Pâtissier Follow story

nguyen Jinro '

Wooseok era dessa forma, misturado, equilibrado de sabores e sensações, e dessa forma, levaria Yuto do doce, ao apimentado. ✽ ❛ wooyu~ fluffy ~ cooking!au❜


Fanfiction Bands/Singers Not for children under 13.

#kpop #jinro #pentagon #ptg #wooyu #yuwoo #cookingau #cute #fluffy #ecchi #yaoi #boyxboy
Short tale
0
4906 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

;doux et epicé

E, de repente, eu comecei me sentir entristecido.

Os olhos deles estavam tão vidrados no anime de gênero yaoi que via, que Wooseok passou a não prestar mais atenção ao seu redor. Mesmo que ele estivesse com a cabeça repousada sobre meu colo, comigo fazendo um leve cafuné no topo de sua cabeça.

Eu sabia que ele não iria chorar quando o protagonista da animação finalmente se declarou para seu amante, mas acabei ficando pensativo como ele se sentiria em relação às nossas declarações de amor.

— Ah, eles são tão fofos juntos! — exclamou, manhoso. — Parecem conosco no início do nosso namoro, Uto!

Engoli em seco, ansioso.

Eu odiava falar sobre o começo de nosso relacionamento. Meus amigos acabaram descobrindo sobre a queda que eu tinha por Wooseok, e me obrigaram a me declarar para ele, totalmente contra a minha vontade. Porém, provavelmente, se não fosse pela ‘mãozinha’ que haviam me dado, eu jamais teria tido coragem de sequer conversar com o Woo.

— Ah, eu não era tão... Tímido assim.

— Realmente. — riu, virando-se para ver o meu rosto. — Você ainda é. Muita das vezes, mal conseguimos trocar palavras, você é muito retraído Uto-tii. — reclamou, cutucando meu quadril.

— Desculpe, nunca é minha intenção, mas é que eu gosto muito de observar você. — corei. — E eu ainda tenho dificuldade com...

— Ah não tem não. Você sabe falar coreano muito bem! — sorriu, brincalhão. — Inclusive, você fala a minha língua muito bem, ‘Adachi-kun’. — usou o chamamento japonês, constrangendo-me.

— Não fale assim, Seokkie! — desviei o rosto, ainda travado com minhas palavras, como sempre.

Ele sorriu, pousando um breve selinho sobre meus lábios, seguidos de uma mordidinha graciosa, então, voltando a se repousar sobre mim, observando o fim do episódio do Anime. Era verdade que estávamos num ponto confortável, numa posição estável, e nos amávamos bastante.

Wooseok fazia sempre questão de ser expressivo, ele era bom não só com palavras mas também, com sons e melodias. Ao se sentir inspirado, ele logo escrevia alguns versos e me mandava, se declarando, eximindo todo seu sentimento por mim, enquanto eu; não conseguia passar de cafunés na cabeça.

Um verdadeiro desastre.

— O episódio acabou... — suspirou. — Mas eu aluguei mais 4 temporadas inteiras! — prendeu-me sobre suas pernas, me obrigando a ver consigo. — Vamos ver juntos, né? — questionou, ansioso.

— Er, bem... Eu tenho algumas coisas para fazer. — menti, chateado. — Prometo ser rápido, e assim que terminar eu volto, sim? — assentiu, muxoxo, com um pequeno bico de contragosto que não hesitei em beijar.

Joguei uma coberta felpuda sobre Wooseok, vendo-o se aprumar nas almofadas do sofá, ansioso com o yaoi que eu já tinha visto. Eu já sabia o final da trama deles, mas eu não sabia o final da minha. Não tardei a ficar desconfortável com toda a minha ausência de palavras, eu precisava rapidamente tomar uma atitude quanto a isso. A verdade era que eu não tinha nenhum problema em conversar com as pessoas, mas... Perto do Woo...

Era diferente.

Eu realmente preferia ficar só observando o maior, vendo seus dotes e paixões. Sempre me perguntei o que era que eu tinha demais em seu ver; por ser tão calado e na minha, eu mal dizia... Bom dia. Era até contra minha vontade, mas acontecia, e precisava resolver logo a situação.

Nervoso, me dirigi a cozinha, finalmente, podendo encontrar algo em que pudesse expressar meu amor; tendo a plena certeza que faria algo bom o suficiente.

Pâtisseir.

[...]

Por algumas horas, eu me questionei sobre como fazer todo aquele trabalho de confeitaria, já que não conseguiria sair para fazer compras sem levantar suspeitas.

Então, teria de me virar com o pouco de doce que conseguiria fazer com frutas e massas de bolo.

Além de que, o doce havia de ser inspirado na personalidade do Woo, possui a dúvida, de como faria algo de textura adocicada, tendo sabor apimentado.

Combinava exatamente com ele, não só pelo físico, mas também, pela doçura de seus dizeres, como também a intensidade e voracidade que possuía ao se apaixonar. Wooseok era dessa forma, misturado, equilibrado de sabores e sensações que eu adorava provar sempre.

Era comum não só noites apimentadas como também dias doces, e tardes intensamente carinhosas. De mãos dadas juntos, ou embolados ao ver um filme, ele jamais deixaria-se abalar por minha falta de palavras, mesmo eu sabendo o quão exausto meu namorado poderia estar.

Nem todos os macarons do mundo poderiam compensá-lo por me amar tanto, igual ao que só ele fazia. Mas eu poderia tentar chegar perto dessa quantidade.

Então, eu me esforcei, trajando-me de confeiteiro — bati a massa com fervor, apliquei os ingredientes com amor, aqueci no calor. E assim que a fermentação terminou, me dediquei a decoração, despejando a calda de chocolate derretido, finalizando com morangos e pequenas pitadinhas de pimenta, realçando o sabor desta que já estava entre as camadas de doce-apimentado.

Logo, eu tinha um bolo de baunilha de massa fofa, com creme de pimenta por dentro, decorado com chocolates. Eu esperava estar delicioso, assim como a personalidade e amor do Woo, já que eu havia feito com tanta plenitude e carinho. Era o meu maior presente, a melhor forma de eu me expressar, a maneira a qual eu havia encontrado de como o amor.

— O que diabos você tá fazendo, Uto-tii? — assustei-me, observando sua carinha amassada de sono, finalmente percebendo que já era tarde da noite.

— Ah, eu... — me embolei em palavras novamente, me sentindo um idiota.

— Isso é um presente de aniversário para mim? — questionou, parecendo animar-se, espantando a sonolência.

— É... E não é... — tentei dizer, ansioso. — É que... Eu queria dizer o quanto amo você, então...

— Então fez um bolo para dizer isso? — riu, confortado, o que me fez ruborizar o rosto ao ser abraçado. — É a sua cara fazer uma coisa dessas Yuto. — brincou, fazendo meu coração acelerar; — Não é um presente para mim, é um presente para nós. É para celebrar a nossa relação. — assoprou na base de meu ouvido, comigo recostando queixo sobre seu ombro destro.

— É... Para o seu aniversário também. É amanhã, e eu não consegui comprar nenhum presente. — brinquei com os dedos, demonstrando nervosismo.

— O seu passou há alguns dias e eu não te dei nada, ainda. — riu. — Nós ainda podemos nos divertir, U-t-o.

Notei a dose extra no apelido, que ele costumava dividir só quando estava excitado. Era verdade, fazia alguns poucos dias em que eu havia feito aniversário, e não tínhamos trocado presentes. O que realmente não era um problema entre nós, mesmo que, agora não estivéssemos mais quites com isso.

— E como é que você pretende me presentear, Seokkie?

— E o que você quer fazer?

— Eu posso te apresentar um subgênero do yaoi. — sorri, agarrando sua cintura vorazmente, aproximando nossos hálitos entrecortados.

— Como se chama? — agarrou minha mão, arrastando-me para dentro do quarto apertado que dividíamos. E naquele momento, eu agradeci por ser tão minúsculo.

— Lemon.

— Ah... Então é verdade que japoneses são sempre pervertidos, Uto-Ecchi? — escorregou as mãos para dentro de minha camisa, subindo-a devagar até retirá-la.

— Nós podemos ser. — ri, empurrando-o de leve para cima do colchão pequeno. — Apesar de também sermos muito docinhos quando queremos.

— Ah! — suspirou, me puxando alvoroçado por um selar molhado. — Agora você está falando demais, Yuto!


Aug. 19, 2018, 8:22 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Jinro ' .life is colorful.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~