Crazy In Love Follow story

nieleebloom1529383755 Daniele Claudino

Um admirador secreto ou um psicopata? Louco de amor, ele vigia cada passo dela, ameaçando todos os que têm o azar de ficar em seu caminho. Se ela não for sua, não será de mais ninguém. Capa feita por: @Sapatinha1D


Fanfiction Games For over 18 only.

#psicopata #sangue #paixão #obsessão #loucura #amor #crazy #amor-doce
0
4476 VIEWS
In progress
reading time
AA Share

Intriga

1995 – Glare Town (E.U.A).



 Niele Ferraz já estava pronta para ir ao colégio quando sua mãe, Thereza, entrou em seu quarto.


— O café está pronto, querida.

— Sim, mamãe, desço num minuto. — Parada em frente ao espelho, Niele observou seu reflexo; a pele excessivamente branca, os cabelos naturalmente loiros e os belos olhos azuis como os de seu pai e de sua irmã mais velha, Eliana.

— Você está linda, querida. — Disse Thereza parando ao lado da filha e segurando os ombros dela. — A cada dia está mais parecida com…

— Com a minha irmã? — Niele encarou sua mãe, desesperada para ouvir um “sim”. Ela amava tanto sua irmã, sua maior inspiração, e fazia de tudo para ser como se lembrava que ela era, até usava algumas de suas roupas.

Thereza suspirou e exibiu um sorriso fraco. Não gostava que Niele se esforçasse para ser como Eliana, se ela soubesse como a irmã mais velha realmente era sentiria medo e não admiração pela mesma. Às vezes, Thereza se perguntava se Niele não era como Eliana porque a via refletida nela.


Após tomar o café da manhã, Niele se despediu de sua mãe e foi para o colégio. Sweet Amoris era maior do que ela imaginava, mas ela estava muito feliz de poder estudar onde um dia sua irmã estudara.

Caminhando pelos corredores, distraída, ela esbarrou em um rapaz. O pobrezinho parecia tão perdido quanto ela e deixou seus livros caírem no chão. 

— Oh, me desculpe? — Falou Niele agachando-se nervosa e o ajudando a recolher seus livros.

— Não, tudo bem. Acidentes acontecem e… Eu estava distraído. — Falou ele sorrindo sem graça.

Niele sorriu de volta para ele e reparou que por trás daquelas roupas antiquadas e daqueles óculos fundos de garrafa tinha um gato escondido.

— É seu primeiro dia também? — Ela perguntou.

— S-sim. — Ele respondeu. — Tenho que achar a sala B de História.

— Que coincidência, eu também. E se procurarmos juntos? — Ela disse.

— Ótima ideia. 

— Aliás, meu nome é Daniele Ferraz, mas pode me chamar de Niele, todo mundo me chama assim.

— Prazer em conhecê-la. Sou Kentin Maldonado. Pode me chamar de Ken.

— Ken, sinto que seremos bons amigos. — Falou Niele passando seu braço em torno do dele.


[…]



— Você tem certeza de que não gosta mais nenhum  pouquinho dela, Cass? — Perguntou Lysandre.

— Claro que tenho, Lys. O que a Diana me fez é imperdoável. — Falou Castiel com ódio.

— Mas e se… Ela parece arrependida, cara. — Falou Alexy que estava sentado ao lado dos dois.

— Arrependida uma ova… Nunca mais vou permitir que uma garota brinque assim comigo. De hoje em diante sou eu quem vai enganar em vez de ser enganado. — Falou Castiel.

— Mas nem todas as garotas são como Diana. — Falou Lysandre.

— O Lys tem razão, não é certo trancar seu coração numa gaiola assim. — Falou Alexy.

— Vamos parar com esse papo de mulherzinha que já deu, né? Sentimentos são pros fracos e eu não sou um fraco. — Disse Castiel.

— Disse o despeitado… — Provocou Alexy rindo.

— Dá um tempo, Alexy! — Falou Lysandre.

Castiel suspirou e ignorou Alexy.


Niele e Kentin entraram na sala e sentaram-se na frente de Castiel, Lysandre e Alexy. Quando viu Niele, Lysandre se encantou por ela. Castiel também se sentiu ligeiramente atraído por ela, mas disfarçou rápido quando Alexy deu um risinho insinuante.

— É aquela velha história… Nunca diga: “Dessa água não beberei”. — Falou Alexy antes de se levantar e ir sentar ao lado de Violette.

Castiel esmurrou a mesa, bravo e Niele e Kentin olharam para trás, assustados. Niele alterou olhares entre Castiel e Lysandre. Lysandre exibiu um meio sorriso pra ela.

— Estão olhando o quê, nerds? Cuidem de suas vidas se não quiserem se meter em encrenca. — Falou Castiel engrossando a voz.

Kentin foi o primeiro a se virar com medo, mas Niele encarou Castiel. Ele ficou com mais raiva. Então ela o estava desafiando? Ele se inclinou para frente, aproximando seu rosto do dela, a encarando como um lobo. Niele engoliu em seco e desviou o olhar por um segundo. Castiel riu e disse:

— Foi o que eu pensei.

— Cass… Deixe ela em paz? — Pediu Lysandre tentando manter a voz calma para não irritar mais o amigo.

— Babaca. — Resmungou Niele virando-se para frente.

— Hã? Disse alguma coisa? — Perguntou Castiel.

— Cass, cadê seu livro? — Perguntou Lysandre tentando distraí-lo.

— Livro? Que livro? — Castiel pareceu surpreso.

Lysandre revirou os olhos.

— O livro de história, infeliz… Você checou sua grade de horários? Sabe que estamos na aula de História? — Lysandre se irritou.

— Ah, é? E o seu livro que eu não estou vendo? — Castiel disse.

— M-meu l-livro? Ai, não. — Lysandre revirou sua mochila. — Esqueci! Meu deus! Esqueci meu livro! Estamos ferrados porque você é uma toupeira e eu…

— Você é um ferrado, cara. Devia tomar remédio. Sério, não é normal esquecer as coisas o tempo todo como você esquece. — Falou Castiel.

— Vou me sentar com a Rosalya, aposto que ela trouxe o livro. — Falou Lysandre levantando-se.

Castiel deu de ombros, pegou uma caneta e começou a rabiscar sua carteira. Lysandre se sentou ao lado de Rosalya, e Armin veio e sentou-se ao lado de Castiel. Castiel encarou o gêmeo de Alexy por um momento e então voltou a rabiscar a carteira. Armin colocou seu livro sobre a carteira e começou a jogar, alheio ao que acontecia a sua volta. Professor Faraize entrou na sala, apresentou-se a classe, explicou seu método de ensino e então pediu que todos abrissem seus livros e começassem com os deveres.

— Me empreste uma caneta? Acabou a tinta da minha… — Castiel sussurrou no ouvido de Niele, a deixando arrepiada. Ela suspirou. Pegou uma caneta em seu estojo e a entregou ao ruivo sem olhar pra ele. Qualquer coisa pra ele deixá-la em paz…

— Valeu. — Disse Castiel.

No fim da aula, quando os alunos estavam saindo da sala e Niele se apressava em reunir suas coisas, Castiel se inclinou para frente para devolver a caneta dela.

— Obrigado… — Ele disse e derrubou de propósito a caneta no decote dela, a caneta deslizou. — Oops. Foi mal.

Vermelha, Niele levantou-se e sacudiu sua blusa fazendo a caneta cair no chão. Ela agachou-se rapidamente e pegou a caneta. Então reuniu seus outros materiais escolares e saiu da sala apressada. Castiel riu com um misto de malícia e maldade. Nathaniel que observava a tudo não gostou nem um pouco. Algo lhe dizia que Castiel aprontaria das suas.



Niele correu para alcançar Kentin e o chamou. 

— Tenho aula de literatura inglesa agora, e você? — Perguntou ela, puxando assunto.

— Oh, que pena. Tenho aula de biologia. — Falou ele.

— A gente podia… Não sei… Alterar nossa grade de horários para fazermos as mesmas aulas. Seria legal, não seria? Não conheço mais ninguém aqui, a não ser você. — Ela disse.

— Seria sim. Podemos combinar depois na cantina. — Kentin a fitou sorrindo e distraído esbarrou em Ambre, a garota mais popular e esnobe do colégio.

— Ai! Seu leso! Olha por onde anda! — Falou Ambre furiosa.

— M-me desculpe? Sinto muito. — Falou Kentin ajeitando seus óculos. Nervoso.

— Mas é mesmo um retardado… — Ambre riu olhando Kentin de cima a baixo com desdém.

— Ele já pediu desculpas! — Falou Niele entrando na frente de Kentin e encarando Ambre com raiva.

— Defendendo o namoradinho? — Falou Ambre rindo com deboche. — Sabe… Você até que é bonitinha… Por que não deixa esse babaca e anda comigo, hein? — Ambre piscou pra ela.

Niele riu, sarcástica e disse:

— Foi mal… Mas prefiro ficar com o babaca aqui, ele tem algo que você não tem… Se é que me entende. — Ela piscou de volta pra ela.

— Você sabe quem EU sou? Claro que não sua vadiazinha estúpida, se soubesse não ousaria falar assim comigo, mas vou te ensinar que com Ambre Werner não se brinca! — Falou ela furiosa e deu um tapa em Niele. 

— Mexeu com a garota errada, idiota! — Falou Niele e deu um soco na cara de Ambre. Ambre revidou avançando contra ela. Kentin recuou depressa para que elas não caíssem em cima dele. Não demorou muito e logo um grupo de alunos cercou as duas loiras que se atracavam, mas ninguém se atreveu a tentar separá-las… Só Kentin, mas dois garotos o agarraram e o impediram de se aproximar.

— Vai, Ambre arrebenta ela! — Gritou Bia, uma das seguidoras da loira de cabelos cacheados.

— Aí novata… — Gritou Kim. — Dá uma lição nessa descerebrada!



Castiel estava sentado num banco do pátio, mascando chiclete e ouvindo Gun’s Roses em seus fones quando Lysandre veio correndo, se aproximou dele e puxou seus fones.

— Ei? O que é isso Lysandre? Perdeu a noção do perigo ou o quê? — Falou Castiel bravo.

— Ambre e a novata estão se pegando… Tá a maior confusão. — Falou Lysandre nervoso e puxou Castiel pelo braço, arrastando-o.

— Mas o que eu tenho a ver com isso? Droga. — Falou Castiel.

Quando Lysandre e Castiel chegaram onde as duas garotas estavam brigando tentaram passar pelos outros estudantes, mas ninguém deixou com medo de eles separem a briga.

— Ei, que tal apostarem também? — Falou Armin se aproximando dos dois. — Eu apostei 200 pratas na novata.

— Mas o quê…? Não! A gente tem que parar isso agora. — Falou Lysandre.

— 200 pratas? Tô dentro… Também aposto na novata. — Falou Castiel com um sorriso malicioso.


Niele agarrou os cabelos de Ambre com força e a puxou para mais perto. Então a empurrou. Ambre caiu no chão, mas levantou-se rapidamente e pulou em cima de sua oponente como se fosse uma leoa. As duas puxaram os cabelos uma da outra com mais força.


— Ei, meninas? Vamos ficar só nisso? Rasguem suas blusas pelo menos! Aff. Garotas não sabem brigar. — Falou Castiel.

— Mas que… Deliciosinha essa. — Falou Armin se abaixando só para ver a calcinha da novata.

— Vamos? Dê um soco nela, novata! Apostei 200 pratas em você, não me decepcione. — Falou Castiel.

Lysandre empurrou Armin e tentou passar por ele, mas Castiel o puxou para trás.

— Relaxa, amigo? Se a coisa ficar séria eu mesmo aparto a briga. Falô? — Disse Castiel.

— Você não tá vendo que ela tá levando uma surra da Ambre? Me solta! Eu tenho que ajudá-la! — Falou Lysandre.


Niele soltou os cabelos de Ambre e com as mãos fechadas, agitou seus braços como louca, batendo em Ambre, que se defendia como podia, tentando não ser atingida. Dois braços fortes agarraram Ambre e a puxaram para longe de Niele.

— Me solte? Ainda não acabei com essa miserável! — Falou Ambre histérica.

— Já chega, Ambre! — Falou Nathaniel, o representante da turma intervindo.

Ao perceber que era Nathaniel, Ambre se encolheu, assustada. 

— Alguém pode me explicar o que está acontecendo aqui? — Perguntou Nathaniel elevando a voz, irritado.

— Ih, o estraga prazeres… — Castiel revirou os olhos.

— Vocês não tem nada para fazer aqui! Voltem já para suas salas se não quiserem ter problemas com a diretora! — Falou Nathaniel.

Os alunos se dissiparam, resmungando. Menos Castiel, este ficou parado com os braços cruzados encarando Nathaniel como se o desafiasse a tirá-lo dali. 

— Perdeu alguma coisa aqui? — Perguntou Nathaniel nem um pouco intimidado com a pose de bad boy de Castiel.

— É… Perdi sim. — Respondeu Castiel.

— E você? — Nathaniel se voltou a Kentin que estava parado num canto.

— Foi ela quem começou a briga! — Disse Kentin apontando para Ambre.

— Cala boca, quatro olhos! — Falou Ambre cerrando os punhos.

— Não fala assim com ele! — Disse Niele levantando-se do chão e ajeitando sua saia.

— Ei? Vamos parar com isso! — Gritou Nathaniel. — Você, volte para sua sala! — Ele se voltou a Kentin.

Kentin abaixou a cabeça e obedeceu.

— Vocês duas vem comigo! — Nathaniel disse a Ambre e a Niele.

Elas o seguiram pelo corredor.

— Mandou bem novata! — Disse Castiel.

Niele virou-se para trás e viu o ruivo sorrindo, malicioso. Ela sorriu de volta antes de se virar e continuar andando.



Nov. 6, 2018, 2:53 a.m. 0 Report Embed 0
Read next chapter Qual é o desejo?

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 26 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!