Sem Mais Empates Follow story

_bmoraes13_ Beatriz Moraes

- Eu... Venci... – Disse sendo interrompido por sua respiração ofegante, o Criador o fitou, seus olhos coloridos estavam semicerrados e seu rosto estava coberto de suor, neve e sangue negro. Ink murmurou algo inaudível. - O que você disse? - Eu disse: “Isso é um empate.”... - Não é não! Eu venci! Eu que estou por cima! Ink riu com dificuldade, Error o encarou, o Pintor tinha pirado, só podia ser essa a explicação para seus atos esquisitos. - Está achando graça?! – Gritou com raiva. - S-Sim... – Disse com um sorriso. – O fato de você acreditar que venceu é hilário...


Fanfiction Games Not for children under 13.

#one-shot #error #Ink
Short tale
0
4330 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Empate

Uma coelha com seu bebê à tiracolo tropeçava em seus próprios pés enquanto corria pela rua, as casas estavam reduzidas a escombros fumegantes devido os tiros de Gaster Blasters, haviam monstros caídos nas ruas feridos, inconscientes ou em choque, muitas crianças choravam com medo, sangue e poeira impregnavam a neve, outrora branca de forma imaculável, agora tingida de escarlate e cinza.

Uma verdadeira zona de guerra.

- Não adianta fugir!~ – Cantarolou uma voz grossa que era entrecortada e vacilante como se fosse um rádio antigo com interferência, algo azul se precipitou e a coelha caiu no chão abraçada ao filhote que começou a chorar assustado com o movimento brusco.

- P-Por f-favor! – Gaguejou suplicante recuando. – N-Não nos m-machuque! – Lágrimas escorriam por seu rosto borrando sua maquiagem, a criança esperneava berrando em seus braços.

- Morra sua aberração! – Gritou sádico disparando um Blaster na direção da mãe com seu filho, ela abraçou sua criança numa tentativa de proteger o pequeno com seu corpo, mas o tiro não a acertou, a mãe abriu os olhos receosa e ofegou surpresa ao ver um esqueleto de roupas em tons pastéis com um pincel gigante na sua frente, havia uma muralha negra e pegajosa protegendo-os dos tiros.

- Corra! – Gritou virando o rosto para encará-la. – Não vou segurá-lo por muito tempo!! – A urgência em sua voz e o medo foram os combustíveis suficientes para que a coelha se levantasse e saísse correndo para bem longe, uma cadela se juntou a ela, provavelmente era sua esposa.

- Eu esperava tudo de você! – Disse em reprovação desmanchando o escudo de tinta. – Mas atacar mães com filhotes indefesos?! Golpe sujo, Error! Golpe sujo!

- Finalmente você apareceu! – Sorriu o Destruidor de maneira insana. – Achei que teria que destruir mais dois AUs para você dar as caras!

- Pare de destruir este Universo! Estou aqui como queria! Deixe esses pobres monstros em paz!!

- Belas palavras, Ink, mas... Nah. – Ele estalou os dedos e vários Gaster Blasters surgiram cercando os aldeões remanescentes.

- Não! – Gritou o Criador teleportando-se, uma enorme barreira de tinta viscosa se formou ao redor dos cidadãos no exato momento em que os tiros foram disparados.

Com um movimento de mão o escudo explodiu, ao entrar em contato com os Blasters, a tinta ferveu e se transformou em ácido, derretendo-os.

- Cuidado!! – Alguém gritou, mas já era tarde, os fios azuis agarraram firmemente os tornozelos do Pintor e o jogaram no chão com força várias vezes, por fim o jogaram contra uma parede que tinha resistido bravamente ao fogo e a destruição.

O Destruidor esperou o Criador se levantar para continuar a luta, mas este permaneceu imóvel no chão, Error, então, sorriu vitorioso preparando um ataque final para acabar de vez com seu inimigo.

- Deixe ele em paz! – Uma pedra acertou o rosto do Destruidor fazendo-o recuar com dor, mais gritos irados vieram e uma saraiva de escombros choveu sobre Error, os habitantes daquele Universo estavam contra atacando.

- Senhor? – A mesma coelha de antes se aproximou do esqueleto inconsciente, ela o sacudiu com delicadeza. – Acorde! Por favor!

O Criador permaneceu imóvel, após vários minutos e suplicas da fêmea, ele gemeu com dor acordando, Ink esfregou o crânio fraturado sentando-se com dificuldade, a coelha suspirou aliviada.

-P4R3m c0M 1Ss0! – Urrou Error criando um escudo com um Blaster.

- Escute aqui. – Murmurou o Pintor puxando a coelha para mais perto. – Pegue esse orbe e o jogue no chão quando chegar perto dos outros, isto vai abrir um portal para um Universo seguro. – Sussurrou entregando uma esfera colorida do tamanho de uma bola de tênis, que parecia ser feita de vidro de tão lisa que era sua superfície.

- Mas e a nossa casa? – Questionou.

- Tudo vai voltar ao normal, apenas fuja. – Pediu usando seu pincel para se apoiar com dor, Error estava pegando pesado dessa vez.

- Boa sorte. – Disse a coelha antes de sair correndo na direção dos outros cidadãos.

Error ergueu a mão criando um enorme Blaster, os aldeões congelaram assustados com a visão daquele ser.

- M0rr4M!!! – Gritou insano, mas algo se chocou contra ele, o Destruidor foi arremessado para o chão.

- Agora! – Ele ouviu o Criador gritar e um som de algo se partindo em mil pedaços ecoou, um enorme vórtex colorido surgiu e os aldeões começaram a entrar no portal com pressa.

N40!! – Berrou o Destruidor, ele quase se pôs de pé, mas algo trombou com ele, o jogando no chão de novo, Error sentiu alguém sobre si segurando seus pulsos com força, mais glitches invadiram seu corpo, ele odiava ser tocado. – Saí de cima de mim, porra!

Ele tentou afastar o Criador , mas o pequeno, mesmo não sendo tão forte quanto sua contraparte, conseguiu se manter sobre ele.

- Pare Error! – Gritou o menor.

Ink desviou sua atenção por um segundo para ver se todos haviam escapado em segurança, tempo suficiente para Error lhe acertar uma cabeçada, a pressão sobre seus pulsos diminuiu e o Destruidor jogou o Criador para longe com um doloroso chute na bacia.

- Arght... – Fez Ink com uma careta de dor se levantando, mas não ficou muito tempo de pé, pois o Destruidor o agarrou com suas linhas e o arremessou contra o chão, o Criador sentia que iria apagar a qualquer minuto, mas obrigou seus braços fracos e feridos a sustentar seu corpo enquanto se levantava, ele olhou ao redor procurando por seu pincel, mas não o viu em nenhum lugar.

- Procurando alguma coisa, nanico? – Error surgiu do nada na sua frente e o acertou no rosto com o pincel.

Ink cambaleou cego do impacto por um momento, Error derrubou ele novamente enquanto invocava um osso, ele se jogou contra o Pintor tentando enfiar a arma afiada no crânio do adversário, mas o Criador não se rendeu e segurou a mão do Destruidor, a ponta afiada estava a centímetros de suas órbitas.

- E-Error... – Disse com dificuldade devido o esforço. – Não precisa... Ught... Ser assim...!

- Cale a boca! – Respondeu impondo mais força, Ink gemeu dobrando seus esforços, mas ele já estava em seu limite.

- Me desculpe... – Murmurou, a força enfraqueceu um pouco enquanto o Destruidor o fitava em notória confusão.

- Pelo quê?

- Por isso! – O Criador deu uma joelhada no cóccix de Error, que soltou um gemido de dor, Ink aproveitou a chance e o empurrou para longe, agarrou seu pincel e desenhou um portal no chão para escapar, ele não conseguia lutar mais, estava muito ferido e cansado, de repente um grito irado veio de trás do Pintor, que se virou, tendo o rápido vislumbre do Destruidor correndo em sua direção.

- Ink! – Urrou Error esbarrando no Criador, Ink tossiu sangue quando a ponta do osso se afundou em suas costelas, ambos perderam o equilíbrio e caíram no portal, que se fechou após sua passagem.

Eles despencaram de uma altura considerável antes de seus corpos acertarem o chão com um baque dolorido no meio do vazio do Anti-void.

- Ughnn... – Gemeu Error de olhos cerrados zonzo pela queda e pela viagem, com esforço ele tentou levantar, mas sua perna estalou e ele caiu no chão gritando de dor, com os olhos marejados, ele examinou sua perna que estava quebrada. – Merda! – Xingou.

Ao seu lado, alguns metros distante, estava Ink que engasgava com um líquido escuro, uma poça negra se agiganta embaixo de si.

Era o sangue de tinta dele.

Error se arrastou até o adversário com dificuldade, sentou-se sobre o Criador e começou a apertar sua garganta, mesmo que não tivesse força o suficiente para executar o ato de maneira efetiva, apenas o fazia para mostrar sua superioridade.

- Eu... Venci... – Disse sendo interrompido por sua respiração ofegante, o Criador o fitou, seus olhos coloridos estavam semicerrados e seu rosto estava coberto de suor, neve e sangue negro. Ink murmurou algo inaudível.

- O que você disse?

- Eu disse: “Isso é um empate.”...

- Não é não! Eu venci! Eu que estou por cima!

Ink riu com dificuldade, Error o encarou, o Pintor tinha pirado, só podia ser essa a explicação para seus atos esquisitos.

- Está achando graça?! – Gritou com raiva.

- S-Sim... – Disse com um sorriso. – O fato de você acreditar que venceu é hilário...

- E o que te faz pensar que não venci?! – Vociferou apertando com força seu pescoço arrancando um gemido do menor.

- É apenas uma luta das milhares que já travamos e que ainda vamos travar...

- Não se eu te matar primeiro. – Disse com uma voz assustadora, Ink sorriu levemente.

- Tem razão, mas o que você vai fazer se me matar e depois destruir todos os Universos? Sentar no Anti-void e tricotar?

- Não, eu vou assistir Undernovela.

- Como se destruiu seu Universo?

- Então eu não o destruo...

- E Underfell? Você vai ficar sem seus chocolates afanados...

- Cale a boca seu arco-íris ambulante!! – Gritou frustrado, Ink podia ter um pincel gigante, mas sua maior arma era a língua.

O Criador se moveu, Error apertou sua garganta mais ainda.

- Calminha, Ruru, só ia fazer uma ligação... Droga... – O Pintor encarou descrente o celular quebrado que tirara do bolso. – Deve ter quebrado na hora em que caímos.

Error saiu de cima dele e sorriu se apoiando apenas em uma perna com dificuldade.

- Adeus, aproveite seu tempo desfrutando de sua Monofobia... – Riu estalando os dedos para criar um portal, mas o portal não apareceu e ele gritou de dor caindo de joelhos segurando a cabeça enquanto agonizava.

- Você usou magia demais, idiota... – Riu Ink. – Você vai ter que ficar aqui e comigo... – Um enorme sorriso travesso surgiu em seu rosto.

- Nunca!

- Você não pode andar!

- E você não pode se mexer!

Eles ficaram em silêncio por um longo período de tempo.

- Bem... – Murmurou o esqueleto menor chamando a atenção do outro, ele arrancou seu cachecol expondo suas tatuagens, com cuidado e dificuldade, ele enfaixou suas costelas para estancar o sangramento. – Creio que não vai se importar se eu descansar um pouco, não? – Perguntou se ajeitando numa posição confortável com alguns gemidos estrangulados de dor.

- O quê?! Você não tem medo que eu te mate?!

- Estamos cansados demais para isso... Deixe para a próxima luta... – Murmurou.

Error encarou o Pintor descrente, logo Ink pareceu relaxar e sua respiração se tornou estável, estando dormindo ele não tinha consciência de que não poderia disfarçar sua dor, que veio como pequenas lágrimas e um cenho franzido em uma leve careta de sofrimento.

O Destruidor o encarou por alguns minutos, então ele suspirou e se deitou no chão colocando os braços atrás da cabeça admirando as linhas penduradas no "teto" do Anti-void.

Logo ele também estava dormindo, pois deveriam estar descansados para a próxima luta, e esta que não se demorasse, pois o Destruidor ansiava sua vitória plena. Sem mais empates.

Nov. 3, 2018, 3:01 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Beatriz Moraes Meus personagens sofrem com um grande sorriso no rosto, pois sabem que não há felicidade sem dor. Na verdade eles não só sofrem, como também vão até o Inferno e voltam. (De acordo com a Leeh, essa diva :v) Podem me chamar por Møry. Minhas histórias contém muito sadomasoquismo contra os leitores, junte-se ao bonde da LEMONada por sua própria conta e risco. Respondo todas os comentários, não precisa ficar recluso, não mordo (tão forte :3). Estou no Wattpad, Spirit e Nyah! Fanfiction também!

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~