Meu primeiro amor Follow story

erincarmel E C

Durante as gravações do especial do Halloween, Jimin está visivelmente irritado com JungKook, embora o mais novo não consiga saber por qual motivo exatamente o seu hyung esteja assim. Ele vai buscar em suas memórias o que estava errado e quando se dá conta faz de tudo para que Jimin perceba o quanto é amado. [ fluffy | Desafio Amor de Frases]


Fanfiction Bands/Singers Not for children under 13. © Todos os direitos reservados

#kpop #bts #un #amordefrases #kookmin #jikook #fluffy
Short tale
18
5466 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Único

Notas iniciais: existem muitos envolvidos nessa campanha "Erica faz fluffy" e eu só posso agradecer. Em especial a Emily, minha assessora que pede fic todos os dias e ao Arthur com todo o incentivo de finalmente escrever uma UN - essa fic é todinha de vocês. Amo vocês.
História desenvolvida para o Desafio Amor de Frases. *reescrita*
Para se situarem:
Hyung – forma de tratamento masculino de um homem para outro mais velho, igual Oni-san.
Maknae – como chamam o mais novo de um grupo de kpop
BigHit – gravadora
KKT – kakaotalk (app de conversas, chamadas, grupos – um whats da vida)
Jagiya – a forma mais carinhosa existente na Coreia para chamar a pessoa que está em um relacionamento, pode ser traduzido como bebê.



O amor bateu e eu descobri que era o primeiro.


Eles tinham acabado de gravar o especial para o Halloween, no qual Taehyung se vestiu de branca de neve e o restante dos integrantes de “anões”. Todos estavam animados e felizes com a descontração que era gravar algo fantasiados, com exceção de alguém. Park Jimin estava irritado e os poucos sorrisos que forçava eram capturados por JungKook que a todo instante o vigiava.


Eles estavam brigados, ou pelo menos era isso que o mais velho disse à Jeon que tentava a todo custo descobrir o porquê. Desde o inicio daquele dia ele tentou fazer Jimin rir, mas em vão. O imitou como sempre e ainda fez piadas, até mesmo caiu no chão de qualquer forma e nada.


Park Jimin estava muito bravo e isso poderia afetar todo o desempenho do BTS. Assim, somente JungKook poderia salvar – isso se ele soubesse o porquê de estarem assim.


– Acho melhor você resolver isso logo com ele, sou eu quem divide o quarto com ele, se lembra? – Hoseok pediu em desespero tentando manter o tom de voz baixo.


– Mas hyung, – JungKook devolveu o olhar na mesma intensidade de desespero – eu não faço ideia da razão dele estar assim.


– Ah, problema de vocês, se virem – fingiu estar revoltado para assustar o mais novo. – Você não é o maknae de ouro? – o provocou.


JungKook sabia ler um desafio e era sobre isso que tudo aquilo se tratava, logo notou que outros dois pares de olhos estavam sobre si e ainda riam em deboche dele. Tudo porque Park Jimin era uma fera quando se irritava com algo.


– O que você fez dessa vez? – Jin o provocava agora.


– Não nos deixe sem saber se você anda aprontando – e o líder NamJoon também se entregava as provocações.


Todos adoravam provocar o maknae – era o mais novo e sempre “sofria” com as brincadeiras de seus hyungs, mas claro, ele também revidava todas elas uma hora ou outra. Resolveu não os responder, mesmo brincando eles achavam que JungKook tinha a situação sobre o controle e se descobrissem que de fato ele não a tinha, as DRs com Jimin não seriam mais particulares.


[...]


Acabou por voltar sozinho para casa, ele procurou Jimin por toda a BigHit e descobriu por uma mensagem do grupo, o BTS usava o KKT para se comunicar, que Yoongi e Jimin estavam trabalhando sozinhos no quarto do mais velho – que dispunha de um estúdio próprio –, e não deveriam ser interrompidos.


Sentiu-se levemente incomodado, seu ciúme sempre o deixava perdido e só o poderia reprimir. Se deixasse ser dominado por tal sentimento só iria agravar mais a situação. O cansaço o atingiu, pois ainda não sabia qual era a “situação”.


Jimin sempre o esperou depois de seus longos banhos após treinos ou gravações, quando não o fazia mandava mensagens muito fofas com gifs seus. Mas nada daquilo aconteceu naquele dia e se ele não seria mimado por seu hyung, teria que o mimá-lo.


Primeiro, passou por uma Starbucks a caminho do condomínio que ficava em Gangnam e comprou o café favorito de Jimin. Aproveitou para comprar um para Suga-hyung e outro para si também. Para sua sorte o atendente não o reconheceu mesmo quando ditou os nomes para cada copo.


Quando finalmente chegara em casa, se deparou com um silêncio incomum e buscou por explicações novamente no grupo do celular e as encontrou com sucesso. Tae-hyung havia saído com outros amigos de grupos diferentes, Hoseok aproveitava o tempo chuvoso para passear e fazer algumas compras e os NamJin compravam comida para o restante.


Seguiu direto para a porta do quarto de seu hyung e se freou antes de bater – não podia incomodar eles. Apenas se sentou na porta e encostou-se ali com os cafés em mãos, saboreava o seu a espera de qualquer barulho. Porém, a sala era a prova de som e permaneceu encostada nela por tanto tempo que os outros copos ficaram frios.


Quando ele estava a ponto de cochilar ali mesmo, a porta se abriu, ele caiu para trás e o café voou. Ele estava cansado demais para ficar constrangido com a situação, mas a risada de Suga o fez virar os olhos e querer abrir um buraco no chão e se esconder.


– Kookie! – Jimin, que abriu a porta, se abaixou para verificar se ele não tinha se machucado. – Se queimou? – perguntou preocupado quando viu que era café.


– Ele já tinha esfriado – sorriu pequeno para despreocupar seu hyung. – E Jimin-hyung... – o chamou ainda no chão com os copos em cima de si. – Podemos conversar?


– Vamos limpar isso aqui e – olhou com o cenho franzido – precisa tirar essa roupa molhada.


– Isso eu posso fazer – sorriu com malícia e recebeu um tapa de Jimin no braço.


[...]


Enquanto Jimin limpou a tragédia causada por JungKook no quarto de Suga, o maknae precisou ir direto para chuveiro. Ele tinha se arrumado e esperava poder dar um passeio com Jimin, mas agora apenas iria colocar um moletom qualquer e deixar para outro dia.


Escolha aleatória, porém, era exatamente o hoodie verde musgo que dividia com Jimin. Sem prévia ou aviso a mente vagou nas lembranças e ele sorria para elas.


JungKook lembrou de quando algo inusitado instalou em seu peito, na época não fazia ideia o que era aquilo, pois nunca acontecera antes. Antes, ele não conseguia conversar tranquilamente com Jimin sem que as mãos suassem ou sem ficar incrivelmente agitado.


A confusão dominou sua jovem mente desde cedo com as possibilidades de que talvez tudo aquilo que Jimin fazia não era apenas por fanservice. Se perguntou se as investidas de seu hyung não eram reais ou se ele também o via de forma especial.


Era assim que o JungKook o via desde a primeira vez que seus olhares cruzara, como a pessoa mais especial de toda sua família BangTan – era com Jimin que se sentia mais à vontade, mais solto e mais seguro de suas ações. Não seria julgado, mas sim, elogiado. Porque Jimin sempre via o que ele tinha de melhor e sabia bem como tirá-lo da angústia. Todos tentavam alcançar a perfeição ali e se não existisse Park Jimin, JungKook teria ruído.


"Mas o que era aquele sentimento feliz demais dentro de seu peito?", sorriu ao lembrar mais uma vez de seus questionamentos confusos. Ele tocava inutilmente o lado esquerdo do peito toda vez em que aquela pergunta voltava a sua mente. Em um momento, logo no inicio do Bangtan, estava no chão e se mantinha fechado por uma cortina negra a sua frente – que sempre usavam para as trocas de roupas. Contudo, naquele dia a culpa era do próprio Jimin que praticamente seduziu a câmera a cada fotografia.


Aquilo fora suficiente para notar que não existiam apenas borboletas no estômago de JungKook a cada caras e bocas de Jimin, mas sim algum bicho gigante que o revirava por dentro. Algo que queria sair e que queria Park Jimin.


Aquele diálogo nunca fora tão intenso para Jeon. Jimin que abrira de supetão a cortina o assustando e questionando se estava bem e JungKook que dizia estar ótimo, mas não, ele não estava. Para mal ou para bem, Park Jimin sabia. Não precisou de esforços para lembrar das batidas de seu coração quando o causador de tudo aquilo se agachou em sua frente e fechou a cortina atrás de si. 


"Não, você não está bem. Eu sei quando não está."


JungKook adorava relembrar aquela frase, embora não estivesse bem, isto ser do conhecido de Jimin sempre o acalmou. Não estava sozinho. Constatar tal sentimento o fez encarar seu hyung como nunca havia feito antes, tudo se intensificou pois era correspondido igualmente. A primeira bolha se formou, o mundo deles se criou e nada poderia a estourar. 


Mais uma vez, pela primeira vez naquele fatídico dia, ele compreendeu. Quem deveria agir era o próprio JungKook, não era Jimin quem sempre pedira por um beijo seu? Que sempre dizia as melhores coisas a seu respeito e ainda o confortava sempre que pedia? Ele cuidava muito bem de si, mas o queria como JungKook o estava querendo? Seu coração disse para sua cabeça, vá, e sua cabeça disse para sua coragem, vou, e sua coragem respondeu, vou nada, mas sua boca não ouviu e beijou.


JungKook riu com suas memórias, aquele beijo afoito quase derrubou ambos para fora da cortinha se Jimin não tivesse sustentado o peso do outro. Ele previu o que JungKook iria fazer, como sempre fazia e apenas esperou por aquilo. 


JungKook que havia prometido a si mesmo que nunca mais deixaria Jimin esperando por algo seu, o tinha feito de novo e o choque de realidade o atingiu. A culpa era mesmo dele – Jimin era o único romântico naquela relação e o único que programava as coisas para se fazerem a dois. Além disso, era quem se doava mais.


Já limpo e com moletom, JungKook entrou em seu quarto se deparando com Jimin deitado na cama passando o tempo no celular. Aquela situação já era tão comum.


– Jimin-ah – chamou carinhosamente.


– Hm? – Jimin o olhou por cima do celular, mas se manteve-se na posição.


– Eu tenho uma surpresa – disse sorrindo abertamente.


– Que tipo de surpresa? – agora tinha total atenção de Jimin que bloqueava o celular e sentava-se na cama.


JungKook começou a fazer suspense em silêncio, desviou a cama para apanhar a mochila jogada no chão. Voltou para a cama ficando de frente para Jimin, colocou a mochila entre os dois e começou a abri-la lentamente. Aquilo era quase uma tortura para Jimin, mas não interferiu.


– Toma – entregou um envelope branco que o mais velho apanhou na hora.


– Está me pagando? – começou a rir.


– Não, – JungKook olhava intensamente para Jimin e falava sorrindo – é para usar na “surpresa”.


– Como eu usaria esse dinheiro na “surpresa”? – entrou na brincadeira arregalando os olhos.


– São para os presentes que vamos comprar juntos para você – JungKook arregalou seus olhos também imitando o outro.


– Onde vamos comprá-los?


– Pergunta errada – JungKook ditou tentando ficar sério.


– Quando...? – Jimin tentava adivinhar.


– Hm... – o maknae olhou para cima e coçou o queixo. – Sim!


– Então me conte Kook-ah – tentou fazer manha.


– Nossa próxima folga está se aproximando, não é? – Jimin assentiu com a cabeça e já dava seu eye smile animado. – Então me diga Jimin-ssi, onde você queria viajar comigo?


– JAPÃO! – gritou e se jogou nos braços do mais novo. JungKook ria da reação de seu hyung, não esperava que ele se animaria tão rapidamente com isso.


– Como devo recompensá-lo JungKook-ssi? – Jimin perguntava enquanto se acomodava nos braços do outro e sentava sobre as coxas do mesmo.


– Você sabe muito bem como Jagiya – JungKook usou propositalmente o apelido carinhoso que ele começara a chamar Jimin naturalmente.


O Park fez que sim lentamente com a cabeça e formou um bico nos lábios, aproveitou a distração de JungKook em si e segurou a cabeça dele com ambas as mãos.


– Está tentando me comprar? – agora ele não fingia, estava sério de verdade com aquilo.


– Sim... – ele demorou para responder, mas não fazia jus a si mesmo se inventasse uma desculpa. – Mas posso dizer que é exatamente por isso. Eu não quero mais ficar distante de você, nem que seja por um dia.


– Por que? – o tom já era brincalhão, Jimin queria aquela resposta e JungKook finalmente estava pronto para ela. Suas lembranças foram mais que suficientes para que ele sintetizasse seus sentimentos e, finalmente, pudesse dar um nome para aquele sentimento que tanto o atordoou anos antes. Jimin era seu primeiro amor.


– Porque eu amo você Park Jimin, desde o início – lhe disse com convicta certeza e sem desviar de seus olhos ou até mesmo vacilar a voz. Pois era isso que ele merecia, saber o quanto era amado.


Jimin ficou estático em silêncio, embora soubesse como JungKook se sentia, ele não esperava ouvir aquilo tão cedo. Era óbvio que ele o tinha dito antes tantas vezes e sempre esperava por ouvir na mesma intensidade em vez dos costumeiros “eu também”.


O mais velho se emocionou, mas não chorou – apenas beijou os lábios finos do maknae em resposta. O ósculo carregava desejo e experiência. Tão diferente de quando deram o primeiro, o qual era doce e inocente. A noite seria longa e no dia seguinte fariam todos os preparativos para a tão sonhada viagem de Jimin, porém, a surpresa em si não era só essa.


JungKook demonstraria seu amor por meio daquilo que fazia de melhor – atrás de uma câmera e mostraria para o mundo todo.

June 20, 2018, 1:10 a.m. 13 Report Embed 6
The End

Meet the author

E C Comecei a escrever por conta dos sentimentos ruins que tenho em mim, mas aos poucos comecei a escrever sobre os bons também. Então tem muito drama aqui, ele vem com facilidade. Mas tenho um pé no fluffy com umas pimentas 🌚 Porque a vida é puramente uma peça de teatro bem trágica 💜

Comment something

Post!
mestia mestia
Ficou incrível! <3
Nov. 12, 2018, 3:22 p.m.

  • E C E C
    obrigadaaaa <3 Dec. 2, 2018, 5:29 p.m.
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá tudo bem? Que fofinho meu Deus esses dois, eu queria apertar e colocar dentro do potinho, nunca mais deixar que eles saiam. E a forma que você usou a frase ficou tão intensa e ao mesmo tempo inocente, sabe eu gostei, só teria usado ela com mais intensidade, mas ficou muito condizente! De restante só alguns errinhos encontrado ao longo da história, como: “logo notou que dois parem de olhos.”, provavelmente era dois pares de olhos, ou em “Jimin sempre o esperava de seu banho após treinos”, ou seria pós treinos, ou após os treinos. A vírgula do vocativo (que é quando você chama uma pessoa, seja pelo nome ou por um apelido) também é importante. O itálico para indicar flashback é bem corriqueiro em fanfics, entretanto existem diversas maneiras de introduzir uma lembrança sem recorrer a isso. Uma boa maneira seria utilizar o tempo verbal mais-que-perfeito (que indica o que aconteceu antes do tempo pretérito, que é o que você usa majoritariamente na história) ou mesmo introduzir o parágrafo com ""lembrava-se de..."" e continuar a partir disso. Mas a história está muito lindinha! 😍😍😍😍Foi bacana ver um pouco da dinâmica deles com os outros membros do grupo e também acompanhar enquanto ele deixava o medo de ser apenas fanservice de lado e decidia se declarar. Parabéns, e espero que tenha se divertido! Bjinhos 😘
June 29, 2018, 1:45 a.m.
Amira Chiwa Amira Chiwa
E não que vc conseguiu escrever uma fluffy kkk Mesmo eu não vendo nada de BTS não fiquei perdida na fic e a amei. É um casal canon 3d.
June 24, 2018, 8:48 p.m.

  • E C E C
    Tá vendo só? É tudo possível, mas permaneço com os angst <3 Obrigada por comentar <3 June 27, 2018, 12:22 p.m.
Nathy Maki Nathy Maki
Aaaaaaa que coisa mais fofinea ♡ Quem não perdoa ganhando uma passagem pro Japão??? Com uma dessas eu fazia meiguice até o mundo acabar! Gente eu tinha esquecido a mágica que é ler shipps real Life. Fazia anooos que não lia nada de kpop (acho que a última foi uma do SuJu uns 4 anos atrás e a autora parou de postar na melhor parte :/) mas é cannon demais! Provando pro mundo que nao é só de angst que vive o homem! Muito lindo! Beijinhos ^3^
June 22, 2018, 3:35 p.m.

  • E C E C
    Provei com muita força, porque eles são amorzinhos demais. Amo meu canon <3 Obrigada pelo comentário <3 June 27, 2018, 12:20 p.m.
  • E C E C
    Provei com muita força, porque eles são amorzinhos demais. Amo meu canon <3 Obrigada pelo comentário <3 June 27, 2018, 12:20 p.m.
  • E C E C
    Provei com muita força, porque eles são amorzinhos demais. Amo meu canon <3 Obrigada pelo comentário <3 June 27, 2018, 12:21 p.m.
Isis Isis
Puta merdaaaa. Vc era uma mosquinha e isso é um documentário escrito, pode falar. Porra, canon demaaais. Eu amei o fim porque aquela viagem deles foi tão amoooor e aquele vídeo foi uma declaração tão linda. Ai meu deus, a Jikooka baixou forte aqui. Adorei!
June 21, 2018, 6:58 p.m.

  • E C E C
    Obrigada pelo comentário e SIM eu tava la hehe Eles se casaram lá, não existem dúvidas <3 June 27, 2018, 12:20 p.m.
Way Borges Way Borges
Ownt ❤ Que fofo... Tô vomitando arco-íris 😍 Não imaginei que você fosse mesmo escrever um fluffy e que iria ficar tão gostosinho. Tem jujubas saltitantos e cantando na minha frente devido o que li ❤ Amei a história, muito linda 🌈
June 19, 2018, 9 p.m.

  • E C E C
    AAAAAAAA que amor de comentário para combinar com o fluffy <3 Viu só a Senhora de todos os males também sabe fazer um, foi bem leve, sei que poderia ter mais açúcar, mas é um começo. Obrigada <3 June 19, 2018, 11:01 p.m.
~