A Curiosidade Matou O Gato Follow story

spidercristina Natalle Cristina

Quando a curiosidade é maior do que tudo, ela pode ser letal


Short Story Not for children under 13.

#crime #conto #chuva #curiosa
Short tale
5
5102 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Em Um Beco, O Gato Veio A Óbito

Relampejava, meus passos apressados eram as únicas coisas que eu ouvia além da chuva.

Outra vez, não que me fosse novidade, havia esquecido o guarda-chuvas e estava correndo na intenção de encontrar ao menos uma marquise para esperar a tempestade passar.

Lembro-me que neste dia, no caso noite, ao finalmente encontrar um abrigo, este que era um ponto de ônibus, pude ouvir num beco não tão longe gritos exaltados de um homem e falas não tão amigáveis de uma mulher.

Se eu fosse um pouco menos curiosa, teria ignorado ou simplesmente saído dali para um lugar mais silencioso, porém minha mãe sempre disse que eu era a garota mais curiosa que ela já teve o desprazer de conhecer, claro que como sempre ela estava certa.

Eu naquele tempo não passava de uma colegial que fofocava com as amigas enquanto pintávamos as unhas do pé uma das outras.

Então, você claramente entende que não pude me conter, e quando dei por mim já estava a caminho do beco.

As vozes ficavam mais nítidas e volumosas a cada passo meu, e com um breve rolar de olhos, irritada com a minha curiosidade demasiada grande, adentrei o local mal iluminado.

Não havia muito além de uma grande lixeira, a qual usei como esconderijo, o mau odor de urina, calhas das quais água caia em cascata junto a parede e a frente num ponto mais iluminado um casal que discutia.

O assunto; uma suposta traição por parte do homem, cativava-me mais ainda.

Não me entenda mal, como já disse naquela época eu era apenas uma garota de colegial que adorava fazer fofocas e contar para minhas amigas, estas que hoje sei que não passaram de colegas, que eu havia escutado escondido atrás de uma lata de lixo sobre uma traição seria um trunfo e tanto.

É certo de que eu nunca imaginei que aquela briga fosse ter o rumo que teve; Fora de uma discussão aceitável para algo que criança alguma, como eu era na época, devia escutar, mas claro, as palavras de baixo calão e as ameaças causavam-me risadinhas e minha mente maquinava inúmeros modos de como aumentar aquilo de modo exagerado quando contasse para minhas amigas.

Mas eu nunca fui muito conformada, então apenas sentar-me atrás da lixeira e escutar pareceu-me pouco, logo estava espreitando sorrindo ainda mais com a visão do casal.

A chuva naquele momento não me era problema, afinal, como já disse, aquilo era um trunfo e tanto.

Porém pensava que aquilo não podia tornar-se melhor, mas o destino adorava me contrariar; Reconheci o casal.

Estava enganada ao dizer ‘’homem’’ e ‘’mulher’’, afinal Jacob McCall e Penny Stein, não eram muito mais velhos do que eu.

Era veteranos, e aquilo era espetacular!

Não me lembro bem do que eu pensava em fazer com aquela informação, mas acho que envolvia algo como chantagem.

E enfim, eu achava que era a minha deixa para ir embora, afinal já tinha o bastante e a chuva parecia engrossar.

Então, me levantei, e quando dei o primeiro passo um raio entrecortou os céus ao mesmo tempo que um som que me era familiar dos inúmeros filmes de ação que já assistir; Um som de tiro.

E como que para confirmar tal coisa, mesmo em meio ao cheiro de terra molhada que a chuva me oferecia o odor irritante de pólvora me atingiu e foi como dar de cara com uma parede.

Como que por instinto, voltei ao meu esconderijo, espreitando a cena que me faz ter pesadelos ate hoje; Penny sorria sinistra para a arma em sua destra, e Jacob tinha as mãos na barriga,

Sua camisa azul-claro, já molhada pela chuva, manchava-se de sangue e ele ia de encontro ao chão caindo aos pés da garota que um dia havia me dito para não usar glos rosa e sim batom vermelho.

Com a mão na boca, e olhos marejados, levantei-me e corri.

Eu havia presenciado um assassinato e não queria ser a próxima vítima.

Foi neste dia, que eu percebia que a curiosidade realmente poderia vir a matar o gato.

Aug. 19, 2018, 11:21 p.m. 4 Report Embed 6
The End

Meet the author

Natalle Cristina ''Quando temos ligação com uma arte mágica, como por exemplo a wicca, temos uma ligação direta com a natureza e isso nos permite ver além do que nossos olhos normais enxergam, e uma dessas coisas é a beleza além das aparências.'' John Campari

Comment something

Post!
Spencer Hollister Spencer Hollister
Seu conto é muito diferente do que imaginei que fosse apenas pelo título, mas é tão bom quanto imaginei que fosse. O enredo realmente fez Jus ao título e você conseguiu criar uma boa história com relação á tudo isso sem deixar que saísse do controle ou ficasse esquisito. Muito bom! Parabéns.
Nov. 7, 2018, 12:58 p.m.
Kaline Bogard Kaline Bogard
Olá! Creio que você escreveu um bom conto em poucas palavras. A escolha do título foi apropriada, pois desperta a atenção do leitor para o que pode acontecer na trama. A narrativa começa de um jeito descontraido, bem no ponto de vista de uma adolescente. Então temos uma cena inusitada que termina de um jeito ainda mais inusitado! Podemos dizer que foi realmente twist! Acredito que a protagonista aprendeu mesmo a lição. Deixo a dica de uma revisada no texto. Encontrei uns poucos errinhos, principalmente de acentuação. Nada que tire o valor do texto, mas apenas na intenção de sempre melhorar! Parabéns pela história!
Sept. 29, 2018, 11:32 a.m.
Marchetti ! Marchetti !
A curiosidade fez ela presenciar um assassinato! Impressionante seu conto, parabéns, gostei muito! Bjs
Sept. 19, 2018, 11:37 a.m.
Karimy Karimy
Olá, tudo bem? Estava procurando por um conto e resolvi dar uma olhadinha neste e, nossa! Ainda bem que o fiz. Gostei bastante do crescente drama da história, acho que foi uma das partes que mais me prendeu a ela. Fiquei o tempo todo: mas e agora? E agora? Rsrsrs Isso é muito, muito legal, principalmente ao considerar o tamanho da história. A única coisa que me pegou um pouco durante a narração foi o parágrafo que começa assim: "O assunto; uma suposta traição..." Isso porque tive de voltar duas vezes para tentar entender o que você quis passar com ele, a ideia final do parágrafo está meio que incompleta, acho que seria interessante você dar uma olhadinha. Fora isso, achei o título muito criativo e bem de acordo com o conto, a personagem me passou uma sensação muito verdadeira quanto aos sentimentos dela durante a situação, mesmo com todo egoísmo que a curiosidade dela carregava. Apesar de você não ter descrito o cenário e os personagens, ficou bem nítido o local e tudo o mais para mim, porque as palavras escolhidas me fizeram ter uma visão única do casal e também da narradora, assim como do beco em que estavam, o que é bastante legal e um recurso difícil e maravilhoso para ser usado em contos. Com relação a gramática, eu sou muito adepta a certas regras gramaticais, principalmente a vírgulas, porque através delas que conseguimos perceber ritmo da história, além de evitar ambiguidade e confusões. Notei alguns erros nesse aspecto e também um verbo, como exemplo, que não devia estar no infinitivo, mas está: "que já assistir...", mas também não é nada que atrapalhe o texto, só estou escrevendo a respeito para caso tenha sido algo que lhe escapou ou para caso deseje fazer uma correção no futuro. Bom, como disse, o conto está mesmo muito legal. Gosto de sentir o local, os personagens e seus sentimentos durante uma história, e você conectou tudo muito bem e de forma simples. Acho bom enfatizar o fato de você ter escolhido palavras chaves para não precisar jogar descrições e eu acho isso muito bom mesmo, além de muito complicado. Bom... É isso! Parabéns, o texto está ótimo! Bjnn! :*
Sept. 15, 2018, 11:35 a.m.
~