O Espaço Entre Nós Follow story

EnmaUchiMaki May UU

Shisui e Itachi foram separados de forma cruel, viveram durante muitos anos separados e sem sequer poderem conversar um com o outro, anos se passam e o universo prova que aquilo que nasceu para ficar junto, jamais poderá ser separado. "Que o medo da solidão se afaste E que o convívio comigo mesmo Se torne ao menos suportável; Que o espelho reflita em meu rosto Um doce sorriso que me lembro ter dado na infância; Porque metade de mim é a lembrança do que fui, A outra metade eu não sei... Que não seja preciso mais do que uma simples alegria para me fazer aquietar o espírito E que o teu silêncio me fale cada vez mais; Porque metade de mim é abrigo Mas a outra metade é cansaço..." Oswaldo Montenegro - Metade


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#zabuza #haku #deidara #sasori #kimimaro #juugo #budismo #naruto #sasuke #sasunarusasu #shiita #itachi #shisui
1
3806 VIEWS
In progress - New chapter Every 30 days
reading time
AA Share

Mutação

Notas do Autor


Era pra ser uma oneshot, já começo dizendo isso... PQ? Era pro dia dos namorados, pra participar de um desafio, mas nada deu certo e não deu tempo e a fanfic foi ficando cada vez maior...

Pq maior?

Pq eu resolvi adicionar algumas coisinhas a ela, pra deixar mais legal e deu no que deu, acabou que deu MT coisa pra ser uma oneshot, então foi dividida em 4 capítulos... (ainda não estão todos prontos) *foge das pedras*.

BUT. eu já tenho boa parte dessa fanfic pronta então, EU ESCOLHI POSTAR, pra vocês verem que eu não sumi e que eu continuo trabalhando nelas.

Peço desculpas pelo atraso nas outras, pra quem acompanha Iridêscencia e Memórias da Nossa Infância.

E se você está esperando o último capítulo de Depois da Aula, peço desculpas em dobro.

Por fim eu queria dar o meu coração em uma bandeja para a Akuma, ela merece. Gente minha beta é um anjo enviado por Odin, pq olha pra me aguentar...


“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.” - Autor desconhecido


POV Itachi - On


Por muitas vezes acreditar que as coisas podem melhorar, que a sociedade está caminhando em direção à um futuro mais pacífico se torna uma tarefa difícil… Basta abrir o facebook onde a primeira notícia que vejo é de uma travesti, mais uma, que morreu queimada como se isso fosse normal.

A maior hipocrisia é ver pessoas da minha família compartilhando mensagens bíblicas no whatsApp, para logo em seguida despejar todo o ódio deles por tudo aquilo que eles julgam ser anormal.

Indignado postei um comentário em resposta ao post da minha tia no facebook que dizia “Deus castiga os impuros”, rebati dizendo que só estava esperando a vez dela chegar, pois todo mundo sabia que ela estava devendo dinheiro pra minha mãe e nunca se dignou a pagar.

Depois disso, como sempre, minha mãe veio me dizer no privado que eu deveria ser mais paciente com eles, ainda que eu discorde da opinião.

Passei tanto tempo calado, preso dentro de mim mesmo… Agora só quero gritar o quanto todos eles são sujos e podres.

Apenas me afastei das mídias, pensava seriamente em desativar aquelas contas… Nenhuma delas me trazia nada de bom, só me lembrava a quantidade de gente ordinária que existe e me aprontei para ir ao teatro, não eram nem dez da manhã e já tinha levado bronca da minha mãe por não ter calma com gente escrota.

Sai do meu apartamento já sendo recebido pela chuva e o ar quente, ainda que estivesse chovendo, o que é muito comum em São Paulo. Como sempre, porém principalmente em dias de chuva, o trânsito estava caótico então demorei mais do que gostaria para chegar ao teatro.

Minha diretora e preparadora de elenco, Konan, já estava em meu aguardo no palco, junto a Deidara, Haku e Kimimaru. Ela me olhava de maneira severa, odiava atrasos.

-Será que você nunca vai aprender, Itachi? - ela se alongava como se ignorasse minha existência, mas pelo seu tom de voz eu pagaria muito caro por aquele atraso - Já que se atrasou por que não começamos com os seus exercícios? Está bem descansado, não é?

Na verdade não. Eu havia passado a madrugada em claro tendo que lidar com as crises que meu irmão andava tendo com meu pai. Meu drama familiar... parecia que nunca daria um sossego.

Ela sabia bem que eu não estava descansado, minhas olheiras eram visíveis, mas Konan não tinha muita dó de seu elenco. Ainda mais porque sua mentora havia sido Fátima Toledo, conhecida como a cruel preparadora de elenco.

Preparei meu corpo para a adrenalina dos exercícios, fechando os olhos ao longo do ato. Ouvindo a música a qual já estava habituado a trabalhar, esta que sempre me provocava e era capaz de repuxar meus mais profundos sentimentos e trazer a emoção necessária para interpretar meu papel.


Uma foto, uma foto

Estampada numa grande avenida

Uma foto, uma foto

Publicada no jornal pela manhã

Uma foto, uma foto

Na denúncia de perigo na televisão

A placa de censura no meu rosto diz: Não recomendado à sociedade.

A tarja de conforto no meu corpo diz: Não recomendado à sociedade


Dançava conforme a coreografia já muito ensaiada. Meu braços e pernas se sacudindo em movimentos bruscos e agressivos, com se estivesse me debatendo. Konan me jogou uma corda, comecei a trabalhar com esta, a usando como um cabo de força, onde acabo me enrolando e tentando escapar. A corda era a uma representação da sociedade e do quanto ela sufoca. Konan exigia um empenho maior nesta parte.

Ao fim da música eu já estava ao chão, não consegui me livrar das amarras e elas se enroscaram por todo o meu corpo. Minha respiração era descompassada e meus olhos estavam arregalados vermelhos por mau piscarem.

- De novo - Konan ordenou pondo a música para tocar desde o começo.


POV Itachi - Of


...


POV Shisui - On


Desembarcar no Brasil depois de tantos anos era um tanto nostálgico, fazia tantos anos que eu quase não me lembrava do clima tropical, do povo animado e festeiro, mal podia conter a minha alegria em voltar aqui, fazia anos que não via o pequeno Sasuke… Nem lembro quanto tempo faz, quando foi a última vez que falei com o moreninho que hoje já deveria ser um homem adulto.

Chamei um Uber pelo aplicativo do celular e não muito tempo depois já estava a caminho do endereço que meu primo havia me passado.

Itachi… Como será que ele está? Meu coração apertava ao lembrar como foram os últimos momentos que tive, tão adorável e carinhoso, tão esperto… A gente era inseparável, brincávamos juntos e… Eu não me lembro muito bem, era tão novo quando de maneira inocente andava de mãos dadas com ele, ou lhe dava beijinhos na bochecha ou selinhos por achar aquilo certo vendo os adultos fazerem o mesmo, eles diziam que a gente deveria dar carinho e cuidar de quem amamos e bem eu amava Itachi... me lembro das palavras ferinas de meu pai ao dizer que o que eu fazia com Itachi era coisa de viado e que ele não aceitaria de maneira nenhuma ter um filho mulherzinha.

Mas eu não entendia essa lógica dos adultos.

Pensei tanto no passado que quando voltei a mim, já estava na frente a lanchonete da cidade universitária, Sasuke estudava aqui e havia marcado nosso reencontro, me pergunto se eu o reconheceria. Entrei no ambiente sendo agraciado com um agradável aroma de café , com certeza iria pedir um assim que achasse meu primo.

Observei o local, reparando nas caras estranhas de adolescentes com suas esquisitices… Eu sei, já fui um deles mas não cultivo amores pelas minhas rebeldias.

Vi um rapaz com cabelos negros e olhos tão escuros quanto, me lembrava bem de Sasuke quando pequeno e aquele garoto se assemelhava muito a memória que eu tinha de meu primo, por isso com a maior certeza do mundo eu gritei:

-Sasuke!

E fui até ele com um sorriso no rosto. Este me olhou de cenho franzido tentando desvendar quem eu era.

-Sou eu, Shisui! - falei tentando ajudá-lo a se lembrar.

Foi quando outra voz, esta que estava sentada atrás do rapaz que eu julgara ser Sasuke se dirigiu a mim.

-Shisui?

Um outro garoto, parecido com este a minha frente me encarava curioso acompanhado de um outro rapaz loiro que ria sem parar.

-Sasuke? - me arrisquei me sentindo completamente constrangido.

-É…

O rapaz loiro riu mais ainda, praticamente caindo da cadeira de tanto gargalhar.

Sussurrei um “desculpe” para o garoto a minha frente e fui até meu primo, o verdadeiro dessa vez.

-Quanto tempo, Sasuke! - fui em sua direção com um sorriso envergonhado pela confusão, ele levantou para me receber melhor - Eu nem te reconheci.

-Isso ficou óbvio para todos os presentes - ele disse de tal forma que se eu não estivesse acostumado com o tom “brincalhão” dos Uchihas, por ser um, pensaria se tratar de um fora.

-Ora, dá um tempo! Você queria o que? Eu não te vejo desde que era um pirralho que tinha acabado de sair das fraudas! Você era tão fofinho correndo pra lá e pra cá com a bundinha cheia de fraudas e gritando “Tachi, Shishi quer brincar!”.

Nem deu tempo para que Sasuke conseguisse responder, pois a gargalhada do menino loiro ecoou por todo o café, parecia uma hiena rindo e acabou caindo da cadeira, mas não parou de rir.

Sasuke chutou a perna do loiro no chão olhando-o como se fosse cometer um crime.

-Nem cinco segundos e ele já contou todos os seus podres, teme! - o garoto disse tentando desviar dos golpes de meu primo.

-É melhor para de rir, ou toda faculdade vai ficar sabendo das coisas constrangedoras que a sua família me conta de você. Senhor Fiz-Xixi-Na-Cama-Até-Os-Doze-Anos.

O garoto loiro parou de rir fazendo um bico com os lábios, recebendo olhares significativos de Sasuke.

-Eu hein, maior estraga prazer você!

Eles pareciam tão íntimos.

-Bom acho que podemos conversar como adultos agora, certo? Shisui esse é o Dobe.

-O nome dele é Dobe mesmo? - arqueei uma sobrancelha.

-Claro que não! Eu me chamo Naruto! - Naruto se levantou do chão e estendeu a mão para mim sorrindo com simpatia - Sou o escravo sexual do seu primo.

Sasuke revirou os olhos, enquanto que os meus se arregalaram, ainda mais porque Naruto tinha dito isso de forma tão natural.

-Sasuke, sua mãe sabe que você curti esse tipo de coisa?

Naruto voltou a rir e recebeu um cascudo de Sasuke no ato.

-Esse merda é meu namorado, para você ver onde eu fui amarrar meu jegue - passou a mão no rosto clamando por paciência divina - Ele está brincando.

-Ou não… - Naruto deu uma piscadela.

-Já chega - Sasuke se levantou - Eu só queria que todos soubessem que este homem -apontou para Naruto - Mijou na cama até os doze anos de idade e…

Naruto correu para tapar a boca de Sasuke com as mãos. Não consegui não rir de toda a situação, eles possuíam uma dinâmica muito bonita e seus olhos brilhavam ao dirigir olhares. Era evidente o quanto se amavam.

POV Shisui - Of

Naruto pediu um lanche para se ocupar, segundo Sasuke se ele estivesse mastigando não estaria falando besteiras. Shisui pediu um cappucino enquanto Sasuke pediu um café sem açúcar, aguardaram os pedidos chegarem antes finalmente iniciarem uma conversa.

-Bom, eu nem sei como iniciar essa conversa… Faz tanto tempo, como você me achou Sasuke? Eu estava tentando achar vocês, mas nunca consegui.

-Eu participo de várias ONG’s e me mantenho informado sobre outras fora do país, muitas dos EUA. Foi através do seu trabalho com a publicidade e a social mídia de muitas delas que eu consegui te encontrar e portanto entrar em contato com você.

-Uau... parece temos um Sherok Homes aqui - comentou o Uchiha mais velho sorrindo, era tão estranho imaginar que finalmente estava na companhia de Sasuke, seu pequeno priminho que vivia pedindo pra brincar com ele e… Itachi.

De repente o semblante de Shisui modificou seu semblante de uma hora para outra, segurando sua bebida com ambas as mãos, mordeu os lábios já machucados pela mania de morder a pelinha.

-Itachi… Cadê ele?

Naruto então percebeu que iria sobrar naquela mesa, o que motivou a pedir um pedaço de torta e continuar comendo.

-Ele está bem. Tachi está atuando em um teatro, ele se formou em artes cênicas, sempre foi apaixonado por essas coisas.

-Eu pensei que ele iria ser um advogado como o… Tio - era tão doloroso lembrar de Fugaku e seu próprio pai, a forma como os dois reagiram a um simples beijinho de criança, separando-os e fazendo com que perdessem o contato um do outro.

Se Shisui passou anos longe de Itachi se devia a Kagami e Fugaku que foram os responsáveis por afastá-los, não só da convivência diária que tinham, como Shisui ter sido obrigado a se mudar para outro país e forçado por seu pai a fazer mil e uma atividades “masculinas”, segundo o conceito de masculinidade viril dele, para que assim, nas palavras deste: deixasse de ser a porra de um viado. O que não adiantou, pois hoje Shisui era assumidamente gay. Ainda assim, por mais que tenha sofrido Shisui não guardava rancor nem ódio por seus parentes, na verdade tudo o que ele conseguia era sentir pena pela mente fechada de tais pessoas.

-Ele ia, chegou a prestar vestibular e tudo mais… Mas o Itachi começou a surtar Sui, crises de ansiedade e descontrole da pressão por conta de nervoso dado a pressão psicológica, eu cansei de ver aquela situação e tive uma conversa longa com ele, depois disso ele saiu de casa e foi morar com alguns amigos, por que meu pai surtou com ele dizendo que ia largar a faculdade e ir fazer teatro… Os amigos dele ajudaram muito, ele fez bicos, juntou o próprio dinheiro e hoje tá morando sozinho e… É um ótimo ator, tenho muito orgulho do meu irmão.

-Poxa… Tachi é incrível, aguentar tanta coisa! Fico feliz que agora ele esteja fazendo o que gosta de verdade.

-É, ele é mesmo.

Trocaram um sorriso cúmplice, Sasuke soube desde que o outro mencionou Itachi, estava louco pra reencontrá-lo… Seu irmão então? Passou a vida segredando como seria bom reencontrá-lo, como desejava vê-lo novamente.

Naruto havia lhe ajudado a preparar aquela surpresa para Itachi, queria muito que seu irmão fosse feliz, ele merecia aquilo.

- Mas então… Meu irmão está em uma peça agora, uma que ele ajudou a escrever e está trabalhando dia e noite no desenvolvimento do personagem. Vai ser um grande espetáculo. E eu gostaria que você fizesse a social mídia do evento - sugeriu - Eu estudei muito seu plano de trabalho e acredito que este projeto, que é tão importante para o meu irmão, cresceria muito se tivesse a publicidade dele em suas mãos.

Shisui processou a informação devagar e balançou a cabeça positivamente ao compreender Sasuke.

-Não vejo problema algum em ajudar Itachi com a publicidade, embora eu precise dos dados do teatro e da equipe, além de me reunir com eles para marcarmos o cronograma e a formatação com as quais eles desejam trabalhar.

-Você vai ficar maravilhado com o trabalho do meu cunhado. Ele é incrível atuando, muito talentoso, todo mundo sempre elogia e as críticas são ótimas - Naruto finalmente se manifestou, olhando em cumplicidade para Sasuke, que tinha um sorriso discreto.

-Acredito que esteja cansado, você tem um lugar pra ficar? Você deve descansar por hoje, o Itachi está ocupado com o ensaio, acredito que só amanhã ele vai ter um tempinho eu vou levar você pra ver o ensaio… O que acha?

-Eu acho maravilhoso, preciso procurar um lugar pra ficar ainda então hoje não daria mesmo.

-Certo, então até amanhã… Ah! Você tem Whats Sui? - trocou outro olhar com o loiro.

-Tenho sim - Shisui pegou um guardanapo e anotou seu número, entregando ao primo - então até amanhã?

-Até amanhã Sui - Sasuke levantou junto ao namorado, se aproximou do Uchiha mais velho abraçando-o - eu senti sua falta.

-Eu também senti Sasu, fico tão feliz de finalmente poder rever vocês. Não teve um dia que eu não pensei em vocês. Obrigado.

Naruto sentiu as lágrimas se acumularem nos cantos dos olhos, sabia daquela história e de todos os problemas que os pais de ambos os meninos haviam causado em suas vidas, ficava muito feliz de poder participar daquele momento, amava Sasuke com a sua vida e vê-lo feliz o fazia feliz por igual.

Após uma calorosa despedida, Shisui saiu do estabelecimento com diversas sensações conflituosas, felicidade, ansiedade, euforia e a vontade de sair sapateando pela rua, só faltava a chuva para fazer um remaker de “Singing In The Rain”. Queria poder rever Itachi imediatamente, entretanto, aquele não era o momento, paciência era necessário e bem… Para quem havia esperado por tanto tempo, um dia só a mais não seria nada.

Encontrar um bom lugar para ficar foi relativamente fácil, no centro de São Paulo era agitado e cheio de coisas para fazer, ao entardecer teve o prazer de ver as ruas se tornarem ainda mais agitadas com bares, cerveja e música ao vivo, escolheu um restaurante vegetariano para jantar, com vista para o teatro municipal, a noite ele ficava iluminado por diversas luzes coloridas, era um verdadeiro espetáculo.

Observando em uma mesma esquina você poderia encontrar um homem de terno, ou uma mulher com acessórios caros ofuscando a visão de outras que não estavam tão bem vestidas assim, menos ainda chamando atenção, pelo contrário. Existia uma frase que fazia total sentido agora:

“Você é aquilo que come, logo se não come não é nada”

Nada... talvez seja por isso que eram deliberadamente ignorados enquanto pediam esmola.

Assim que a refeição chegou a sua mesa fez um agradecimento a natureza e todas as formas de vida que, tão gentilmente, fizeram aquele alimento chegar ao seu prato, mas se arrependeu assim que levou a primeira garfada de rúcula a boca, na televisão passava a notícia de que uma travesti havia sido morta de forma brutal aquela madrugada.

A deliciosa refeição de repente se tornou isopor em sua boca, o delicioso aroma que vinha do prato lhe provocava ânsia, a notícia era tão absurda, tão abominável. Shisui baixou o olhar enquanto uma lágrima solitária deslizava pelo rosto.

“O ódio não deve ser ser combatido com ódio, mas com amor”

Era nisso que acreditava, essa era a sua filosofia e isso enchia o seu coração de uma esperança já quase escassa. Se obrigou a terminar sua refeição, deveria honrar o alimento que comia, pois não admitia desperdícios, após pagar pela comida, voltou ao hotel em que ficaria hospedado em sua estadia no Brasil, estava pensativo em todas as emoções provocadas em seu peito com apenas um dia…

Após um delicioso banho, sentou na cama e puxou seu notebook para pesquisar detalhes sobre a peça e a companhia, recebeu algumas informações valiosas de Sasuke, que já havia adicionado seu contato. Contatos de produção, nome da companhia...

Companhia Bem Me Quer, havia uma lista de espetáculos ótimos com críticas excelentes. Peças que faziam críticas à sociedade e as engrenagens que movimentavam a massa. Comédia, drama, romance… Para todos os gostos.

Curioso foi direto na lista de atores, prendeu a respiração ao localizar Itachi este recebia um destaque especial, com uma crítica poderosa de ninguém menos que Miguel Falabella, uma onda de profundo orgulho se apoderou do peito do Uchiha.


“Uchiha Itachi:


Itachi tem a beleza rara e equilibrada de dois sexos em um. Quando se move no palco seus movimentos variam de brutos para suaves com naturalidade e sem perder a compostura das ações anteriores.

Uma das razões para que Uchiha Itachi chame a atenção nos palcos é a força da melancolia interpretada em seus personagens. A beleza de um rosto angelical que chora suas lágrimas de dor, enquanto comove toda a plateia. Sua maior dificuldade no palco é sair da caixa de seu personagem e interagir com os outros atores, talvez dando muletas de falas ao personagem enquanto as faz.

Itachi fica conhecido como a faceta tristonha das máscaras de teatro, seria interessante vê-lo se descobrir mais para fora do drama.”


Shisui logo percebeu as diversas referências artísticas que Itachi possuía, na foto ele estava homenageando Frida Khalo, era perceptível toda a construção do seu estilo se voltava para as tendências androgênicas. Gostava das demais fotos em que Itachi aparecia, uma delas se assemelhava a uma das representações budistas, Bodhisattv, que devota a sua vida a ajudar ao próximo.

Acredita fielmente que Itachi era da mesma forma, do tipo que luta as batalhas dos outros, como era quando crianças. Itachi podia estar diferente, mas o menino com quem cresceu estava bem vivo em sua memória e em seu coração.

Por mais tarde que fosse, Shisui entrou em contato com a produção do mais novo espetáculo que iria estrear dali a mais ou menos um mês.


__________________________**\/**__________________________


Tristeza é quando chove

quando está calor demais

quando o corpo dói

e os olhos pesam

tristeza é quando se dorme pouco

quando a voz sai fraca

quando as palavras cessam

e o corpo desobedece

tristeza é quando não se acha graça

quando não se sente fome

quando qualquer bobagem

nos faz chorar

tristeza é quando parece

que não vai acabar.

(Martha Medeiros)

Kimimaru recitou o poema.

Estavam todos reunidos no camarim do teatro esperando Konan retornar para prosseguir com os ensaios, usando o tempo livre para seu hobbie preferido que era o recital.

-É um belo poema, mas acho que poderia retratar mais profundamente sobre a tristeza, fica no final parecendo algo supérfluo - Deidara estava trocando algumas mensagens com Sasori, que iria pegá-lo de carro quando terminasse o ensaio e parou para prestar atenção no amigo.

-Concordo! Uma carga dramática maior daria mais beleza ao retratar tal sentimento - Itachi estava deitado em um puff, observando o teto sem realmente prestar atenção em nada em particular.

-Mas acho que depende da tristeza com a qual se quer trabalhar, eu acho que a autora trabalha com a solidão. Não é exatamente uma depressão ou uma amargura, mas um estado de espírito onde você pode se sentir feliz por estar só ou sentir triste até ser invadido pelo medo. Tudo é uma questão de perspectiva - o albino estava de pé com a coletânea de poemas que pretendiam discutir no próximo encontro.

Os quatro, Itachi, Kimimaru, Haku e Deidara sempre se encontravam para ler poemas, poesias e discutir sobre.Itachi costumava trazer poesias bruta, com agressividade e a prepotência da Selva de Pedra. Kimimaru trazia reflexões sobre os sentimentos mundanos e seu vazio, acreditava que o homem era aquilo que fazia de si mesmo. Haku já preferia poemas sobre a natureza e a beleza do romantismo em destacar a beleza mórbida que existia dentro de prosas voltadas ao naturalismo. Já Deidara preferia recitais que falavam sobre personalidades conturbadas e crises existências, textos que causavam uma explosão mental para quem estivesse ouvindo.

-Para mim está voltado para a desilusão amorosa, mas acho que nestes casos sempre se remete ao medo de se encontrar sozinho para o resto da vida. Afinal é a logística do ser humano, ele só está feliz quando está com um status de compromissado - Haku completou antes de Konan.

-Cambada, amanhã vamos receber a visita de um publicitário famoso: Formado no exterior, voltou recentemente ao Brasil, ficou sabendo da nossa existência por banners online compartilhados pelos grupos sociais de pequenos empreendimentos cénicos… Venham vestidos que nem gente amanhã e se comportem. Fui clara ou preciso desenhar?

Deidara levantou animado da poltrona em que estava esparramado.

-Meus minutos de fama finalmente chegaram e ninguém vai me segurar. Tenho que contar isso pro Danna!


__________________________**\/**__________________________


Itachi chegou em seu pequeno apartamento, antes de entrar em casa retirou os sapatos e trocou por uma pantufa confortável enquanto se dirigia ao quarto, retirou os alargadores para higienizar, pulseiras, anéis e a gargantilha com três contas que havia ganhado de… Shisui, este o dera antes de partir dizendo que as três representavam eles dois e Sasuke, guardou aquilo com todo o carinho que nutria pelo “primo perdido”... Por vezes se perguntava se algum dia voltaria a vê-lo, tentou procurar durante algum tempo, mas seu pai fez o favor de garantir que perdesse todo e qualquer contato.

Ele provavelmente estaria casado agora, poderia até já ter filhos, pensar nesses “e se” sempre o faziam se deprimir então ligou o som, fechou os olhos para sentir os acordes de Back to Black, cantando junto a Amy Winehouse enquanto retirava a roupa do dia, deixando-a no cesto. Trocou as pantufas por chinelos antes de se dirigir ao banheiro prendendo os cabelos com uma touca de banho, retirou a maquiagem e seguiu para um relaxante banho ao som de Rehab... Arriscando até mesmo cantar com o pote de shampoo na mão.

Assim que terminou seu sagrado ritual de lavar até mesmo os poros do corpo, vestiu um roupão confortável e voltou ao quarto, tirou a touca de banho e escovou o cabelo antes de prender as madeixas em um coque. O moreno era metódico e nunca deixava de passar um hidratante após o banho, adorava o cheiro de pêssegos e adorava sentir sua pele macia e cheirosa.

Não dispensava cuidados, era vaidoso mesmo.

Preparou seu chá com torradas e comeu calmamente, lendo e separando algumas das poesias que levaria para o sarau quando recebeu uma chamada de vídeo de Sasuke, esta que fora prontamente atendida, sorriu ao ver o moreno sentado no sofá com Naruto ao lado.

-Fala ai Itachi, como está? - cumprimentou o loiro, com seu costumeiro sorriso de orelha a orelha.

-Boa noite Naruto, como estão? - perguntou após levar a xícara de chá a boca.

-To suave.

-Ita, como vai os ensaios para peça?

-Ah! Como sempre, nos esforçamos ao máximo para que seja tudo perfeito. E você como vão o estágio e a faculdade?

-Indo… Não sei quem disse que universidade são os anos memoráveis da vida de uma pessoa, ela suga sua vida literalmente. Memorável só se for de trauma!

Itachi riu com certa estranheza, não era comum encontrar Sasuke fazendo piadinhas ou coisa do tipo, devia estar acontecendo alguma coisa para deixá-lo assim. Naruto era o pior deles, enquanto Itachi suspeitava do irmão, do cunhado ele tinha absoluta certeza, ele era muito transparente e em seu olhar podia notar, havia algo além da saudade.

-Existe algo que vocês queiram me contar? - Itachi jogou aquilo no ar aguardando.

-C-contar… N-não, a gente não vai falar né Sasuke? - o loiro olhou para o namorado que bateu a mão na testa, já era de se imaginar que Naruto os entregaria, não deveria ter deixado ele aparecer.

-Não existe nada para contar ao Itachi, Dobe!

Itachi semi cerrou os olhos de forma ardilosa.

-Naruto! - seu tom de voz era ameaçador, sabia que não conseguiria tirar qualquer informação do irmão, mas Naruto, ah sim, ele era uma presa fácil.

Naruto engoliu em seco do outro lado da chamada, olhou de soslaio para o amado que o encarava da mesma forma.

Ah o modo Uchiha de olhar” - pensou, com uma gota de suor escorrendo de sua testa.

Não podia estragar a surpresa que haviam preparado, respirou fundo pedindo desculpas mentalmente pro cunhado, pois iria ter que mentir por um bem maior.

-Eu… eu só tava aqui pensando na… - bagunçou as madeixas loiras com uma das mãos, tentou inventar algo - Na aposta! Na aposta que eu fiz com o Teme…! P-pra saber quem conseguia ganhar no Mario Kart e eu acabei vencendo, aí ele teve que assistir Boku no Pico e ta traumatizado, pobrezinho - passou a mão no cabelo do namorado.

Ambos os Uchihas olharam com estranheza para o loiro, Sasuke pensou “Por que eu tenho que amar um retardado?”, já Itachi apenas olhou de um para o outro suspirando.

-Sério isso, então por que você tá tão nervoso Naruto? Daqui eu consigo ver, ou você acha que eu sou cego?

-Bom, já ta tarde né Itachi - Sasuke se fez de desentendido - amanhã você tem um dia importante com o ensaio, então… Boa noite!

O Uchiha menor encerrou a chamada sem mais nem menos deixando um Itachi desconfiado para trás, só queria saber o que eles estavam aprontando, olhando no calendário percebeu que seu aniversário se aproximava, já estava no mês de Junho e provavelmente deveria ser uma festa surpresa ou algo do tipo.

Sorriu, de qualquer forma amava seu irmão e a forma como este cuidava de si até hoje, mesmo sendo mais velho, sempre o fazia um tantinho mais feliz.



O ensaio no teatro estava sendo feito sobre o ensaio de iluminação, por isso só estavam ligadas as luzes quentes dos refletores que apontavam de cima para baixo diretamente para o palco. Shisui se aproveitou disso para ser envolvido pela escuridão do salão e poder observar os meninos enquanto ensaiavam a peça.

Anotou no seu caderno cada ponto positivo e negativo de cada um deles:


Deidara: Loiro e de olhos azuis, as vestimentas se prevaleciam em tons de branco, dando a ele um porte angelical. Movimentos leves, porém uma certa brutalidade nas mãos. Durante os ensaios para se manter concentrado nas emoções dos personagens ele tem um tique de abrir e fechar as mãos calculando os seus níveis de sensibilidade. Deidara tem olhos fortes e transmitem muito do que se passa em seu interior, apesar de refletirem também o seu narcisismo.


Kimimaru: A primeira coisa que se destaca é a magreza do corpo, apesar dos ossos largos, o que destaca muito sua aparência no quesito da melancolia. O albino andava pelo palco em passos lentos e arrastados, como se estivesse preso a correntes. Seu olhar transmitia uma representação de tristeza genuína, somada a beleza da pele em contraste com os cabelos brancos... no entanto sua performance se torna um pouco caricata.


Haku: Curiosamente, apesar do seu sexo masculino, este se assemelha bem mais a uma mulher, o que o torna desequilibrado com relação ao restante do grupo. Sua aura em cena é mais pesada e ele assume tons de preto em sua performance, dando aquela visão delicada um novo olhar. Entre os outros é o que mais necessita se adaptar a pressão de estar no palco, mas ele encara o desafio com mestria.


E por fim tinha…

Prestar atenção neste encenando se tornou uma tarefa um tanto curiosa, Shisui era profissional e sabia separar sua vida pessoal do trabalho, mas já faziam… Nem sabia mais quantos anos fazia, olhar para ele agora que já era um homem formado... E que homem! Perdeu as contas de quantas vezes já havia perdido o fôlego a cada fala, a cada movimento.

Ele era perfeito! Sem dúvida fazia jus a todas as boas críticas que recebeu. Seu rosto era uma mistura perfeitamente equilibrada, sua postura demonstrava leveza e confiança, sem dúvida um ótimo ator, Itachi tinha tudo para brilhar.


Itachi…


Se eu tivesse que descrever o significado da beleza, Itachi seria a caracterização do ser belo… Me desperta o sentimento de êxtase e admiração através dos sentidos, prazer ao encarar o olhar penetrante e tempestuoso. Entretanto no palco, percebe-se um distanciamento entre o personagem e o restante do elenco. Itachi se parece com um gato, fica à espreita, não se envolve com os outros que dividem o palco, é como se somente ele estivesse presente quando se torna necessária uma interação.

Shisui encarou o caderno em suas mãos enquanto o elenco deixava o palco, aguardou alguns minutos até que não restasse ninguém além da mulher que supôs ser Konan, então se aproximou calmamente.

-Olá, boa noite - se aproximou sob o olhar desconfiado da azulada - sou Shisui, vim de surpresa para assistir ao ensaio e fazer algumas anotações para a publicidade.

-Ah! E por que não veio falar comigo assim que chegou? Achei até que não viria mais - desconfiada apertou a mão que era estendida a si.

-Eu queria ver como é a atuação deles sem a minha presença, ver a essência da peça... consegui ver muito potencial, claro que nem todas as minha crítica foram positivas, mas em sua grande maioria a peça está aprovada por mim - sorriu de forma amigável - mas não se preocupe, não é nada grave, vi o suficiente para a publicidade, tudo que li a respeito de vocês também é agradável.

Konan compreendeu a postura de Shisui e logo sorriu complacente, a forma como falava e tudo mais demonstrava o nível profissional e isso a agradou imensamente, já havia passado por cada enrrascada com publicidades e aquela onda conservadora, que atacava os movimentos artísticos sem compreender que a existência da arte era ir contra todos os padrões.

-Entendo, sim eu concordo com isso. Acredito que queira conhecer os meus meninos pessoalmente.

-Acho uma ótima ideia, mas eles devem estar cansados agora. Foi um ensaio cansativo.

-Concordo, bom então você gostaria de ir no nosso evento beneficente? É pra arrecadar fundos para a peça, é dia nove agora, neste sábado.

-Quero sim, me passa as informações por e-mail que eu vou estar presente, com toda a certeza. Preciso ir agora, até mais e qualquer dúvida, você tem meu telefone é só entrar em contato.

-Ah! Os detalhes do contrato…?

-Sábado eu vou tirar as fotos, vou usar o evento então acertamos a burocracia lá, por enquanto eu vou apenas trabalhar na parte escrita. Pode ser?

-Claro, sem problemas.



A festa estava um tanto quanto animada, a população abraçou o evento beneficente com muito carinho e por este motivo estavam em uma garagem cedida por um grande supermercado para a realização de um evento beneficente. A companhia Bem Me Quer aproveitava para arrecadar fundos através do consumo da festa, com a entrada e com os comes e bebes, para seu novo espetáculo chamado “Alomorfia”, que representa a mudança, ou passagem, de uma forma para a outra.

O título surgiu graças a metamorfose das performances dos atores dentro do palco ao se interligarem a ambos os gêneros e a nenhum deles ao mesmo tempo, ganhando uma alomorfia própria.

Haku, Kimimaru, Deidara e Itachi chegaram cedo ao local para ajudar na organização. Haku veio de moto com o namorado Zabuza, se encontrou no estacionamento com Kimimaru e Juugo, seu noivo. Já Deidara chegou correndo, dez minutos atrasado junto a Sasori.

-Deidara que marca roxa é essa no seu pescoço - perguntou Itachi terminando de tomar um copo de café, os demais prenderam uma risada quando o loiro corou e tentou a todo custo cobrir.

-Isso Itachinho, se chama sexo. Aliás, você tem feito ultimamente?

-Seu interesse na minha vida sexual chega a ser perturbador, mas para sua informação nem todos são viciados em sexo como você Deidara - fazendo os colegas darem risada.

Logo todos estavam trabalhando para organizar o evento, com as atividades para as crianças e as barracas de comida, tudo passou tão rápido com toda a correria para os últimos ajustes, mas assim que os primeiros convidados entraram e observaram maravilhados a organização e decoração, todos sorriram sentindo que havia valido a pena.

Sempre valia, por mais que discutam, eram amigos de profissão, colegas de palco e um sempre segurava a barra do outro, aos poucos se tornaram o quarteto tiro, porrada e bomba ou TPB da companhia, pois onde um estava os outros três estariam atrás.

A tarde, após o almoço finalmente foram dispensados por Konan que discutia os últimos ajustes do contrato que seria entregue ao publicitário, junto a Yahiko e Nagato, seus sócios e companheiros. Os quatro se sentaram em um local mais afastado, onde puderam ficar mais avontade para fumar maconha e conversar sobre o sarau que aconteceria no dia seguinte e estavam super animados. Zabuza, Sasori e Juugo retornaram com bebidas para todos, se juntando a rodinha de conversa que havia se formado, com o quarteto.

Itachi recebeu uma mensagem do irmão, que estava chegando em no máximo dez minutos e isso fez o Uchiha mais velho pedir licença, para ir ao banheiro e depois se encontrar com Sasuke e o cunhado.

Quando saiu do banheiro visualizou Sasuke de mãos dadas com Naruto que observava todo o espaço, de longe dava para perceber a empolgação no loiro, e se Itachi não o conhecesse nem perceberia o sorriso discreto do irmão em relação ao namorado. Sorriu também, nunca iria se acostumar a ver o irmão tão apaixonado e feliz com alguém.

Sasuke o viu e acenou puxando Naruto para irem até Itachi. O loiro o abraçou primeiro, enquanto Sasuke se deixou ser abraçado depois.

-Itachi a festa tá muito linda! - Naruto disse animado - Vocês fizeram mesmo um ótimo trabalho.

-Obrigado, que bom que gostou, espero que aproveite e nos ajude contribuindo ao consumir.

-Por isso espalhei para meus amigos da faculdade, mas se começar a surgir uns bêbados fique feliz porque eles estão gastando dinheiro aqui.

- A única vez que eu vou ficar feliz por ver bêbados - declarou dando um suspiro ao lembrar dos próprios amigos bêbados - E você, Sasuke, tá curtindo?

- É tá legal, mas pode ficar ainda melhor - viu o irmão trocar um olhar com Naruto. Não era um olhar de malícia, era mais cara de alguém que vai aprontar.

Iria perguntar qual era a intenção deles com aqueles sorrisinhos, e olhares e fora o que deixaram no ar na chamada por skype, mas não conseguiu completar uma frase coerente em sua cabeça, pois seus olhos se cravaram na figura que entrava no local naquele instante.

Sasuke e Naruto acompanharam o olhar de Itachi e sorriram batendo as mãos em cumprimento por missão cumprida.

-Shisui…? - Itachi disse tão baixo que se os dois não estivessem perto nem teriam escutado - A-aquele é mesmo o... Shisui?

____

Notas Finais


É isso, deixa eu dizer que to muito feliz É A MINHA PRIMEIRA SHIITA, é tão bom honrar a santa trindade de Naruto <3

Eu também estou sentindo muito orgulho dessa fanfic sabe? Ela é cheia de poesia e budismo, alias quero agradecer em especial a Milena que é budista e me ajudou bastante a caracterizar o Shisui dessa fanfic.

Por fim, espero vocês com comentários e semana que vem tem mais ;)

Kissus \o
Sept. 15, 2018, 12:01 a.m. 0 Report Embed 0
To be continued... New chapter Every 30 days.

Meet the author

May UU LGBT+ Ficwritter SasuNaru e Potterhead

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~