Juntos pelo acaso Follow story

sesoo tata a

Byun Baekhyun e Do Kyungsoo são melhores amigos desde que se entendem por gente. Hoje em dia, Kyungsoo é um youtuber dono de um canal de covers chamado "Listensoo", e Baekhyun continua sendo seu melhor amigo que aparece de vez em quando em alguns vídeos aleatórios. Mas isso muda quando, por um probleminha — conhecido também como mãe de Byun Baekhyun —, os dois melhores amigos têm que fingir que são namorados. namoro de mentirinha!au | youtuber!au | faz parte do projeto "autumn almanac" | baeksoo <3 |


Fanfiction Not for children under 13.

#lgbt #comedy #fluffy #exo #yaoi #baeksoo #soobaek
8
4752 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Ou nem tão pelo acaso assim

Num dia de gravação (depois do fatídico dia)


— Oi, turma! Bem-vindos a mais um vídeo do ListenSoo. Como é que cês tão? — Kyungsoo começou a falar, do nada, e Baekhyun levou o maior susto de todos os tempos, mas se recompôs e sorriu como se nada tivesse acontecido, apenas concordando com tudo que o outro dizia. — Bom, como vocês já sabem, o meu canal é de covers, mas eu sempre tentei fazer uns vlogs ou tags bem legais com meus amiguinhos só pra vocês ficarem sabendo um pouquinho mais sobre minha vida pessoal. Hoje, eu tô aqui com…

— O Baek! — Baekhyun completou a fala, dando um sorriso maior ainda e apontando para si mesmo. — Eu sei que vocês estavam com saudades de mim, podem confessar.

— Claro que estavam, né? Enfim… — Kyungsoo pegou a mão de Baekhyun, colocou-a em seu colo e entrelaçou seus dedos nos dele. Ficou calado por um tempo e suspirou, recompondo-se e voltando a falar. — A tag de hoje é aquela que todos os casais fazem no youtube: tag de namorados. Na real, eu nem sei se tem um nome, então vai ser só “tag dos namorados” mesmo.

— Você é tão sem graça, Soo! — Baekhyun revirou os olhos – exagerado quase nada, né? — Além disso, é a primeira vez que a gente diz que é um casal aqui, na frente do seu público todo.

— Sim… — Kyungsoo sentiu as suas bochechas esquentarem. Maldita hora para corar, sinceramente! — Mas acho que não tem muito o que explicar, é isso aí que eles estão vendo e pronto.

— Kyungsoo, você é muito simplista. De qualquer forma, vamos começar? Tenho certeza que vou ganhar…

— Larga de ser besta, Baekhyun, nem tem o que ganhar!

— E daí? O que importa é que vou mostrar que sou um namorado mais legal que você.

— Cê acha, é? Vamos ver então! — Kyungsoo deu um sorrisinho cínico antes de começar a ler a primeira pergunta. — Qual é a estação favorita do seu namorado?

— Ah, essa é fácil, pela sua cara eu já sei que é inverno.

— Lógico que não, Baekhyun! — Kyungsoo quase jogou o celular no chão, olhando para o Byun com uma expressão de raiva. — Todo mundo sabe que minha estação favorita é o outono que, inclusive, é a estação que a gente tá entrando agora.

— Como assim? Você mentiu pra mim a vida inteira, salafrário!

— Nunca menti, você que não prestava atenção quando eu falava, idiota! Agora a gente vai ter que gravar tudo desde o início porque a madame não sabe as mínimas coisas que um melhor amigo devia saber.

— Para de drama, Kyungsoo. E por que é que a gente não pode deixar essa parte? Não tem nada se eu errar, ué.

— Puta merda, Byun Baekhyun! Você não conhece a sua própria mãe? — E o Do deu-lhe um tapa bem dado na cabeça, ignorando a careta de dor e os resmungos. — A gente tem que fazer isso ser perfeito, ou ela não vai acreditar.

Baekhyun, ainda resmungando, concordou com o amigo; não tinha outra escolha mesmo. Depois de todo o trabalho para a gravação, com Kyungsoo errando algumas coisinhas apenas para não ficar na cara demais que estavam tentando deixar tudo certo – até porque todxs xs namoradxs erram algumas perguntas, é coisa do ser humano mesmo – e mais umas horinhas na mão do super-editor Do Kyungsoo, o vídeo estava prontíssimo e sendo postado. Sinceramente, o moreno não estava preparado para ver os surtos de seus seguidores ao receberem a notificação do vídeo novo.

Mas vamos rebobinar um pouquinho a fita para poder entender o motivo dos dois mais que melhores amigos, best friends forever, terem que fingir um namoro para a mamãe Byun… e para todo mundo.


X


Do Kyungsoo era um youtuber bem queridinho nas redes sociais. Não era tão famoso comparado aos outros que tinham, sei lá, um milhão de inscritos; mas estava muito feliz com os quinhentos mil que tinha em seu canal. Qual é, ele nem imaginava que teria tanto reconhecimento assim! Num belo dia, simplesmente tinha decidido pegar um violão e gravar um cover – completamente sem compromisso – para os amigos, e não é que Chanyeol tinha feito o favor de publicar?

Na época, Kyungsoo quis esganar aquele senhor de cinco quilômetros de perna (para não xingá-lo de um belo palavrão), mas hoje em dia até o agradecia por ter dado aquele pontapé inicial e por sempre estar lá junto com Baekhyun e Jongdae, dando-lhe forças para continuar seguindo o sonho de cantar. Cresceu assim, acabando por conhecer gente nova e se aproximar bastante deles, como Junmyeon e Jongin, e ficando cada vez melhor e conseguindo até comprar uma câmera profissional depois de um tempo – já que tinha que sobreviver gravando os covers pelo celular – e foi quando teve a ideia de mostrar o rosto e de falar mais um pouquinho sobre si mesmo. Chamou os cinco garotos para participar da gravação e foi a maior zoeira. Desde então, seu público vivia pedindo aquelas famosas “tags” com os migos – apelido carinhoso dado pelos seguidores do canal.

Mas a coisa mais estranha que acontecia era esse negócio de formar casais. Era “Chansoo” pra lá, “Baeksoo” sempre ganhando nas guerras de shipp pra cá, “Chensoo” do outro lado… shipp que não acabava mais, mesmo todos sempre deixando bem claro que não tinha nada entre eles. Bom, talvez não entre Baekhyun e Kyungsoo, já Chanyeol e Jongdae… a gente deixa baixo.

O importante é que todos eram amigos, felizes e cheios de amor para dar, cada um a seu modo. No entanto, o problema de nossos protagonistas começou justamente com o tão desejado “amor”.


Um dia antes

— Pera, deixa eu ver se entendi — Kyungsoo dizia, enquanto Baekhyun estava sentado em sua cama e olhava-o tentando disfarçar o quanto estava aflito. — Você quer que eu vá com você falar sobre sua sexualidade com seus pais?

— Exatamente isso.

— Mas, Baek… — Kyungsoo sentou-se ao seu lado, passando um braço pelos ombros do Byun em um meio-abraço. — Você não acha que é um assunto que deve ter sozinho com eles?

— Ai, Soo… — Baekhyun suspirou, aproveitando do abracinho que recebia e se mexendo para deitar a cabeça no ombro de Kyungsoo. — Eu já pensei sobre isso, sabe? E eu acho que é melhor se você for comigo porque eu não sei se conseguiria sozinho. Mesmo que eu já tenha vinte e dois anos e não tenha mais que depender e nem que morar com eles, se me rejeitarem ou sei lá, não sei se eu aguentaria sozinho. Pelo menos, se isso acontecer, você vai estar lá comigo.

Kyungsoo ficou um tempo em silêncio, apenas apertando mais um pouco o amigo no abraço, afinal, ele sabia muito bem como é horrível sentir esse medo. Deixou um beijo em sua testa, levantou-se da cama e puxou o Byun junto, empurrando-o para a saída e finalmente concluiu:

— Tudo bem, eu vou. Agora sai do meu humilde apartamento e vai lá pra sua casa, vai!

— Ai, seu grosso, não precisava me expulsar desse jeito também!

— Tenho umas coisas do canal pra fazer agora e você tá me atrapalhando. Passo na sua casa umas nove horas pra gente ir almoçar com eles. Tchau! — E fechou a porta na cara de Baekhyun, ignorando os protestos dele quando já estava do lado de fora.

Kyungsoo simplesmente não conseguia negar nada a Baekhyun, e sentia que uma hora iria se ferrar por causa disso.


X


No fatídico dia

Nove horas em ponto e Kyungsoo já estava prontíssimo, de muito bom humor e tocando a campainha do apartamento de Baekhyun. Tocou uma vez e esperou, mas não havia um sinal de vida sequer. Tocou de novo. E de novo. E de novo. E quando estava quase arrombando a porta, um Baekhyun com o cabelo todo bagunçado e o rosto inchado de quem parecia ter acabado de acordar a abriu e deu aquele sorriso retangular que era sua marca registrada, murmurando um “Oi, Soo. Tá fazendo o que aqui essa hora?” com a voz rouquinha, na maior cara de pau e sem medo nenhum de morrer. O Do colocou a mão na testa e olhou para o chão, respirou fundo algumas vezes numa tentativa quase falha de se acalmar, porque se não conseguisse, tiraria aquele sorrisinho na base de tapas.

— Baekhyun, você pode me explicar o que é isso? — Perguntou com a voz mais calma que conseguiu emitir no momento, tirando a mão da testa e olhando para o garoto em sua frente. O Byun franziu o cenho, parecendo ainda meio morgado pelo sono, antes de responder:

— Isso o que, Soo?

— Você com essa cara de pau e totalmente bagunçado! — Kyungsoo perdeu as estribeiras e empurrou delicadamente o garoto da frente da porta, adentrando o apartamentinho que ele vivia. Baekhyun estava se fazendo de sonso, só podia. Parou no meio da sala e colocou as mãos na cintura, em um sinal claro de indignação. — Esqueceu que a gente vai almoçar na casa dos seus pais hoje por um motivo super, super, super importante pra você?

— Ah, isso… — Baekhyun fechou a porta e se encostou nela. Coçou a nuca, desviando o olhar para o chão. — Sabe, Soo, eu tava pensando e acho melhor deixar isso pra lá, sabe?

— Nananinanão, Byun Baekhyun! — O garoto de cabelos pretos simplesmente não conseguia ficar com raiva do loirinho ao vê-lo naquele estado. Desfez a pose de raiva que tentava manter e se aproximou do outro, segurando o rostinho dele com as duas mãos e fazendo-o olhar em sua direção.

— Mas, Kyungsoo…

— Ei, deixa eu terminar de falar! Você não vai desistir disso agora sendo que é algo tão importante pra você, eu não vou deixar. — Concluiu, após cortar qualquer objeção que poderia vir por parte do garoto. — Além disso, você me fez acordar oito horas da manhã, e você sabe o quanto eu prezo minhas manhãs de sábado! Então, desfaz essa carinha triste, vai lá tomar um banho quentinho e vestir uma roupa apresentável. Fico te esperando aqui.

Baekhyun suspirou, assentindo e sorrindo para Kyungsoo. Tirou as mãos dele de seu rosto e deu-lhe um beijo na testa antes de seguir em direção ao banheiro, resmungando que não queria tomar banho mas que faria aquilo porque “O Soo pediu com carinho, então eu vou fazer”.

Ridículo, porém fofo.

Depois da arrumação que parecia ter demorado umas cinco horas – com Kyungsoo gritando para Baekhyun desenrolar e mandá-lo trocar de roupa no mínimo umas três vezes –, os dois finalmente estavam a caminho da casa dos Byun. Kyungsoo fez questão de dirigir, dando umas olhadas de canto de olho para ver se o mais velho – por poucos meses, ele gostaria de ressaltar – estava bem.

Baekhyun, como o bom extrovertido que era, simplesmente não conseguia ficar quietinho e sempre estava rindo e animando todo mundo ao redor, mesmo que geral estivesse com aquela aura de “não me toca, não fala comigo, não chega perto”; e era realmente estranho vê-lo ficar tão quieto daquela forma. Kyungsoo, como o bom melhor amigo que era, sabia que se ele estava assim é porque algo tinha acontecido e não queria ser incomodado. Por isso, durante todo o percurso, o mais novo simplesmente colocou uma música da banda preferida dos dois, aumentou o som e deixou-o com seus pensamentos. Vez ou outra tirava a mão do volante e apertava a mão ou a bochecha de Baekhyun, apenas para lembrá-lo de que estava ali.

— Baek, chegamos. — Disse assim que terminou de estacionar o carro. — Você tá bem?

— Uhum. — Sorriu forçadamente, e Do soube. — Você sabe que não, na verdade. Tô me tremendo que nem vara verde.

— Baek! — Kyungsoo exclamou, gargalhando sem nem perceber e contagiando o loirinho. — Vamos, seus pais estão esperando.

Então, com alguns protestos de Baekhyun, finalmente saíram do carro. Kyungsoo fez questão de segurar a mão do melhor amigo e acompanhá-lo com as mãos entrelaçadas até o portão da casa, e foi quando se soltaram para receber os abraços calorosos do senhor e da senhora Byun. Vendo a família assim, era claro constatar de onde é que Baekhyun tinha puxado o jeito espontâneo de ser.

— Kyungsoo, quanto tempo, meu filho! — A senhora Byun exclamou, toda animada, assim que viu o moreno. Deu-lhe vários beijos pelo rosto, não poupando a demonstração de afeto. Logo em seguida, o pai veio e deu-lhe um abração de urso, dizendo que também estava com saudades e que sempre acompanhava seu canal no youtube. Kyungsoo não queria, mas acabou corando quando foi elogiado e quando recebeu um “a cada dia fico mais orgulhoso de você” do homem à sua frente.

Não que Kyungsoo não tivesse pais, os dois estavam vivinhos da silva, graças a Deus! O negócio é que a família Byun o acolheu tão bem, afinal, os garotos eram melhores amigos desde que se entendiam por gente e o Do tinha orgulho de falar que ambos eram como segundos pais para si, e sabia que Baekhyun se sentia da mesma forma quanto aos Do.

Depois da recepção cheia de felicidade, os quatro foram para dentro da casa. Jogaram conversa fora, Kyungsoo mostrou seus excelentíssimos dotes culinários – ele e a senhora Byun adoravam compartilhar receitas –, riram à beça, zoaram a cara de Baekhyun quando ele caiu, comeram até a barriga estufar… enfim, foi a tarde da família; e após toda essa diversão, os dois decidiram finalmente chamar os mais velhos para A Conversa.

— Então, pai, mãe… eu queria falar algo para vocês. É meio sério, por isso que eu trouxe o Kyungsoo aqui. — Baekhyun começou a falar, depois que todos haviam se acomodado nos sofás. Kyungsoo estava ao seu lado e não pôde deixar de notar o quanto o amigo estava nervoso, já que ele estava mexendo as mãos nervosamente em cima do colo.

Mais uma vez, Soo colocou uma de suas mãos sobre as do melhor amigo e apertou-as, incentivando-o a continuar falando e demonstrando que tudo estava bem e ele estava lá. Baekhyun respirou fundo, mordeu o lábio, fechou os olhos e finalmente falou:

— Pai, mãe… eu sou gay.

Houve mais um aperto de Kyungsoo em sua mão, e Baekhyun entendeu que ele estava pedindo para abrir os olhos, e foi o que fez. Abriu-os devagar, deparando-se com a mesma expressão na face dos pais: nem felicidade, nem tristeza. Estavam normais, como se o filho não tivesse acabado de dizer algo que o atormentou por muito, muito tempo. Poderiam pelo menos demonstrar alguma coisa!

— Pai, mãe? Não vão falar nada?

— Baekhyun, meu filho… — a mãe começou. — Você tem certeza de que não é apenas uma fase?

Lá vem a pergunta. Por mais que Kyungsoo amasse os Byun, teve vontade de desrespeitá-los naquele momento e revirar os olhos, mas se segurou e apenas intensificou o aperto na mão do loiro.

— Sim mãe, eu tenho.

— Certeza mesmo? Olha, eu acho que talvez seja uma fase, que você tá confuso…

— Mãe, eu não tô confuso.

Baekhyun era transparente demais para Kyungsoo, e era claríssimo como água o quanto ele estava começando a se estressar. Se não interviesse, Baekhyun explodiria a qualquer momento e não seria muito legal presenciar mais uma das discussões entre mãe e filho. Acreditem, ele sabia muito bem que quando aqueles dois discutiam… era melhor sair de perto.

— Ei, ei, calma. — Disse, tomando a atenção dos três para si. — Tia, eu quero que entenda que não é uma fase para o Baekhyun. Ele conversou comigo por muito tempo sobre isso, e eu sei que a senhora confia em mim e sabe o quanto eu o conheço.

O senhor Byun, que havia ficado calado o tempo inteiro, resolveu concordar com Kyungsoo e dizer para que a senhora se acalmasse e parasse de fazer aquela pergunta. Mas aí ela acabou soltando outra que era pior ainda.

— Se você realmente não está em uma fase, Baekhyun, então me mostre seu namorado! — Ela disse, sorrindo vitoriosa.

Baekhyun congelou. Sinceramente, não sabia o motivo de sua mãe estar sendo tão estranha quanto àquele assunto, já que sempre mostrou respeito e ele sabia que ela não era uma pessoa preconceituosa e mente fechada – muito diferente de várias da sua idade. O loiro, então, respirou fundo, olhou para a mãe e para o pai, depois olhou para Kyungsoo e, num lapso de coragem, tudo que conseguiu dizer foi:

— O Kyungsoo, mãe. — Sim, Kyungsoo não acreditou no que ouviu e se forçou a fazer a maior cara de paisagem e não demonstrar nenhuma surpresa – tipo o fato de que acabou de saber que namorava seu melhor amigo –, enquanto Baekhyun, tremendo que nem vara verde, pegou a mão do moreno e entrelaçou seus dedos. — O Kyungsoo é meu namorado, foi por isso que eu pedi para que ele viesse comigo.

— Certo. — A senhora concordou, dando um sorrisinho e nem dando muita atenção para o olhar de surpresa do seu marido. — Já que vocês são tão namorados, eu quero que me provem. Não sei como, mas lembrem-se que acompanho vocês dois nas redes sociais, porque sou muito antenada nessas coisas. E, como eu sei que é difícil responder a pergunta que eu vou fazer justamente no início do namoro, darei um tempo para vocês; me digam quando nos vermos da próxima vez.

— Responder o que, mãe? — Baekhyun perguntou, já que parecia que Kyungsoo não ia abrir a boca por um bom tempo.

— Quero que vocês me respondam o que é que fez vocês se apaixonarem um pelo outro.


X


Casa do Baekhyun, ainda no fatídico dia

Se na viagem de ida era Baekhyun que tinha ficado calado o tempo inteiro, na viagem de volta o jogo tinha virado, porque era Kyungsoo quem não tinha falado um “a” desde que saiu todo sorrisos da casa dos pais de Baek. Byun até tentou puxar assunto, mas foi meio em vão, porque o moreno parecia perdido em seus pensamentos e só Zeus sabia o quanto era difícil tirá-lo de dentro daquele mundinho de sua mente quando ele resolvia se enfurnar lá.

Ao chegarem em sua casa e estacionarem o carro, Baekhyun simplesmente já estava esgotado daquele silêncio todo. Qual é, Kyungsoo tinha mesmo ficado bravo só porque Baekhyun tinha dito que eram namorados? Qual era o problema nisso? Agora, quem começava a ficar bravo e incomodado era o loirinho.

— Kyungsoo, cansei! — Disse, em um tom de voz mais alto, fazendo com que o Do olhasse para si com um olhar um pouco surpreso. Caramba, ele realmente não tinha voltado a prestar atenção nas coisas mesmo depois de parar de dirigir! — Por que é que você tá todo emburrado aí? Foi porque eu disse para a mamãe que a gente tava junto? Olha, se isso te incomoda tanto, eu ligo pra ela e digo que era mentira e…

— Baekhyun, você pode, por favor, calar a boca? — Interrompeu o melhor amigo, suspirando e passando as mãos pelo rosto, em um sinal claro de cansaço. — Eu não tô emburrado e muito menos com raiva por causa daquilo; é claro que eu fiquei surpreso na hora, mas passou. Achei que você me conhecesse o bastante pra saber que eu não ficaria assim.

Byun mordeu o lábio inferior, concordando com a cabeça; afinal, a gente não pode negar a verdade, né?

— Então por que você ficou assim o caminho inteiro?

— Porque eu estava pensando no que fazer para sua mãe acreditar na gente. — Disse, sério e voltando a ficar pensativo. — Olha, eu sei que você não tá pronto ainda pra assumir a sua sexualidade na internet e tudo o mais, então vê só o que eu pensei: começo a postar fotos nossas, mas sem nossos rostos, tipo… nossas mãos dadas e tal, no meu instagram.

— Ah, adorei! — Baekhyun já havia voltado a ficar todo animado, e Kyungsoo não pôde deixar de pensar que ele era que nem uma criancinha quando ganhava doce. — E aí você vai postando essas fotos aos poucos, e a gente pode pedir para o Chanyeol ou o Jongdae postarem fotos aleatórias nossas de mãos dadas e tal, pra alimentar esse negócio de shipp que o povo vive falando…

— Sim! — Kyungsoo sorriu. Caramba, conseguiriam convencer a senhora Byun na hora! — E aí, daqui um mês, mais ou menos, a gente pode fazer um vídeo daquelas tags de casais e assumir o nosso namoro oficialmente.

— Caramba… — os dois suspiraram em uníssono quando pararam de falar e assimilaram suas ideias; Baekhyun buscando a mão de Kyungsoo e segurando-a, recebendo um aperto e um entrelaçar de dedos do moreno. — Vai dar certo, Soo.

— Vai sim, Baek.


X


Um dia qualquer em uma sorveteria com Chanyeol e Jongdae

— Vocês tão namorando? — Chanyeol praticamente gritou, levantando da mesa que estavam sentados numa rapidez que quase derramou o sorvete que segurava, de tanta animação. — Caralho, esse momento é todo meu!

— Caralho, Chanyeol, fala baixo ou então cala a merda da boca! — Kyungsoo disse, ficando todo vermelhinho quando percebeu que todo boa parte da clientela da sorveteria tinha parado para olhar o pequeno surto daquele garoto enorme que parecia uma criança de cinco anos. O Park só parou quando recebeu o olhar mortal de Baekhyun e uma puxada na blusa vinda de um Jongdae muito bravo, forçando-o a se sentar novamente.

— A gente não tá namorando, Chanyeol. Você não ouviu uma palavra sequer da explicação do Kyungsoo, seu bocó? — Baekhyun disse, passando a mão nas costas de Kyungsoo, que estava sentado ao seu lado, numa tentativa de acalmá-lo para que ele não cometesse um crime de ódio contra Chanyeol naquele momento.

— Aí, vocês são chatos demais. É claro que eu ouvi, né? Mas não podia deixar de ficar feliz porque meu otp, mesmo que indiretamente, estão juntinhos.

— Que mané otp, Chanyeol! — Kyungsoo revirou os olhos.

— Vamos ao que interessa, ignorem o Chanyeol. — Jongdae, que tinha ficado calado ouvindo toda a história, finalmente se pronunciou. — A gente vai ajudar vocês sim, é lógico. Pode deixar que vamos postar algumas indiretinhas no twitter… vocês sabem que eu sei fazer isso muito bem. — Deu uma piscadinha, fazendo os outros três garotos rirem. — Inclusive, o que cês acham de começarmos agora?

— Como? — Baekhyun perguntou, erguendo uma sobrancelha.

— Ué, vamos aproveitar que estamos nessa sorveteria lindíssima… — Jongdae respondia, pegando seu celular dentro do bolso da calça. — E vamos tirar uma foto das suas mãos juntas atrás do sorvete. Só me sigam que é sucesso, gente.

Kyungsoo, Baekhyun e Chanyeol nem ousaram reclamar. Jongdae era estudante de fotografia, então se ele dizia que ia ser sucesso, acreditem: ia ser sucesso. Depois de tirar a foto, Jongdae marcou Baekhyun, Chanyeol e Kyungsoo, mas sem especificar de quem era aquelas duas mãos. Simplesmente postou, deixando tudo aquilo no ar e logo tendo resposta de alguns fãs de Kyungsoo que seguiam o grupinho todo no twitter:


@baeksooreal: MEU DEUS EU TO MUITO FORA DE MIM?????? ISSO É BAEKSOO CERTEZA

@naoseiuser: finalmente decidiu mostrar você e o chanyeol, foi? se bem que as mãozinhas tão muito pequenas, e a do chanyeol parece ser enorme…

@tbmnaoseiuser: ME DIZ QUE ISSO É BAEKSOO PELO AMOR DE DEUSFKSLJDW


— Caralho, a torcida Baeksoo tá fortíssima aí… obrigado por apoiar meu otp, galera… eu sabia que não estava sozinho nessa paranoia... — Chanyeol colocou a mão no peito dramaticamente, recebendo um tapa de Kyungsoo e risada dos outros garotos pela careta que fez.

— E vocês nem falam nada desse comentário ChanChen aí, né? — Baekhyun proferiu, dando um sorrisinho irônico para os dois em sua frente e se segurando para não rir quando Chanyeol começou a ficar vermelhíssimo.

— Que ChanChen o quê, hein?

— Ué, Chanyeol, não vai assumir a gente não?

Chanyeol simplesmente engasgou com o sorvete e ficou ainda mais vermelho fazendo com que os outros rissem mais ainda da cara da criança. Sinceramente, o que é que Kyungsoo e Baekhyun fariam sem aqueles dois idiotas?


X


Voltando (finalmente!) para o dia da postagem do vídeo

Kyungsoo, após postá-lo, estava cansadíssimo. Havia ficado feliz por Baekhyun finalmente estar pronto para que demonstrassem o namoro – mesmo que fosse falso – para o pessoal todo. Tinha gravado e editado tudo em um dia só. enquanto Baekhyun ficava dormindo todo esparramado em sua cama. Ao ver que o vídeo já tinha sido postado, constatou que realmente estava tarde e decidiu ir tomar um banho para relaxar.

Kyungsoo não esperava ter tanta recepção boa sobre aquilo, para ser sincero, e se odiava por ter o pensamento tão pessimista. Já havia passado mais ou menos um mês desde a conversa com Jongdae e Chanyeol, e os amigos realmente cumpriram sua parte na ajuda: postavam fotos aleatórias de Baekhyun e Kyungsoo que tiravam quando nenhum estava vendo – com algumas legendas bem sugestivas –, faziam comentários engraçados sobre os dois nas redes sociais (atiçando o coração das shippers e com um loirinho torcendo para que sua mãe estivesse vendo aquilo e acreditando na encenação); enfim, estavam realmente empenhados em ajudar os amigos. E como Baekhyun e Kyungsoo haviam combinado, eles também postavam fotos apenas de suas mãos dadas em algum restaurante ou em alguma das noites porcalhonas que passavam juntos quando Baek tinha uma folga da faculdade e quando Soo tinha uma folga dos eventos e dos vídeos para o canal. Enfim, estava tudo indo como o combinado, e Kyungsoo esperava realmente que o vídeo ajudasse porque, em sua opinião – e na de Chanyeol e Jongdae, que acabaram tendo que assisti-lo antes de ser postado –, estava completamente perfeito e eles realmente pareciam um casal apaixonado de namoradinhos.

Por fora, ele demonstrava estar confiante para exalar força para Baekhyun, afinal, o moreno já tinha passado por aquela aceitação antes e sabia o quanto era importante mostrar que estava tudo bem para o melhor amigo. Mas, na verdade mesmo, por dentro ele estava com um pouco de medo. Mesmo que não tivessem visto comentários maldosos nas postagens, o medo de receber os tão famosos hates, de Baekhyun ter que ler coisas que não o fariam bem, simplesmente quebrava o coração de Kyungsoo, porque o seu melhor amigo era alguém tão puro e merecedor de tanto amor – mesmo que fosse muito irritante. Ele realmente esperava que não tivessem que passar por tempos ruins.

Após ter perdido sei lá quanto tempo no banho, o moreno finalmente saiu, com a toalha amarrada na cintura, e tentou dispersar esses pensamentos ruins. Tudo daria certo, ele acreditava fielmente nisso.

Ao chegar em seu quarto, viu que Baekhyun ainda estava todo esparramado e babando em seu travesseiro. Sentou-se na beirada e perdeu a noção de quanto tempo ficou o encarando. O cabelo loirinho caia sobre os olhos, e a expressão estava relaxada, calma.

Kyungsoo se sentiu estranho.

Assim, ele já sabia que Byun Baekhyun era bonito de doer, mas agora, olhando-o daquele jeito… simplesmente não entendia o motivo de seu coração insistir em dar cambalhotas dentro do peito. Levantou a mão até o rosto do amigo, tirando os cabelos que caiam nos olhos, e foi se aproximando, se aproximando, se aproximando… até que pôde sentir as respirações se mesclando – a sua estando bem mais acelerada –, fechou os olhos e depositou um beijo meio demorado na testa do mais velho. Quando os abriu e se afastou, levou o maior susto ao ver Baekhyun com os olhos arregalados e a boca entreaberta, parecendo querer formar alguma frase mas incapaz de pronunciá-la. Ficaram se encarando daquela forma, nenhum com coragem suficiente para se afastar e muito menos para se aproximar mais. Por fim, Baekhyun finalmente sussurrou:

— O que cê tá fazendo, Soo?

— N-nada, nada. — Kyungsoo pareceu finalmente voltar a si, se xingando mentalmente por ter gaguejado e finalmente levantando da cama, indo procurar alguma roupa para vestir. Por que caralhos ele gaguejou? Era só Baekhyun ali, seu melhor amigo, falando com aquela voz rouquinha de quem tinha acabado de acordar e com a cara toda amassada. Com certeza foi gagueira de surpresa, é lógico. — Vim aqui te acordar. Já postei o vídeo, vai lá tomar um banho pra gente assistir ele junto.

— Aham… — Baekhyun disse, entre um bocejo e outro. Agradeceu a qualquer entidade por Kyungsoo estar de costas e não notar a encarada que ele lhe dava, o loirinho até ficou surpreso pelas poucas gotas de água que escorriam pelas costas definidas do melhor amigo não terem secado de tanto que ele olhava. Levantou-se e foi para o banheiro, na maior preguiça do mundo.

Baekhyun, assim como Kyungsoo e praticamente todos os seres humanos do mundo, teve seu momento filosófico no chuveiro. Mas, como ele era um cara muito simples e direto em suas decisões, ele pôde colocar seus pensamentos em ordem muito rapidamente:

Primeiro, estava apaixonado por Kyungsoo, e conseguiu comprovar definitivamente com o instante que tiveram juntos há pouco. Na verdade, ele já vinha pensando nisso tinha um bom tempo. Desde que começaram a fingir o tal namoro, os dois haviam ficado mais próximos do que já eram (e olha que o Byun nem achava que isso seria possível). Se abraçavam mais, os beijos na testa e na bochecha aconteciam com mais frequência que o normal, o simples fato de os dedos estarem entrelaçados sem nem perceberem já fazia o coração do loirinho querer sair pela boca.

Segundo e último, mas não menos importante: ele definitivamente precisava se afastar. Iria encenar na frente de todos, mas manteria a distância certa quando estivessem a sós. Não sabia como Kyungsoo se sentia e tinha certeza que era algo só de melhor amigo muito próximo vindo de sua parte, então não queria arriscar mais e sair mais machucado ainda.

Era isso. Estava fodidamente apaixonado pelo seu melhor amigo, e simplesmente não sabia como agir diante disso. Portanto, faria o que qualquer pessoa morrendo de perder uma amizade muito importante faria: se afastaria e agiria normalmente, como se nada tivesse acontecido.


X


Dias após a publicação do vídeo…

Kyungsoo e Baekhyun assistiram ao vídeo naquele mesmo dia e ficaram muito felizes com o resultado, com o mais velho soltando uns gritinhos ocasionais de felicidade (e se segurando para não pular nos braços e abraçar com força o melhor amigo, porque já estava colocando seu plano de afastamento em prática, mas isso a gente deixa baixo). Foram dormir bem felizinhos, e acordaram já de tarde no outro dia com o celular do moreno bombando de notificações e mensagens de Chanyeol e Jongdae.

Juntos, decidiram ler os comentários do vídeo e não conseguiram desfazer o sorriso bobo e de felicidade que insistia em ficar estampado na cara dos dois. Eram tantas mensagem de apoio, tantas mensagens bonitas! E além de tudo, ainda havia ChanChen dizendo que haviam sido convidados para um evento feito pelo YouTube para a comemoração do Pride Month, que aconteceria dali uns quatro dias. Os rapazes não podiam estar mais felizes!

Então, era um dia antes do evento, e Kyungsoo estava fulo da vida.

Acontece que ele já tinha notado o quanto Baekhyun estava estranho, e não tava gostando nada disso. Portanto, naquele dia em que tinham combinado de sair com Chanyeol e Jongdae, decidiu que perguntaria logo o que é que estava acontecendo para que ele tivesse se afastando tanto nesses últimos dias… só esperava que não fosse coisa da sua cabeça.

— Hey, Baek… — Chamou a atenção do amigo, que desviou os olhos da gracinha que Jongdae fazia e encarou-o.

— Diga, Soo.

— Você tá bem? É que eu tô te achando estranho esses dias…

— Eu? — Arqueou uma sobrancelha. — Eu tô ótimo, de verdade. Tô normal.

— Uhum… não tá mesmo me ignorando? — Disse a última frase bem baixinho. Queria que Baekhyun ouvisse, mas tinha medo ao mesmo tempo. Felizmente – ou infelizmente – ele ouviu.

— Claro que não, Kyungsoo. — Riu de nervoso. Nunca que ele poderia admitir que realmente estava tentando ignorá-lo, e muito menos que vê-lo com aquela carinha triste por realmente achar que estava sendo ignorado quebrou mais um pouquinho o seu coração. — É coisa da sua cabeça, meu anjo. Eu tô só ocupado com a faculdade nesses últimos dias…

— Ah, entendo. — Sorriu aliviado. — Eu achei que você estava me evitando. Fiquei preocupado.

— Nunca faria isso, meu bem.

Porém depende.


X


O dia seguinte havia chegado e com ele a tristeza de Baekhyun. Assim, claro que ele estava feliz por ter sido convidado para um evento tão importante e por ajudar a levantar essa bandeira, mas o problema mesmo era outro que tinha nome e sobrenome.

Baekhyun simplesmente não sabia como caralhos iria conseguir fingir que eram um casal todo fru-fru na frente das câmeras, e depois ter que ignorar Kyungsoo como se fosse normal. Ele não fazia ideia de como faria isso, mas só sabia que tinha que fazer.

Arrumou-se, se empenhando todo para ficar mais bonito que o normal – amor próprio sempre –, mandou mensagem para Kyungsoo avisando que estava saindo de seu apartamento e chegou lá rapidinho, já que ele dirigiria dessa vez. Ficou esperando o amigo, até que ele apareceu saindo do apartamento e Baekhyun meio que teve uma mini parada cardíaca quando o viu: Kyungsoo estava simplesmente deslumbrante. O cabelo preto havia sido penteado em um topete que realçava o rosto bonito, e ele vestia uma camisa social branca que encaixava perfeitamente em seu corpo. Caramba, o loirinho pensou em como queria bagunçar aquele topete e amassar aquela camisa de um jeito não tão casto e até ousou passar a língua nos lábios; claro, se recompondo assim que o amigo entrou no carro – o que não foi uma tarefa tão fácil, porque o Do estava com um perfume incrível que quase fez o Byun se jogar e ficar cheirando aquele pescoço por horas, ou fazer outras coisinhas a mais…


Concentração, Baekhyun!


— Cê tá lindo, Soo. — Disse, ligando novamente o carro.

— Obrigado, namorado. — Ô porra, Kyungsoo nem percebeu o que estava dizendo, só saiu. — Quer dizer…

— De nada, namorado. Cê tá bem no clima já, né não?

— Claro, tô muito no clima. — Kyungsoo nunca riu tanto de nervoso na vida. Que mané clima! — Tenho que entrar oficialmente no personagem, não acha?

— Concordo plenamente.

E tudo correu bem no evento. Foram recebidos tão bem, de braços abertos por todos, com educação… era um mundo bem legal de se conhecer, Baekhyun tinha que admitir. Kyungsoo, por já estar acostumado com essas festas, guiou-o todo o tempo; acabaram encontrando Jongin e Junmyeon que não viam há bastante tempo, já que os dois estavam muito ocupados com a faculdade e os seus respectivos canais. O tempo inteiro, ficaram com as mãos entrelaçadas, e vez ou outra se abraçavam meio que de lado enquanto estavam conversando com alguém.

Eram, definitivamente, um casal; mesmo que falso. E aquilo simplesmente devastava Baekhyun, porque ele queria muito que fosse real, mas era muito pamonha para se declarar logo para o melhor amigo. Que escória da humanidade ele se sentia!

No fim do evento, após se despedirem de todos, o Byun estava com um humor bem merda, e acabou sendo grosso de uma forma dolorosa.

— Boa encenação, Kyungsoo. — Proferiu assim que entraram no carro e fecharam a porta.

— Como assim, Baek? — Do, que até pouco tempo atrás estava com um ótimo humor, olhou-o ligar e dar partida no carro, meio intrigado.

— Digo da nossa encenação como casal. Todo mundo acreditou! Até pareceu que realmente estávamos apaixonados.

— Eu não… quer dizer… — não conseguia formar uma frase coerente. Tá que era verdade que não eram realmente um casal, mas… ele simplesmente não sentia como se tivesse fingindo ou encenando. Aquele jeito de tratamento era normal entre os dois, e estava sentindo seu coração doer com aquelas palavras de Baekhyun, mesmo que soubesse que não havia nenhuma mentira nelas.

Se bem que sabemos que havia sim.

— Você acha que era tudo mentira naquilo, Baekhyun? — Perguntou depois de ter ficado um tempo em silêncio. Simplesmente não conseguia olhar na cara do amigo naquele momento, então encarava o caminho do lado de fora da janela.

— E não foi? Desde o início a gente tá fingindo, não tá?

— Eu não fingi nada, mas pelo visto você sim. — Suspirou, agradecendo mentalmente por já terem chegado em seu apartamento. — Foi um bom evento, Baekhyun. Parabéns pela sua atuação hoje.

E saiu do carro, deixando um Baekhyun sem conseguir formar nenhuma palavra para dizer, mas se xingando demais internamente por ser um idiota. Sabia que precisava reverter aquilo tudo, dizer que não estava atuando coisa nenhuma, mas suas pernas simplesmente não se moviam e a única coisa que conseguia fazer era encarar Kyungsoo enquanto ele ia embora.


X


A questão é que Do Kyungsoo finalmente percebeu que estava apaixonado por Byun Baekhyun, bem naquele dia do evento mesmo.

Ele passara um tempo ignorando aqueles sentimentos, achando que era algo normal, mas estava claro que não era nada disso. Não era normal encarar seu melhor amigo por tanto tempo e acabar se perdendo nos traços bonitos do rosto, nem era normal desejar muito dar um beijo nos lábios rosinhas dele, nem sentir a necessidade de precisar vê-lo todos os dias para que seu dia ficasse completo, e muito menos acabar pensando em coisas impróprias quando olhava o quanto a calça jeans marcava as coxas bonitas. Só que Baekhyun acabou com suas esperanças falando aquilo, e ele decidiu passar a semana toda sem falar com o loiro. Recusou as ligações, não visualizou as mensagens, e só respondia Chanyeol e Jongdae ocasionalmente (quando as mensagens deles não eram falando para que respondesse aquele tal que não merece ser nomeado).

Qual é, ele realmente era obrigado a ficar correndo atrás, sendo que fora Byun o ridículo da situação? Tudo bem que eles realmente estavam só fingindo, mas… mas… ele não tinha o direito, oras, pronto e acabou!

Por isso, tinha até saído com Junmyeon, o amigo youtuber dos conselhos, naquela tarde. Fora ao cinema e se divertiu bastante, esquecendo por um tempinho sobre seu drama interior com relação a Baekhyun. Ao voltar para casa, deu um grito e quase teve um infarto quando viu uma figura estranha sentada em sua cama.

— Calma, calma, Soo! Sou eu, sou eu! — Baekhyun levantou-se, colocando as mãos para cima em um sinal de rendição. — Calma.

— Vai assustar sua mãe, Baekhyun! — Colocou a mão no peito, respirando fundo e tentando se acalmar. — Na verdade não, coitada da tia.

— Coitada, né? — Sorriu, meio incerto.

— E o que é que você tá fazendo aqui, posso saber? Primeiro, como é que você entrou aqui? — Perguntou assim que conseguiu se acalmar.

— Esqueceu que eu sei onde você deixa sua chave reserva? Eu sou seu melhor amigo. — Revirou os olhos, como se fosse algo muito óbvio. — E eu precisava vir falar contigo, porque você tava me ignorando que só.

— Por motivos óbvios, eu acho… — murmurou, tirando o casaco que vestia e jogando-o na cama. — Desembucha logo.

— Eu queria pedir desculpa, Soo. Me desculpa por ter sido um idiota aquele dia, eu não queria dizer… é que…

— É que…? — Incentivou-o a continuar.

Équeeugostodevocêtipoachoquetoapaixonadoenãosabiacomofalaretavacommedoe… — foi dizendo, todo atrapalhado e parecendo uma metralhadora de tão rápido. Kyungsoo entendeu foi nada, e fê-lo parar de falar na hora, interrompendo-o.

— Baekhyun, calma. — Aproximou-se, segurando o rosto do amigo com as duas mãos. — Fala devagar, meu bem. Eu vou te escutar.

Baekhyun, então, respirou fundo umas duas vezes e recomeçou.

— Eu gosto de você, Kyungsoo, pra caralho. Na verdade, eu tô apaixonado por você e não sabia como agir com esse sentimento todo e com o medo de ser rejeitado por ti, então decidi tentar me afastar, sabe? Fazer com que interagissemos apenas o necessário na frente das câmeras e só, porque se eu continuasse com você assim, normalmente… eu não sabia se conseguiria me segurar. Porque… é que… eu meio que te amo, Kyungsoo. Bastante mesmo.

— Uau, isso foi uma declaração e tanto. — Kyungsoo sorriu. Caramba, como Baekhyun sentiu falta daquele sorriso naquela semana… — Obrigado por isso, Baek. Mesmo que eu queira te estapear por ter me deixado com raiva e triste, eu entendo o seu lado, e digo que você não precisava ficar com medo de ser rejeitado por mim. Você sabe que eu nunca nego nada a você, e o amor não é algo diferente. Eu também meio que te amo, Baekhyun.

Kyungsoo fechou os olhos quando disse a última frase, simplesmente porque não tinha a facilidade de dizer as tais três palavrinhas e estava morrendo de vergonha. No entanto, Baekhyun deu o maior sorriso do mundo todo e tascou-lhe um beijão de tirar o fôlego. Ficou surpreso no início, mas logo cedeu; suspirando que só quando as línguas se encontraram e quando as mãos do loirinho foram parar em sua nuca, acariciando-a.

— Agora eu acho que posso dizer que tive uns pensamentos nada castos quando te vi com aquela blusa social no dia do evento, e que tô afim de realizá-los contigo bem aqui na cama agora? — Baekhyun disse, quando pararam um pouco com os beijos. Kyungsoo sorriu, levando as mãos até as coxas do melhor amigo e apertando-as, sorrindo mais ainda com o suspiro que saiu dos lábios vermelhinhos.

— Só se você me deixar realizar os meus pensamentos nada castos com essas suas coxas.

— Não precisa nem pedir.


X


Quarteto fantástico


@chanlindo: e aí, se acertaram?

@jongdeus: caralho, que vácuo, chanyeol kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkj

@chanlindo: certeza que tão fodendo agora……… ME AGRADEÇAM DEPOIS POIS EU SEMPRE DISSE QUE IAM FICAR JUNTOS, sou muito cupido.

@jongdeus: a gente bem que podia fazer que nem eles, né?

@chanlindo: mas a gente já tá junto

@jongdeus: to falando da outra coisa, chanyeol…

@chanlindo: a

@listensoo: deus eh pai


X


Depois de alguns bons dias, aquele em que encontrariam a Senhora Byun chega novamente.

— Baek… você já sabe o que responder para a sua mãe?

— Responder o que, Soo?

— Aquela pergunta lá sobre o que é que fez você se apaixonar por mim.

— Sim, já sei. E sei também que vou demorar no mínimo umas duas horas falando, porque eu amo cada pedacinho de você e é bem difícil escolher uma coisa só.

— Idiota. — Sorriu.

— Só por você, meu amor.

— Você acha que sua mãe sabia que a gente se gostava e planejou isso tudo pra que a gente percebesse que se gostava?

— Nossa, eu não tinha pensado nisso… mas é bem a cara dela, né? Duvido nada.

— Então, vamos? — Deu-lhe a mão.

— Mas é claro, namorado. — Baekhyun sorriu, segurando a mão de Kyungsoo e batendo no portão da casa de seus pais.

Ficaram, literalmente, juntos pelo acaso, ou nem tão pelo acaso assim… mas se a gente substituir o “acaso” por “mãe do Baekhyun”, talvez dê mais certo, né? E também, não é como se eles fossem reclamar. Estavam muito bem e continuariam assim, obrigado.

Spoiler: a mamãe Byun até fez um bolinho pra comemorar o fato de que os pirralhos, finalmente, tinham percebido que se gostavam. Difícil lidar com crianças, sinceramente.

June 29, 2018, 8:05 p.m. 6 Report Embed 3
The End

Meet the author

tata a envy had nothing. so he killed a man with everything. yehetzhun and pynchissues on spiritfanfics

Comment something

Post!
Cintia Walter Cintia Walter
e perdão pelos comentários repetidos o inks me odeia q
June 29, 2018, 6:05 p.m.

  • tata a tata a
    ele te odeia mas eu te amo Nov. 3, 2018, 6:55 a.m.
Cintia Walter Cintia Walter
tu só escreve hino, como pode?
June 29, 2018, 6:03 p.m.

  • tata a tata a
    garotas q demoram anos pra responder pq só viram isso agora add....... TE AMO Nov. 3, 2018, 6:55 a.m.
Cintia Walter Cintia Walter
tu só escreve hino, como pode?
June 29, 2018, 6:02 p.m.
Cintia Walter Cintia Walter
tu só escreve hino, como pode?
June 29, 2018, 6:02 p.m.
~