Mãozinhas Follow story

krisoo reeves

Baekhyun conseguia fazer milagres com as mãos. { chanbaek | pwp | top!baek }


Fanfiction Celebrities For over 18 only.

#yaoi #slice-of-life #slash #au #chanbaek #exo #pwp #baekyeol #topbaek #topbaekhyun #bottomchanyeol
53
5551 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Fase das mãozinhas

“Yah, Yeol! Empina esse rabo pra cá!” Foi o que Baekhyun disse antes de apertar a bunda do namorado, enchendo as mãos com a carne macia e sem nenhuma imperfeição. 

Chanyeol estava uma bagunça de fios encaracolados e grunhidos abafados contra o travesseiro, já que estavam em seu dormitório e ele próprio tinha consciência do quão sonoro poderia ser em momentos como aquele, mesmo que nunca tivessem passado das mãozinhas. Bem, não até aquele momento exatamente.

A verdade é que Chan era um virjão assumido, que morria de medo de dar ré no kibe, queimar a rosca, fazer o coito, termos também conhecidos como “dar a bunda” para os leigos. Ele e Baekhyun namoravam há cerca de oito meses, mas em torno de dois haviam começado a fazer aquelas coisinhas; um beijinho no pescoço, uma marquinha ali, um apertãozinho aqui e acolá e a famosa mão amiga no pau. O Byun até mesmo arriscou a pedir uma chupadinha para o namorado caso Chanyeol não quisesse ir até os finalmentes e engolir sua porra (Baekhyun se contentaria em gozar no seu rosto, poxa! Ele nem precisava engolir!), mas o grandalhão negou, alegando estar cansado demais.

Podia parecer estúpido visto de longe, mas o rapaz tinha muito medo de falhar ou não ser bom o suficiente para Baekhyun, já que ele era uns bons anos mais velho, mais experiente em todos os aspectos e não-virgem, três tópicos que para si eram totalmente desconhecidos. E poxa, Chanyeol gostava uns bons bocados daquele baixinho, por isso tinha medo de que se fosse ruim, ele lhe deixaria e procuraria uma pessoa tão experiente quanto. Era comum sentir aquele tipo de receio, não era?

Mas aquilo, na verdade, era um completo eufemismo. Baekhyun sabia sobre a virgindade do namorado e queria que as coisas fossem no tempo dele, porque gostava demais do seu menininho pra ferir os sentimentos dele sendo o filho da puta chantagista que não tinha a mínima intenção de ser.

Bem, foi numa dessas que Yeol perguntou para o loirinho se ele já tinha dado um beijinho lá em baixo em alguém, todo coradinho e envergonhado, enrolando os dedos na camiseta grande demais para próprio corpo, o que fez Baekhyun gargalhar alto e trazer o garoto pra deitar em seu colo no sofá, lhe contando a história. O Park era todo estranho e medroso em relação ao seu corpo, em ser insuficiente, mas amava ouvir as aventuras sexuais e mirabolantes do Byun. Nunca admitiria, mas aquilo lhe deixava excitado. Por um lado era bom saber que o loiro era bem experiente, mas por outro dava um friozão na espinha.

E foi assim que eles acabaram naquela situação.

Um Chanyeol todo solto contra o colchão e seu namoradinho com a bendita cara metida na sua bunda, distribuindo beijinhos na pele quentinha e avermelhada pelos apertões.

“Olha só pra você...” Baekhyun soltou uma risadinha sacana, típica dele toda vez que paravam naquelas situações. “Ta todo entregue e eu mal comecei. Aposto que você tá duro feito pedra contra o colchão.”

“Hmm” O maior respondeu com um gemido arrastado, se contorcendo no colchão quando o loiro deslizou um dedo entre as bandas da sua bunda. “Baek...”

“O que foi, nenê?” Beijou um dos ombros do garoto, aproveitando a deixa pra encostar sua pélvis vestida pela cueca contra o traseiro arrebitado. Chanyeol deu uma retraída quando sentiu o pau duro do namorado roçar contra sua pele descoberta. Baekhyun era muito grande. Muito mesmo. De um jeito que era assustador  e gostoso pra caralho ao mesmo tempo.

“Anda logo com isso. Eu to com vergonha.”

“Me diz o que você quer...” Tá certo, Baekhyun não era um filho da puta chantagista e influenciador, mas ainda era um (pouquinho) filho da puta.

“Não seja assim, Baekkie” Chanyeol resmungou, escondendo o rosto no travesseiro e esperando a iniciativa que não veio. Byun apenas ficou lá, com a porra daquela ereção roçando na sua bunda, esfregando para cima e para baixo, como quem não quer nada. Frustrado com a falta de contato, o moreno olhou por cima do ombro. Baekhyun estava com aquela expressão tirana e um sorrisinho de lado, esperando o seu menino dizer. “Certo, Baekhyun. Chega de joguinhos, coloca logo esse rostinho lindo na minha bunda, por favor.”

“Bom garoto” o mais velho deu um beijinho no nariz do namorado e voltou sua atenção pras nádegas lisinhas, onde distribuiu um tapa de cada lado, fracos, apenas para avermelhar a pele.

Chanyeol grunhiu alto quando teve sua entrada circulada por um dos dedos do loiro. Ele se contraiu todo contra a pele áspera do digito e o Byun deu um beijinho em uma das bandas antes de, literalmente, cair de boca.

Depois disso, Chanyeol virou uma mistura de gemidos e palavrinhas desconexas. Era até bonitinha a cena de Baekhyun com a cara enfiada no traseiro modesto do companheiro, enquanto sua língua fazia todo o trabalho de tirar os sentidos o jovem Park. Fosse deslizando, apenas umedecendo o local ou adentrando bem pouquinho, só pra provoca-lo.

“Bae” Chamou o moreno, não obtendo resposta. “Baekkie.”

“Hm?” Murmurou o mais velho ainda com a cara enfiada na bunda do outro.

“Será que você poderia... tentar?” Baekhyun parou bruscamente o que estava fazendo e levantou o rosto, encarando o namorado de maneira suspeita. “Não me olha assim! Eu... eu só queria saber se você pode tentar colocar um dedo pra eu sentir como é...”

“Claro” O loiro sorriu, não daquele jeito sacana ou safado. Um sorriso bonito e terno, cheio de admiração, afinal de contas era Park Chanyeol ali, o seu namoradinho cheio de inseguranças. Era um passo muito grande ele dizer aquele tipo de coisa. “Claro que sim, amor.”

Baekhyun virou Chanyeol na cama, deixando-o de barriga pra cima e todo envergonhado por estar duro pra caramba, totalmente exposto aos olhos analíticos do outro. E merda, ele era tão lindo! Tudo nele irradiava graciosidade. Byun Baekhyun estava fodidamente apaixonado por Park Chanyeol.

O mais velho ajeitou as pernas do cacheadinho para que pudesse se ajeitar entre elas e beijá-lo. Sentia falta da boca grossinha dele e do jeitinho acanhado que ele começava os amassos antes de se entregar friamente, ficando todo molinho e suscetível ao toque do Byun. E um beijinho aqui e outro ali resultou nos os dedos bonitos de Baekhyun dentro da boca gostosa do rapaz, acariciando a língua dele com a ponta do digito.

“Você é um safado enrustido, Chan” Subiu o olhar da boca até os olhos do menino. “Olha essa sua carinha... De inocente você não tem nada. Só finge.”

Yeol revirou os olhos quando seu namorado tirou os dedos da sua boca e se ajeitou quase em seu colo, ficando com o rosto pertinho do seu para poder analisar suas feições e sua mão desceu pelo abdômen gordinho, a palma esfregando sorrateiramente pelo membro negligenciado antes de chegar na entrada já molhada. 

Primeiro ele provocou o lugar, apenas deslizando os dedos úmidos pela extensão enquanto seu polegar pressionava a região sensível do períneo. Baekhyun amava, de verdade e com todo o seu coração, o quão audível e barulhento Chanyeol era nessas coisas, mas infelizmente eles não estavam no seu apartamento e sim num quarto de faculdade, então ele fez questão de beijar novamente a boca dele, engolindo os gemidos, mas deixando passar o mais alto deles quando inseriu devagarinho o primeiro dedo, só o espaço entre a primeira e a segunda falange, parando quando viu os olhinhos espremidos do cacheado e a boca aberta.

“Nenê, tá doendo muito?” Perguntou, mas o Park apenas espremeu mais os olhos. “Olha, eu vou tirar, a gente pode tentar out-”

“Não!” Era difícil ver Chanyeol usando aquela voz grave dele, já que ele insistia em dizer que ela não combinava muito consigo. Baekhyun acabou por arregalar os olhos com o tom utilizado e o mais novo balançou a cabeça, respirando fundo. “Não precisa tirar. Não tá doendo... na verdade... é bom.”

O loiro relaxou sobre o próprio corpo e aproximou de mansinho do ouvido alheio.

“Eu disse que cê era mó safado enrustido” Soltou uma risadinha. “Vou mover o dedo um pouquinho, tá? Me diz se tiver doendo.”

Yeol concordou e gemeu daquele jeitinho manhoso que só ele sabia fazer quando o digito estava praticamente todo dentro de si. Baekhyun movimentou um pouquinho e girou ele no interior, deixando-o virado pra cima para poder roçar devagarinho as paredes naquele ponto. A ereção de Chanyeol chegou a dar uma murchadinha, ainda que estivesse escorrendo um pouco de liquido pré-seminal pela fenda.

“Chan, você tá gostando?”

“Uhum, é gostoso” Respondeu, prendendo o lábio entre os dentes. O mais velho acenou com a cabeça, forçando o dedo com mais força pra cima, fazendo Park ter um espasmo. “Baek! Faz... de novo.”

Foi aí que Chanyeol descobriu que dava pra ter aquela gozadinha gostosa sem se tocar e sem nem perceber que estava perto de um orgasmo. Ficou todo molinho e ofegante, respirando forte contra o peitoral do Byun, que fazia questão que alisar os cabelos desgrenhados do seu menino lindo.

“Isso foi ótimo” Disse ainda com os olhos fechados.

“Eu que agradeço” Baek deu uma fungadinha no seu pescoço e se encostou na cabeceira, trazendo o corpo do maior pra mais perto.

“Pelo que exatamente?” Yeol olhou pra cima e Baekhyun sorriu.

Caramba. Nunca ia se cansar de dizer que Chanyeol era lindo de morrer.

“Por ter confiado em mim, bebê. Sei como isso é importante pra você.”

E essa também foi a história de como Baekhyun ganhou uma punheta gostosinha depois de uns amassos, afinal de contas, aquele pau duro ainda tava cutucando a bunda fofinha de Chanyeol quando ele sentou em seu colo para beijá-lo. Abençoadas sejam as palmas e as punhetinhas de cada dia.

Uma hora eles sairiam das famosas “mãozinhas”.

Amém.

June 28, 2018, 3:11 p.m. 1 Report Embed 26
Read next chapter Além das mãozinhas

Comment something

Post!
agnesz <3 agnesz <3
ulala
Oct. 31, 2018, 2:50 p.m.
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 1 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!