Gaara Follow story

tiatatu Tatu Albuquerque

A saia dava lugar à uma bermuda de tom terroso. Hora fazia vez de cigana, hora de rebelde. Sem pronomes, artigos ou rótulos, apenas com um olhar hipnótico perfeitamente maquiado e um perfume encantador... Por mais que eu tente descrever, a única palavra que pode descrever Gaara é Gaara!


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#songfic #fns #gaalee #universo-alternativo
Short tale
7
5068 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Olhares, Perfumes e Batucadas

A saia batia no chão enquanto girava na dança embalada pelo som da viola e dos bandolins. 

Fazia vez de cigana com olhos de Capitu: oblíquos e dissimulados. 

Levava as mãos ao quadril direito e ali fazia os sinais da dança aos quais não entendia, mas nem por isso deixava de apreciar e achar belos. 

Fechou os olhos como se buscasse sentir a energia do que fazia. 

Requebrou sua ginga, levando a mão ao centro do corpo. Subiu-a e desceu-a e meus olhos seguiram o movimento. 

Se entregava tanto à dança que encantava todo mundo e comigo não era diferente. 

Bateu o pé contra o chão e então seus olhos verdes bem maquiados se abriram novamente, agora olhando diretamente nos meus, e foi como se passasse a dançar apenas para mim. 

E eu bati palmas como se fosse assim e parecia que dançava a batida que minhas mãos entoavam. 

Quebrava o quadril e a minha mente que veio ao chão quando passou a tremer o colo. 

O corte mais curto de seus cabelos avermelhados não lhe tiravam a sensualidade, muito pelo contrário. Passei a achar que aquele tom de ruivo era o tom do meu sangue fervendo a cada movimento que Gaara fazia. 

Chamou-me para dançar consigo e eu assim fiz, mesmo me sentindo desajeitado para isso.

Comandou a minha dança, meu peito, meu corpo. Ensinou-me o passo e assim, envolvidos nos olhos um do outro, dançamos de palmas unidas, girando como em uma côrte. Girou ao meu redor e eu me senti como um mestre sala cortejando a porta bandeira que tinha como estandarte o meu coração. 

Imitei a ginga de seu tronco e envolvido deixei que seus olhos me guiassem quando começamos a bater nossos peito de forma lateral numa bela dança. 

Quando menos esperei, tinha minhas mãos em sua cintura e giravamos assim. 

Foi como se minha ida àquela roda cultural na faculdade tivesse valido a pena só por aquilo. 

Aguentar todas aquelas pessoas perfumadas à ervas lícitas e ilícitas que aplaudiam ao pôr do sol do outro lado valeu muito a penas só por isso. 

Talvez até mesmo existir havia válido mais a pena só por isso. 

Eu já havia visto Gaara antes poucas vezes, mas nunca tive coragem de me aproximar, talvez por sentir de longe seu poder hipnotizador. 

Sua simples imagem sempre tão misteriosa e instigante sempre me atraiu, tanto quanto me ameaçava…

Éramos de tribos urbanas totalmente opostas e ainda assim, ao menos naquela dança, nos encaixamos como se fossemos peças de um quebra cabeça. 

Por falar em quebra cabeça, Gaara foi o mais difícil que tive o prazer de tentar entender e montar. 

Senti o cheiro de seu perfume e seu encanto virou forte feitiço que me amarrou inteiro a seus pés. 

Era como se meu corpo já não me respondesse e, quando menos esperei, já nos beijávamos com a batucada ao fundo ditando o ritmo. 

Se sua simples imagem já me fazia ferver, em meus braços foi como se me fizesse virar vulcão e erupir de desejo e necessidade de ter por mais tempo e mais jeitos… 

E, talvez por sentir isso, Gaara me afastou, rindo com certo descrença. 

— Creio que não vai querer se envolver comigo! - declarou na minha cara como se não cresse no meu interesse.

Após isso, soltou-se dos meus braços que ficaram tão frios e vazios quando fez isso que não pude deixar de ir atrás. 

E então brincamos de pique, como gato e rato, por entre as árvores e as muitas e diversas flores do campus de botânica, do qual fazia parte, e eu vi seu riso quando ele notou minha presença.

Ao longe, a batucada, a viola e o bandolim continuavam a fazer a trilha da nossa dança agora corrida, tendo como companheiros nossos risos. 

Ao chegar perto de mim, me cheirou o pescoço e riu novamente. 

— Pensei que estivesse bêbado para vir até aqui! - confessou e me roubou um beijo antes de tentar partir, comigo segurando sua mão delicadamente para chamar sua atenção. 

— Eu quero te ver de novo! - disse e ganhei um riso ladino em resposta. 

Com um dedo acarinhou meu rosto, principalmente os lábios que havia beijado antes. 

Olhou em meus olhos, mantendo o poder de seu encanto sobre mim e disparou:

— Se estiver no destino, nos vemos por aí! - disse e correu aproveitando que seu encanto me deixou para trás paralisado. 

E eu só pude rir nervoso e esperar que o destino estivesse ao nosso favor.

Me foi um choque ver Gaara dias depois. 

A saia dava lugar à uma bermuda de tom terroso, mas a camisa ainda assim era feminina. 

Só então notei sua barba por fazer, que o corte de seus cabelos também era masculino, assim como o sapato que combinava perfeitamente com os colares de miçangas em seu pescoço e os grandes brincos de MDF leve em suas orelhas.

Os olhos continuavam perfeitamente maquiados e ainda me manipulavam inteiro. 

Como um detalhe ainda mais charmoso, notei que havia uma bela tattoo em japonês em sua testa. 

Mais chocante que sua nova visão era saber que em nada ela afetava a visão encantadora que eu possuía dele.

A música alternativa do outro dia dava lugar ao rock industrial que o fazia mexer a cabeça delicadamente, como se apreciasse a forte melodia tocada por seus amigos. 

E por mais que aquele som não desse muitas brechas para uma dança como a outra, ainda assim era como se meu corpo voltasse a se entrelaçar com o de Gaara, que riu assim que me viu, comigo sendo guiado até lá por seu perfume que eu não sabia mais dizer se era um bom encanto ou se era um veneno que me transformava em algo controlado por aqueles olhos que me investigavam ao mínimo encarar dos meus. 

— Olha só, não é que estava no destino? - zombou ao se aproximar de mim, estendendo a mão para mim. - Prazer, Gaara! - apresentou-se por mais que eu já soubesse seu nome, tal como a maioria dos alunos da universidade. 

— Eu sou o Lee, o prazer é todo meu! - respondi animado e confiante como sempre e recebi um sorriso um tanto quanto desconfiado. 

— Não vai perguntar ou reclamar de nada? - perguntou estranhando algo que só depois vim saber que se tratava do fato de termos nos beijado quando expunha mais seu lado feminino. 

Nunca entendi porque esperar de mim uma reclamação. 

Riu quando começou a me ensinar o passo do rock e então dançamos juntos naquele a qual chamo de nosso segundo encontro. 

Não sei quando a música passou a ser novamente alternativa, passando do indie à música peruana, mas sei que nem assim deixamos de dançar, alternando passos, ritmos, toques e beijos. 

Ri e ele debochou do meu curso. 

— Não pensei que estudantes de educação física gostassem das rodas culturais… - examinou-me e viu o livro que tinha nas mãos. - Comer, Rezar e Amar… - sim! 

— Eu só faço pose… - respondi sem jeito e ele riu, tomando a liberdade de apoiar suas mãos em meu pescoço. 

— Se incomoda? - perguntou e eu neguei sem saber que ele se referia não ao ato realizado e sim ao fato de estarmos sendo vistos por toda a faculdade. 

Mais impressionado que eu com o fato de nada ter mudado apenas Gaara, que negou com a cabeça e passou a viver o momento. 

— Que seja eterno enquanto durar então… - e que dure eternamente! 

Perguntou-me se eu era louco…

Perguntei se era livre em resposta. 

Ganhei um riso e fui levado por Gaara a olhar em volta. 

Olhos de raiva, olhos de curiosidade, olhos de nojo, olhos de pena, olhos estranhos… 

Não consegui me fixar em nenhum dos olhos que não fossem os verdes tão encantadores…

Se havia outra pergunta, deixou de fazê-la quando agarrei-lhe a cintura e convidei para a mesma dança da primeira vez. 

Paramos até na Internet este dia, fomos tão bem que não se falou de outra coisa além disso até que passasse a ser um assunto tão normal quanto nosso caso tão doce e íntimo embalado pela batucada embelezado por um novo pôr – e até mesmo um nascer –, do sol. 

Continuei enebriado por seu poder de hipnose.

Em algum momento o que eram momentos casuais de encontro ao ar livre na faculdade se tornaram momentos diários. 

Aos poucos me identifiquei mais com ele e sua tribo e ele comigo.

Aos poucos a batida tão psicodélica quanto o efeito de seus lábios envolvia minha mente várias vezes ao dia e o que só acontecia no campus passou então a acontecer no meu dormitório. 

Não importava se era saia ou bermuda… Tudo era retirada num desajeitado strip que mesmo soando mais como o desespero de alguém afetado pelo tesão me excitava. 

Tudo ia ao chão a não ser por nossos corpos que iam à cama.

O título que antes era Comer, Rezar e Amar passou a ser Amar e Amar, apenas. 

Se eu achava que o encanto se seus olhos e aroma me aprisionava era por não saber como eram seus braços.

Suas mãos tão delicadas que confeccionavam os tais brincos que usava ao lado do irmão mais velho também eram fortes o suficiente para deixar suas marcas nas minhas costas quando se encontravam nelas. 

Assim como minhas mãos tão fortes que marcavam sua bunda branca eram delicadas o suficiente para fazer o delicado contorno das poucas, porém extremamente sedutoras, curvas de seu corpo. 

Nunca pensei que podia ter instintos tão selvagens como os que faziam com que eu quase que devorasse seu corpo, sua pele, sua alma e os carinhos que me dava naquele momento tão íntimo e gostoso. 

Rocei meu nariz em seu pescoço longo e senti o tal perfume encantado mais uma vez. Arrepiei quando sua barba ruiva e mal feita roçou o meu. 

Minha cama fazia ruídos como a um avião decolando. Mesmo que não saíssemos do lugar, viajamos pelo quarto. 

Para que passagens ou drogas quando se têm um pedaço do paraíso em seus braços, beijando tão deliciosamente enquanto se entrega? 

Toquei seu mais íntimo e ganhei gemidos que imploravam pela ampla satisfação enquanto beijava seu pescoço. 

O cheiro do perfume misturado ao do sexo era ainda mais excitante.

O sexo maia maravilhoso que eu já havia provado e mais mágico. Quase poético!

Sem artigos, sem pronomes, sem rótulos ou nada que prendesse nossa relação à algo comum e rotineiro. 

Eu queria ter palavras pra descrever… 

Querido… 

Único… 

Excitante… 

Estranho, admito… 

Rude, até…

Não adianta… A única palavra que pode definir Gaara é Gaara! 

Entre as flores e os cactos, entre as aulas de anatomia e as dos efeitos das plantas.

Hoje cá estou, segurando sua mão enquanto nos olhamos bobos, despidos e exaustos após mais de 2 anos. 

A saia e os brincos ao chão junto de meus alteres. O batom borrado em seus lábios, que estão marcados em meu pescoço. A delicada penugem não aparada de seu queixo ainda me arrepia.

Minha cama tão pequena facilita nossa troca de calor. 

Hoje Gaara sabe que eu não estava louco e sim certo em me aproximar. 

Hoje me encontro viciado em viajar pela estrada de seu corpo e falar as palavras de amor que sempre são chamadas de bobagem assim como os buquês de flores com os quais lhe presenteei hoje em sua chegada. 

Hoje ainda sou governado pelo mesmo perfume usado na pele de Gaara, a quem abraço e beijo até que adormeça em meus braços, acalentado pelo meu calor uma vez que já havia provado de todo o fogo que a juventude nos pode ofertar. 

— Quero te ver de novo… - sussurrei antes que pegasse no sono e preguiçoso me respondeu:

— Se estiver no nosso destino… - sorri e mais uma vez pedi que o destino continuasse ao meu favor.


June 10, 2018, 1:31 a.m. 2 Report Embed 3
The End

Meet the author

Tatu Albuquerque Mãe de Konohamaru, madrinha de Hanabi, adepta da Fé do Sagrado KonoHana. Você tem 5 minutos pra ouvir a palavra da minha igreja? Kaiten no cu e gritaria, kore!

Comment something

Post!
Fox Bella Fox Bella
Tatu o emir destino eu tenho certeza que é te amar e surtar com todas as forças!!! MEU DEUS EU ESTOU MARAVILHADAAAAAAA GAALEE FORAM DESTINADOS DESDE A MATERNIDADE E A MAMA PODE PEOVAR!
June 27, 2018, 2:03 p.m.
Margot Sorensen Margot Sorensen
OLHA QUE FIC CHEIROSA. EU PRECISO DE UMA PAUSA PRA GRITAR ANTES DE COMEÇAR A COMENTAR...AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA...AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA...AAAAAAAAAAAAAAAA Tudo bem, gritei o suficiente... Eu tô muito apaixonada por esse nenê que é essa história! É tão linda que eu não consigo tirar esse sorriso besta da minha cara, super gostosa de ler e mano... Olha esse Lee bolinho... Olha como Gaara é bolinho também!!! Eu só consigo é gritar de tanto amor por essa fic!! VOCÊ ARRASA DEMAIS MULHER TE AMO <3
June 9, 2018, 8:20 p.m.
~