A Carta Follow story

tonimartingiles1537145832 Toni Martin Giles

Uma mãe desesperada conta num banco da praça dos três poderes de Brasília o seu drama: a morte trágica do seu filho querido, homem trabalhador, que dormindo no ônibus, foi atingido por uma bala perdida.


Poetry Romantic All public.

#Brasília #assalto #filho- #mãe #morte #drama
0
4645 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

A CARTA

Uma mãe desolada...

Perambula atordoada,

verso a rampa do Planalto,

Moradora indignada da Ceilândia Brava,

como tantos que sonharam

numa vida melhor na capital inventada,

Ali encontra um velho cego,

Sentado no único banco da praça

Ornado por uma viola,

E chapéu de palha

Ela, sem forças...senta-se ao seu lado..

E lhe diz:

...Eis aqui uma mãe ferida

Seu filho único, morto no assalto

Do ônibus da madrugada!

Seus passos a levaram solitária

Ao encontro do Gigante da praça

Do candango de ferro

Dos poderes desta grande Brasilis,

Ela, armada de uma rosa branca,

Lhe conta emocionada a vida

Do filho amado que a deixou,

Obra de um tiro que partiu

Seu coração e derramou Sangue

Na avenida da cidade planejada.


..A quem posso pedir auxílio?

Sussurra ao vento do cerrado.

Peço apenas um consolo,

Um pedido de retorno...

Ontem meu filho me deixou,

Sem se despedir de mim.

Colocou uma roupa surrada,

Ai fiquei brava com ele,

Mas apenas sorriu,

Deixou de lado os sapatos novos,

Usou os mais feios,

Queria guardar para impressionar

A namorada no final de semana.

Ele partiu e nem mesmo me deu um beijo,

Nem mesmo um olhar final de despedida,

Um cheiro ou mesmo um toque,

Um abraço, aquele que tanto lembro

De quando era criança no meu colo,

Que saudade...

E aqui meu Deus,

Um filho teu partiu de vez

Sem criar coragem de dizer a sua mãe

Que não voltaria mais,

Já que seu destino estava marcado.

Meu filho me deixou de vez,

Apenas ao acordar pediu

Toni Martin


Logo um pouco de café saboreou,

E nem mesmo comeu,

Estava atrasado,

A cidade não perdoa,

As ruas fervem pela manhã,

E sempre me falava que dormia

Um pouco no Ônibus.

O sono que se sonha e se lembra ao acordar...

Um dia contou-me

O sonhou precioso:

Que me daria uma casa nova,

Linda, perfeita, de jardim de rosas

E quartos com banheiros como sempre

Lhe falava que sonhara ter.

Neste sonho somente me entristeceu

Ao escutar dizer:

Mãe um dia farei isto se tornar realidade!

E hoje, ele partiu sem completar a promessa!

Para o diabo a casa!

Eu quero você meu amor!!!

Volta te peço!

A quem suplicar a volta do meu menino?

A Deus?

A nossa pátria que permite tanta violência?

...Sonolenta embriagada pela alba,

Abri a porta para nunca mais ser a mesma,


A Carta


João da padaria tomará coragem,

E me despertará para a notícia

Que destruiu-me por completo.

O silêncio marcou os minutos seguintes

Apenas dor profunda, coração ofegante

Mal lembro se saí vestida descente

O que ainda tinha em mim,

levei comigo.

Dor muita dor,

Profunda ferida verso a cena do crime...

Não pude reconhecer seu rosto,

Ninguém me deixou vê-lo,

O ônibus que pegava era amarelo e branco

Sempre às 5:45,

Rasgava a alvorada do cerrado,

Essa lotação que gostava de dormir

No último banco..

Parado estava no meio da estrada,

Todos de lado de fora,

As luzes piscavam,

Policia e Samu ao lado.

Quando sussurrei seu nome,

Marco...

Acordei desesperada,

Do pesadelo verdade,




Meu coração parou,

Eu morri de vez.

Ele, deitado no banco de trás,

Coberto por um pano branco contornava

Aquele pequeno que nasceu de mim,

Que tanto o amo...

Reconheço a sua silueta,

Uma mancha vermelha

Marcava a sua cabeça.

Parecia dormindo,

Parecia tão calmo,

Suas mãos lindas estavam

Pingando gotas de sua vida,

Um pequeno lago se formou

No corredor do ônibus.

Não senti nada, apenas peguei

Um pano a recolher seu

Sangue derramado...

O que mais poderia fazer?

Minha alma não tem mais alma,

Apenas um corpo sem corpo,

Um ser sem ser,

Pedindo a fome de amor,

Aquele por quem sempre lutei.

...Sinto vazio em mim,

Por isto venho aqui!

A praça de tantos poderes

hoje se cala,


O som tórrido do agreste se faz presente

Percebo hoje aqui da realidade macabra,

Da falta de flores,

Do verde perfumado,

De gente sem destino...

A praça hoje me consola,

Feita de pedra e aço,

É isso que sinto hoje,

Sou esqueleto vivo

Que esqueceram de enterrar,

Morta, destruída,

Sentenciada a sofrer pela eternidade.

Meus Deus,

Por que não cuidaste do meu filho?

Ele iria ao trabalho,

Um cidadão de bem,

Um filho da pátria, que tanto amava tuas cores.

Por quê não cuidastes de mim?

Que tanto lavei os corredores do senado,

Confesso:

Ria do modo engraçado

De comandar o país,

Dos vaidosos de palitó, dos que sempre

Riram do povo trabalhador...

Que se dane! gente maldita,

Povo é povo,



Nascem como vermes

Sempre estarão reclamando.

Escutei um dia, do senador da Bahia....

Ontem meu filho se foi,

Deixou a cama para ganhar a vida,

Nem mesmo provou o bolo que fiz para ele.

Hoje, soube que o ônibus do crime,

Corre de novo nas vias da agonia...

Limparam o seu sangue,

Voltou a rodar madrugada afora,

Mais pessoas dormem,

Como o meu Marco na alvorada,

Verso a imprecisão da vida,

Ele dormiu

Não acordou mais.

Segundo os que estavam ao seu lado,

No momento do disparo da bala,

Abriu os olhos e disse: Mãe!

logo se calou e seu rosto banhou-se em sangue.

Há mais tristeza que me consola,

É saber que outra mãe também sofre,

Pela insensatez do seu filho de menor

Que atirou assustado,

sem querer, segundo ele,

Queria a grana do cobrador,

Mas o medo da ação

Lhe fez coçar o dedo,

Apertou o revolver por engano,



Seu gatilho criou a bala vida.

Dizem que a projétil

Correu pelo ônibus

Bateu duas vezes no teto e chão

Até atingir ele,

Meu filho abriu os olhos

Disse: Mãe!

Meu Deus onde estava

Nesse momento?

Por quê não pedi para ele

Me ajudar na cozinha?

Maldita hora que o acordei

Para o trabalho!

Ele queria ficar, estava cansado,

Queria dormir, “Sonho Bom” resmungou...

Eu que pedi que levanta-se,

A vida corre mocinho!

Deixa de ser preguiçoso! lhe disse,

Levanta!

Ah se pudesse voltar o Tempo,

Talvez fui eu a culpada,

Apenas Eu!

Sem prévio aviso

a mulher se apartou do homem cego,

Da praça, do poder,

Rumo a vida que lhe restava..



Sept. 17, 2018, 9:14 a.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~