Eu… vou acabar com você hoje – resmungou me fazendo rir, puxei sua camiseta e fiz o loiro deitar novamente na cama.


 Mordi seu lábio inferior descendo para seu pescoço, onde seu cheiro misturado ao perfume que o loiro usava me embriagava. Comecei a beijar seu peitoral descendo até seu mamilo onde contornei minha língua em volta fazendo sua pele se arrepiar, alternei fazendo isso em seus mamilos enquanto abria sua calça e a descia junto com sua cueca. Voltei a distribuir beijos e mordidas por sua barriga me fazendo sorrir satisfeito ao imaginar que na manhã seguinte seu corpo estaria cheio de marcas minhas.


   Parei de frente ao seu membro que escorria pré gozo em abundância, segurei pela base e comecei a masturbá-lo vendo o loiro revirar os olhos em prazer só com esse movimento.


   – Me diga o que você quer – minha voz saiu rouca de excitação fazendo Naruto colocar sua mão em meus cabelos forçando minha boca de encontro a seu pau.


  – Me chupa… Tachi! Me mata de prazer como só você sabe fazer – gemeu e eu sorri satisfeito.


   Chupei a cabeça de seu membro duro, o fazendo fechar sua mão em meus cabelos com força. Gemi com a leve dor abrindo a boca um pouco mais e aproveitei a oportunidade para colocar todo seu pau em minha boca.


  – Ah que boquete é esse?! Parece que tô sendo mamado por uma prostituta – me provocou me fazendo rosnar.


   – Cala a boca e chupe bem – enfiei dois dedos em sua boca enquanto voltava a engolir seu membro.


   Puxei meus dedos molhados com a saliva e os levei em direção a sua entrada já um pouco molhada com a minha baba que escorria de minha boca enquanto chupava seu pau. Enfiei os dois de uma vez ouvindo um resmungo de dor, comecei um vai e vem rápido demonstrando o que faria logo mais quando eu já estivesse dentro dele. Abri o dedos dentro do loiro em formato de tesoura tentando o alargar o máximo que conseguia, logo sentindo seu corpo tremer.


   – Goza pra mim meu amor, me dá todo esse leitinho – tirei seu pau rapidamente da boca provocando e voltando com a sucção mais forte contraindo minhas bochechas. Logo senti o loiro despejar seus jatos enchendo minha boca enquanto soltava um grito sôfrego.


   – Tão gostoso – me ergui lambendo os lábios degustando o sabor do meu homem. Fui puxado pela gravata me fazendo cair sentado na cama, o senti passar as pernas em cada lado da minha cintura sentando em meu colo.


   – Tá na hora de tirar essa roupa e me foder Tachi – sorriu abrindo minha camisa de uma vez fazendo os botões arrebentaram caindo no chão, enquanto eu tirava a gravata de qualquer jeito.


    – Tão gostoso – passou a mão em meu peitoral arranhando de leve me fazendo gemer baixinho com a sensação – E tão molhado – agarrou meu pau apertando que clamava para ser libertado da boxer fina que estava a ponto de rasgar.


   Naruto me beijou novamente, começou a descer marcando todo o meu corpo com beijos e mordidas enquanto tirava minha boxer lentamente fazendo meu pau pular para fora batendo em seu queixo. Olhou para cima me encarando enquanto sorria pervertido pegando em meu membro e me engolindo de uma vez só me fazendo gemer alto.


   – Isso… chupa o seu homem, cadela – agarrei em seus cabelos fazendo ele me engolir se engasgando - Fica de boca aberta que eu vou foder essa sua boquinha de vadia gulosa – Naruto tirou meu pau de sua boca e sorriu tão inocentemente que dava vontade de jogar na cama e o foder com força, comecei a estocar em sua boca me deliciando com o som que fazia quando o mesmo se engasgava.


   – Chega, não… vou gozar na sua boca hoje – puxei ele pelo braço atacando sua boca em um ósculo selvagem trazendo ele de volta para o meu colo.


   – Já falei o quanto eu amo você dominador desse jeito? – rebolou em meu pau me fazendo arfar - Cadê a camisinha?


   – Não tenho, usei as que tinha quando te fodi no meu escritório aquela vez – sussurrei beijando seu pomo de adão.


   – Porra Itachi, sorte sua que eu gosto de sentir sua porra dentro de mim – riu se levantando um pouco e encaixando meu pau em sua entrada.


   Comecei a entrar naquele canal quente e apertado que tentava me expulsar cada vez que eu entrava mais um pouco ganhando espaço dentro dele.


   – Ah, Tachi vai com calma, você é imenso caralho – encostou sua testa em meu ombro me mordendo quando estoquei seu canal enterrando o que faltava – Espera só um pouquinho – gemeu manhoso.


   Beijei sua bochecha enquanto afagava seus cabelos sentindo meu peito acelerar igual de uma garota apaixonada com seu primeiro namorado.


   – Eu te amo – sussurrei em seu ouvido começando a me mexer devagar sentindo seu canal me apertar me deixando louco para ir mais rápido.


   – Eu também te amo – levantou seu rosto e me deu um beijo colocando seus braços em volta do meu pescoço.


   Me virei deitando ele de costas na cama e comecei a sair e entrar em um vai e vem lento aproveitando a sensação do prazer indescritível que eu só tinha com Naruto


    – Ma...mais rápido – gemeu puxando meus cabelos. Beijei seus lábios e sai de dentro dele deixando só a cabeça do meu pau em sua entrada e voltei de uma vez fazendo o loiro arranhar minhas costas.


   – Tão… apertado – mordi o lóbulo da sua orelha enquanto aumentava o ritmo das estocadas fazendo a cama começar bater na parede – Nem parece que já te fodi tanto.

   

   – Você fala demais! Fala menos e me arromba mais com esse pau enorme – resmungou sendo desbocado como sempre.


   Sai de dentro dele olhando para a sua entrada vermelha de tanto ser maltratada.


   – Por que saiu? – rosnou me puxando fazendo eu me deitar – Tá na hora de matar a saudade de cavalgar nesse pau.


   Se tivesse que falar o que eu achava lindo em Naruto, com certeza diria que era a dança que seu corpo fazia enquanto cavalgava em mim. Me ergui abraçando o loiro e depositando beijos em seu ombro, enquanto estocava com rapidez em seu interior surrando sua próstata fazendo o quarto se encher com os nossos gemidos.


   – Eu vou… gozar – gemi em seu ouvido


    – Dentro de mim – arfou pegando em seu pau e começando a se masturbar rápido.


   Senti um arrepio atravessar todo meu corpo, depois de mais algumas estocadas e me derramei dentro do loiro enchendo seu canal com minha porra. Naruto não demorou muito, seus músculos tremeram em meus braços e eu o vi se derramando sujando nossos corpos.


   Cai para trás o levando comigo, abracei seu corpo e ficamos em silêncio só aproveitando aquela sensação pós orgasmo.


   – Eu estava com tanta saudade do seu abraço – disse o loiro com a voz rouca.


   – Eu também - apertei ele em meus braços – Você ainda vai embora de Konoha?


   – Só se você for junto – sorriu contra o meu peito fazendo meu coração saltar com aquele som gostoso de sua risada.


   – Eu tenho um pedido para te fazer. – sai da cama indo em direção a cômoda procurando uma pequena caixinha em meio às roupas.


   – Tá me deixando curioso com essa demora – reclamou me fazendo rir.


   – Fecha os olhos – pedi – E não vale espiar!


   – Tá bom chato – sorriu.


   Andei até a cama me sentando de frente a ele com a caixinha aberta contendo duas alianças douradas dentro.


   – Pode abrir os olhos – falei vendo aqueles olhos azuis se abrirem surpresos ao ver a caixinha.


   – Tá brincando com isso né? – apontou para as alianças.


  – Naruto Uzumaki, você aceita se casar com um Uchiha ciumento, mas que promete nunca te abandonar?


  – É claro que eu aceito – selou nossos lábios com os olhos cheios de lágrimas.


   – Sabe Ita – pegou em minhas mãos enquanto me encarava – Você entrou na minha vida quando eu não procurava ninguém para amar, digamos que você conseguiu entrar aqui – levou minha mão até o seu peito – no meu coração e eu nao nunca havia o aberto tão verdadeiramente para alguém. Depois do nosso primeiro beijo no banheiro do café – riu divertido - eu não parava mais de pensar em você, meu coração acelerava toda vez que te via entrar por aquela porta e sorrir pra mim. Saber que só eu ganhava esse sorriso lindo me deixava extasiado para não dizer louco. Então eu quero sim me casar com você, quero envelhecer contigo enquanto a gente observa nossos filhos crescerem, conquistando tudo o que desejarem. Eu te amo, Itachi.


   – Eu não sei o que dizer depois disso – sorri em meio às lágrimas vendo o outro sorrir também – Mas eu posso garantir que você mudou minha vida Naruto e para uma mudança muito melhor. Eu nunca imaginei que algum dia eu ficaria perdidamente apaixonado por alguém e aí você apareceu modificando tudo isso. Meus dias eram mais alegres só de ver seu sorriso e eu ficava parecendo um adolescente apaixonado sempre que te via sorrindo. Acho que isso permanece até hoje, sempre que você me dirigi um sorriso me falta ar nos pulmões. Toda manhã eu passava no café só para ver você e saber que você aceita se casar comigo, faz com que eu me sinta o homem mais feliz do mundo. Eu vou te amar até o último segundo da minha vida Naruto, você e nossos futuros filhos serão minha vida. Eu te amo – segurei em seu rosto limpando as lágrimas que escorriam pelo rosto do loiro e selei nossos lábios.


Trocamos alianças com um sorriso bobo estampado em nossos rostos e nos beijamos como se fosse a primeira vez. E talvez realmente fosse mesmo uma primeira vez. Um recomeço, onde o que importava era o amor que sentíamos um pelo o outro.

Nov. 13, 2018, 9:35 p.m. 0 Report Embed 2
The End

Meet the author

Biel Castelli "Escrever é uma maneira de viver outra vida. Muitas outras vidas." - Etgar Keret / all these bitches is my sons 🍼

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~