Manchado e Senhor Manchinhas Follow story

gridpudim Grid Pudim

Shikamaru se sentia bem perto de Temari. E Temari descobriu o quanto sua personalidade o agradava. Ninguém falaria mal de seus amigos perto dela.


Fanfiction Anime/Manga All public.

#querobiscoitofns #gincanafns #shikatema #temari #shikamaru #naruto
3
4742 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

N/A: Olá pessoal!

Essa história pertence a #GincanaFNS #QueroBiscoitoFNS do grupo do facebook Fanfic Naruto Shippers
Uma das regras era usar a representatividade e também usei o tema do desafio passado, infância.
Espero que gostem porque é puro amorzinho


***


— Bom dia Senhor Manchinhas! — disse Temari contente com os lambeijos que seu gato lhe dava. — Acorde os meninos, vou levantar.

Temari estava feliz, hoje era seu primeiro dia na escola nova. Sua família havia, a um mês, se mudado para Konoha, uma cidade maior que Suna, sua cidade natal, e estava se habituando aos poucos com aquela cidade que era muito mais barulhenta e movimentada que a sua.

Pulou da cama e colocou seus chinelos, foi ao banheiro, escovou os dentes e se olhou no espelho sorrindo, estava radiante para o seu primeiro dia de aula.

Kankuro apareceu logo em seguida no banheiro, com a cara emburrada e com os cabelos despenteados.

— Bom dia para você também, Kank! — Ele não a respondeu, só murmurou alguma coisa e pegou sua escova de dentes.

Temari riu da cara do irmão e o deixou sozinho no banheiro, voltou para seu quarto, se trocou rapidamente e pegou sua mochila que já estava organizada para seu primeiro dia de aula. Desceu as escadas que davam para a sala, saltitando, degrau por degrau.

— Bom dia, querida! — falou Karura, sua mãe. — Parece animada.

— Primeiro dia de aula!

— Espero que continue com toda essa energia até o final do ano.

Temari riu e se sentou na mesa cumprimentando seu pai que já devorava seu pão e café com leite quente. Gaara chegou logo e se sentou com todos ali, não falou muito e comeu seu pão. Kankuro desceu pelas escadas bocejando e arrastando a mochila no chão.

— Kankuro, foi você quem comprou a mochila? — perguntou Rasa, seu pai.

— O que?... — olhou para a mochila que batia pelos degraus e a levantou rapidamente colocando nos ombros. — Desculpa papai!

— Vamos, comam logo que o pai de vocês irá deixá-los na escola. — falou Karura e todos se apressaram.

♦♦♦

Rasa os deixou no portão da escola e deu uma missão importante para Temari.

— Filha, procure primeiro pelas salas dos seus irmãos, fale com alguém que seja responsável por isso, você já tem 12anos, é a irmã mais velha, tem que cuidar de seus irmãos, tudo bem?

— Tudo bem, pai! — Temari deu um aceno feliz para seu pai e ele sorriu para ela saindo com o carro em direção ao seu trabalho.

Assim que entraram na escola, Temari avistou uma mulher bonita com cabelos negros e compridos que conversava com todas as crianças que ali passavam, então deduziu que ela pudesse saber de algo.

— Olá! Eu… queria saber… onde fica as nossas salas de aula, somos alunos novos. — Temari falou puxando o vestido da mulher.

— Olá, querida! — a mulher sorriu para Temari e se abaixou um pouco para ficar na altura de todas as crianças. — Eu sou a Kurenai e posso levá-los para as suas salas. Só precisamos do nome completo de vocês.

Temari afirmou com a cabeça e começaram a seguir a amável mulher até a sala da diretora da escola. Kankuro começara a ficar animado vendo todas aquelas crianças correndo e brincando, Gaara continuava quieto e de mãos dadas com Temari, não estava com medo, mas era tímido.

Quando chegaram na sala da diretora, puderam ver uma mulher de olhos cor de mel e cabelos grandes presos em dois cachos baixos.

— Olá crianças, sejam bem-vindos, como vocês entraram no meio do ano letivo, caso tenha alguma dúvida, não tenham vergonha em perguntar, tudo bem? — os três assentiram para a diretora e Kurenai se encarregou de levá-los para suas devidas salas.

O primeiro a ir para a sua sala foi Kankuro, sua sala era a mais próxima da sala da diretora e Kurenai logo o deixou ali, ele se despediu dos seus irmãos e o professor Gai o recebeu com um grande sorriso no rosto.

— Olá, meu jovem! — Kankuro parecia tímido, o que não era da sua personalidade, mas logo abriu um sorriso para o professor. — Pessoal, este é Kankuro, ele veio de outra cidade, deem as boas-vindas a ele! — os amigos de classe fizeram o que Gai pediu e o professor deu um joinha para Kurenai. — Pode deixá-lo aqui, teremos uma aula excelente agora. Pode se sentar ali, em frente o meu querido aluno Rock Lee.

Kankuro olhou para o menino que o professor havia indicado e franziu o cenho. O tal do Rock Lee era a cara do seu professor. Piscou duas vezes e se sentou no local ordenado. Temari e Gaara acenaram para seu irmão que já havia achado sua sala e Kankuro retribuiu o aceno.

— Boa aula, crianças. — falou Kurenai e voltou a levar os outros para suas salas. — Vamos crianças. A próxima sala mais perto é a do Gaara. — Kurenai sorriu para o mais novo que apertou a mão de Temari, estava nervoso.

Caminharam alguns corredores pequenos da escola e chegaram a sala de Gaara. Kurenai bateu na porta e quem apareceu foi um professor. Ele era moreno, alto e Temari cogitou a hipótese de que os dois eram um casal por como Kurenai olhava para ele.

— Gaara, querido, este é o Asuma, seu professor. — disse Kurenai apresentando o mais novo ao homem com barba cheia.

— Olá Gaara, tudo bem? — Gaara assentiu com a cabeça, mas não largava a mão de Temari.

— Vamos Gaara, esse é seu professor novo e seus novos amigos. — Temari disse dando um passo mais adiante com seu irmão ainda de mãos dadas.

— Venha Gaara, não tenha medo. — falou Asuma sorrindo para o pequeno que sorriu envergonhado também.

Gaara desfez as mãos com sua irmã e arrumou a pequena mochila nas costas, deu passos envergonhados e ficou ao lado de seu novo professor.

— Pessoal, este aqui é Gaara, ele veio de outra cidade e agora está aqui conosco. Gaara, pode sentar ao lado daquele menino… ali. — Gaara não entendeu e Asuma pigarreou. — Shikamaru acorde!

— Hã? — falou o menino de cabelos presos que estava cochilando em sua carteira escolar. — Me chamou, professor.

— Shikamaru, este é Gaara, seu novo colega de classe… — Asuma se virou para Gaara. — Sente-se na carteira ao lado da dele, aquela perto da janela. — Gaara assentiu e se sentou em seu lugar.

Temari olhou para o menino que voltou a dormir. As mãos dele eram diferentes, tinham manchas mais claras, e quando Shikamaru levantou sua cabeça para olhar seu professor, Temari percebeu que, em seu rosto, na parte dos lábios e nariz, ele também tinha manchas.

Sem querer, Temari lembrou de seu gato, Senhor Machinhas, e sorriu feliz olhando para o chão, pensou consigo mesma, “... se existiam gatos com manchas pelo corpo, porque não podem existir pessoas assim também?...”

— Vamos ? — perguntou Kurenai.

A menina saiu de seus pensamentos e assentiu feliz para a mulher.

— Agora é a sua sala, finalmente! — Kurenai falou sorrindo para Temari que tinha seus olhos brilhando.

♦♦♦

Temari foi para sua sala e fez amizade com algumas meninas, uma delas era uma menina de cabelos vermelhos que não parava de brigar com outro menino que tinha dentes afiados, seu professor era um homem com um grande cicatriz em um dos olhos e cabelos brancos, mas não parecia tão velho.

A pequena aprendeu muita coisa em suas aulas, mas não parava de pensar no menino com machinhas como seu gato. Era diferente e Temari sempre gostava do novo.

O sinal do intervalo soou, Temari pegou sua pequena lancheira e correu para o pátio da escola, procurando por seus irmãos, logo achou Kankuro. Ele estava com o mesmo menino que seu professor havia apontado para que sentasse próximo.

Temari foi chegando perto e escutou um pouco da conversa:

— Você gosta de jogar futebol? — Rock Lee perguntou.

— Nha, não muito. — claramente Kankuro queria apenas comer seu lanche. — Você, não vai comer?

— Vou sim, mas…

Antes que Rock Lee pudesse terminar de falar, Temari chegou perto e o assunto foi cortado.

— Oi Tema! — disse Kankuro com boca cheia de sanduíche. — Esse é Rock Lee…

— Olá irmã do Kankuro! — Rock Lee falou com um enorme sorriso no rosto segurando a bola de futebol na mão.

Kankuro avistou Gaara do outro lado do pátio e acenou para o menino que não saiu do lugar, Temari não entendia porque seu irmão estava ali e não vinha para perto deles.

— Vou ver o que está acontecendo com Gaara. — disse Temari deixando Kankuro e Rock Lee para trás.

Aos poucos Temari foi chegando perto de seu irmão mais novo e percebeu que, ao lado dele, havia alguns meninos rindo muito alto. A menina sentou-se próxima do irmão e falou:

— O que está acontecendo Gaara?

— Esses meninos… — Gaara apontou e os meninos olharam para ele agora. — Estão zombando de nós.

Gaara era tímido e era difícil que ele fizesse amizades, mas parecia calmo e ao mesmo tempo, parecia querer ajudar seus supostos novos amigos, estava preocupado com eles, o menino com manchas pelo corpo e outro que era um pouco gordinho com um saco de batatas no colo.

— Foi contar para a irmã mais velha, é? — perguntou um menino alto com cabelos platinados e lisos, penteados para trás.

— E qual o problema, hein? — perguntou Temari novamente de pé e encarando o menino, teti-a-teti. — Me diga, qual o problema?

— Seu irmão é esquisito com esse cabelo vermelho. — disse o menino.

— E quem é você? — perguntou Temari. — Com esse cabelo seboso.

— Sou Hidan e pelo menos não sou covarde como seu irmão e esses dois aqui. — Apontou para Shikamaru e o menino ao seu lado. — Fracotes.

— Você é covarde sim, só por ser mais velho, fica enchendo o saco dos outros.

— Nossa, que medo dela. — falou Hidan levantando as mãos para o alto, zombando de Temari. — Quer mesmo me enfrentar? — ele perguntou fazendo seus amigos darem risada.

— Você é um babaca!

— E o manchado, você vai defender ele também? — um amigo do Hidan falou tirando o elástico que prendia o cabelo de Shikamaru.

— Vou sim! — Temari falou chegando perto do menino que provocava. — E me dê isso que não é seu.

Temari pisou no pé do menino e arrancou o elástico da mão dele, e o deu para Shikamaru novamente. O mesmo menino se recuperou do pisão e pegou as batatinhas que o amigo de Shikamaru segurava.

— Pare com isso, devolva as batatinhas dele. — Temari pulou em direção as batatinhas.

O menino as segurava no alto, com suas mãos estendidas.

— Vocês não tem vergonha não? — perguntou Hidan. — Serem defendidos por uma menina.

— Fala isso porque não conhece Temari. — Kankuro disse chegando perto de seu irmão.

O amigo de Hidan se distraiu ao ver os outros chegarem e Temari finalmente pegou as batatinhas das mãos dele.

— Vocês são uns idiotas. — Hidan disse dando risada. — Vamos Kakuzu, vamos Kisame.

— Idiotas são vocês! — berrou Temari quando os meninos foram embora.

Temari estava irritada. Nunca ninguém havia caçoado de seu irmão antes, mas nunca Gaara havia feito amizades antes também.

Olhou seu irmão rindo com Kankuro que imitava os valentões e riu também, mas ainda estava preocupada.

— E vocês dois? — perguntou Temari a Shikamaru e seu amigo.

— Obrigada por nos defender. E me chamou Chouji. — disse o menino das batatinhas.

— Mas porque não fizeram nada?

— Não adianta. — falou o menino com manchas. — Eles fazem isso sempre.

— Mas se vocês nunca fizerem nada, eles sempre vão encher o saco de vocês.

— E o que vamos fazer? — perguntou Shikamaru.

— Podem bater neles. — disse Temari mostrando o muque.

— Problemático. — Shikamaru bufou e olhou para o céu. — É tudo por conta dessa doença.

— Doença? — Kankuro e Rock Lee perguntaram juntos. — Oh, desculpa, não me apresentei. — falou Rock Lee. — Sou Rock Lee, e estou na mesma sala que ele.

— Kankuro. — respondeu o irmão de Temari. — Eu e ela somos irmãos dele. — apontou para Gaara.

Chouji cumprimentou todos e Shikamaru também.

— Eu tenho uma doença, por isso essas manchas pelo corpo. — explicou Shikamaru.

Chouji abraçou o amigo e bateu em seu braço com suas mãos cheias de farelo de batatinhas.

— Fiquem tranquilos. — disse Chouji com um grande sorriso no rosto. — O que meu amigo tem não passa para ninguém não.

— E porque sua pele é assim? — perguntou Kankuro que levou um pisão no pé de Temari. — Ai!

— Não, tudo bem! — Shikamaru disse rindo ao ver a reação da menina. — Eu não sei bem, mas minha mãe disse que se chama vitiligo, o médico falou pra ela que isso acontece com algumas pessoas, mas estou fazendo tratamento, e não passa pra ninguém.

— Oi meninos! — Shikamaru terminou de falar e apareceu uma menina loira com um cabelo preso em um rabo de cavalo. — Oi, eu sou a Ino. — falou a menina se apresentando para Kankuro, Gaara e Temari.

— Como vai ? — perguntou Chouji.

— Bem, vi que fizeram amigos novos. — Ino sorriu e mordeu um pedaço de seu lanche.

— Ino, você devia ter visto o que Temari fez com Hidan e aqueles amigos idiotas dele. — falou Rock Lee.

Rock Lee e Kankuro ficaram imitando sobre a briga e os outros davam risadas, Ino ficou muito feliz em saber que Temari estava por perto para ajudar seus amigos e Gaara parecia feliz por estar ali no meio daquelas pessoas, o que fazia Temari ficar mais tranquila.

♦♦♦

Alguns meses depois, Temari conseguiu colocar o Hidan e seus amigos no seu devido lugar, alegando que sabia que ele fazia xixi na cama e tinha uma foto dele com a cama toda molhada. Temari mentiu, não tinha certeza que o menino realmente fazia xixi na cama, mas na saída da escola, já ouvira a mãe de Hidan comentar sobre isso com outras mães e então usou aquilo para amedrontar o menino.

Os três irmãos de Suna haviam feito uma pequena pesquisa, com a ajuda de Karura, sobre o que era vitiligo e entenderam melhor da doença do amigo Shikamaru. No entanto, Temari, comovida com a história do menino que não tinha muitos amigos e sofria preconceito na escola, pediu para a diretora Tsunade, para que colocassem alguns cartazes na escola falando sobre bullying.

A diretora não entendeu muito bem o porque a menina, tão nova, estava preocupada com isso, e então Temari lhe explicou.

— Diretora, eu sei que você já deve saber, mas aqui na escola existem pessoas diferentes, o meu irmão mais novo tem um cabelo vermelho feito fogo. — Tsunade cruzou os braços atenta ao que a menina dizia, era pequena mas muito inteligente.— O amigo do meu irmão, Chouji, é gordinho e come muito, mas isso não faz ele ser ruim, ele só gosta de comer e, afinal, que mal há nisso? — Tsunade deu uma pequena risada e assentiu. — E tem também outro menino que sofre muito com as piadinhas que fazem dele. Ele me diz que não se importa, mas eu acredito que seja algo chato.

— E o que esse outro menino tem? — Tsunade perguntou curiosa.

— Vitiligo. — Temari falou e Tsunade arregalou os olhos. — Você sabe quem é, não sabe?

— Sei sim. — Tsunade sentou na cadeira e voltou a olhar a menina que ainda a olhava atentamente.

— Eu não gosto de ver meus amigos tristes por serem quem são. — falou Temari olhando para seus pés que balançavam na cadeira.

— E você está certa. Me deu uma boa ideia sobre o que fazer.

Tsunade e Temari se olharam com um grande sorriso no rosto e a pequena saiu da sala da diretora e foi para sua sala de aula.

♦♦♦

Alguns dias depois, Tsunade e os outros professores organizaram cartazes e falaram sobre bullying na escola, a importância de respeitar o próximo e aceitar que ninguém é igual a ninguém.

Os professores colaram nas agendas de seus alunos informativos para os pais lembrarem de conversarem com seus filhos a respeitarem os colegas e Temari ficou orgulhosa por seu trabalho.

— Temari, isso aqui foi porque você conversou com a diretora? — perguntou Karura após olhar as 3 agendas com os mesmos informativos.

— Foi sim, mãe. Ela achou que eu estava certa em falar sobre isso na escola.— falou a menina enchendo o peito de entusiasmo e orgulho de si mesma.

— Parabéns filha. — Karura abraçou a menina.

♦♦♦

— Mãe, posso chamar alguns amigos para vir em casa? — perguntou Gaara depois de jantar.

Karura arregalou os olhos, nunca imaginaria que Gaara fosse pedir algo assim, seu filho era extremamente tímido e quieto, agora com amigos, ela não poderia recusar esse pedido.

— Eu acho ótimo filho, estou feliz que você fez amigos.

— Pena que o papai não vai estar em casa pra conhecer eles. — falou Gaara animado saindo da cadeira. — Vou chamar todos amanhã mesmo.

Rasa às vezes viajava a trabalho e Karura ficava sozinha com as crianças, mas seu irmão sempre aparecia para ajudá-la com os pequenos.

No outro dia Gaara convidou seus amigos para passarem o sábado na sua casa e Karura arrumou tudo para receber a criançada, comprou algumas coisas para fazer lanches a todos e pegou os jogos de tabuleiro que ela sempre mantinha guardados, e os deixou na mesa para quando as crianças quisessem brincar.

Meninos e meninas chegavam aos poucos, Os três irmãos estavam super animados, a muito tempo não recebiam amigos em casa. Gaara ria muito com as palhaçadas de um amigo loiro dele, junto com Rock Lee.

Kankuro ficava conversando com um novo amigo que fez esses dias, ele tinha cabelos compridos e Kankuro estava querendo deixar o seu igual.

Shikamaru e Chouji chegaram junto com Ino e Gaara pediu para todos sentassem ao redor da mesa, para que pudessem jogar um dos jogos de tabuleiro. Com o decorrer do jogo, Shikamaru sentiu algo peludo passando por suas pernas e então percebeu o que era quando olhou para baixo. Era o Senhor Manchinhas, que parecia à vontade com o menino.

— Ei, que bonitinho você é! — falou Shikamaru pegando o bichano no colo.

— Ah, olha quem apareceu. — falou Temari.

— Ei, Shikamaru, ele me lembra você. — disse Chouji e Shikamaru sorriu. — Qual o nome dele?

— Senhor Manchinhas. — Gaara disse. — E ele não gosta muito de visitas, mas gostou de você Shikamaru.

♦♦♦

O dia foi se passando, muitos jogos divertiram as crianças, muitas risadas foram ouvidas por Karura, Senhor Manchinhas adorava o colo de Shikamaru que evitava se mover para que o gato não se sentisse incomodado.

Temari achava que Senhor Manchinhas poderia estar doente, nunca fica no colo de nenhuma visita, muito pelo contrário, normalmente se esconde. Se esconde até de Rasa que, as vezes, fica muito tempo longe de casa viajando a negócios.

A noite foi chegando e Shikaku Nara, pai de Shikamaru foi buscar seu filho e o melhor amigo dele, Chouji.

— Shikamaru? — perguntou Karura enquanto as crianças estavam na sala de sua casa e viu o menino se virar para olhá-la. — Seu pai já está aí.

— Poxa, mas já? — falou Gaara e Shikamaru e Chouji se levantaram.

— Vou sair com meus pais mais tarde, por isso tenho que ir, e Chouji vai comigo porque mora pertinho de casa. — Shikamaru disse.

Todos levantaram e começaram a se despedir dos meninos.

— Temari, pode levá-los até a porta? — perguntou Karura. — Estou com a comida no fogo.

A menina assentiu para a mãe e levou os dois meninos para fora, Chouji se despediu primeiro e foi até o carro de Shikaku, Shikamaru procurou algo na mochila, Temari ouviu alguns barulhos e não entendia o que estava acontecendo, até ver Shikamaru tirando um papel de sua bolsa.

— Eu queria te dar isso. — Shikamaru entregou o papel a Temari que analisou percebendo ser um papel meio amassado, a menina pegou encarando-o. — Chouji me encorajou, bom, tchau!

Shikamaru foi até o carro de seu pai e não olhou mais para trás.

Temari guardou aquele papel dobrado no bolso na blusa e voltou para sala, estava ansiosa para ler, mas queria ver o que era sozinha.

Esperou todo mundo ir para sua casa, e quando foi para o banheiro, a noite, para tomar banho, antes de se despir, resolveu tirar o papel de sua blusa e finalmente ler.

O papel estava amassado, a letras eram feias, mas o sentimento que aquelas poucas palavras significavam, criou um sentimento enorme em seu coração puro e infantil da menina.

“ Quero te agradecer por me defender dos chatos da escola.
E você é muito corajosa, inteligente e eu adoro seu sorriso.
Quer namorar comigo?
ASS: Shikamaru.”

Temari não sabia o que pensar e nem o que responder, do lado de trás da carta havia seu nome e o de Shikamaru escrito com corações em volta. Ela respirou fundo e apertou o papel no seu coração.

Nunca nenhum menino havia se declarado a ela, mas achava sim Shikamaru um menino diferente, não por ele ter seu corpo repleto de manchinhas, isso não significava absolutamente nada para ela, mas ele era diferente por ser especial, por estar sempre perto dela e por não se deixar assustar pelo jeito bruto de Temari.

Não sabia o que fazer, queria poder falar com ele naquele minuto, nunca pensou que uma simples carta iria aflorar um sentimento tão gostoso em seu coraçãozinho.

Tomou seu banho cantando, coisa que Temari nunca fazia, passou o restando do seu final de semana sorrindo e sem brigar nenhuma vez com Kankuro, o que era um milagre. Mas segunda-feira, tudo mudou.

Temari não conseguiu dormir, queria ver Shikamaru e falar que queria sim namorar com ele. Estava ansiosa para falar com ele e deixar esse sentimento de felicidade rolar entre eles. Mas, naquela noite, Temari não dormiu.

Quando finalmente pode levantar da cama e se trocar, foi a primeira a ficar pronta, e a primeira a pular no carro para que Karura os levassem a escola.

Temari chegou na escola, engoliu a seco, respirou fundo e Kankuro bateu em seu ombro.

— Você tá bem? — Kankuro disse fazendo sua irmã pular de susto.

— Tô bem sim, Kankuro, pode ir pra sua sala.

— Você tá estranha demais, mas vou indo.

Temari não respondeu, foi até o bebedouro e bebeu água como se estivesse no deserto a dias e morria de sede. Sua garganta estava seca demais e não sabia o porque.

Pensou que conseguiria ver Shikamaru antes de entrar para a sala de aula, mas não conseguiu, o sinal bateu e não viu nenhum sinal do menino de cabelos presos pra cima.

Bufou indo para a sua sala de aula, teria que encarar três aulas para poder ver Shikamaru na hora do recreio. Como não tinha o que fazer para mudar isso, aceitou e foi para a sua aula. Tentou esquecer um pouco esquecer desse assunto, mas não conseguia. Só lembrava mais e mais sobre isso.

Pegou o bilhete que Shikamaru havia lhe dado e o abriu escondendo embaixo da mesa em que estava estudando, queria poder apreciar cada uma das letras feias que o menino havia escrito. Passou os dedinhos pelas letras sentindo o quanto ele apertou aquele papel para escrever cada uma delas.

O tão esperado sinal tocou e Temari guardou rapidamente o bilhete em seu bolso, pegou o lanche que sua mãe havia preparado e quase tropeçou na mala de um dos meninos de sua classe.

Saiu correndo de sua sala, mas uma pequena mão tocou na sua fazendo com que ela parasse.

— Ei! — olhou para trás e pode ver Shikamaru lhe chamando.

— Ah, oi! — Temari respondeu com o rosto quente. — É, eu… não te vi quando cheguei.

— Eu… cheguei atrasado. — Shikamaru estava tão nervoso quanto Temari.

— Ah sim.

Os dois ficaram encostados na parede e olhavam as crianças passando e correndo pelo corredor.

— Você… leu… o que escrevi? — Shikamaru não conseguia olhá-la nos olhos.

— Li e… — Temari respirou e voltou a dizer. — Li e quero namorar com você também.

Ela disse mais alto do que esperava, tinha borboletas em seu estômago e suas mãos estavam trêmulas. Nunca havia se sentido assim, estava nervosa e ansiosa para aquilo, mesmo sem saber o que faria depois de aceitar, estava ansiosa para o que Shikamaru iria fazer.

O menino, mesmo nervoso, desencostou-se da parede, e virou-se de frente para Temari que olhava para o chão. Shikamaru, ao ver que ela estava tão nervosa quanto ele, simplesmente a abraçou.

Os braços de Shikamaru a envolveram fazendo com que Temari arregalasse os olhos, ela não esperava por isso, mas o retribuiu. O abraçou de volta e pode sentir os dois corações batendo em sincronia.

Shikamaru se desfez do abraço depois de algum tempo e pegou na mão gelada de Temari.

— Vamos? Precisamos comer.

Aug. 28, 2018, 9:17 p.m. 7 Report Embed 5
The End

Meet the author

Grid Pudim PERFIL DESATIVADO ESTOU EM OUTRAS PLATAFORMAS COM O MESMO NOME!

Comment something

Post!
Políbio Manieri Políbio Manieri
PUTA QUE PARIU TOMARA QUE O SENHOR MANCHINHAS ME MATE. Que historinha mais nenem xuxu da minha vidaaa. Mano eu simplesmente AMO quando voces trabalham essas dinamicas dos irmaos areias em varias idades e em diversas situaçoes, a Temari defensora, o Kankuro bobao e o Gaara timido acabam com a minha sanidade É AMOR EM EXCESSO EU NAO AGUENTO. Adorei a separaçao das salas e as amizades pq mta gente esquece que na verdade o time Gai é da mesma idade que o Kankuro e nao que os outros genins. O SHIKAMARU MANCHADINHO EU QUERO PRA MIM QUE PEQUENO PEDAÇO DE AMOR, e quando eu li a cartinha eu n pude evitar de fazer um "aaaanw" bem alto porque eu fiquei muito fora de mim com a ideia das letrinhas feias e fala desengonçada. ALGUEM ME SOCORRE
Sept. 6, 2018, 2:36 p.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    Tao fofos esses bebes né, eu tambem amo quando trabalham com eles crianças e por isso fiquei tão feliz com o tema, eu amo mostrar a inocência deles e o coração puro que esses bebes tem <3 fiquei muito feliz que gostou :D Sept. 7, 2018, 3:23 p.m.
  • Grid Pudim Grid Pudim
    Tao fofos esses bebes né, eu tambem amo quando trabalham com eles crianças e por isso fiquei tão feliz com o tema, eu amo mostrar a inocência deles e o coração puro que esses bebes tem <3 fiquei muito feliz que gostou :D Sept. 7, 2018, 3:24 p.m.
Tatu Albuquerque Tatu Albuquerque
MEU DEUS, GRID, EU TÔ SURTADA E MORTA COM O PICO GLICEMICO QUE ESSES DOCINHOS ME DERAM. OLHA ESSAS CRIANÇA DE SUNA, OLHA A TEMARI ENFRENTANDO OS BARRAQUEIRO AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA EU TÔ MUITO CONTEMPLADA DE AMOR E FOFURA
Sept. 6, 2018, 8:53 a.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    AAAAAAAA que bom que gostou, foi muito gostoso fazer essa fic <3 muito mesmo! Sept. 7, 2018, 3:18 p.m.
Mari Satsuki Mari Satsuki
Qual casal aquece mais o coração das pessoas e porque é shikatema? Estou completamente apaixonada por sua fic, de verdade! Achei a temática muito leve, gostosa e sinceramente? leria mais uns 20 capítulos dessa história, ou muito mais se assim fosse sua vontade escrever heheh A junção das temáticas caiu suuuper bem e foi o ponto forte dessa história maravilhosa! Amo shikatema e amei muuuito sua fic ♥
Sept. 4, 2018, 8:29 p.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    Obrigadaaaa <3 fico muito feliz em saber que consegui transpassar o que eu mais queria e que seu coração ficou tão quentinho quanto o meu Sept. 5, 2018, 12:24 p.m.
~