provocativo Follow story

mochiyeol Lari

Baekhyun era o carinha mais popular da escola, com o seu charme e sorriso irresistíveis. Chanyeol era do grupinho dos nerds, sempre fugindo das festinhas, preferindo a companhia dos seus preciosos livros. A queda que o Baekhyun tinha pelo Park era clara, mas o outro sempre fugia das suas investidas. Quem sabe uma tarde assistindo filme com os amigos não poderia mudar isso. +18 ll mão amiga ll


Fanfiction For over 18 only.

#handjob #pegação #pwp # #chanyeol #baekhyun #chanbaek
Short tale
21
5.3k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo único

 É comum que nas escolas exista uma ou mais pessoas que são chamadas de populares, aquelas que todos querem ser amigos ou até dar uns pegas, e na escola onde Park Chanyeol estudava não era diferente, e aquele que detinha desse título se chamava Byun Baekhyun.

 O Byun era consideravelmente menor que o Park, tinha os cabelos negros, lábios finos e olhos felinos; era praticamente impossível achar alguém naquela escola que não tivesse, no mínimo, uma queda pelo moreno, bastava um sorrisinho de lado e uma cantada feita ao pé do ouvido para a pessoa cair nos seus encantos, a lábia que ele possuía não era brincadeira; ele arrancava suspiros tanto das garotas quanto dos garotos, e ele não se importava nem um pouco com isso, muito pelo ao contrário, ele era bissexual assumidíssimo, um dos seus lemas era “se Deus fez o homem e a mulher, porque não beijar os dois?”.

 E era exatamente este indivíduo que vinha tirando a paz do nosso querido Chanyeol.

 Park Chanyeol era completamente o oposto do Byun, tinha os cabelos em um tom de vermelho fogo — cor influenciada por um personagem que amava muito —, lábios grossos e olhos grandinhos; o menino era super caseiro e nerd de carteirinha, se quisesse achá-lo bastava ir na biblioteca, onde ele, certamente, estaria com a cara enfiada em algum livro ou hq. Se havia uma coisa que ele evitava eram as festinhas, pois com certeza alguém acabaria dando em cima de si e ele não sabia lidar com isso, a arte da pegação era algo que ele definitivamente não dominava.

 Ambos cursavam o segundo ano do ensino médio, porém eram de salas diferentes; em circunstâncias normais eles não se falariam, mas visto que o destino está aí para dar uma forcinha, eles tinham amigos em comum e estes sempre os fazia sentar juntos no intervalo.

 No começo estava tudo bem, mas as coisas começaram a desandar quando o Baekhyun começou a mostrar um certo interesse no maior, e bem, ele não é o melhor exemplo de uma pessoa discreta quando está afim de alguém, o que causava uma série de bochechas coradas e gaguejos da parte do grandão, que simplesmente não sabia lidar com aquele tipo de coisa, além de cantadas e indiretas — completamente diretas —, ele lhe dava apelidos que julgava ser fofo, mas que apenas causava ainda mais vergonha no ruivo.

 Os amigos sempre tiravam onda dele nesses momentos, e, às vezes, iam até ele o incentivar a tentar algo com o menor, diziam que sabiam que o maior não era completamente imune aos charmes do Byun, e que não seria de todo mal dar uns amassos com ele, mas o grandão apenas negava com todas a forças que poderia ter qualquer tipo de queda por ele, o que sempre resultava em caras de “hm, sei, tu pensa que me engana”, mas ele apenas ignorava. Um dia ainda iria fazer eles acreditarem em si, apesar dele mesmo não acreditar mais, as investidas do menor estavam fazendo cada vez mais efeito, além da beleza incontestável dele complicar ainda mais as coisas.

  — Então está marcado, quero todos lá em casa, às quatro horas — Minseok disse por fim, assim que ouviu o sinal tocar, se levantando junto com os outros.

  —  Hã? O que foi marcado? — o maior dali falou confuso, estava tão concentrado em seu livro que nem prestou atenção no que estava sendo dito por seus amigos.

 — Quem mandou ficar com a cara enfiada nesse livro e não nos ouvir? Vai ficar querendo saber, só trate de aparecer na hora marcada — Kyungsoo respondeu, também já se levantando para ir para sala, recebendo um bico triste do outro.

  —  Nós marcamos para assistir um filme lá na casa do Minnie, gatinho — Baekhyun falou olhando para o maior, que corou fortemente ao ouvir o apelido que o Byun havia lhe dado, e o sorrisinho também não ajudou muito.

  — Não me chama de gatinho — murmurou tentando soar bravo, agradeceu a si mesmo por não ter gaguejado, mas a sua resposta apenas arrancou uma risada baixa do outro.

 O maior tratou de levantar, pegando o seu livro e contornando a mesa, para assim ir em direção a saída do refeitório, e, ao passar do lado do menor, pode ouvi-lo falar :

  — É que é difícil não te chamar por esse apelido quando ele combina tanto com você.

 Chanyeol corou ainda mais — se é que isso é possível —, ao ponto de conseguir sentir as orelhas queimarem. Apenas apressou mais o passo para chegar logo a sua sala.

 Aquele menino ainda ia enlouquece-lo.

 Assim que chegou lá Jongin já estava sentado na cadeira ao seu lado, e o outro não pôde deixar de perceber o quão vermelho o amigo estava.

  — Pelo visto, o Baek andou te cantando, está mais vermelho que um tomate — falou risonho, quando o amigo se sentou, recebendo uma cara feia vinda dele.

  — Ele deve achar muito engraçado me ver assim — respondeu, se sentando.

  —   Aposto que sim — concordou com o amigo, rindo. — Mas tenho certeza absoluta que ele faz isso por que está realmente afim de você, ele não dá em cima de ninguém se ele não tiver nenhum tipo de interesse — Chanyeol o encarava sem saber ao certo o que dizer.

  — Deveria pensar um pouco nisso, sei que você não é o maior fã dele mas o Baek é um cara legal, e eu to ligado que é afim dele, você não me engana.

 —  Q-Que calúnia! Não sou nem um pouco afim dele, você deve ter comido alguma coisa estragada no lanche e está delirando.

 O mais novo apenas caiu na risada, e assim que viu o professor entrar pela porta se sentou melhor na cadeira.

  — Bom, é o que veremos hoje de tarde..

  — O que você quer dizer com isso?

  — Eu? Nada. Agora se vira para frente que o professor já está falando — murmurou, e sorriu divertido, sabia o quanto o amigo odiava ficar curioso sobre algo, então apenas ignorou a cara indignada que ele fez.


                                                          (...)


 Assim que chegou em casa tratou de comer e tomar um belo de um banho; havia feito planos mentais de terminar de ler seu livro e adiantar a matéria do dia, mas, depois dos meninos praticamente o ameaçarem na saída do colégio, faltar ao encontro à tarde não era uma opção, e ele só havia descartado a ideia de ir por um único motivo : Byun Baekhyun, pelo que o Jongin tinha dito mais cedo parecia mais que o menor estava planejando algo, e tudo que envolvia o Byun era um pouco perigoso, se é que me entendem. Mas bem, não tinha muito o que fazer, então deveria ir apenas com o pensamento de se divertir e curtir a tarde.

 Quando o relógio marcou 15:20 começou a se trocar, como era algo apenas entre amigos não se preocupou em colocar uma roupa arrumada, muito pelo ao contrário, se vestiu da forma mais confortável, ou seja, uma calça de moletom preta e uma blusa básica também preta. Se ele gostava de roupas escuras? Talvez.

 Como sabia que nesses encontros que fazia com os amigos tinha uma regra silenciosa de cada um levar algo para comer ou beber antes de chegar à casa de Minseok passou em um mercadinho e comprou o seu refrigerante favorito. Quando bateu na porta da casa do Kim esperava ser atendido por ele, já que a casa era dele, obviamente, mas se enganou totalmente quando a figura que apareceu foi o Baekhyun, ele ficou tão surpreso ao ponto de ficar parado na porta feito um idiota, e não teria saído do lugar se ele não tivesse o dito para entrar.

 Ele odiava admitir, mas o Byun era fodidamente bonito até mesmo vestindo algo simples como uma calça jeans clara e uma camisa branca; nunca tinha chegado tão perto dele daquele jeito — sempre mantinha uma distância segura dele —, não ao ponto de sentir o cheiro cítrico e ao mesmo tempo floral desprender de sua pele, ou de notar um pequeno sinal acima do lábio..

 — Pelo visto você gosta do que vê, gatinho — um sorriso e divertido e malicioso cresceu nos lábios do moreno, não era sempre que tinha os olhos do ruivo vidrados em si, não conseguiu deixar de provocá-lo um pouco.

 —  Err.. eu.. — envergonhado era pouco para descrever o estado em que ele se encontrava, arrancando um risinho do menor.

  —  Os meninos estão lá na sala, só faltava você.

 O maior, sabendo que não ia conseguir dar uma resposta sem se enrolar, apenas acenou positivamente, entrando de vez na casa e ir em direção a sala.

 O moreno não pôde deixar de seguir o outro com os olhos, soltando um pequeno suspiro, adorava quando ele usava roupas escuras, parecia que o deixava ainda mais bonito, além de realçar ainda mais os cabelos cor de fogo dele.. é, estava difícil continuar só olhando aquele menino.

 Ao chegar na sala Chanyeol comprimentou todos, logo indo para a cozinha, deixar o refrigerante na geladeira.

  — Chanyeol, você sabe fazer aquele brigadeiro com leite que é quase um chocolate quente? Nós ficamos afim de comer ele durante o filme — ouviu Minseok perguntar.

  — Sei, sim, quer que eu faça agora? Como somos muitos vai demorar um pouco para fazer em grande quantidade, você pode me ajudar fazendo em outra panela?

  —  Com certeza, só me diga o que fazer — o mais velho respondeu, fazendo um sinalzinho de “ok” com a mão.

 Enquanto isso, Baekhyun estava sentado no sofá da sala, junto com Kyungsoo e Sehun, apenas observando o maior dali.

  — Se você continuar o secando assim ele vai acabar sumindo — Sehun provocou o mais velho, rindo.

  — A culpa não é minha, ok? E depois que ele cortou o cabelo as coisas ficaram ainda mais difíceis para mim, não achei que ele poderia ficar ainda mais bonito, não sei como ainda não joguei ele na parede e tasquei-lhe um beijo..

 Sua fala arrancou uma risada do mais novo.

  — Apesar de que já está na hora de você tomar alguma atitude ao invés de ficar só cantando o Yeol — Kyungsoo entrou na conversa. — Você sabe que, se depender dele, vocês não vão a lugar algum.

  — Concordo com o Soo — Jongin se juntou ao trio no sofá, deixando o Chanyeol e o Minseok sozinhos na cozinha. — Quando nós falamos sobre esse encontro hoje de manhã eu vi um certo brilho nos seus olhos, como quem está prestes a ter uma ideia brilhante, achei que você tinha pensado em fazer algo sobre isso.

  — Na verdade, eu não cheguei a realmente pensar em algo, mas achei que poderia ser que aparecesse uma oportunidade, e aposto que se nós conseguirmos sentar um ao lado do outro as chances de algo acontecer aumentariam bastante — faltou num tom sugestivo, dando uma piscada, fazendo os três entenderem.

  — Pode deixar, adoro ser cúmplice nessas coisas — o mais novo dali disse, segurando o risinho.

  — Nós com certeza vamos dar um jeito nisso — Kyungsoo foi o próximo a falar. — Apenas não faça nada que o machuque, ou eu arranco o seu amiguinho fora.

  — Relaxa, Soo, eu não faria isso — o moreno o tranquilizou, e acabou rindo baixinho.  — Às vezes, você é protetor demais com ele.

 O outro apenas deu de ombro, sabia dessa sua característica protetora demais, mas não podia evitar, Chanyeol era um grande amigo para si, além do que, não estava nem um pouco afim de lidar com um Chanyeol chorão pelos cantos.

 Em poucos minutos todos já estavam na sala, escolhendo o filme que iram ver, decidiram que todos iam se sentar no chão em cima de um grande colchonete, usando o sofá como apoio para as costas.

  — Gente, eu vou no banheiro rapidinho — o maior dali anunciou, já se levantando, recebendo um “ok” de todos.

 Tentou não demorar muito, pois sabia que iriam clamar consigo, quando voltou do banheiro percebeu que todos já estavam sentados em seus respectivos lugares, apenas o esperando para começar o filme, e, ao analisar o local percebeu que só tinha um lugar vago : na ponta do colchão, ao lado de Baekhyun. Engoliu seco antes de sentar, pegou o seu refrigerante, o colocando no seu colo, pois sabia que era o único que iria tomar dele.

  — Vou dar play, sem conversas — Minseok anunciou, já apertando o botão do controle.

 O ruivo se remexeu desconfortável, estava consciente demais da presença do moreno ao seu lado, o cheiro dele estava impregnado em seu olfato, o deixando até um pouco zonzo, era uma fragrância agradável demais, estava com medo de ficar viciado; em meio a suas divagações respirou fundo, tratando de se concentrar no que passava na tv, torcendo para tudo ocorresse normalmente — o que não era bem os planos daquele sentado ao seu lado.

 Após uns bons minutos desde que o filme havia começado, cerca de vinte, como quem não quer nada, o moreno dá uma espiada pela sala, percebendo que todos estão concentrados no filme dá um sorriso vitorioso e olha de soslaio para o maior, quando viu que ele havia colocado o refrigerante o meio das pernas uma ideia maluca de passou na sua cabeça, apesar de ele ter certeza que seria um movimento perigoso, pois poderia acabar tendo o efeito oposto, o afastando, mas já não aguentava mais ficar apenas nas cantadas e indiretas, estava louco para provar daqueles lábios grossinhos, além do que, dar só uma provocada não era nada demais, certo?

 O maior estava com os olhos vidrados na cena do filme que passava, quando, de repente, percebeu um movimento vindo do menor ao seu lado, e ao que parecia, ele havia esticado a mão para pegar o refrigerante em seu colo, mas estranhou quando percebeu que já era para ele ter pego a garrafa, porém seu braço continuava esticado, e, com o cenho franzido, olhou para baixo, mas logo depois se arrependeu da sua ação, o moreno estava, simplesmente, acariciando a garrafa; de primeira não entendeu, mas, ao analisar os gestos suspeitos, logo percebeu do que se tratava, sentindo o coração bater freneticamente, corando fortemente e acabando por arregalar os olhos.

 Mirou seus olhos para a figura ao seu lado, que estava olhando para a tv, mas com um sorriso safado nos lábios, fazendo o maior ofegar, ele sabia que um dia aquele maldito iria o levar a loucura, só não pensou que fosse tão cedo.

 Tentou inutilmente não olhar para as mãos dele, pois não conseguiu, era tentador demais, e, ao olhar ele fazer aqueles gestos obscenos, a imagem dele fazendo aquilo em si passou pela sua cabeça, o deixando ainda mais desconcertado, e consequentemente, sua roupa íntima mais apertada. Tentou mais uma vez desviar o olhar dali, estava sendo algo perigoso demais; ao vagar os olhos pela sala se deparou com o espelho, e que, por uma maldição dos céus, refletia bem demais a situação, e o ângulo não ajudava em nada, só fazia parecer ainda mais que o Baekhyun estava realmente o masturbando, o fazendo morder os lábios para impedir que um gemido se desprendesse dos seus lábios.

 Baekhyun, ao perceber as reações do maior, sorriu de um jeito ainda mais safado e vitorioso, não conseguiu se segurar, grudando os lábios na orelha dele, o sentido se arrepiar na mesma hora.

  — O que foi, gatinho? Estou percebendo que está meio inquieto... — sussurrou meio rouco, de um jeito completamente provocativo, ouvindo um xingamento baixinho vindo dele.

 Sem perder tempo deslizou a língua pelo lóbulo, o prendendo entre os dentes e puxando devagarinho, o ouvindo ofegar, desceu os lábios pelo pescoço liso, dando um beijo molhado e raspando os dentes ali, sentindo o ruivo se arrepiar e, quase imperceptivelmente, mover o pescoço de forma que desse mais espaço para o menor abusar dele.

 Chanyeol não podia acreditar que estava cedendo, mas também aquilo estava sendo um golpe baixíssimo do Byun, seu pescoço e orelha eram seus pontos fracos, e cada vez que ele sentia a língua dele maltratar aquelas áreas era como se uma corrente elétrica passasse por todo o seu corpo, e que ia parar bem no meio das suas pernas, tinha certeza que já estava indecentemente duro. Estava ficando cada vez mais difícil segurar os gemidos que queriam escapar.

 O menor, assim que viu a ereção dele completamente aparente na calça de moletom, sentiu uma fisgada no seu baixo ventre. As coisas estavam realmente ficando perigosas, mas não ia ser agora que ele ia parar, e voltou a colar a boca na orelha do ruivo.

  — Parece que você está com um pequeno probleminha aí, será que devo lhe ajudar, gatinho? — mais uma vez falou de modo sussurrado, arrancando mais suspiros do ruivo.

 Na hora o corpo dele inteiro ficou tenso, não esperava que o menor fosse ser tão direto, de primeira ficou completamente sem saber o que fazer, e até considerou não responder nada, mas.. uma parte de si pensou que poderia arriscar, poderia entrar no joguinho desse maldito provocador. Para tudo se tem uma primeira vez, não é mesmo?

 Então, surpreendendo não só a si mesmo mas ao Baekhyun também, ele virou o rosto de forma que se afastasse um pouco do do Byun, o olhando por alguns segundos antes de deslizar os lábios desde a bochecha até a orelha dele, o fazendo se sobressaltar.

  — Bom, a culpa é sua por eu estar assim, acho que é o mínimo que poderia fazer, não acha? — com a coragem que ainda restava ele deixou a voz mais grossa ao sussurrar.

 Na hora o moreno mordeu o lábio inferior com um pouco mais de força que o necessário, a voz do grandão sempre foi algo que lhe tirava o sono — exatamente no segundo sentido — , ela era tão grossa e gostosa de ouvir. E ouvi-la assim, no pé do ouvido, sem nenhum aviso prévio, lhe causou um estrago imenso, principalmente no baixo ventre, onde sentiu uma fisgada.

 Ficou louco para ouvir mais dela.

  — Pode deixar que irei me responsabilizar pelas minhas ações com todo o prazer — devolveu, com a voz mais provocativa do que era recomendável.

 Sem perder tempo, Baekhyun enfiou a mão dentro da calça de moletom, acariciando o membro por cima da boxer.

 Ele percebeu o momento que o maior abriu a boca para deixar um gemido escapar, então, em um movimento rápido, com a outra mão livre virou o rosto dele para o seu, o puxando para um beijo.

 Os olhos grandinhos do ruivo quase pularam para fora no momento em que sentiu a maciez dos lábios dele nos seus, mas não tinha força alguma para contestar ou se afastar — e nem queria —, acabando por deixar um suspiro escapar quando sentiu os lábios dele se mexerem, fechando os olhos e se entregando.

 Ele sentia seu coração bater em um ritmo irrefreável e um calor insuportável se apossar do seu corpo, não sabia em que deveria se concentrar, na mão dele acariciando seu membro de um jeito que estava o fazendo ver estrelas ou na língua dele passando pelo seu lábio pedindo passagem; assim que concedeu quase gemeu de satisfação ao sentir a língua dele explorar toda a sua boca. Sabia que ele era habilidoso nisso, tinha conhecimento do tanto de pessoas da escola que, após provar uma vez do beijo dele, queriam outra vez não era brincadeira.

 Baekhyun sabia que o ruivo não tinha tanta experiência com beijos, e até tentou se controlar, mas finalmente estava provando dos lábios que tanto ansiou esse tempo todo e estava sendo melhor do que imaginava, não dava para se segurar, tudo que mais queria era estar sozinho com ele, para poder abusar dos lábios grossinhos como bem quisesse. Mas, o que estava lhe trazendo ainda mais satisfação era sentir a boxer dele cada vez mais molhada de pré-gozo, e, como sua mão estava colada a barriga dele, sentia os espasmos que ele dava quando abusava da glande e apertava o membro; sem se segurar, levou a mão para dentro da peça íntima, masturbando o membro diretamente.

 Naquele momento Chanyeol sabia que não ia aguentar guardar os gemidos só para si; porra, a corrente elétrica que passou pelo seu corpo ao sentir a mão do outro no seu pau o fez delirar.

 Num movimento rápido ele desgrudou as bocas — apesar de querer muito mais tempo com elas juntas — e seu rosto até o pescoço dele e se encaixou no vão, começando a gemer o mais baixo que conseguia perto do ouvido dele; nossa, aquilo era tão bom.

  — Caralho, Baekhyun-ah — o nome dele se desprendeu como um gemido manhoso, fazendo o outro se arrepiar por inteiro e o membro dele pulsar doloroso dentro das calças.

 Ter o outro gemendo seu nome era um dos desejos mais íntimos que o moreno tinha e que rendia uma punheta atrás da outra de madrugada, e, se tinha uma coisa que ele tinha certeza naquele momento, era que a realidade era muito melhor.

 A aquela altura ambos já estavam ofegantes e gemendo baixinho, nem se quer se lembravam da presença dos amigos — que no momento era inexistente, mas nem isso tinham percebido —; Baekhyun, assim que percebeu que os gemidos do maior estavam cada vez mais necessitados e o pré-gozo escorria abundantemente, sabia que ele estava muito perto de gozar.

  — Gatinho, você está tão perto de gozar.. — sussurrou, aumentando a velocidade da masturbação, podendo até ouvir o som melado, fazendo o maior se contorcer e gemer e em um intervalo menor de tempo, consequentemente deixando o próprio Baekhyun mais excitado.

  — Você quer gozar? Quer? — assim que fez a pergunta diminuiu a velocidade da mão, fazendo o ruivo choramingar baixinho.

 — Baekhyun, não faz assim... — pediu quase manhoso, instintivamente mexendo o quadril de encontro a mão dele, que continuava no ritmo lento, o enlouquecendo.

  — É só pedir, o que você quer, Chanyeol ?

 Era a primeira vez que o maior ouvia ele o chamar pelo nome, o que o fez morder o lábio, havia gostado de como o seu nome soava saindo na boca dele.

  — Gozar.. — respondeu baixinho.

  — O que? Eu não ouvi.. — provocou ainda mais, quase parando a mão.

  — Você é um filho da puta mesmo.. — falou entre dentes, e o moreno amou o ouvir ele o xingar, era estranhamente sexy ao seu ver. — Quero gozar, Baekhyun, me faz gozar..

 O menor estava simplesmente amando o ouvir pedir, e isso o deixava ainda mais excitado, fazendo o seu pau pulsar ainda mais, não sabia como estava aguentando se controlar daquela maneira, em outra ocasião já teria enfiado a mão no meio das calças, mas naquele momento apenas queria se concentrar em dar o máximo de prazer aquele grandão, e, se desse sorte, poderia repetir algum dia.

 Para não fazê-lo sofrer por mais tempo, voltou a aumentar a velocidade da felação, e até botando mais pressão, fazendo o ruivo tacar o foda-se e gemer como bem queria; ele sentia o baixo ventre repuxar cada vez mais violentamente, anunciando o quão perto estava, chegando até a contorcer os dedos do pé; num movimento rápido levantou a blusa, logo franzindo o cenho e soltando um último gemido antes de se sentir o corpo todo tremer e uma sensação deliciosa percorrer por todo o seu corpo.

 Baekhyun ainda movimentou a mão por alguns segundos enquanto via a porra dele melar toda a barriga bonita e escorrer um pouco na sua mão, e ele quase gozou junto ao ver aquela cena.

 Quando o ruivo tirou o rosto de junto do seus pescoço e passou a olhar intensamente o menor ao seu lado, que, ao sentir que era observado devolveu o olhar, e, por um segundo, achou que outro ia começar a lhe xingar, mas foi surpreendido — mais uma vez — ao ver a mão dele ir de encontro ao seu rosto, o puxando para um beijo completamente necessitado, as línguas afoitas se encontrando dentro e fora da boca. Foi só quando os pulmões pediram por oxigênio que se separaram, e, assim que se olharam, o Baekhyun estava com um sorrisinho no rosto, que desconcertou um pouco o maior, fazendo ele ficar envergonhado — ficar envergonhado só por causa de um sorriso depois de tudo que fizeram é bem complicado, né —, e foi só naquele momento que lembrou dos amigos.

 Desviou os olhos do rosto bonito, percorrendo os olhos pela sala, procurando os indivíduos que deveriam estar ali, e quando constatou que não havia mais ninguém corou fortemente, pois: se em algum momentos eles saíram dali, era porque tinham percebido que os dois estavam se pegando, e ele, que tanto dizia que não se sentia nem um pouco atraído pelo menor, estava trocando saliva e muito mais com ele. Não sabia com que cara olharia para os meninos. Apesar de que, eles não pediram tanto que ele desse uma chance para o moreno? Estava fazendo o que eles queriam, não é mesmo?

  — Eles devem ter ido terminar de assistir o filme — a voz de Baekhyun o tirou dos pensamentos, voltando a olhar para ele.

  — Aposto que eles devem ter visto a gente..sabe.. se pegando — disse a última frase um pouco mais baixo, falar aquilo ainda lhe deixava meio tímido, recebendo um risinho divertido do menor.

  — Sim, eles com certeza devem ter visto.

 Antes que Chanyeol pudesse abrir a boca, ele lembrou do que o menor havia acabado de fazer consigo e seus olhos miraram a parte íntima dele, constatando que, sim, ele estava com uma puta ereção marcada na calça, o fazendo morder o lábio inferior.

 Ele tinha batido uma punheta maravilhosa para si, deveria retribuir?

  — Eu sei o que você está pensando mas não precisa.

  — Tem certeza?

  — Tenho, quando comecei a lhe provocar não esperei que fosse retribuído,

 Chanyeol o olhou nos olhos e percebeu que ele estava sendo sincero, mas.. ainda assim, ele não merecia apenas dar prazer e não receber nada em troca.

 Tomou coragem e voltou a colar os lábios nos dele, o beijando do seu jeito meio desengonçado, recebendo um ofego como resposta, mas que logo retribuiu; o ruivo passou um de seus braço pela cintura dele e a outra mão agarrou a sua coxa, o trazendo para sentar em seu colo, e, pela surpresa, o menor descolou as bocas, o olhando com os olhos um pouco arregalados, não esperava essa atitude vinda dele — na verdade nem o próprio Chanyeol esperava, mas, né, para tudo se tem uma primeira vez.

 E antes que Baekhyun pudesse fazer algum comentário desabotoou a calça dele, abrindo o zíper e enfiando a mão já no membro duro e necessitado dele, percebendo a quantidade de pré-gozo havia ali, e recebeu um gemido um pouco alto por ter sido pego de surpresa, levando as mãos para os ombros largos do maior e os apertando, descontando o prazer ali.

 O coração do ruivo batia freneticamente no peito, nunca havia tocado outra pessoa, apenas si mesmo, mas não achou que seria tão difícil, bastava se lembrar de como o menor fez.

  — Wow, você está realmente me surpreendendo hoje, gatinho.

 — Me chama pelo nome — sussurrou, voltando a olhar para o rosto bonito, e estavam tão perto que pode analisar tudo, desde a boca inchada pelos beijos até os olhos nublados de desejo e as sobrancelhas juntas, numa clara expressão de prazer.

  — Como quiser, Chanyeol... — falou o nome arrastado, só para provocá-lo ainda mais.

 Num movimento rápido, ele agarrou a camisa escura do maior e a puxou para cima, o obrigando a soltar o membro alheio e levantar os braços.

 Assim que tirou a camisa dele tratou de tirar a sua também, a jogando em um canto qualquer, para logo depois observar o tronco nu do outro, achando adorável as dobrinhas que haviam ali, junto com as estrias nas laterais do corpo. Percebeu que também era observado, e, assim que os olhos voltaram a se encontrar, as bocas fizeram o mesmo percurso, se chocando de um jeito até violento.

 O maior tratou de voltar a masturbação que fazia nele, só que dessa vez com um pouco mais de determinação, rodeando o polegar pela glande e começando com movimentos mais rápidos, ouvindo o outro ofegar em meio ao beijo e apertar os seus ombros com mais força.

 Baekhyun aproximou mais os troncos, e o maior, seguindo o instinto, levou a sua palma pesada para a cintura bonita dele, a apertando e trazendo o corpo ainda mais para perto, quase os colando.

  — Chanyeol, ahn — ele já não estava conseguindo guardar os gemidos, não quado o maior estava se dedicando tão bem para lhe dar prazer.

 O som molhado da punheta preenchia a sala, assim como os ofegos, suspiros e gemidos dos únicos presentes ali.

 Chanyeol, quando percebeu que o moreno estava perto de gozar, colou a boca do pescoço branquinho e passou a abusar dele, beijando e chupando a pele macia, fazendo o menor se contorcer em seus braços e quase choramingar quando passou a aumentar a velocidade da mão, sentindo o abdômen dele se contrair violentamente e em poucos segundos jatos quentes acertarem o corpo de ambos, e Baekhyun ainda gemer baixinho até o movimento da mão do maior parar completamente.

 A respiração de ambos estava descompassada, e só depois de se acalmar um pouco Chanyeol tirou o rosto do pescoço dele, o olhando um pouco envergonhado, ainda não tinha absorvido tudo que tinha acontecido.

 Se olharam por alguns segundos, o Baekhyun abriu um sorriso sincero, fazendo o coração do maior errar num batida, mas antes que pudessem falar algo o som da porta de um dos quartos foi abrindo foi ouvida, ganhando a atenção dos dois.

  — O casalzinho já terminou de se agarrar aí? — a primeira voz que se fez presente foi a de Minseok.

  —  Achei que iam acabar transando na sala mesmo — Sehun foi o próximo a aparecer, claramente se divertindo com a situação.

 Na hora, o rosto de Chanyeol estava a ponto de pegar fogo, sabia que os amigos iriam tirar muita onda com a cara dele ainda.

  — Ei, vocês dois, voltem para o quarto, nós ainda não terminamos de nos resolver aqui — Baekhyun se pronunciou, fazendo os dois levantarem as mãos em rendição e voltarem para dentro do quarto. — São uns enxeridos mesmo — voltou a olhar para o maior, que agora olhava para qualquer lugar da sala. — Ei, Chanyeol.

  — Oi.. — respondeu baixinho.

  — Você gostou? — a pergunta chamou a atenção do ruivo, que voltou a olhá-lo.

 —  ...Sim, até mais do que gostaria de admitir — falou no tom normal, resolveu que deveria ser sincero.

 E a resposta fez um sorriso grande se formar nos lábios do moreno, que até relaxou um pouco.

  — Que alívio, eu meio que fiz tudo isso também pensando na possibilidade de você se afastar ainda mais de mim, mas fico feliz em saber que aconteceu justamente o ao contrário — admitiu, mas logo um outro sorriso se formou em seus lábios. — E já que você gostou tanto, poderíamos repetir em uma outra oportunidade..

 O maior ficou genuinamente surpreso com a proposta dele, no fundo, sempre achou que, no dia que ele finalmente conseguisse o que tanto queria, dar uns pegas consigo, depois iria descartá-lo, já que não se achava a pessoa mais interessante e experiente que o moreno poderia querer, mas, contradizendo os seus pensamentos, ele queria repetir, queria ficar consigo novamente. Ele sabia que, se Baekhyun voltasse a lhe cantar, não iria conseguir fugir dessa vez, não, que mal faria já se acertar com ele agora?

  — Não vejo por que não..

  — Sério?!

  — Sério, ué.

 Por algum motivo que o ruivo não sabia, o moreno o olhou meio sério antes de cair na risada. Por que diabos ele estava rindo? Havia dito algo engraçado?

  — Bom, já que você topou em repetirmos, nós podemos começar logo..

  — Logo?

 — É, agora, por exemplo.. — mal terminou de falar e puxou o maior para um beijo, sendo muito bem correspondido, mas, antes que pudessem aprofundar algo, Jongin apareceu.

  — Nem pensem em voltarem a se agarrar, seus pervertidos!

June 27, 2018, 3:53 a.m. 0 Report Embed 6
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~