Como (Não) Matar Alguém! Follow story

niccax Neeca Ashcar

O alvo; meu WhatsApp e Facebook. Objetivo; causar a discórdia entre o povo da terra. Resultado; Dois bilhões de notificação, e ligações perdidas do meu pai, como se não houvesse amanhã. Missão concluída com sucesso.


Humor Satire All public. © As histórias aqui postada são de exclusividade minha, Plágio é crime conforme a LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 e Art. 184 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40. Como (Não) Matar Alguém! – 2018 – Nicca X Keehl

#original #comédia-da-vida
Short tale
0
5039 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

Notas:
Essa é uma história original, que narra da forma mais absurda um dos acontecimentos recentes da minha vida e que quase se tornou tragédia, bom não foi assim, apenas tomei a liberdade poética de aumentar os fatos, e com muita verdade em meio às mentiras.
Cíntia mana te amo, não me processa, isso é só para dizer o quanto você é foda, e vou sentir sua falta! ♥️ 




****


O sol acordou estalado, olhava para o céu ele estava azulzinho logo no início do mês de julho, inacreditável, já que maio e junho foram os meses mais frios que poderia lembrar em vinte e oito anos de vida.
Encarar uma vez mais a sombra destoante do prédio extremamente sem graça numa das ruas mais bonitas do Bom Retiro, me fizera respirar forte, para não perder meu ar.
Entretanto, tinha uma coisa boa em meio aquele pequeno lugar caótico, as boas risadas ao dizer; “sem sorte, sem dinheiro e sem vida!”.
Esse é o lema preferido de zoação dela, Jéssica, a pessoa mais estranha e divertida que tive a honra de conhecer.
Além de vê-la se agarrando pelos cantos com todo cara gay, ou gritando “Kakagai is life!” até hoje não tenho a mínima ideia do que seja, ainda sim suas piadas são as mais sem graça, que todo mundo ri.
Coloquei o crachá no pescoço ao alcançar as catracas, e preparei-me psicologicamente para mais um dia tedioso.
(...)
Sou magra de ruim. Encarava o prato de pedreiro, que engolia com rapidez, avistei a silhueta de Jéssica adentrar o Hall do Casarone, o restaurante do serviço que cobra cinco conto num capuccino de maquina, me fizera sorrir com gosto, porque via rolar os olhos e desfilar como uma modelo, mesmo que a aparência horrível dissesse o contrário. A testa oleosa, o cabelo de qualquer jeito amarrado num rabo de cavalo alto, enquanto os fios cobres caiam desgrenhados pela testa.
Ela abriu um sorriso hesitante de quem queria ficar cheio de dentes tortos e amarelados pelo café e nicotina. Como de costume naquela semana estava atrasada, entretanto, sentou do meu lado, gritou algumas palavras desconexas com a falta de ar continua das últimas semanas e correu em direção aos armários, desaparecendo mediante ao corredor mal iluminado que parece mais uma caverna abandonada, que uma empresa.
Pude ouvir ainda a voz alta gritando:
“Vida boa essa sua Thiaguinho!”
(...)
Finalmente o dia havia chegado ao fim, e não encontrei Jéssica em lugar algum, ou ouvi sua voz alta que atravessava a operação, rindo junto com o amigo trans dela, que nos últimos dias não se desgrudavam, o Marião, como ela sempre o chamava por causa de uma brincadeira sem graça, numa ligação. Apenas vi o Marião abatido num canto qualquer.
Um borbulhento de pessoas fofoqueiras falando a para cima e para baixo, que não dava a mínima.
“Corte, souberam duzentas pessoas foram mandadas embora hoje!”
“Não isso só do período da tarde, mais duzentas e sessenta e oito de manhã!
O povo sempre aumentam as coisas, quando na verdade foram apenas nove pessoas de todos os períodos.
Ao sair do hospício que eu pude entender o acontecido; Jéssica não apenas fora desligada, por sua conduta debochada, total falta de vontade de sair de casa e deixar os contos eróticos homossexuais inacabados e porque sofreu três dissídios e aquele era o jeito, Kontecta de ser; três dissídios igual a rua-ttebayo. Como o humor ácido e desconhecido em outro lugar, gritava uma vez mais.
O alvo; meu WhatsApp e Facebook.
Objetivo; causar a discórdia entre o povo da terra.
Resultado; Dois bilhões de notificação, e ligações perdidas do meu pai, como se não houvesse amanhã.
Missão concluída com sucesso.
Minha TL estava abarrotadas de mensagens de superação de pessoas que não falava pelo menos dez anos, como Cleonice, uma escrota que não via desde a quinta série, e dizia com asco, da forma mais hipócrita imaginada:
“Força família! Cíntia foi a pessoa mais guerreira da vida!”
Fiquei confusa, primeiro com “foi”, depois com a Cleonice que nem mensagem de aniversário me mandava.
Só aí, quase sem ar entendi o sumiço repentino de Jéssica, com um post póstumo ela disse adeus:
“Meu único arrependimento foi não ter parado hoje e conversado tipo meia hora com a Cintia, porque estava atrasada (todo dia estou, era mais um dia, afinal), tipo se eu soubesse, teria entrado às 16:30, rindo da nossa pobreza, falta de sorte e sonhando alto. Agora não verei todos os dias o sorriso dela de "tá tudo uma merda, mas vamos ficar com Jah..."
Vou sentir tantas saudades... Pior que já tô sentindo... ♥️
#estatística”
Observei o egocentrismo exacerbado, piadas ruins, levantando vinte e quatro horas por dia em meio ao serviço a bandeira LGBT, juntando casais nada haver, falando nada com nada e em meio suas crises de pânico, que venho por meio desta dizer:
”Jica vs Jeevas (nome das redes sociais), eu não acredito que, um não nós veremos mais todos os dias de segunda a segunda, e dois eu estou no hospital com a minha mãe quase enfartando, e isso é uma coisa desprezível. E por isso, só por isso, te odeio amiga.” 

July 23, 2018, 3:10 p.m. 2 Report Embed 2
The End

Meet the author

Neeca Ashcar Com gosto aguçado em descobrir, vivo fazendo mil e uma pesquisas. A leitura é meu mecanismo de vida e a escrita é tão necessária quanto água. Escrevo tudo que me dá na telha. Tudo mesmo… De casais velhinhos passando os últimos dias de suas vidas juntos, até o ataque de uma horda de zumbis esfomeada e sedenta de sangue. Não espere constância! ;) 💚Mama NagaIta — Igreja Suprema: KakaGai — Tipo Rapadura. 💚 Nath, eu te amo, my Best!

Comment something

Post!
Daniela Machado Daniela Machado
Manooooo eu ri tanto kkkkkkkkk Não deveria ser justo postar algo assim, do nada! Se eu tivesse um infarto a culpa seria toda sua hahahahahah Adorei <3
July 24, 2018, 11:49 a.m.

  • Neeca Ashcar Neeca Ashcar
    Gente sei sou muito sem noção, ainda mais que nem percebi que era um texto póstumo, até uma menina que nem sei quem era comentar que ia chorar, mano eu fiquei tipo que porra que fiz e editei... E depois fiquei duas semanas rindo muito, muito e muito. Hahahaha July 25, 2018, 1:19 p.m.
~