Forever Follow story

babylovers Babylovers

Será o destino? O destino sempre é traçado e ninguém pode mudar, nem mesmo Jongdae ao fugir de seus sentimentos. JongDae agora corre atrás do tempo perdido. Do tempo em que sentiu medo de algo tão bobo. Byun Baekhyun, apesar dos anos, nunca conseguiu deixar aquele sentimento em seu peito de lado. O amor da infância, ainda era o seu atual amor. A vida da volta e mais voltas, mas o destino decidiu mante-los juntos. Isto num presente que nunca imaginaram um dia poder acontecer.


Fanfiction Bands/Singers For over 21 (adults) only. © Todos os Direitos Reservados

#soulmates #romance #chenbaek #chen #baekhyun #exo
2
4467 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Motivos

" — Byunnie, o que você quer ser quando crescer? 

— Eu? Eu ainda não pensei nisso, hum... Eu vou querer ser sua esposa!

— Esposa? - falava o outro menino espantado.

— Sim Chen-sshi! Eu vou ser sua esposa! - sorria, um sorriso brilhante e alegre por finalmente ter pensado em algo que realmente queria muito.

Chen sorria também, afinal assim poderiam ficar para sempre juntos igual sua mamãe e seu papai. Segurou na mãozinha pequena do mais novo e levantaram do balanço que se encontravam. ”

 

Baekhyun acordava mais um dia com um sorriso no rosto, sonhara mais uma vez com aquele momento de sua infância, o momento que o fez mais feliz, pois depois daquele momento pode ficar cada vez mais perto do seu primeiro amor, mesmo que de infância! 

Os anos lhe fizeram muito bem na aparência, mas no amor não, pois apesar de ainda guardar aquele sentimento por muitos anos, Chen não estava mais presente em sua vida, ele o afastara de si na medida em que crescia, e aquilo o entristecia, ele o prometera que estaria ao seu lado para sempre e ele não foi capaz de cumprir com o que prometera, e Byun Baekhyun era uma pessoa em que sempre, sem dúvida alguma cumpria com suas promessas.

Exatamente em sua adolescência foi que Kim Jongdae o abandonou, não sabia e até hoje não entendia o real motivo de tal fato ter acontecido. Ele não o tratou mal, ou o humilhou, simplesmente o afastou. Desde criança quando se conheceram se sentiram atraídos um pelo outro, com apenas uma pequena troca de olhar na escolinha que acabaram frequentando juntos com seus 5 anos de idade. 

 

"Baekhyun andava por um corredor segurando na mão de sua mãe, seu rostinho com um coloração rosada, devido a vergonha que sentia. Não era muito social e sentia vergonha de tudo, somente quando estava com sua mãe em casa que não era dessa forma. Ao entrar em sua sala juntamente com outras crianças não deixou de se esconder atrás da Senhora Byun.

A mulher que até então estava em sua frente, abaixou-se na altura de seu filho deixando um sorriso aparecer entre seus lábios e formando pequenas meia lua em seus olhos.

— Meu porquinho Byun, não se preocupe, hum? Mamãe promete que você vai se sair bem, e logo, logo vai arrumar um amiguinho para brincar e conversar muito! - falava a mulher passando confiança para aquele pequeno ser a sua frente. — Prometo de dedinho mindinho! - Seu sorriso fora imenso de acordo com o sorriso brilhante que recebera de seu filho e um concordar de cabeça do pequeno.

O pequeno Byun sabia que quando sua mãe prometia de dedinho mindinho era porque era sério, então concordou com o que ela lhe prometera. Ao finalmente entrara na salinha depois de sua mãe ter deixado um beijo em sua cabeça e falado com sua professora que já se encontrava na sala, sentou-se em uma das cadeirinhas mais afastado dos outros e perto de um menino de cabelos um pouco compridos e castanhos, deixou sua mochila em baixo de sua carteira.

— Meu nome é Kim Jongdae, e o seu? 

Baekhyun assustou-se com a fala repentina do outro, virando-se rapidamente de frente para o outro com seu rosto corado.

— O-O quê? - falou com suas bochechas rosadas.

— Kim Jongdae e o seu?  - o menino falou sorrindo alegremente.

— B-Byun B-Baekhyun! - falou de forma acanhada."

 

E como sua mãe prometera, ele realmente fizera um amigo, e que com algum tempo depois se tornou amor. 

Baekhyun sacudiu a cabeça retirando aquelas lembranças de sua mente levantando-se da cama rapidamente indo direto para o banheiro, estava atrasado mais uma vez para o trabalho, ele fazia estagio no escritório de advocacia de seu pai durante o dia e fazia faculdade de direito à noite. Era corrido o seu dia e apesar de fazer algo de família, sempre quis trabalhar naquela área, seus pais nunca o obrigaram a fazer aquele curso, pelo contrário, sempre deixaram que ele escolhesse o que queria para seu futuro, a alegria do senhor Byun ao receber a notícia de que ele seguiria com o negócio da família por vontade própria, o deixara completamente contente.

Após fazer sua higiene matinal e tomar seu café da manhã rapidamente, correra até o escritório de seu pai, que não ficava muito longe de seu apartamento, chegando a recepção de forma ofegante.

— Atrasado mais uma vez senhor Byun! - A secretária que ficava na recepção reprendera mais uma vez aquele jovem naquela semana. - Já é a quarta vez seguida, somente essa semana. - continuava a repreensão. - Seu pai está te aguardando na sala. - finalizou suspirando. 

— Desculpe mais uma vez Senhora Lee! Eu... Avise meu pai que já cheguei, por favor. Obrigado! - curvou-se em forma de respeito diante daquela senhora de apenas 32 anos de idade e que trabalhava há bastante tempo com o seu pai. 

Correu mais uma vez em direção ao escritório do seu pai, ele iria matá-lo, pois mais uma vez chegara atrasado, porém não tinha culpa de sonhar com seu antigo amor e depois ficar divagando sobre, apesar de que aquilo o deixava bastante feliz. Pelo menos em sonho perderia tê-lo perto de si mais uma vez.

Ao chegar à porta da sala, parou e respirou fundo deixando o ar sair por entre suas narinas de forma densa, acalmando seu corpo e seu coração pelo esforço físico que fizera ainda há pouco. Após acalmar-se, abriu a porta olhando para o chão esperando mais uma bronca pelo atraso.

— Pai, me des... - a frase morreu em sua boca, depois de levantar sua cabeça em direção ao senhor sentado atrás de uma mesa grande amontoada de papéis, e perceber mais uma pessoa ali naquele local, e ainda mais aquela pessoa que não via a mais de três anos. - C-Chen. - sussurrou baixinho o apelido do outro ficando paralisado na porta.

Olhava de seu pai a Jongdae, sem entender o que ele fazia ali, bem vestido.

— Baekhyun! Mais uma vez atrasado! Você mora aqui perto e mais uma vez essa semana está atrasado! - Seu pai exasperou-se sem se importar com o outro ser, presente ali na sala. Suspirou cansado deixando o sermão para depois. — Aproxime-se. - ordenou. — Creio que não é necessário apresentações. Bom, hoje Jongdae estará começando a trabalhar aqui como estagiário.

Baekhyun estava estático, apesar de ter sentado na poltrona ao lado do mais novo. Jongdae era mais novo do que Baekhyun por apenas alguns meses de diferença. Escutava tudo que seu pai dizia, e não acreditava que estaria trabalhando ali. Depois de anos estaria perto dele novamente. Perguntas passavam por sua cabeça: "Será que seremos amigos mais uma vez?" "Será que ele vai me querer por perto?" "Meu Deus! Ele realmente está aqui?". 

— Você está bem Byunnie? - Chen se pronunciava finalmente depois da entrada do outra à sala. 

Baekhyun levantou-se rapidamente da poltrona, fazendo os outros presentes se assustarem.

— E-Eu... Eu preciso ir... Minha sala. - falou de forma rápida.

Saiu correndo para sua sala, trancando-se lá. Respirou fundo, pois queria gritar. Como assim? Seu pai contratou sua paixão antiga e ainda atual. E o pior era que ele sabia disso. Encostou a cabeça sobre a sua mesa de trabalho pensado em tudo que sonhara e que sentia desde pequeno, deixando aquele sentimento forte vir à tona novamente, apesar de amar muito ainda a Jongdae, esses anos longe fez com que pudesse controlar seus sentimentos, mas agora como faria para controlar com ele ao seu lado? Seu rosto fervia em vergonha, não era mais aquele garoto que tinha vergonha de tudo, mas continuava a sentir-se assim na frente do mais novo. 

Toques na porta foram ecoando pelo local, isso não fez Baekhyun mudar de posição, ele apenas murmurou um:  " pode entrar " mesmo sem saber quem era, achava ser seu pai ou a senhora Lee, mas ao ouvir um riso baixo bastante conhecido por si, assustou-se levantando rapidamente a cabeça de forma descuidada, levando a bater na parede atrás de si.

— Ai! Huumm.. - choramingou sentindo a parte traseira de sua cabeça doer. 

— Você ta bem Byunnie? - perguntou após cessar o riso, ao perceber que realmente estava doendo. — como sempre descuidado, hein. - falou com um sorriso no rosto aproximando-se do mais velho, começando a massagear o local atingido.

— Hum, idiota! - murmurou Baekhyun. Seu rosto retomando uma coloração rubra ao ver o outro massagear o local com tanto carinho. — Chen... Porque você se afastou? - perguntou baixinho, não sentindo mais a mão do outro em seus cabelos.

Jongdae mantinha-se estático ao lado do mais velho com a pergunta que fora feita a si. Sabia exatamente sobre o que o outro estava falando. Deixando um suspiro cansado. Teria que responder honestamente, mesmo tendo acabado de reencontra-lo, queria se aproximar novamente.

— E-eu... Foi por medo. - falou fechando os olhos. — Medo de te amar.

— Como assim? - Ainda estava incerto, mas estava calmo, sempre pensou que quando esse momento acontecesse não estaria tão calmo como estava no momento.

Chen se moveu em direção à cadeira em frente à Baekhyun que o olhava de forma séria e até um tanto esperançosa, sentando-se nela.

— Exatamente isso que lhe disse, medo de te amar. Quando nos conhecemos há 17 anos, eu me senti atraído por você, mas como éramos crianças, eu não sabia o que era aquilo. - fez uma breve pausa, vendo o outro concordar com a cabeça em entendimento. — Quando perguntei a você o que seria quando crescer, você lembra o que me disse?

— Sim... Eu lembro. Eu falei que queria ser sua esposa. - falou baixinho, seu rosto novamente corando, e o mais novo nem imaginaria que o que o fez atrasar hoje para o trabalho, fora exatamente essa lembrança em forma de sonho.

— Sim! Bom aquilo me deixou muito feliz, sabia? - apoiou seus braços em cima da mesa. — Pois eu sabia que daquela forma nós ficaríamos juntos para sempre, mas eu não entendia o que sentia. E quando fomos para o fundamental sempre queria está perto de você, e quando fomos descobrindo sobre sentimentos e essas coisas nos decorrer dos anos, me assustei com o sentimento que tinha por você. Imaginava que era por sermos amigos há muito tempo. Mas era muito mais que isso, eu tinha me apaixonado por você, e isso me deixou muito, mais muito assustado e eu sabia que se eu continuasse perto de você não teria mais volta. Então passei a te deixar de lado, eu me sentia mal por isso, te ignorar e ver você sofrendo por isso sem entender o motivo me machucava mais ainda, e foram anos dessa forma, até mesmo quando nós formamos no colégio e você veio me desejar os parabéns, eu fui frio com você, e a tristeza em seus olhos me doía muito. Eu não sabia sobre seus sentimentos, quero dizer ainda não sei, pois não te dei a chance de falar nada na faculdade quando você veio conversar comigo com o olhar de determinação. E eu te falei que não queria mais ficar perto de você, e que estava com alguém que gostava de verdade, e que iria me casar com ela. - o olhar marejado de Baekhyun ao relembrar aquele dia, fez com que Chen segurasse a mão dele apertando forte. — Me desculpa Byunnie, eu realmente estava com uma garota, mas eu não a amava, e nem iria me casar com ela, pois meu coração já tinha dono, eu tentei, e até me mudei, pois eu não aguentava ver seus olhos marejados como estão agora. - falou limpando as lágrimas que queriam sair dos olhos do mais velho. — Sabe, eu voltei agora, voltei porque cansei de tentar me iludir, de fugir do que sinto por você. Eu te amo, e fui um idiota por fugir, eu não sei se você me ama da mesma forma, se me amou, mas eu estou aqui, e sinto que você é meu destino, o meu para sempre.

Nov. 1, 2018, 5:31 a.m. 0 Report Embed 0
Read next chapter Cartas sobre a mesa

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 1 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!