Eleitoral Follow story

duplos2 Hystera Keiko

É época de eleições em Konoha e os candidatos não estão para brincadeira. O mandato de Tsunade chegou ao fim e agora tanto esquerda quanto direita querem subir ao poder no estado, mas o que acontece quando os principais adversários são também ex-namorados?


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#Tenten-Mitsashi #Neji-Hyuuga #crackfic #nejiten #eleição #naruto
Short tale
4
4681 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Único

 

   Tenten entendia bem porque os religiosos diziam que o inferno era quente. Bom, se o prazer carnal era pecado e era para o inferno que os pecadores iam, fazia todo sentido. Nenhum lugar no mundo era mais quente que embaixo do corpo nu de Neji.

Já tinha perdido a noção de quanto tempo fazia que estavam naquela cama proporcionando prazer inacreditável um ao outro. No momento tudo o que pensava era em palavras sujas para xingá-lo. Era um pequeno joguinho que eles sempre faziam.

- Burguês de bosta. Coxi...- não conseguiu terminar porque ele enfiou a língua na sua boca vorazmente.
- Está ficando sem ideias, Ten? - ele disse quando deixou os lábios e se dirigiu ao pescoço, sem parar as estocadas lentas.
A melhor parte do namorado ser de uma família totalmente envolvida na política era poder insultá-lo com aqueles termos.
- Eu vou ficar sem ideias no dia em que você ficar sem dinheiro, seu corrupto - parou ofegante tentando se recuperar - Mama nas tetas do governo.
- Só se o seu nome for governo - a voz saiu baixa e rouca e em seguida Tenten sentiu ele chupando seu mamilo com força e quase gritou.


Droga ele realmente sabia como deixar ela louca.

- Seu facistinha de merda - soltou sem pensar.
Neji paralisou na mesma hora. Levantou o rosto e viu o cabelo desgrenhado de Tenten e o suor que escorria por sua testa, fora a boca sensualmente entreaberta. Os olhos dele ainda estavam nublados pelo desejo, mas não poderia deixar aquela passar.
- Agora você pegou pesado demais. Fascista também não!
A morena ficou brava por causa do breque repentino logo quando estavam quase chegando na melhor parte. Sabia que ele não era fascista, só estava provocando para que Neji começasse a meter mais forte e mais rápido.
- Você vai querer que eu peça...- cruzou as pernas em volta da cintura dele e pressionou com força, enfiando subitamente o Hyuuga mais fundo dentro dela - Desculpa?
Neji sentiu o calor de Tenten e perdeu toda a sanidade que ainda possuía, se esquecendo até do que tinha acabado de dizer e voltando a se concentrar no sexo. Tinha entendido o recado e começou a mexer de maneira veloz tentando satisfazer ao máximo a namorada e seu pau que não parava de latejar. Chegaram ao ponto em que nenhum dos dois conseguia pronunciar mais nada que não fossem murmúrios desconexos e gemidos que não conseguiam conter. A mulher sentia seu interior se contrair cada vez mais e a pele arder em chamas ao se aproximar de seu ápice; mais algumas estocadas e ela jurava que desmaiaria de tanto prazer. Mordeu o lábio tentando segurar a energia que vinha de todo o seu corpo e insistia em sair em forma de gritos e se preparou para o orgasmo quando cada uma de suas células pareceram formigar. Neji fez o movimento para trás e depois ‘brutalmente gostoso’ se enfiou nela que


- VOCÊ NÃO VAI ACREDITAR NESSA MERDA!



Tenten pulou totalmente assustada por causa da maneira que tinha sido acordada. Viu uma mão espalmada na mesa ao lado do seu braço - um pouco babado - e quando olhou para cima viu a cara furiosa de Temari se transformar numa de espanto.
- O que você estava sonhando? - a loira perguntou com os olhos muito arregalados.
A Mitsashi sabia que sempre era perceptível quando ela dormia no trabalho, mas não entendia como a coordenadora de campanha sabia que ela estava sonhando
- O quê?
- Você acabou de gemer! Tipo muito! Com o que você estava sonhando, sua pervertida?
Tenten arregalou os olhos e tapou a boca chocada. Se levantou rápido e correu para fechar a porta que Temari tinha escancarado ao entrar, quase derrubando muitas coisas no caminho de volta para sua cadeira. A loira viu a chefe ficar roxa de vergonha e nem precisou de resposta para entender o que se passava em sua cabeça.
- Não foi bem um sonho... Está mais para uma lembrança - disse sem ter coragem de olhar na cara da amiga.
- AH NÃO TENTEN! - bateu na própria testa e baixou o tom de voz antes de indagar - Você estava sonhando com seu ex de novo?
Mais uma vez a morena se pôs de pé desesperada para esconder aquela conversa e foi até a janela fechar a cortina de persiana, bloqueando a vista dos funcionários curiosos que expiavam do lado de fora da sala.
- Sim... Foi sem querer Tema!
- Quando você vai botar nessa cabeça que agora vocês são adversários, hein? Não dá pra competir com o cara se tudo que você pensa é em dar pra ele!
- EI! Eu não penso nisso! Não dá para controlar os sonhos, sabia?!
Temari lançou um olhar ameaçador para ela e voltou a atenção para a pasta que trazia embaixo do braço.
- Falando em controle, nós temos um problema. - aquela eleição já estava lhe dando dores de cabeça - Eu estava vindo te mostrar uma coisa importante antes de interromper seu sonho erótico.
- Fala logo, Temari - respondeu emburrada e estendeu a mão pedindo pelos papeis que ela trazia.
- Acabei de descobrir que o Shikamaru se juntou com o Neji pelas minhas costas! Agora ele é coordenador-geral da campanha dele...aquele traíra. - disse entregando o documento.
- Mas você também não contou para ele que está comigo.
- Não interessa! Era óbvio, não?! Afinal ele não é o senhor inteligência? - quase dava para ver a ira e o deboche escorrendo pela boca dela. Tenten não queria estar na pele do marido da amiga.
- Esse é o problema, não é? - a morena bufou - Agora as estratégias eleitorais dele vão ficar ainda mais inteligentes.
- E difíceis de vencer! - a Sabaku bateu mais uma vez na mesa.
- Relaxa Temari. - a candidata massageou os ombros dela - Eu confio em você e sei que vamos vencer eles de lavada - disse convicta.
- Eu espero que sim... Outra coisa, a Mirai pediu para adiar a reunião de amanhã. Disse que não vai conseguir chegar de viagem a tempo de vir para cá cedo. É bom que você já aproveita e descansa bastante para não ficar sonhando pelos cantos do escritório.
Tenten sorriu amarelo e concordou. Não gostava de ficar adiando seus compromissos, mas não conseguiria fazer aquela reunião sem sua vice.
Olhou para o relógio: quase 19h30, o horário em que o expediente acabava oficialmente para todos ali, menos ela e sua coordenadora que costumavam ficar mais um pouco discutindo o plano de governo. Mas não faria isso naquele dia, estava quebrada.
- Obrigado, doutora Sabaku. - disse inflando o ego da amiga - Vá para casa, terminamos por aqui hoje.
- Tudo bem chefe. Qualquer coisa me ligue. - se dirigiu até a porta e saiu, mas antes de fechá-la mostrou um sorriso confiante - Até amanhã.
- Até... Temari, não leve o trabalho para sua vida pessoal, ok? - advertiu - Vê se não vai descontar tudo no Shika.
A loira assentiu e a deixou. Um tempo depois Tenten caminhou até a janela e espiou entre as persianas, vendo os funcionários juntarem os pertences e desligarem os computadores. Mais ao fundo estava Temari saindo abraçada com o irmão Kankuro, seu assessor jurídico de campanha. Estava muito segura por ter pessoas tão competentes trabalhando consigo para ganhar aquela eleição e sabia que era totalmente possível. Ia fazer de tudo para ocupar o cargo de governadora. Sem chance que ia deixar o estado cair de bandeja no colo dos burguesinhos que chamava de adversários; sabia que se dependesse da direita as pessoas pobres e sem clã, como ela, nunca teriam oportunidades, fora os regressos que aqueles conservadores iam querer causar. Não, não ia deixar acontecer.
- Só por cima do meu cadáver.
Foi fechar a janela que dava para o lado de fora do prédio e acabou sendo atingida por uma forte corrente de ar gelado que fez ela ter um acesso de tosse e cair sentada na cadeira. Lee teria que lhe dar uma carona até em casa. Pegou o celular e mandou uma mensagem para o marketeiro depois esperou até que ele chegasse.


~∆~



- QUE MERDA É ESSA SASUKE?


Hinata quase se queimou com seu chá quando ouviu o grito do primo vindo da sala. Colocou a xícara de volta na mesa já preparada com o café da manhã e esticou o pescoço para trás tentando ver o que acontecia no outro cômodo.
- ISSO TÁ TORTO! EU NÃO ACREDITO QUE IMPRIMIRAM DOIS MIL SANTINHOS TORTOS!
- Neji se acalma, cara! É só uma linha pô! - o moreno respondeu enquanto seguia o chefe até a cozinha da mansão Hyuuga, encontrando Hinata olhando curiosa.
- Só uma linha porque não é o nome da sua família que está escrito nessa porcaria!
Sasuke deu de ombros.
- Na verdade está sim. Bem ali no cantinho, olha - apontou para a lateral do folheto - Sasuke Uchiha, vice. Só que você quis escrever Hyuuga tão grande que agora não dá pra ler mais nada.
Neji virou o rosto e fuzilou Sasuke com o olhar.
- Meninos, o que foi? - Hinata tentou acalmá-los.
- A princesa está surtando porque tem uma linha torta na impressão.
- Não é uma linha, são duas mil! Duas mil linhas tortas, você acredita nisso, Hina?! Achei que eu tivesse contratado gente competente.
- Vai com calma, Neji, também não é assim...
O candidato viu sua prima pegar uma xícara na mesa e enchê-la com o líquido fumegante depois estendê-la para ele, que aceitou de bom grado. Logo os dois homens estavam sentados à mesa se servindo enquanto Hinata ligava a TV. Era justamente hora da propaganda eleitoral obrigatória.
- E o que você está fazendo aqui a essa hora Hinata? Não deveria estar indo pro trabalho? - disse o Hyuuga desviando a atenção do vídeo da propaganda de Deidara, outro de seus concorrentes, mas que não tinha chance nenhuma. Não depois dos esquemas criminosos que haviam descoberto que ele fizera parte.
- O Naruto vai me dar carona hoje.
- Hum...- Neji e Sasuke responderam juntos.
A Hyuuga terminou sua refeição e se levantou para colocar a louça na pia. Quando passou em frente à TV viu a propaganda do primo terminar e Tenten aparecer na tela, logo se moveu a fim de desligar o aparelho.
- Não. - foi reprimida pela voz dura de Neji - Eu quero ver isso.
O moreno sabia que poderia parecer suspeito, visto que já tinha namorado aquela mulher, mas ela era sua adversária mais forte na eleição. Precisava saber qual era sua estratégia.
Os três se concentraram no vídeo que mostrava a candidata passeando pelas ruas, sendo acolhida por pobres - ‘Tinha que ser’ Neji pensou - que gritavam algo sobre juventude enquanto ela passava. Depois, já em estúdio, ela aparecia conversando com diversas mulheres que contavam sobre abusos e sobre o preconceito de gênero que sofriam no trabalho.

- Ridículo... – ele murmurou, irritado.

O programa seguiu com ela comentando sobre diversas propostas que pareciam até delírios para o Hyuuga. Sabia que não tinha como ela fazer tudo aquilo a menos que endoidasse e transformasse Konoha num estado socialista. Loucura. E mesmo assim a cada dia ela conseguia ganhar mais e mais eleitores, ele não sabia como. Ou talvez ele soubesse sim.

‘Pior que a maldita ficou linda no vídeo.’

- E não é que ela ficou bem no vídeo?

Neji teve vontade de enforcar Sasuke quando ouviu aquelas palavras. Como ele se atrevia a elogiar a propaganda de uma adversária?!

Hinata viu o olhar homicida do primo e se colocou entre os dois.

- Relaxa Neji. O seu ficou ótimo também. Não é um vídeo que vai te fazer perder os votos.

- Obrigado, Hina. Ainda bem que o voto da minha família eu já tenho.

Os dois viram a pose de Hinata mudar de calma para tensa. Suspeito.

- Não é, Hina? – Neji enfatizou.

A mais nova continuou muda e desviou o olhar.

- Você vai votar em mim, não vai Hinata? – mudou o tom para um mais inquisitivo.

Assistiu enquanto a prima passava as mãos pelo cabelo nervosamente, procurando uma resposta. Então ouviram uma buzina lá fora.

‘Salva pelo gongo’ ela pensou.

- É... Eu tenho que ir, meninos. Até depois.

Os dois acompanharam ela até a porta e viram Hinata sair e entrar no carro de Naruto.

Que estava cheio de adesivos eleitorais colados por toda parte.

Adesivos eleitorais de Tenten.

- NARUTOOOOOOOOOOOOOOO!


~∆~


- Senha 725.

- Aqui!

- Pode se dirigir para o corredor à direita. É só esperar por lá que a doutora já vai te chamar.

Tenten caminhou até o local indicado pela recepcionista e se sentou para aguardar. Não sabia se tinha alguma coisa, mas desde o dia anterior se sentia fraca e tinha vomitado algumas vezes então achou melhor ir atrás de ajuda especializada. Tinha visitado muitos lugares nos últimos dias, principalmente comunidades sem saneamento básico e áreas de descarte irregular de materiais, sem contar que, com a rotina agitada, não tinha mais tempo de cuidar de si mesma. Vinha se alimentando mal a mais de uma semana, fora os exercícios que teve que deixar de lado.

Não podia se dar ao luxo de ficar doente logo agora, isso ia atrapalhar toda a sua agenda. Mas estava pensando seriamente em faltar no debate que teria aquela noite. Sabia que poderia gerar uma imagem ruim para os eleitores, mas esta não seria pior do que se ela aparecesse fanha ou vomitasse em rede nacional. Se bem que vomitar no terno caro de Neji não parecia má ideia.

- Alô? – atendeu o celular que tinha tocado dentro do bolso.

- Oi Tenten. Onde Você está? Achei que não estaria acordada, o Lee me falou que você estava mal ontem a noite – ouviu Temari preocupada.

- Pois é... Eu estou no hospital porque ainda não melhorei. Espero que não seja nada sério.

- Eu também. Você acha que vai dar pra ir ao debate hoje?

- Não sei. Eu vou esperar a consulta e te aviso, ok? Pode acabar impactando muito na minha imagem.

- Por falar em imagem eu tenho uma perguntinha pra você.

- O que é?

- “In youth we trust?” Que porra é essa, Mitsashi?

- Ai Tema eu não queria, mas esse negócio é muito chiclete. Desde que o Lee e o Gai se juntaram à campanha é sempre isso: é só eu passar que todo mundo começa a gritar “in youth we trust”. Foi aderido totalmente. O pessoal do partido diz que agora não faz sentido tirar o que já está na boca do povo – ouviu a amiga dar risada do outro lado.

- Pior que é verdade. Bom, melhor para nós, assim os outros candidatos ficam para trás... ESPERA! Onde você falou que está mesmo?

- No hospital.

- Sim, mas qual hospital?

- No Senju.

- Ai eu não acredito nisso...

- O que foi Temari? – Tenten estava perdendo a paciência com aquela enrolação.

- Hoje o compromisso de campanha do Neji é bem aí.

- Ah não pode ser! Kami? O que eu fiz para merecer?

- Ele vai se reunir com os diretores e conselheiros do lugar. Talvez depois ele decida falar com os pacientes.

- Gravando, não é?!

- Lógico, ele não ia perder a chance de bancar o preocupado com os usuários do maior hospital público do estado. Aquele ali não dá ponto sem nó.

- Droga! – a morena se exaltou e quase bateu na pessoa ao seu lado que também aguardava pelo chamado de Shizune – Por isso eu pedi para me consultar com a Sakura e a recepcionista me disse que não era possível.

- Pois é. Como diretora interina ela com certeza cuida dessas coisas enquanto o mandato da Tsunade não acaba. Vê se não vai ser filmada, hein! Imagina você aparecendo na propaganda política do rival o fuzuê que não ia dar!

- Pelo menos as pessoas iam ver que eu uso hospital público de verdade – disse rindo.

- Não tem graça, Tenten! Pelo amor de kami fica atenta, tá? Se você for filmada junto com ele eu não dou dois dias antes de todo mundo descobrir nosso segredinho que prezamos tanto em esconder.

A morena congelou. Aquilo não! Já estava a meses sumindo com tudo que se relacionasse ao seu namoro com Neji; as pessoas não poderiam ficar sabendo logo agora que eles já tiveram um lance. Ao menos para isso a descrição exagerada do ex na época que estiveram juntos servia. Ninguém sabia do relacionamento fora amigos próximos deles e alguns familiares de Neji, mas nenhum deles diria nada - aquelas pessoas jamais arriscariam manchar a candidatura de um representante Hyuuga.

- Tá, eu entendi Sabaku. Não precisa falar disso.

- Ótimo. A Mirai acabou de chegar e eu preciso falar com ela, depois a gente conversa.

- Ok.

- Não esqueça de me avisar se devo ou não cancelar sua presença no debate.

- Pode deixar. Tchau.

- Tchau.

Felizmente a ligação terminou na hora exata. Estava tão focada em Temari que não podia ouvir antes os barulhos dos flashes e das perguntas dos repórteres se aproximando pelo corredor ao lado, juntamente com a voz firme de Neji.

- Todos nós sabemos que a saúde tem que ser uma das prioridades do plano de governo, mas é difícil para o estado conseguir administrar tantos serviços públicos e continuar garantindo a qualidade. O Senju é ótimo, entretanto ainda existem alas precárias e que merecem mais atenção, por isso eu pretendo garantir que mais investimentos sejam direcionados para cá ao privatizar o hospital.

‘Privatizar, privatizar, privatizar. É só nisso que ele sabe pensar?’

A candidata bufou e espiou na direção em que ele vinha, percebendo que a “multidão” estava chegando muito perto. Achou melhor sair dali e se esconder em algum lugar.


~∆~


Neji estava acostumado com as luzes cegantes dos fotógrafos e a gritaria dos jornalistas, fazia parte da vida política e ele já estava nela há alguns anos. No entanto nunca tinha concorrido a nada tão importante; aquela rotina cobrava bastante dele. E ali nos corredores “estreitos” do hospital com todas aquelas pessoas esbarrando nele e o cheiro de removedor e álcool em gel se estranhando em suas vias respiratórias o Hyuuga se sentia mais que sufocado.

- Com licença, senhores. – desviou de algumas pessoas e conseguiu ver Sakura novamente – Diretora, onde fica o toalete mais próximo?

A Haruno viu o olhar desesperado de Neji e se assustou. Ninguém nunca via nos olhos dele nada que não fosse frieza ou determinação. A coisa estava feia.

- No final do corredor à direita, candidato.

- Obrigado. – ela quase podia ler ‘segura as pontas para mim’ na testa dele enquanto o moreno se afastava, finalmente sendo deixado sozinho.

Ele virou no corredor que ela tinha indicado, mas sem se importar com o banheiro. Sabia que nem lá teria o direito de ficar realmente sozinho e não poderia se dar ao luxo de demonstrar fraqueza na frente de qualquer eleitor. Caminhou passando por algumas portas até parar na frente de uma que dizia “INALAÇÃO”. Ao fundo uma sala vazia e com as luzes apagadas. Foi ali mesmo que se enfiou.

Tenten se assustou quando vou um vulto quase derrubar a porta para entrar na sala onde estava escondida. Estava escuro então demorou um pouco para ver quem era, mas ela reconheceria aquele cabelo em qualquer lugar. Se destino e coincidência fossem pessoas ela com certeza lhes socaria a cara até arrancar os dentes quando saísse dali.

- O que você está fazendo aqui? - Neji quase gritou com uma feição acusatória – Hoje é meu dia de fazer campanha no hospital!

- Não estou fazendo campanha, idiota. Estou doente.

O semblante do candidato passou de irritado a confuso, depois debochado.

- Tá vendo, isso é culpa da inveja e do olho gordo. Tudo o que vai, volta.

- E por que eu teria inveja de você? – se jogou em uma das poltronas do lugar. Não queria se estressar ainda mais, mas não deixaria aquele metido zombar de sua cara. O vômito agora seria uma boa ideia.

- Porque você sabe que sou eu quem vai ganhar a eleição – ele respondeu confiante demais.

Neji esperava que a ex-namorada começasse um escândalo ali mesmo, seria uma ótima manchete para seu marketing – ‘candidata adversária persegue Hyuuga durante campanha’. Só que a expressão serena de Tenten e o sorriso simpático que ela lhe lançou causaram um blackout na lógica dele.

- É... Talvez eu vote em você.

O quê?’

- Imagina que horrível seria se eles apurassem os votos e vissem que você não conseguiu nenhunzinho...

Strike.

O homem ficou vermelho de raiva. Quem aquele projeto de política achava que era para falar assim dele, de todo seu esforço?

- Ah tá, vai caindo nessa. É claro que todos vão votar em mim, não só porque eu sou um candidato muito melhor que você, que nem carreira direito tem, mas também porque eu de uma família que tem tradição na política de Konoha! – ele mostrou um sorriso orgulhoso que fez Tenten espumar.

- Tradição? Pode até ter tradição, mas diga-me Neji: quantas eleições realmente importantes os Hyuuga já venceram? – Strike dois – E os Uchihas, família do seu vice, quantas?

Neji não tinha nenhum argumento para rebater.

- Pois bem, não sei se você sabe mas Temari e Kankuro, ambos parte da minha campanha, são irmãos de Gaara, marido do Lee e que por sinal venceu as eleições para o governo de Suna com mais de 80% dos votos – ela chegou mais perto dele e pressionou o indicador contra seu peito – A minha vice, a Mirai, é uma Sarutobi. Reconhece o sobrenome? Ela é da família de uma dos maiores governadores que Konoha já teve: Hiruzen Sarutobi.

A morena deu as costas para ele e se afastou, mas depois virou o rosto de lado para a cartada final.

- Sem contar que todo o eleitorado sabe que é a mim que a atual governadora apoia.

Strike três.

Mas Neji não sabia aceitar a derrota.

- Tsunade é uma louca alcoólatra!

- COMO SE ATREVE? – rebateu com sangue nos olhos.

- E você é tão desvairada quanto! – cruzou os braços querendo mostrar superioridade.

- Seu maldito machista!

- Sua feminazi ambulante.

- Burgês arrogante!

- Ignorante esquerdopata!

- Ora seu...seu...SEU FACISTINHA DE MERDA!

Tenten tinha jurado que nunca mais pronunciaria aquela sentença, o problema é que o ex a deixava tão irritada que perdia o controle. Mas não existia momento pior para dizer aquilo. O silêncio constrangedor apenas confirmava que os dois sabiam exatamente no que o outro estava pensando. Ou melhor, lembrando.

Neji sentiu uma fisgada no peito e não tentou conter o impulso ao recordar-se do calor da pele morena que tanto gostava e do gosto daquela boca. Num segundo se encaravam bravos e no outro Tenten era esmagada entre a parede e o corpo de Neji, que capturou seus lábios sem nem ter a delicadeza de pedir. Não que ele tivesse que pedir naquela hora, ela com certeza não conseguiria ter negado.

‘Kami, por que ele tinha que ser tão gostoso?’

Ela não sabia que ainda tinha tanto fogo por aquele homem, parecia até o próprio incêndio florestal começando dentro de si. As línguas – que já se conheciam tão bem – se encontravam desesperadamente tentando saciar toda aquela vontade reprimida. Neji segurava a garganta de Tenten com uma mão, movendo a cabeça dela como queria para melhorar o beijo, enquanto não sabia o que fazer com a outra, então simplesmente segurou a barra da camiseta dela e começou a puxar em sua direção como se pudesse aproximar ainda mais os corpos ao fazer isso. Tenten por sua vez colocou a mão na nuca dele e começou a puxar o cabelo, o que fez Neji abrir ainda mais a boca e ela ter mais espaço para se deliciar. Antes que percebesse já apertava a bunda dele com força. O Hyuuga começou a esfregar mais o tórax contra os peitos amassados da Mitsashi sentindo o contato com os mamilos. ‘Ela tinha que ter saído sem sutiã logo hoje?’

Mas o orgulho dos dois era grande demais para permitir se entregarem. Tão rápido quanto colaram os corpos, os dois se separam. Num piscar de olhos as costas de Neji estavam na parede oposta a de Tenten e eles se olhavam tentando recuperar o fôlego e entender o que drogas tinha acabado de acontecer. O político meramente se virou e saiu rápido da sala deixando uma morena perplexa para trás. Mas depois ela se lembrou dos insultos que ele tinha dito antes do beijo e trincou o maxilar.

Ela com certeza iria ao debate aquela noite.


~∆~


NÃO CRUZAR OS BRAÇOS - cria barreira

NÃO TOCAR O NARIZ - indica mentira

MOTRAR AS PALMAS - incita confiança

Tenten virou a ficha no verso e leu atrás.

COMUNICAÇÃO CLARA

PALAVRAS PARA PERSUADIR

MANTER A RESPIRAÇÃO CONTROLADA.

Aquela era apenas uma das muitas fichas em suas mãos suadas. Era o primeiro debate que ela participava e seria impossível decorar todos aqueles detalhes sobre linguagem corporal que Mei Terumi tinha lhe ensinado, ela precisava de uma cola. No escritório e apenas com a mestra olhando era fácil, na frente do público e das câmeras, nem tanto. Principalmente quando sabia que não poderia escapar das perguntas que fossem direcionadas a ela, uma hora estas chegariam.

De seu palanque Neji a observava friamente tentando captar qualquer mínimo deslize, mas ela sabia esconder muito bem. Os outros candidatos por sua vez não tinham tanto controle, principalmente Deidara, a todo momento tentando prender o cabelo que insistia em cair repetidas vezes em seus ombros. Uma demonstração clara de nervosismo e despreparo – era óbvio que numa roupa social, dentro de um estúdio fechado e sob tanta pressão ele ia suar. Por isso Neji tinha se arrumado com um terno de rami - material semelhante visualmente ao linho, mas que retêm menos calor - e prendido as madeixas num coque. Desde o começo da campanha Sasuke e Konohamaru vinham dizendo que ele deveria cortar o cabelo para não correr o risco de ficar parecendo uma garota em impressões de baixa qualidade ou passar pelo que Deidara passava no momento, mas ele nunca aceitou. Jamais cortaria seu cabelo, principalmente se fossepor um cargo de governador.

- Os próximos são...- a apresentadora sorteou dois nomes na urna – Neji Hyuuga e Tenten Mitsashi.

‘Droga’

- Quem deseja fazer uma pergunta? – a moça indagou para a plateia. Aquele debate era diferente, era o povo que fazia as perguntas e dois candidatos tinham que respondê-las.

Viram Kisame levantar a mão e entregarem um microfone a ele.

- Um tema muito importante, mas que só está tendo a devida visibilidade agora é a poluição das águas. Inúmeras pesquisas mostram, como eu mesmo já tinha alertado sem precisar de um monte de experiências, que nosso estado está sujando os rios e mares sem pensar nas consequências. Uma prova é a crescente produção, venda, compra, uso e descarte de canudos plásticos totalmente desnecessários no ambiente, gerando a morte de diversas espécies principalmente das pequenas tartaruguinhas. – ele fez cara de choro – Qual a opinião dos senhores a respeito e o que pretendem fazer?

Neji não acreditava que aquela era realmente a maior preocupação do Hoshigaki considerando a atual situação de Konoha. Decidiu começar com as respostas.

- Senhor Hoshigaki, o senhor tem razão, estamos poluindo as águas, mas se pegarmos os dados de cem anos atrás é visível a que o descarte irregular nos rios diminuiu drasticamente. Konoha é um estado que ainda não atingiu seu potencial máximo de desenvolvimento então a cada dia tentamos fazer nosso estado evoluir ao incentivar a economia e atividades geradoras de capital que possa ser investido em diversas áreas. Infelizmente nesse caminho do crescimento algumas questões devem ser priorizadas ao invés de outras e acredito que esse seja o caso. – Tenten viu o rosto de Kisame se contorcer numa careta irada. Neji estava mandando mal com o cara – Já pensou se, por exemplo, mandássemos fechar algumas das fábricas de canudos, quantas pessoas perderiam seus empregos e sua única fonte de renda? Temos que pensar nelas também não apenas nas tartarugas. E então, quando o estado estiver estável e com capacidade máxima poderemos cuidar de todas as questões ambientais com a devida importância.

A Mitsashi quase via uma energia negra sair do Hoshigaki e enforcar Neji. Nunca diga a Kisame que os animais marinhos não importam.

- Espectadores. – ela começou a responder, chamando a atenção de todos – A causa que o senhor Hoshigaki defende é extremamente nobre e de suma importância para a manutenção de nosso território. Diferente do meu colega candidato, acredito que não é possível que Konoha possa crescer se continuarmos negligenciando a questão da poluição, já que sabemos que sem água não existe vida. O uso de canudos plásticos realmente é dispensável, porém sei que não podemos obrigar ninguém a parar de usá-los. O que pode ser feito sim é diminuir a produção, assim o preço aumenta e a compra cai, mostrando às pessoas que elas podem tomar suas bebidas sem eles. Com relação aos empregados no processo de produção, em meu governo eles não ficariam sem emprego visto que pretendo criar um projeto de despoluição dos rios – os olhos de Kisame chega brilhavam – que geraria diversos empregos, suficientes para todos os afetados ao fechar as fábricas de canudos. Não podemos mais ignorar os problemas que estamos causando a natureza!

O azulado aplaudiu a fala de Tenten freneticamente causando estrondos nas caixas de som causados pelo microfone em suas mãos. O funcionário da TV correu até ele e pegou o objeto de volta. Kisame mandou um coraçãozinho para a candidata que apenas riu e viu Neji bufar.

- Próxima pergunta?

O microfone dessa vez foi parar na mão de Hidan e Tenten engoliu em seco. Tinha medo daquele cara.

- Eu queria saber qual a opinião dos senhores a respeito do projeto que planeja acabar com a bancada religiosa do parlamento de Konoha.

A morena cometeu um erro ao se afobar para responder a pergunta: cruzou os braços em frente ao corpo em uma pose fechada para discussão. ‘Te peguei’ pensou Neji.

- Eu acho que o projeto é uma iniciativa muito importante para uma renovação política emergente. O estado deveria ser laico, portanto nenhuma religião deveria poder interferir em decisões socialmente tão importantes quanto às acertadas no parlamento. Eu sou a favor da extinção da bancada evangélica – Hidan ergueu uma sobrancelha e respirou fundo, depois fez cara de impaciente – No meu mandato farei de tudo para agilizar a aprovação do projeto.

- Senhor Hidan, eu, como todo Hyuuga, prezo pela manutenção da família e é do conhecimento de todos que a religião é um dos alicerces mais fortes dessa instituição tão importante. Nada mais justo que a presença de religiosos para conservar os valores de nossa sociedade ao criar leis que vão reger a vida de todos os nossos moradores. Inclusive se eleito vou instaurar uma medida impedindo permanentemente a mudança do decreto que define que as Igrejas não precisam pagar impostos ao governo e priorizar a compra de terrenos desocupados por parte destas para a construção de novos templos. Todos devemos ser abençoados diariamente.

Neji sabia que tinha dado a resposta que o homem queria ouvir. Aquele voto estava garantido.

- Última pergunta?

- Eu, aqui. – os dois políticos viram Ino erguer a mão e aguardar o microfone. Não faziam ideia de qual poderia ser sua pergunta – Eu queria saber desses candidatos, sabidamente adversários, o que os fez se odiarem tanto visto que já namoraram no passado?

Uma exclamação geral foi ouvida vinda da plateia. A Yamanaka exibia um sorrisinho presunçoso sabendo que tinha conseguido seus dez segundos de fama e ainda provavelmente ferrado com as chances dos dois de vencerem. Temari, desesperada atrás do palco, conseguiu puxar o fio da câmera que filmava Tenten, interrompendo a transmissão dela. Todas as telas exibiam apenas o rosto vermelho de Neji intercalado com a imagem de Ino e a apresentadora. Tenten se recuperou a tempo antes que a câmera fosse religada e a gravasse em choque. Quem assistisse veria ela plena em contraste com um Hyuuga desconcertado.

- Senhorita Yamanaka acredito que essa pergunta não tenha nenhuma relevância no nosso debate. – a apresentadora cortou e se voltou para o homem que a filmava – Esse é o fim do segundo bloco. Voltamos logo com mais debate.

A programação foi interrompida pelo comercial e Ino deixou a plateia seguida por muitas pessoas desesperadas para saberem mais sobre aquela fofoca. Tenten voltou a olhar para Neji que amassava todos os papeis em cima do palanque irritado. Deidara estava adorando tudo aquilo.

- Parece que a campanha de vocês acabou de ir pelos ares.

Sept. 8, 2018, 1:14 a.m. 0 Report Embed 1
The End

Meet the author

Hystera Keiko Só não sou mais perdida porque moro com a minha mãe

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Related stories