Jeju Island Follow story

bbraettgo Bbraettgo Taekook

Uma discussão entre Taehyung e Jungkook fez com que o mais novo topasse viajar com Jimin para o Japão. E foi nesta viagem que tudo se esclareceu em sua vida, mudando completamente o rumo de tudo que já pensou para si.


Fanfiction Bands/Singers For over 18 only.

#yaoi #taekook #vkook #universo-real #bbraettgo
50
5.5k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

— Já disse que não estou afim Jimin – Jungkook esbravejou mais uma vez, sem desfazer a face turrona e sem deixar de olhar fixamente para a tela do celular.

— E eu já te disse que ele não vai te responder, mas você é teimoso e eu também – Jimin cruzou os braços – Então, do mesmo jeito que você vai ficar olhando essa tela feito um imbecil, eu vou continuar mandando você fazer as malas. Simples assim.

Jungkook revirou os olhos e tombou o corpo para trás, jogando-se completamente na cama. Assim como Jimin dissera, não tirou os olhos do celular.

— Aqui mostra que ele está online – comentou, desconsiderando totalmente a fala do outro.

— Claro que está – segurou o celular, balançando em direção ao maknae teimoso – Ele acabou de me mandar mensagem.

O mais novo se sentou com rapidez e curiosidade.

— O que ele disse? – perguntou afoito.

— Hum – olhou para o celular – Que continua cansado de você – Viu o outro abaixar o olhar de maneira tristonha – Você queria o que Jungkook-ah? Que ele tivesse toda a paciência do mundo com o fato de você ficar sempre em cima do muro?

— É complicado, Jimin – voltou a se deitar.

— Complicado? Ele diz que gosta de você, você diz que gosta dele, mas na hora de dar um passo a mais você recua – disse indignado – Isso é complicado por causa de você.

— Mas eu gosto dele, mas não desse jeito, entende?!

— Não, eu não entendo. De que jeito você gosta dele então?

— Não sei, como amigo, acho…

— Amigo que dorme na mesma cama, já tomou banho junto, não fica um instante sem se ver e quando se vê não fica sem se tocar… entendi.

— Ah, hyung, até parece que você não gosta assim dos seus amigos – retrucou cheio de marra.

— Não me lembro de ter tomado banho com nenhum deles, inclusive com Taehyung que é um dos meu melhores amigos – respondeu rapidamente.

— Só não aguento essas crises dele, do nada ele fica paranoico e fechar a cara, custa sermos só amigos?

Jimin decidiu não respondeu e voltou a sua atenção ao celular, para responder o amigo. Digitava rapidamente e concentrado. Continuou olhando para o celular e acabou soltando um risinho gracioso que chamou a atenção de Jungkook.

— O que ele está falando? – queria saber. Estava irritado por Taehyung não responder suas mensagens, logo quando eles teriam um tempo de folga antes dos eventos que estavam por vir.

— Ué, nada de importante – respondeu ainda com o sorriso estampado – Mas, acho importante você saber que eu contei da nossa viagem e agora ele quer te jogar da janela.

— Por que você fez isso? Eu nem quero ir viajar – estava indignado – Agora ele nunca mais vai falar comigo.

— Ninguém mandou você dar para trás quando ele queria ir para Jeju, meu amiguinho, e você vai sim. Nossa passagem está comprada, vamos amanhã para o Japão.

— Aish essa viagem, nem me lembra dela – revirou os olhos novamente.

— Ciuminho do Bogum? – provocou – Ué, vocês são só amigos, não tem porque ter ciúmes.

Bufou e levantou com agressividade. Odiava ser contrariado, mas faria o que? Sabia que Jimin o arrastaria pelos cabelos se fosse preciso. Retirou uma mala de dentro do maleiro e arremessou em cima da cama.

— Abre essa desgraça – disse com o cenho franzido em irritação.

Passou as jogar roupas de qualquer jeito em cima de Jimin. Ele não queria obriga-lo a viajar? Então que o ajudasse com a mala. Estava de mau humor. Sabia o quanto Taehyung era difícil e tinha certeza que SE voltassem a se falar em algum século, ele jogaria essa viagem na cara dele todos os dias de sua existência. Assim como fazia com as fotos dele com Bogum em Jeju.

Fora que sabia o quanto o amigo ficaria pistola com o falatório que haveria quando as Armys soubessem da viagem. Ser idol incluía ter que lidar com shippers malucas e tudo o que vinha da mente fantasiosa delas. Certamente iria anotar no seu caderninho da vingança algo para acabar com a raça de Jimin no futuro.

— Aliás, Jimin – parou com a ira momentaneamente – Namjoon sabe?

— Claro que não – respondeu simples – Você acha que ele aprovaria uma viagem dias antes do negócio lá da UNICEF?

— Conferência.

— Pode ser.

— Ele vai comer nosso fígado.

— Provável – disse despreocupado enquanto dobrava uma camiseta branca.

— A gente tem alguma autorização para ir?

— Não? – respondeu com simplicidade.

— E a gente só vai sem avisar ninguém?

— Eu avisei o Tae – respondeu tranquilo.

— Eu não acredito que a gente vai fazer isso – caminhou até a cama e se sentou tranquilamente – E o Twitter? Ou você acha que ninguém vai ver? Não vai ter staff com a gente. Você tem noção do falatório?

— Espero que não vejam – sorriu – Jikook é fofo, você já viu alguns moments no Youtube? Eu acho divertido – riu, fechando os olhinhos no seu clássico eye smile.

Jungkook revirou os olhos. Mas tudo bem. Já tinha concordado com essa ideia maluca, que só podia sair da cabeça do anãozinho do grupo, sempre com umas ideias muito malucas.

— E quando a gente volta? – cruzou os braços.

— Antes do treco lá da UNICEF, relaxa – franziu o cenho.

— Jimin-ah eu te conheço, tem alguma malignidade nessa sua ideia sem noção – apertou os olhos de maneira desconfiada.

— O que? – levou a mão ao peito de maneira caricata e começou a rir – Sou um anjo – riu gostoso e voltou a adotar uma postura mais séria enquanto sentia o olhar reprovador do mais novo – Escuta, eu realmente acho que você precisa de um tempo disso tudo, um tempo dessa relação doida com o Taehyung, desintoxicar sabe?!

Jungkook manteve os braços cruzados e a certeza de que não iria responder ao hyung tão querido.

— Ninguém deixaria a gente viajar agora, e ia ficar ridículo vendo você correr atrás do Taehyung enquanto ele te ignora veemente, veja pelo lado bom, pelo menos, talvez, todo mundo ignore a gente.

— Muito bom esse lado – ironizou.

— É sim, pelo menos não vai ter mais um monte de vídeo na internet de você sendo ignorado com louvor pelo Tae.

— Mas vai ter um monte de coisa de nós dois…

— Sinceramente, sua sexualidade é muito frágil, cara – pegou mais uma peça de roupa jogada – Só vamos nos divertir um pouco, passear, comprar algumas coisas, sair desse mundo por uns instantes e depois voltamos.

Jungkook concordou com a cabeça instantes antes de sentir o celular emitir o som de uma mensagem recebida. Voltou o olhar para o celular em cima da cama. Era Taehyung.

“Boa viagem Jikook u.u”

{…}

Estou há três dias tentando falar com vocês. Que merda vocês têm na cabeça? – a voz de Sejin berrava do outro lado da linha.

O telefone estava no viva voz. Evitaram o máximo que puderam atender as ligações. Mas não dava mais, Jungkook desobedeceu a ordem de Jimin de ignorarem as ligações e acabou atendendo. Obviamente levaria uma bronca, mas Jimin ouviria também.

Como assim? De repente eu descubro por uma tag que vocês estavam em um aeroporto rumo ao Japão? – sua voz continuava impaciente – Tem noção de quantos e-mails recebemos para saber sobre essa viagem? E eu vou dizer o que? Ah eles foram sem ninguém saber? Eu não sei porque eles não atendem a droga do celular?. Tem noção do problema que teríamos se algo acontecesse a vocês?

— Mas não aconteceu nada – Jimin respondeu.

Ainda não aconteceu – bufou do outro lado da linha – Eu quero que essa viagem pareça programada, já tem foto vazando, boatos da mídia, fãs enlouquecidas. Quando vocês voltam?

— Amanhã – Jimin continuou respondendo tranquilamente.

Certo, vão chegar um dia antes da divulgação da parceria com a UNICEF, vocês são muito irresponsáveis mesmo – um silêncio curto se fez – Ainda hoje quero postagem de vocês dois no Twitter, indicando que está tudo bem e programado.

— Tudo bem – Jungkook pontuou.

Já mandei todos enviarem foto ou vídeo de suas férias. O Yoongi está indo encontrar com o Seokjin e eles vão fazer uma foto juntos para postar logo depois que vocês postarem a de vocês. Quero sorriso, foto bonita indicando que está tudo bem.

— Certo… mas, ah, já que estamos falando, hoje vamos na Disney – Jimin apontou.

Fazer o que? – suspirou – Já estão aí, aproveitem. Mas eu quero foto. Hoje. Entendido?

— Com certeza – Jungkook respondeu olhando de maneira reprovadora para Jimin.

Filmou alguma coisa Jungkook?

— Algumas.

Filme mais. Quero um vídeo da viagem, assim vai ficar oficializado que era uma viagem programada.

— Tudo bem.

A ligação se encerrou e Jungkook encarou Jimin com um olhar mortal. Jimin deu de ombros e buscou uma cueca limpa em suas coisas.

— Vou tomar banho, quer conversar?

— Namjoon vai comer nosso fígado com kimchi.

— Provável – se dirigiu ao banheiro – Mas tem sido legal, não?

— Sim – acompanhou o garoto até o banheiro, sentando-se no vaso – Eu acho que precisava disso.

— E sobre o Taehyung? – perguntou após ligar o chuveiro e enquanto se despia.

— Pensei algumas coisas.

— O que? – jogou as meias no chão.

— Sabe, está legal aqui, de verdade e eu amo estar na sua companhia hyung…

— Que as shippers não ouçam isso – brincou e Jungkook fez uma careta de reprovação.

— Mas eu sinto falta dele aqui.

— Claro que sente – entrou no box, molhando-se por completo – Você gosta dele.

— É, sei lá, sinto falta dos meninos também, mas é diferente – encostou no reservatório do vaso – Ele continua me ignorando e dói sabe?!

— Do que você tem medo? – tirou a cabeça da água.

— Acho que de assumir para mim mesmo que eu posso gostar de outro garoto – respondeu sincero.

— Olha, nosso comeback é sobre amar a si mesmo, não é meio hipócrita você se julgar de uma maneira negativa por gostar de outro garoto?

— Eu sei, Jimin-ah, mas… não é como se eu controlasse esse sentimento.

— Eu acho que você precisa pensar mais em você e menos no que os outros vão pensar – riu – Até porque acho que somos todos Vkook shippers.

— Seu idiota – sorriu.

— É sério – continuava o banho – Todo mundo já sacou que rola algo diferente entre vocês.

— Eu imagino, o Namjoon já falou comigo disso também.

— Ah é?! E o que ele disse?

— Ele perguntou se a gente estava junto e eu disse que não. Aí, ele falou que seria a favor e que o Bang também não se oporia, mas que protegeria, coisas assim…

— Pega a toalha para mim – disse enquanto desligava o chuveiro e logo recebeu a toalha que foi enrolada na cintura – E é verdade, poxa, ninguém te julgaria por isso.

— Eu sei – voltou a se sentar enquanto via Jimin pressionar outra toalha nos cabelos úmidos – Mas sei lá, acho que tenho medo.

— De que?

— De estragar nossa amizade, não sei.

— Estragando você já está, Jungkook-ah – andou em direção ao quarto sendo seguido por Jungkook, que se jogou na cama – Taehyung é louco por você desde sempre.

— Mas… eu nunca beijei um garoto.

— E qual o receio?

— Não gostar? – perguntou retoricamente.

— E tem jeito melhor de experimentar do que com um amigo de verdade que vai entender se você se sentir diferente?

— E se ele se magoar?

— Se você não gostar? – viu Jungkook concordar com a cabeça – Provavelmente ele vai ficar magoado, mas vai entender, essas coisas de sexualidade a gente não escolhe, ele vai entender isso.

— Se ele é tão compreensivo por que fica me cobrando?

— Porque você fica cozinhando ele? – parou de pentear os cabelos e se virou para o maknae – É eu te amo para cima para baixo, carinho, toques, anelzinho… você não quer que ele se iluda?

— Estou confuso.

— Bom, se vai tomar banho, vá logo, vou me trocar, a Disney não fica aberta para sempre e ainda precisamos postar uma selca.

{…}

A foto já havia sido postada e assim como o combinado, um tempo depois Yoongi e Jin postaram uma selca juntos. As Armys tentavam manter a privacidade dos dois, então quase não perceberam fotos sendo tiradas de si. Viam as atrações e iam em alguns brinquedos.

Jimin riu olhando para o celular, fazendo Jungkook o encarar.

— O que foi?

— O grupo – riu mais um pouco.

— Eu silenciei.

— Como sempre.

— Mas do que você está rindo?

— Hobi está mandando prints de comentários – levou o celular em direção aos olhos de Jungkook – Olha isso – riu – Fãs são muito imaginativas, YoonJin?

— Está vendo, é por isso que eu silencio o grupo – continuou olhando desinteressado, até que viu uma fala de Taehyung surgir – O que o Tae está falando?

— Ele mandou todas as fanarts que encontrou da nossa foto de mais cedo – voltou o olhar para o celular – Aí sabe como os meninos são, né?! Estão zoando até a morte.

— Ele está irritado?

— Demais – riu.

— Eu gosto dele, hyung – confessou.

Jimin tirou os olhos do celular e fitou o corpo do mais alto. Ficaram se olhando intimamente por um bom tempo.

— Tenho medo dele nunca mais querer falar comigo, de não sentir mais o carinho dele, de não poder fugir para a cama dele ou não poder mais reclamar porque ele veio para a minha.

— Você é um idiota apaixonado – brincou.

— Mas também tenho medo de não dar certo e a gente perder algo legal que construímos.

— Olha, se vai dar certo ou não, vai depender de como vocês dois vão conduzir a relação, sabe, você precisa segurar o ciúme.

— Não sou ciumento – retrucou.

— Você já viu os moments seus com ciúmes no Youtube? Veja, são muito engraçados, você faz um treco com a língua na bochecha.

Jungkook revirou os olhos e levou a língua à bochecha.

— Exatamente isso!

— Eu faço isso quando estou irritado, tipo agora.

— E quando está com ciúmes, segundo os vídeos – beliscou Jungkook – Ah, qual é?! Mas então, o que pretende?

— Vou conversar com Sejin, queria fazer tudo bonitinho, o Tae gosta dessas coisas.

— Ele é muito romântico mesmo.

— Queria tentar convencer ele a nos dar um fim de semana em Jeju, sabe, para compensar a outra vez.

— Posso te ajudar, mas como você vai convencer o Tae?

— Igual você me convenceu, obrigando ele a fazer as malas.

— É uma boa tática… que tal roda gigante?

— Pode ser.

{…}

Não perderam o fígado. É verdade. Mas não puderam se esquivar do sermão quilométrico de Namjoon que já falava com os dois há muitas horas, talvez séculos.

— Nunca mais saiam viajando sem avisar ninguém – ele continuava o falatório. Já tinha falado da preocupação, dos fãs, do compromisso com a empresa e com a UNICEF.

— Estamos errados – Jimin disse de cabeça baixa.

O clima no camarim estava pesado. Estavam terminando de se arrumar para a coletiva de imprensa para lançar a parceria com a UNICEF. Ninguém se pronunciava e todos mantinham uma face séria. Menos Taehyung que fazia piadas com a maquiadora.

— Isso foi muita irresponsabilidade, vocês sabiam que eu terminei minha viagem preocupado? De quem foi essa ideia estúpida?

— Minha – Jimin assumiu.

— Tinha que ser! Vocês esqueceram do compromisso com o grupo, com a empresa, com a nossa imagem?

Jungkook não aguentava mais aquele falatório. Estava impaciente e balançava os pés de maneira compulsiva e involuntária.

— E se a droga do voo se atrase, cancelasse? Se acontecesse alguma coisa? Vocês estavam sozinhos, sem staff, sem segurança e sem a gente saber.

— Mas que saco Namjoon – não aguentou e falou mais alto, chamando a atenção para si – Não morremos, nem fomos sequestrados, nem perdemos o voo, a gente só se divertiu, que droga!

Namjoon o fitou com raiva e o clima ruim, ficou pior. Menos para Taehyung, que parecia estar adorando aquele desentendimento. Continuava a conversar animadamente com a maquiadora sobre o desejo de ter um cachorro.

— Nam, cara, chega – Yoongi interviu – E pare de ser insolente, Jungkook, vocês merecem essa bronca.

— Sei que merecemos, mas precisa falar disso para o resto da vida? – falou com o tom de voz um pouco elevado.

— Não eleve a voz para mim – Namjoon disse tentando manter a calma.

— Mas você está exagerando, já ouvimos tudo isso de você e do Sejin, não precisa repetir de novo.

— Chega Jungkook, nem parece que estamos prestes a falar sobre um projeto para o fim da violência – Yoongi esbravejou – Vem Nam, vamos lá fora esfriar a cabeça. É um dia importante, você vai ter que sorrir.

Jungkook viu os dois saírem da sala e relaxou o corpo no sofá. Viu de relance quando Taehyung se aproximou de Hoseok, sentando-se no colo do mesmo, puxando algum assunto que os fez rir.

— Olha lá, agora vai começar a provocação.

— Você vai falar com ele, certo? – Jimin perguntou.

— Aposta que ele não vai querer me ouvir?

— Pelo menos tente.

E foi isso que ele tentou fazer. Mas como previu, sem sucesso. Taehyung era rei da simpatia… e da antipatia também. Durante o evento esteve só sorrisos, para os outros. Jungkook só encontrava um mínimo refúgio em Jimin, já que parecia que todos haviam tirado o dia para odiá-lo – frisando Namjoon e Taehyung.

O evento foi relativamente rápido, mas mesmo assim entediante. O clima estranho permaneceu durante toda a conferência. Jungkook sentia às vezes o olhar matador de Namjoon sobre si e queria morrer com a situação. Não entendia como Jimin parecia tão tranquilo, mesmo de ouvir outro sermão de Bang antes de chegarem ao local do evento.

Olhava discretamente para Taehyung, que permanecia impávido, como se nada tivesse acontecendo. Jungkook só queria ir embora e se trancar no quarto, mas ainda teriam um show especial para comemorar a proximidade das Olimpíadas de Inverno de Pyeongchang.

Na saída da conferência da UNICEF foi ignorado mais uma vez por Taehyung. Saíram calados, bem diferente do que seria se nada disso tivesse acontecido. Maldita hora que concordou em ir em uma viagem não autorizada com Jimin.

O show especial não foi muito diferente. Quer dizer, na verdade foi. Além de ter que aturar os olhares tortos do líder e a felicidade exagerada de Taehyung, ainda foi obrigado a engolir ele conversando com Baekhyun e fugando o pescoço de Hoseok.

— Vai acabar tendo um ataque do coração – Jimin sussurrou para si em um determinado momento.

— Culpa sua – retrucou sem deixar de olhar para frente.

— Nossa culpa – sorriu – Nossa parte, vai chamar a atenção dele – disse antes de começarem a cantar.

De relance viu o humor de Taehyung se fechar, parecia que ele não estava mais tão afim de cantar. Por mais que odiasse a situação, foi muito interessante ver o quanto podia tirar o outro do sério.

Mas era Taehyung.

E a vingança veio instantes seguintes. Ele fez questão de cantar em alto e bom som a parte do “eu te amo” olhando para Yoongi. Por que ele precisava ser tão insuportável? Jungkook demorara tanto tempo para decidir querer dar um passo a mais, e sequer tinha a oportunidade de falar isso.

Às vezes achava que Taehyung tinha uma pedra no lugar do coração.

{…}

— Posso entrar? – Jungkook disse enquanto abria a porta devagar, revelando a imagem de Taehyung com o notebook no colo, deitado no grande puff com estampa da bandeira do Reino Unido.

Taehyung olhou para si e deu de ombros, sem responder nada, continuando a assistir o seu dorama.

Entrou e fechou a porta atrás de si e encaminhou-se até a cama do outro, sentando-se na mesma. Continuou olhando para o mais velho, vendo-o levar o canudo do refrigerante até a boca, completamente entretido.

Não sabia como começar a falar. Abriu a boca e as palavras sumiram.

— Vai entrar mosca daqui a pouco – Taehyung disse ainda concentrado em sua mídia de entretenimento.

— Vamos conversar?

— Não sei se tenho muito assunto com você.

— Poxa, dá um tempo, eu não quero ficar nesse clima com você.

— Que clima? – pausou o dorama e olhou para Jungkook, mantendo a frieza no olhar.

— Esse de agora, você me evitando, me provocando com o Yoongi e com Hoseok…

— Jungkook eu te chamei para ir para Jeju comigo, tudo autorizado e você disse não – se ajeitou no puff, colocando o notebook no chão – Você ficou preocupado com os boatos que iam surgir, preocupado com shipper, com fanart e o escambau todo – disse calmo – E aí de repente você vai para o Japão com o Jimin em uma viagem escondida. E as shippers agora? Não liga mais?

— Sabe como o Jimin é irritante e teimoso – disse baixo.

— Verdade, preciso aprender a ser irritante com ele – se levantou, levando o copo plástico para a latinha de lixo – Espero que curta as fanarts de vocês agora.

Taehyung se virou para retornar ao seu local de origem, no entanto deu com o corpo com força no corpo de Jungkook. Sentiu o mais novo segurar seus braços. Muito perto.

— Tae, o Jimin quis viajar comigo porque eu precisava pensar sobre nós dois – disse com as sobrancelhas caídas.

— Você pensa com a cabeça dele? – teimou.

— Não, mas foi bom para eu perceber o quanto você me faz falta.

Taehyung sorriu sem humor e tentou se desfazer do aperto das mãos de Jungkook, mas isso fez com o que o maknae pressionasse-o com ainda mais força.

— Eu gosto de você Tae.

— De você eu já ouvi até eu te amo, não caio mais na sua lábia não.

— Poxa, para mim é difícil.

— Jungkook, quantas vezes eu disse que eu gosto de você além da amizade? E você só fica dizendo que também gos…

Foi interrompido bruscamente com um ato corajoso de Jungkook. Ainda de olhos abertos, ficou paralisado, sentindo os lábios do outro contra os seus. Aos poucos sentiu o corpo ser puxado para mais perto do outro. Compulsoriamente sentiu os olhos pesarem e se fecharem. Os braços enlaçaram-se no corpo do outro.

O beijo era tímido e curto e quase com ausência de língua. Era como se apenas os lábios quisessem se conhecer naquele momento. Jungkook sentia o coração acelerar de maneira descompassada. Mal podia acreditar que podia sentir os lábios de um garoto contra os seus.

Interrompeu o beijo e encostou sua testa na testa do outro.

— Temos uns dias até o AMAS, falei com Sejin e com o Nam e estou com nossas passagens para Jeju. Vai comigo?

— Você está falando sério? – olhou nos olhos do mais novo.

— Mais sério que nunca. Segurança, staff, hotel, tudo certo, mas o Sejin não quer que vaze nenhuma informação.

— Jeon, o que você quer de mim?

— Quero dar um passo a mais.

— Você está me zoando? Se for isso é melhor falar logo – disse desesperançoso.

— Poxa, estou falando sério. Eu estava lá com o Jimin e percebi que eu só queria estar com você.

— Para de me enrolar, eu gosto de você e não é de mentirinha.

— É verdade, até fomos na Gucci.

— Eu vi – rolou os olhos – Vocês no aeroporto, na Gucci, na Disney…

— Viaja comigo?

— Olha, eu vou, mas só porque já está tudo comprado e certo – sorriu.

— Eu sei que já te disse, mas eu amo seu sorriso.

Puxou o outro para um abraço. O mais gostoso de todos, apertado, quentinho, sincero e duradouro. Amava sentir o cheiro do outro, mesmo que naquele momento ele cheirasse à hambúrguer e batatinhas.

— Mas – cortou o abraço – Tenha paciência comigo, vamos devagar.

— Jungkookie você acha que eu sou um pervertido? – Jungkook fez uma careta de indignação – Você está achando certo – riu gostoso – Mas, não sou esse tipo de pervertido que você está pensando… tá… talvez um pouco…

— Só deixa rolar.

— No meu tempo ou no seu? – mordeu o lábio inferior.

— No meu, Taehyung, no meu – rolou os olhos – A gente viaja amanhã no início da tarde… eu pensei… posso dormir aqui?

— Hum – levou a mão ao queixo – O seu tempo inclui dormir abraçado?

— Com certeza – sorriu e sentiu o outro lhe dar mais um beijo curto – O que está assistindo?

— Dorama – respondeu rapidinho.

— Posso ver junto? Depois te ajudo com a mala.

Taehyung quis lhe dar mais um selinho. Demorara um pouco mais de quatro anos para sentir aqueles lábios, não seria tão fácil ficar longe deles.

{…}

A ilha de Jeju, uma das principais da Coréia, além de ser a maior, contava com mais 1.800 km de extensão. Um dos pontos turísticos mais visitados não apenas por sul-coreanos, a ilha de Jeju é o local ideal para encontros românticos, sendo um dos principais destinos de casais. Com um pouco mais de meio milhão de habitantes, Jeju já teve diversos nomes, tem um clima moderado, e possui um vulcão inativo de quase dois mil metros de altura, coberto por vegetação.

Era o que dizia o folheto disponível no hotel que acomodaria os mais que amigos Taehyung e Jungkook. O primeiro estava muito animado e falante. Mais do que o normal.

O clima era ameno, na casa dos 23ºC. Jungkook cuidava da papelada enquanto Taehyung conversava com outros atendentes e comia balinhas de menta de maneira compulsiva.

Um quarto com cama de casal. Discrição total.

Desta vez, com a ajuda dos staffs nenhuma foto vazou. Ninguém sabia que ambos ficariam dois dias juntos em uma viagem privada. Sejin mantinha contato constante, assim como Namjoon.

Jungkook pegou a chave do quarto e teve que ser indelicado para retirar Taehyung de sua conversa animada. Ele continuava tagarelando sobre coisas aleatórias. Só ele conseguia fazer isso, começar a falar sobre doramas e terminar o assunto falando sobre a reprodução das cabras.

Era impossível entender as conexões que o cérebro de Taehyung fazia. Assim como era difícil entender como eles já estavam tão íntimos e próximos de novo, a ponto de não parecer que passaram tempo algum se estranhando.

Abriu a porta do quarto e rapidamente entraram no local, acomodando as duas malas em um canto próximo a janela, que tinha uma vista exuberante, de lacrimejar os olhos. Jungkook abriu a janela e escorou-se nela. Sentiu o corpo de Taehyung lhe tocar nas costas, bem como as mãos lhe rodearem a cintura.

— Estou feliz de estar aqui com você.

— Eu também – respondeu.

— Você realmente quer dar um passo a mais? – disse baixinho

— Quero, não vou fingir que não é estranho, mas é bom. Fazer qualquer coisa com você é bom, você me traz segurança, entende?

Sentiu o abraço apertar ainda mais. Taehyung recostou sua cabeça em seu ombro e Jungkook pendeu a cabeça para trás, aumentando o contato dos dois. Sentia-se bem, confortável.

Era assim que se sentia ao lado de Taehyung. O mundo parava, as horas congelavam, tudo entrava em serenidade.

— Quando você veio com o Bogum, vocês dividiram o quarto? – perguntou inseguro.

— Sim – respondeu tranquilo – Mas eram duas camas.

— Eu me arrependo de não ter vindo com você.

— Eu sempre quero te socar quando lembro que você não veio comigo – brincou.

— Eu tinha medo do que pensariam – virou-se de frente para o mais velho de mesma estatura, sem desfazer o abraço – Mas a verdade é que já pensam mil coisas.

— É – sorriu – Somos canon.

— Ah, você e seus termos – revirou os olhos – Cano é quando o casal é real, né?

— Uhum – aproximou o rosto deixando um beijinho no nariz do mais novo.

— Canon para algumas pessoas então.

— Detalhes.

Então se beijaram mais uma vez. No entanto, Jungkook arriscou dar mais um passo. Pediu passagem com sua língua, que foi aceita. E assim começou um beijo mais profundo, diferente dos que já tinham trocado nas últimas horas. Era mais cheio de desejo e velocidade.

As mãos de Taehyung abandonaram sua cintura e caminharam até os cabelos, seguindo o ritmo mais denso, porém cuidado, do beijo. Carícias eram deixadas por entre os fios de Jungkook, que tão rapidamente se desencostou do parapeito da janela, sem desfazer o ósculo, caminhando junto ao outro corpo, até encontrarem a cama que dividiriam.

Ainda durante aquela intimidade, se deitaram.

Curtiam o gosto, o movimento e o calor do corpo um do outro. Jungkook nunca achou que se encontraria no corpo que sempre acreditou ser o local de seu desaparecimento. Sentia-se completo ali.

Devia ser aquela a sensação de estar nas bagunças de um outro alguém com quem se divide afeto. E era uma sensação ótima.

Estava feliz por passar dois dias perdidos com Taehyung.

{…}

— Tae, fala comigo – reclamou.

— Vá falar com Jimin – retrucou.

— Já te disse que a gente foi obrigado a postar aquele vídeo – esfregou os olhos sem paciência.

Mal fazia cinco dias que tinham retornado de Jeju, onde se aproximaram e conheceram o prazer da companhia um do outro, e Taehyung já estava irritado de novo. Sejin mandara ele fazer um compilado sobre a viagem com Jimin, para enfatizar a programação da mesma.

Mas o vídeo trouxe comentários.

Comentários trouxeram a cara emburrada de Taehyung.

— E a música do Troye também foi obrigação? – fechou a cara.

— Poxa, essa música ele dedicou a um amigo que o entendeu quando ele se assumiu, tem um significado parecido com o que aconteceu nessa viagem.

— Não quero saber – desbloqueou o celular, buscando qualquer coisa para distraí-lo.

— Não fica bravo – suplicou.

— Não estou bravo.

— Ah não… imagina se estivesse – rolou os olhos e se aproximou do corpo endurecido do mais velho – A gente teve um tempo tão gostoso.

— E cadê nosso vídeo? – retrucou.

— Meu Deus, Taehyung, eu nem pensei em gravar e você também não.

— Você fala de mim, mas ficou com uma tromba maior do que a de um elefante quando eu postei selca com o Bogum.

— Céus, isso de novo?!

— Ou foi eu quem lotou seu celular de mensagens reclamando que eu podia ser mais amigo dele? – pentelhou.

— Está vendo, não dá para conversar com você – jogou a língua contra a bochecha – Mandei mesmo, e você que não mandou nem um xingo além daquele “boa viagem, Jikook”…

— Você queria que eu mandasse o que? Um link de fanfic de amor entre vocês?

— Você nem se preocupou comigo, sabia que poderia ter acontecido alguma coisa com a gente?

— Olha só, agora você pensa nisso.

— Mas não, ficou sentando no colo do Hoseok – bufou.

— Sentei mesmo – riu desaforado – Pelo menos não dividi cama com o Bogum, ao contrário de você.

— Como você sabe?

— Jimin é meu melhor amigo – Taehyung respondeu certeiro.

— Ah, vai lá ficar com ele então!

— Eu devia mesmo…

— Vou buscar umas fanarts então, como é o nome do shipp mesmo? – destravou o celular.

— Vmin – respondeu sapeca.

— Ah! Você sabe até o nome? – Jungkook levou a mão ao peito em descredito.

— Sei sim, óbvio, não sou como você que some das redes sociais e só aparece para postar selca com Jimin.

— Eu vou postar outra então.

— Não vai não – subiu em cima de Jungkook tentando tirar o celular dele.

Aos poucos a raiva era substituída por risadas sinceras, altas e divertidas. O puff era a nova morada deles. Taehyung se aproximou e beijou Jungkook durante a bagunça de tapas e cócegas. Jungkook retribuiu, sem deixar de belisca-lo.

— Já sei que selca vou postar – disse durante o beijo para Taehyung.

— Para de graça – respondeu ainda sentindo o gosto de Jungkook.

Jungkook interrompeu o beijo e puxou Taehyung para perto, batendo uma foto dos dois em seguida.

— Vai postar essa então? – Taehyung apertou os olhos desafiando.

— Essa não, na verdade vou postar essa – mostrou uma foto dele e Jimin apenas de toalhas na sauna.

— Seu ridículo – beliscou Jungkook que começou a rir e segurar Taehyung.

E aquela discussão demoraria ainda alguns minutos, horas ou dias para acabar. Taehyung não era uma pessoa fácil. Jungkook não era uma pessoa fácil. No fim, eram duas pessoas difíceis e geniosas que se completavam. No fim era duas crianças adultas que estavam aprendendo a namorar.

Cada um à sua maneira. 

June 27, 2018, 3:13 a.m. 0 Report Embed 12
The End

Meet the author

Bbraettgo Taekook Taekook namora muito.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~