Melhor Amigo (Imagine Park Jimin) Follow story

melindaclemente Melinda Clemente

"Park Jimin é o melhor amigo que qualquer garota poderia sonhar: Carinhoso, gentil, o melhor acompanhante de compras em um feriado entediante e o melhor, era incrivelmente bonito, o que sem dúvida alguma, qualquer pessoa se sentiria sortuda por estar ao lado dele. Entretanto, Jimin era um terror quando se tratava de provocar a sua melhor amiga, e, na maioria das vezes, ele ia longe demais. ” |imagine bts| |imagine park jimin||universo alternativo| |amor platônico||amigos de infância| |park jimin x você| |imagine sem s/n| |bts saga "sete por um" 03/07|


Fanfiction Bands/Singers Not for children under 13.

#chocolate #adulto #adolescente #ficção #melindaclemente #drama #shoujo #fanservice #humor #feminina #258 #platonic #amigos #amor #amizade #kpop #imagine #leitor-personagem #chicklit #imagineparkjimin #parkjimin #jiminbts #btsjimin #imaginebts #btsimagine #bts
Short tale
12
5733 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

N/A: antes dos avisos importantes, sempre é bom deixar a propaganda: "Se você está procurando um imagine suave, interativo, onde você possa realmente se sentir como a personagem principal, você encontrou a imagine que queria! Fiz meu melhor para evitar todos os termos iguais ou semelhantes a 's/n' para que assim os leitores realmente possam 'imaginar-se' dentro do contexto, UM IMAGINE SEM S/N te espera."

Mas antes de lerem, por favor, UM AVISO SOBRE A HISTÓRIA:
este é o TERCEIRO imagine de uma sequência/saga, ele, claro, pode ser lido individualmente porém, provavelmente perderão boa parte das referências e conexões que estarão presentes das histórias anteriores, principalmente nesta história em particular (entrem no meu perfil para ter acesso as histórias anteriores). E, caso tenha interesse, continue me acompanhando, e veja o desenrolar da saga, e caso tenha outro bia que não seja este, não fique desanimado(a), já que outros virão na sequência.

Tenham uma boa leitura

(***)

O trânsito agitado que se passava do outro lado da janela estava um caos. Em alguma outra situação, eu estaria completamente indiferente a esse cenário, se ele não se assemelhasse tanto a tudo que acontecera comigo nestes últimos dias. Coisas que vieram de modo tão repentino e de forma tão perturbadora que mal tive tempo de digeri-las, o que obviamente deixou minha mente uma verdadeira zona.

 

"Será que posso saber por que essa moça bonita está tão tristonha?" Ao meu lado, dirigindo o carro em que estávamos Jimin me perguntou sorridente, desfazendo assim a expressão preocupada que tinha desde que fora me buscar no aeroporto neste final de tarde. E não posso se quer culpá-lo, já que mal abri a boca desde que entrei no carro. "Ah, qual é....?" Ainda forçando sua expressão sorridente me cutucava no braço com o seu cotovelo. "Te dou um prêmio pelos seus pensamentos."

 

Esbocei um sorriso resignado depois de alguns segundos, realmente seria injusto me fechar desta forma justamente com meu melhor amigo.

 

"Se o prêmio for aquele x-tudo da lanchonete d'esquina com sua casa, eu posso pensar no caso..." Falei tentando parecer um pouco mais animada ao ver Jimin gargalhar ao aceitar minha proposta enquanto acelerava um pouco mais o carro.

 

(...)

 

O lugar estava cheio como sempre. O cheiro de fritura misturado com presunto defumado estava impregnado por todo o lugar, a música do bar ao lado estava tão alta que tínhamos que gritar para ser escutado pela pessoa ao nosso lado, porém, o grito que Jimin dera acabou sendo alto o suficiente para que boa parte das pessoas ao redor virassem curiosas em nossa direção.

 

"Como assim aquele idiota teve a coragem de falar com você?" A batida firme que dera contra a mesa de plástico evidenciou ainda mais sua irritação, como se seu grito não tivesse chamado atenção o suficiente.

 

"Jimin! Será que não dá pra falar mais baixo?" Reclamei ainda de boca cheia enquanto tentava desengasgar do susto pela reação exagerada por parte dele. "E se acalma, 'tá legal? Não é como se ele fosse meu ex-namorado ou algo do tipo..." Continuei falando ainda mais baixo, quase que aparentando estar envergonhada por pensar em tal possibilidade.

 

"Como eu vou me acalmar?!" Voltou a gritar, e as pessoas voltaram a nos olhar novamente, já até podia ouvir cochichos sobre estarmos tendo uma briga de casal. Olhei de forma reprovadora para aquele imbecil escandaloso a minha frente, até que ele fizesse menção de baixar seu tom de voz. "... Como você quer que eu me acalme?!" Voltou a indagar em cochichos, num tom que chegou perto de uma ameaça raivosa. "É melhor você explicar isso muito bem lá em casa, mocinha!" Ditou já se levantando para ir, balançando seus quadris de uma forma estranhamente pomposa até a saída, em outra situação eu até riria do seu jeito afobado, se não desse de cara com aquela expressão carrancuda de bebê sem sobremesa que estava prestes a me dar um sermão. Aquela seria uma longa noite e soube que x-buger era muito pouco para a dor que seria explicar tudo para aquele cabeça-dura super protetor.

 

(...)

 

Eram 10hs da noite. Minha pessoa já deveria estar descansando da longa viagem que acabei de voltar; tomando um bom chocolate quente, talvez, e sendo mimada como uma rainha pelo meu melhor amigo que ficara dois longos dias sem minha digníssima presença, mas, ao invés disso, aqui estou eu: desconfortavelmente sentada num sofá - que não é tão desconfortável assim - enquanto Jimin - o cara que deveria estar me mimando neste exato momento - me encarava com a maior cara fechada do mundo.

 

"Não vai falar nada?" Perguntei por fim, tentando parecer o mais séria possível - o que era uma tarefa um pouco difícil, já que, quem levaria algo a sério com um marmanjo sem camisa se fazendo de zangado, mas que na verdade parecia um bebê irritado e um pouco dengoso?

 

"Não sou eu que devo algum tipo de explicação, não é mesmo?" Indagou parecendo estar fazendo deboche e cruzou os braços, e eu literalmente não estava acostumada com esse seu lado. "O que aconteceu?" Cobrou e fechou sua expressão novamente.

 

"Eu já te disse: Não aconteceu nada!" Respondi impaciente, ninguém me avisara que eu teria que lidar com um Jimin rabugento tão cedo. "E por favor, para de aludir como se Teahyung e eu tivéssemos sido um tipo de casal? Você não cai bem nesse papel de pai ciumento e super protetor. Aliás, por que está dando tanta atenção a essa bobagem?!" Acabei por cruzar meus braços também.

 

"Traição." Pausou por alguns segundos, parecendo digerir minhas palavras. "... Independentemente do tipo de relação que tiveram, não deve ser tratada como bobagem." Concluiu, como se tivesse chegado ao melhor dos argumentos.

 

"Isso aconteceu há muito tempo! Eu.... Eu já esqueci..." Hesitei, sabendo que não parecia estar segura do que afirmava. ".... Faça o favor para nós dois e esqueça disso também..." Finalizei meu último argumento da forma mais suave que conseguia sem que minha voz falhasse.

 

Ficamos em silêncio por algum tempo, pude sentir que ele finalmente tinha me ouvido, estendi minhas mãos a sua frente, até que eles as segurou e me olhou de volta.

"Creio não poder te prometer isso com certeza." Falou depois de soltar um rápido suspiro, apertando suas mãos as minhas assim que me acompanhou com um sorriso rendido. "Mas..." Seu sorriso sumiu. "Uma coisa que tenho certeza é que não serei capaz de esquecer como a vi naquele dia... O que senti ao encontrá-la daquela forma." Jimin se aproximou mais. "O que senti enquanto você chorava e eu a consolava em meus braços e como..." Senti suas mãos subirem sobre meus braços, porém tanto como estancou ao chegar sobre meus ombros pude notar como cortara sua própria fala. Seus olhos se desviaram de mim por alguns milésimos antes de voltar a falar. ".... Como.... Sofreu por causa dele." Senti-o apertar levemente meus ombros enquanto inspirava profundamente. ".... Isso eu não conseguirei esquecer."

 

Jimin me olhava com uma expressão tão abatida que não pude questionar mais nada, só me senti ainda mais culpada por fazê-lo se preocupar tanto comigo.

 

(...)

 

Park Jimin era meu amigo desde o jardim de infância, sua personalidade meiga como super protetora já se destacava naquela época: me tratando feito uma boneca de porcelana – mesmo que fosse ele que se parecia como tal – e me protegendo das crianças encrenqueiras e fazendo tudo que eu pedia, pelo simples argumento da nossa brincadeira de criança: ele sendo "um ótimo príncipe encantado fazia o melhor para mim, sua preciosa princesa" e por algum motivo, ele sempre levou isso muito a sério, mesmo sem eu se quer lembrar de quando essa brincadeira começara. Crescemos e ficamos mais maduros, nossos gostos se desenvolveram e por temos coincidentemente tanto em comum, ficamos cada vez mais próximos.

 

No ensino médio - quando conheci Taehyung - Jimin fora o primeiro a me alertar sobre ele, para não me aproximar, entretanto, vi que ele tivera razão tarde demais.

 

Agradeço tanto por ele ainda estar ao meu lado, por tudo que aguentou, que não pude fazer nada a não ser ficar ainda mais próxima dele. Tanto que após a faculdade – uma época que não me orgulho muito – decidimos permanecer na capital – porém, não no mesmo prédio, já que nem de longe eu teria condições de se quer pagar um terço que Jimin paga por este apartamento de luxo.

 

E por tudo que ele suportou por mim, não posso o privar da preocupação excessiva quando soube que encontrei com uma das pessoas que mais me abalaram.

 

"Acredite em mim." Falei, querendo me mostrar positiva. "Não aconteceu nada. E nem vai acontecer." Confirmei, passando as costas de minhas mãos suavemente sobre seu rosto, desejando que ele tranquilizasse o quanto antes possível. "Agora, o mais importante..." Esbocei um sorriso ao lembrar como animar o ambiente novamente. "... E o meu chocolate?" Não resisti em apertar aquelas bochechas cheias quando ele me olhou confuso. "Não acredito que esse príncipe esqueceu que minha digníssima pessoa precisa de seus mimos?!" Assistia seus olhos se comprimirem enquanto uma gargalhada ecoava pela casa e não demorou até que os braços alheios se envolvessem em minhas costas, formando um abraço.

 

"Mas agora não vai ser possível, grande majestade." Sorria ao falar. "Pois estou com muitas saudades!" Me apertou entre seus braços. "E não conseguirei livrá-la tão cedo deste seu príncipe carente por atenção." Não pude deixar de gargalhar ouvindo um Jimin que insistia em falar de uma forma ridiculamente pomposa e mimada ao meu ouvido. Porém, com um pouco de esforço – e muita força de vontade, para querer sair por conta própria daquele peitoral firme e braços macios demais para minha sanidade mental – pude sair daquele sofá.

"Deixe, que eu mesma irei fazer, seu carente irreversível." Afastei do seu encalço e segui para a cozinha.

 

(...)

 

Eu estava picotando o chocolate na mesa contrária a entrada do cômodo quando senti duas mãos abraçarem minha cintura.

"Ainda não acredito que Vossa Alteza irá realmente preparar algo, com essas delicadas mãos, para este pobre plebeu." Jimin falava em tom zombeteiro enquanto apoiava seu queixo sobre meus ombros. "Você não planeja me envenenar, não é?" Provocou, soltando um sorriso pelo nariz.

 

"Para a sua informação..." Bati em suas mãos para que as mesmas se afastassem de minha cintura, me sentindo levemente incomodada com o fato de não desgostar dele estar sendo tão pegajoso quanto Jungkook. "Eu não guardo rancor... Como certas pessoas..." Não pude segurar o riso. "E me orgulho de saber cozinhar muito bem." Me virei para ele. "E segundo, se fosse para comparar nossa conta bancária, você teria muito mais chance de ser parte da realeza do que eu." Fui em direção a geladeira, pegando de lá o creme de leite e chantilly.

 

"Tanto faz..." Falou indiferente, como se seu salário mensal fosse pouca coisa. "O que importa é que" Pausou, me observando abrir o enlatado - do qual, infelizmente, acabou espinando em meu rosto. "Você é uma princesa pra mim." Sorriu enquanto retirava o creme grudado em meus lábios com um de seus dedos. "Minha princesa. Não importa o que diga."

 

Minha mente se desligara por alguns instantes, somente se dando ao trabalho de assistir aqueles lábios cheios a minha frente, sugarem o creme de seus dedos – de uma forma que eu me negava admitir ter algum tipo de conotação sexual – meus olhos instintivamente desceram sobre seu corpo lentamente e acabei me constrangendo logo que notei o que fazia, porém, antes mesmo que resolvesse desviar meu olhar, o breu apareceu diante dos meus olhos.

 

(...)

 

O apagão foi geral. Pelo que parece, aquele condomínio de luxo teve uma queda de energia. E neste exato momento, lá estava eu, encolhida no sofá, agarrada a Jimin como se minha vida dependesse disto. Longe de mim dizer que tenho medo de escuro, mas definitivamente não poderia negar isto também.

Jimin teve que praticamente me carregar até a sala de estar, já que me recusava a sair do lugar nessa escuridão e assim, não o soltei desde então.

 

"Se você não me soltar, eu não vou poder ligar o gerador de energia, sabia?" Falava mais humorado do que alguém que se dizia estar incomodado por ter seus movimentos privados por outro indivíduo. "Você realmente vai ficar colada comigo durante toda a noite?" Voltou a indagar, porém, não fazendo qualquer esforço para se soltar de mim. "Eu não acho isso algo ruim mesmo..." Dessa vez não escondendo o sorriso satisfeito - e um pouco provocativo - voltou a circular suas mãos em volta de meu quadril.

 

Segundos depois eu já o empurrava para fora do sofá, para que buscasse logo aquele maldito gerador e parasse de se divertir as minhas custas.

 

(...)

 

Já se passara quase uma hora e nada da energia voltar. O iluminador era forte o suficiente para dar luz a toda enorme sala de estar, mas eu não arredava o pé para outro cômodo da casa.

Passamos boa parte do tempo conversando e a outra parte Jimin usava para me provocar, dizendo hora ou outra que estava vendo um vulto em partes diferentes do canto da sala – provavelmente porque achava engraçado eu pulando em cima dele todas as vezes que dizia isso.

 

"Você seria o melhor amigo perfeito se não inventasse essas brincadeiras super sem graça." Murmurava me fazendo de zangada, ainda colada a ele.

 

"Pois eu acho que elas têm muita graça." Gargalhava ao ver minha expressão emburrada. "E eu até posso não o amigo perfeito, mas..." Pausou dramaticamente. ".... Eu ao menos te trago chocolate quente." Afirmou ao levantar o copo – agora vazio – que eu tinha esquecido na cozinha. "E ..." Apontou o dedo indicador para cima, como se fosse anunciar algo extremamente importante. "Eu sou um puta gostoso." Afirmou convicto, sinalizando com as duas mãos para o seu próprio corpo.

 

"Ah, deixa de ser tão convencido!" Reclamei enquanto o batia com uma almofada ao vê-lo gargalhar novamente.

 

"Mas eu estou falando a verdade, oras." Voltou a falar mais sério, fazendo-me aconchegar contra ele, para me acalmar. "Por acaso encontrou uma pessoa melhor para me substituir?" Perguntou, fazendo-se de ofendido.

 

"Não, é claro que não." Respondi sorrindo, recebendo-o em um abraço.

Por alguns minutos ficamos assim, naquele silêncio confortável com sorrisos nos lábios, um ao lado do outro, sendo este um dos poucos momentos que não me sinto desconfortável pelo contato excessivo.

Sentindo o afago suave dos dedos de Jimin em meus cabelos enquanto apoiava minha cabeça sobre seus ombros.

 

"Sabe..." O ouvi falar ainda em um sussurro. Pareceu hesitar por alguns segundos, depositando um rápido beijo sobre uma de minhas bochechas, decidiu continuar a falar em tom baixo. "Eu... Eu não me importaria em deixar de ser seu amigo." Sua fala ainda parecia insegura e eu temi o que ele poderia falar em seguida. "Já que eu sempre quis ser mais do que isso para você."

 

Fiquei sem reação. Não sendo capaz de falar por alguns instantes. Um nervosismo repentino se apossando de mim; permaneci recostada sobre ele, tentando raciocinar em como iria respondê-lo.

 

"Jimin..." Soltei um suspiro exasperado, tentando assim extravasar um pouco da minha tensão. "Você é a pessoa mais especial para mim como é agora... "Virei meu rosto, encontrando seus olhos. ".... Não posso diminuir o que sinto por você, como também não posso mudar esse sentimento, então..." O observava atentamente para qualquer mudança em sua expressão. ".... Vamos continuar como sempre fomos até agora...?"

Senti meu coração doer ao vê-lo sorrir tristonho emanando positivamente com a cabeça, não dizendo mais uma palavra se quer. Virei meu rosto para frente, não sendo capaz de assisti-lo daquela maneira.

 

(...)

 

Não sei quanto tempo passou desde então, o silêncio agora me sufocava. Meus olhos pesavam enquanto ainda sentia o cafuné sobre meus cabelos.

"Me desculpe." Sussurrei antes que perdesse completamente a coragem ou o sono me dominasse de vez. "Me desculpe por.…"

 

"Não se desculpe." Ele me interrompeu antes que eu pudesse continuar. "Não há necessidade.... Não é sua culpa." Tremi ao notar a mágoa em sua voz. "Fui eu que..."

Ele não continuou. As palavras se perderam no silêncio enquanto o sono me envolvia.

O tempo passou de forma indeterminada, não sabia se o que sentia e ouvia era sonho ou realidade; e foi entre esses momentos que escutei, numa voz distante:

"Me desculpe por...." Sentia o sopro em meus ouvidos, uma voz doce que somente por ouvi-la, me aquecia completamente. ".... Me apaixonar por você." E a voz sumiu completamente, parecendo ser somente um reflexo dos sussurros do meu coração.

(***)

N/A: vocês não tem ideia de como eu sofri escrevendo isto, eu realmente tentei diminuir o drama, mas parece que o drama não sai de mim! Como lidar com um Jimin desse jeito? Me digam o que vocês falariam se fossem vocês. Amarei ler o que acharam da história.

E se ficaram curiosos sobre qual e com quem será a próxima, me acompanhe, ficarei muito feliz com a companhia.

~MelindaClemente

Oct. 15, 2018, 11:06 p.m. 5 Report Embed 1
The End

Meet the author

Melinda Clemente | multifandom| |pt / eng| "escrevendo coisas aleatórias, mas tentando fazer o melhor possível mesmo que seja perda de tempo." /+/ twitter ; wattpad ; spiritfanfics ; picsart

Comment something

Post!
sk sawa ko
aaaaaaaaaaaaah, que triste esse final ;-; mas amei mesmo assim hahah
April 13, 2019, 2:24 p.m.

  • Melinda Clemente Melinda Clemente
    triste ms foi necessario, pq nem sempre a gente pode corresponder os sentimentos de alguém, ao longo da saga você vai poder compreender melhor pq ela fez isso May 1, 2019, 6:17 a.m.
Alice Alamo Alice Alamo
Boa noite. Venho em nome do Sistema de Verificação do Inkspired. Sua história foi colocada Em Revisão pelos seguintes apontamentos: 1) Falta de acentuação em alguma palavras como "responde-lo", "encontra-la", etc; 2) Há erros de digitação pelo texto como "dirigido o carro" quando deveria ser "dirigindo" 3) Para marcar fala ou você usa aspas ou travessão, o uso das duas pontuações ao mesmo tempo é incorreto, o autor precisará escolher um deles 4) Em "isso aconteceu a muito tempo" deveria ser "há muito tempo". Caso queira que a história seja Verificada, ela precisa ser revisada e esses erros corrigidos. Quando fizer, basta me avisar nesse comentário mesmo. Atenciosamente, Alice, Sistema de Verificação do Inkspired
Dec. 14, 2018, 3:17 p.m.

  • Melinda Clemente Melinda Clemente
    Bom dia, muito obrigada pela orientação, acabei de revisar a história, corrigindo os erros presentes e espero que esteja tudo nos conformes. Logo revisarei as outras histórias publicadas também, devido a pontuação dupla de travessão e aspas. Agradeço pelo suporte. Dec. 16, 2018, 5:24 a.m.
~