Como foi o meu fim? Follow story

cuteboy coffeetears

Eu não pude ver os últimos instantes que ainda respirava, mas enfim, como foi o meu fim?


Fanfiction Not for children under 13.

#narusasu #one-short #drama #yaoi #sasunaru
Short tale
1
4669 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

E foi assim que se acabou.

Notas da autora; Olá galera do bem, espero que gostem de mais uma estória criada por mim, tenham uma boa leitura.


Tive essa ideia assistindo o filme: Hoje eu quero voltar sozinho.


Aviso: Contém suicídio.


~~~~~~~~~~~~~


Era sexta a noite, exatamente onze e vinte, e ele estava sentado na cama, coberto com lençóis até a cintura, sua expressão facial era depressiva como em todos os outros dias, mas naquela noite parecia que o vazio dentro de si havia se tornado um monstro descontrolado, e este monstro queria ir embora. Um adolescente atordoado e oprimido pela depressão, era tudo que lhe definia, tudo que se passou nos dezesseis anos de vida do menino não poderiam ser mais agoniantes, desde de pequeno foi alvo de bullying por conta de te nascido com uma pequena deficiência. Não podia ver as cores do mundo, mas sabia que tudo seria tão sombrio quanto imagina. Agoniado com o barulho da chuva batendo na vidraça da janela ele levantou agitado, parando e puxando os próprios cabelos como uma tentativa falha de tirar um pouco da dor de si. Caminhou devagar até onde escutava os pingos caindo, tocou o vidro pensando que sentiria o momento em que as gotas batessem lá, era quase um pensamento inútil, na verdade, era tão inútil quanto tudo que pensara em fazer naquela noite. A não ser a sua última opção. Sasuke Uchiha encostou a cabeça no vidro e respirou fundo, sentindo o úmido e gelado ar que apenas o quarto do mesmo continha, pensava-se; todos os móveis ainda são das mesmas cores das que o falaram? Aquelas cores que tanto ouvia falar e que tanto amara ao longo de seus anos vivo mesmo sem nunca saber como elas realmente são, logo o menino se desencostou da janela e voltou a andar pelo quarto, passando a mão em cada móvel tentando relembrar naquele momento a posição de cada um deles. Quando estava perto de sua cama agachou-se e passou as mãos pelas três gavetas do criado mudo que ali havia, chegando a última gaveta, abriu-a e tirou a arma, uma arma que havia pegado de seu pai dias depois do mesmo ter matado a mãe do garoto, tremeu assim que encostou no ferro gelado do objeto, devagar ele levantou e a pôs em cima da cama com cuidado. Sentou-se ao lado da arma e tentou alcançar o telefone fixo presente também no criado mudo, segurando o aparelho perto da boca passou os dedos por cima das teclas, sentindo o relevo do Braille e começou a discar um número que, ao passar dos anos, ficara gravado em sua mente.

Três toques até que finalmente ouvisse aquela voz sonolenta que tanto amava, a mesma era como uma música rara nunca tocada para o mundo, algo que, para Sasuke, era sua melodia favorita.

— Alô? Sasuke? Por que está ligando a esta hora?

— A sua voz me acalma, eu queria muito escutá-la novamente...

— Ownt, Sasu — O garoto do outro lado da linha deu uma risada doce, totalmente satisfatória. — Agora me bateu a vontade de te ver, estarei super ansioso para lhe ver amanhã, podíamos tomar um sorvete se não tiver chovendo. Bem... Tenho um pressentimento de que não é isso que você quer falar, certo?

— Sim, mas... — Respondeu calmo, enquanto passava a mão amaciando o colchão. — O que você faria se eu não aparecesse amanhã? — Um silencio tomou conta do outro lado da linha deixando o moreno desnorteado, a ligação havia caído? — Naruto? Ainda esta ai?

— Ah, desculpe... Estou aqui sim. Bem... Eu não sei o que eu faria, mas o que você quer dizer em não parecer amanhã? Você está doente? — O tom de voz preocupado do garoto do outro lado da linha despertou um pequeno e dócil sorriso em Sasuke.

— Não, eu não estou doente.

— Então... O que lhe impediria de aparecer amanhã?

— Bom, talvez o fato de eu não estar mais respirando, sabe? Morto. — Um som engasgado veio do outro lado da linha.

— O que!? Sasuke Uchiha, você não está pensando em fazer nada não, não é?

— Se acalme, eu não farei nada. — Mentiu, uma mentira que causaria uma dor intensa naquele que o escuta logo, logo. — Apenas estou assegurando, você sabe como minha mente é um pouco perturbada, mas, eu garanto que nada acontecerá.

— Amém. — Respirou aliviado, os barulhos da respiração ofegante do loiro foram super capazes de ser ouvidas, ele era ansioso, tudo fazia seu coração acelerar ao extremo. — Bem, qual sua dúvida mesmo?

— E se eu não pudesse aparecer mais? E se eu morrer? O que você faria? — Fechou seus olhos fortemente esperando a resposta daquele que era secretamente apaixonado, e que, por motivos óbvios, demorou para responder.

— Eu... Não sei, Sasu. Não consigo imaginar este mundo sem você... Seria horrível. Você sempre esteve ao meu lado, é meu melhor amigo e eu gosto muito, muito de você. — Sua voz baixa e desanimada fez com que Sasuke imaginasse o estado de Naruto, o que era meio incomum para o loiro.

No curto momento que Naruto calou-se Sasuke tentou refazer a aparência do garoto na cabeça, lembrando-se dos cabelos que se diziam ser amarelados, olhos azuis, pele bronzeada, mesmo ele nunca sabendo como eram aquelas cores, ele inventava, Naruto era uma obra de arte para Sasuke, ele é até incluso na lista de coisas que queria ver como qualquer pessoa normal vê. Há apenas dois itens, um arco-íris e Naruto.

— Acho que — Naruto voltou a falar. — Não sei bem, você me sustenta, me mantém em pé, se você se for, eu meio que cairia e se eu cair...

— Você desiste de viver — Completou.

— Não! Quer dizer... Eu não sei, eu realmente não sei. Eu não iria me sentir bem comigo mesmo sabendo que você não existe mais, acho que preciso de você. — Sasuke não se conteve, a primeira lágrima caiu e abriu passagem para todas as outras e quando ele foi notar já estava soluçando em meio ao choro.

— Me desculpe, por favor me desculpe! Eu realmente não suporto mais, eu não aguento mais isso. Quero só que acabe. Eu vou acabar com isso — Lentamente, Sasuke pegou a arma com a mão livre e a pôs na própria cabeça, só havia uma forma de fazer aquilo rapidamente. — Eu amo você. — E o gatilho foi puxado.

Aug. 20, 2018, 2:02 p.m. 0 Report Embed 2
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~