Soul and Blood Follow story

ksutaguo Louise Alves

Em 1299, Após anos aprendendo a dominar todos os conhecimentos mágicos para aliar a magia a força bruta, Sasuke tinha a plena certeza de que as criatura mágicas nunca seriam aceitas pelos humanos. Ele e as outras espécies mágicas que perderam sua humanidade recuperavam-se de uma recém cessada guerra entre os Reinos do Norte e do Sul enquanto Sakura, uma feiticeira sulista e amante do bruxo era caçada pela poderosa Igreja do Fogo Eterno. Mas o destino de Sakura era muito mais sombrio que morrer numa fogueira e Sasuke não sabe se está disposto a abrir mão do amor da sua vida em prol da imunda humanidade.


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#Universo-the-witcher #Universo-bruxo #sobrenatural #lobisomens #vampiros #elfos #anões #Feiticeiros #Bruxos #multiship #sasusaku #naruto #The-witcher #crossover
13
5141 VIEWS
In progress - New chapter Every 30 days
reading time
AA Share

Prólogo — Novigrad

Novigrad é uma das cidades mais fedorentas que Sasuke visitou. E antes fosse mijo de cachorro e cavalo, os caçadores de bruxos estavam parados em cada esquina, ou invadindo casas de magos abandonadas — e de gente inocente —, hostilizando anões e estuprando elfas. 1299 e a cidade mais populosa do mundo permaneceu a mesmíssima merda desde quando a feiticeira Triss Merigold organizou a fuga em massa de mutantes da cidade, há provavelmente mais de quarenta outonos, dos caçadores de bruxos. Os irmãos Uchiha já haviam visitado a cidade uma vez quando eram meninos, humanos comuns, antes de serem levados para Kaer Morhen, uma das quatro escolas de bruxos, que transformava crianças em homens inexpressivos especializados em matar monstros, exímios rastreadores e mestres de poções.
Todas as escolas de bruxaria aceitavam ambos os sexos, mas era visível a predominância masculina no meio bruxo, não por preconceito,— nas escolas, especialmente a escola do Lobo, Kaer Morhen, todos eram tratados iguais, sem nenhuma regalia ou piedade — mas por indivíduos do seco masculino ter uma maior resistência física e psicológica para aguentar os treinamentos mais exaustivos — e certamente traumatizantes —, e resistência biológica para aguentar os processos alquímicos intensos com substâncias mutagênicas afim de desenvolver todos os sentidos do candidato a bruxo — principalmente o olfato e a audição —, mascarar completamente as emoções do candidato e hiperestimular a imunidade do indivíduo. Muitos não sobreviviam aos mutagênicos, mas aqueles que conseguiam uma vida extremamente longa, mais que o triplo que um ser humano nobre desse tempo, e os exóticos olhos de gato, o principal meio de identificação de um bruxo numa multidão, que no caso dos Uchiha, os olhos eram vermelhos como sangue, bem diferente dos olhos âmbar da maioria dos bruxos — e bem mais chamativo.
Itachi, por ser um exímio rastreador, sentiu o nariz arder de tanto fedor que sentiu quando passou pelos “guardas” da cidade.
— Puta merda, daqui a pouco os carniçais vão invadir a cidade.
— Isso é tudo que a Igreja quer... — Itachi balançou a cabeça.
— Medo gera devoção, não é?
Sasuke nada disse, mas concordava com o Itachi. Os olhos vermelhos dos irmãos bruxos fitaram os guardas hostis da maior cidade da do mundo, pendurando corpos de criminosos — como Itachi preferiu imaginar que fossem — e queimando doentes do lado de fora da cidade perto do rio da entrada sul da cidade. A peste estava voltando.
Mas a doença pouco importava para os irmãos, graças ao sistema imunológico perfeito dos bruxos nenhuma doença humana derrubaria os irmãos, entretanto o preconceito contra mutantes ainda estava tão fresco naquelas vidas humanas quanto uma jarra de água. Assim como a lavagem cerebral da Igreja do Fogo Eterno que arrastava multidões de assassinos de feiticeiros no passado, estava ali presente, amordaçada por decretos do rei — mesmo que Novigrad fosse uma cidade politicamente “neutra”, ainda obedeciam o rei — que proibiram a caça às bruxas.
Susanoo e Amaterasu relincharam praticamente concordando com Itachi, assim que cruzaram o primeiro portão, com o odor horrível do ambiente.
— Shisui disse onde encontraríamos ele?
Itachi pegou a carta do primo e assim confirmou ao caçula.
— Sim, só um minuto... “Cabaré Camaleão”, que depravado.
— Como se ambos fossem diferentes...
— Que está falando Sasuke?
O homem respirou fundo, entediado.
— Itachi, por favor, não seja sonso. Eu detesto dormir no mesmo teto que vocês, pois tanto tu quanto ele esgoelam-se como duas cadelas no cio quando entram num quarto — Sasuke podia não ver, mas sabia que Shisui sempre fora o calcanhar de Aquiles do irmão.
— Ora seu fedelho...
— Ali. O Camaleão.
O Camaleão era o cabaré mais lindo que os irmãos Uchiha tiveram o prazer de entrar. Toda a decoração do lugar o fazia parecer com um grande teatro: cortinas vermelhas para todo lado, lustres coloridos, o piso de madeira brilhante e escuro e, claro, música e poesia dos bardos o tempo todo. Algumas cortesãs espalhavam-se entre as mesas e o bar, seduzindo quem quer que estivesse com o bolso mais cheio, mas até a mais vagabunda das garotas estava parecendo uma duquesa.
Sasuke, por um momento, recordou-se quando visitou o fantasioso ducado de Toussaint, pois o ducado parecia que foi parido de um conto de fadas de tão diferente da dura realidade de Velen. O Camaleão lembrava um bordel secreto que visitou nos subúrbios da capital de Toussant, apesar de ser voltado para população menos favorecida, tanto o bordel encantado quanto o cabaré que estavam entrando eram bem aconchegantes.
E sentado no balcão do bar Shisui se divertia apagando e acendendo magicamente a vela ao lado de um bêbado, que reagia de forma hilária.
— Vós desconheceis o prazer de perturbar humanos embriagados.
— Tu estás convivendo demais com feiticeiras.
— Ah — Shisui mirou os olhos do mesmo tom escarlate dos primos ao Uchiha caçula — Antes queimar velas que cabelos. Oh! Isto fez-me lembrar... — O bruxo sacou um pergaminho e entregou a Itachi, que passou os olhos no que estava escrito.
— “Recompensa pela cabeça de feiticeira. Acusada de inúmeros assassinatos, roubo de propriedades, agressão e resistência às autoridades, sonegação e usuária de magia negra”... os humanos acreditam mesmo nesta porcaria de “magia negra”?
— Continue!
— Certo... “mil moedas de ouro pela mulher, viva ou morta. Alta, branca, cabelos e olhos mutantes, bela e mortal feito o diabo” Mas quem é a maldita?
Shisui deu uma boa golada na cerveja e lambeu os lábios com espuma, logo fitou Sasuke.
— Que mulher teria força, e culhões, o suficiente para debochar e cuspir na cara de homens de qualquer espécie e queimar tropas inteiras de caçadores da igreja?
Sasuke suspirou pesadamente e pendeu a cabeça para os lados.
Sim, ele sabia bem quem poderia fazer isso.
— Eu vou matar a Sakura.
— De tanto foder? Talvez tu morrerás antes dela! — Sasuke suspirou pesadamente.
— E desde quando você tem senso de humor, Shisui? — Disse Sasuke cruzando os braços e os apoiando no bar, mas o primo ignorou o comentário.
— Precisamos encontrá-la, é bem provável que a donzela fez uma quantidade exagerada de vítimas. Obviamente não a culpo, uma vez que aqueles homens são verdadeiros trogloditas, mas ela chamou bastante a atenção da Igreja do Fogo Eterno.
— E por que raios tu precisaste nos contatar pra encontrá-la? Esqueceu como rastrear pessoas?
— Se eu tivesse encontrado a bendita, tu achas mesmo que eu teria contatado a tu e ao teu irmão? Sem ofensas, querido... — Itachi bufou — Mas o que importa na verdade não é o que aconteceu com ela, mas o que levou Sakura a cometer tantos delitos.
— Ela sempre teve fascínio nas outras escolas de bruxo, lembro que ela encontrou pergaminhos estranhos em Pomar Branco, diziam algo sobre equipamentos e diagramas de outras escolas. — Sasuke proferiu antes de beber o licor que foi servido.
— Mas até a nossa tinha — Itachi suspirou não muito nostálgico — e tanto Kaer Morhen quanto as outras escolas estão soterradas de escombros depois da guerra. Impossível encontrar qualquer coisa intacta por lá.
Sasuke se levantou do banco, pensativo. Havia mais formas de entrar nas escolas, mas seria complicado.
— Creio que será melhor continuar esta conversa em um ambiente com mais privacidade, senhores — Itachi disse apontando para dois homens que fitavam-nos de modo hostil.
— Certo, aluguei um quarto no terceiro andar, vamos.
— Desde que você e Itachi não comecem a foder um ao outro com os olhos...
— Sasuke!

...

— Tu achas mesmo que Sakura foi atrás das relíquias? — Itachi perguntou sentado na cama ao lado de Shisui enquanto Sasuke andava de um lado e para o outro.
— Das relíquias não, mas ela era sedenta pelo poder das armaduras de cada escola.
— Além do óbvio, o que ela ganha com isso? Ela só tem um corpo, ela não conseguirá vestir quatro armaduras...
— Obviamente não irá, Shisui, entretanto Sakura é uma feiticeira extremamente habilidosa, talvez ela conseguiu alguma forma para canalizar tanto poder em uma única armadura.
— Sasuke, para quê ela usaria armadura bruxa? Feiticeiros não fazem treinamentos físicos, não sabem combate corpo a corpo, não vejo lógica ela simplesmente vestir uma armadura potente como estas, absorver tudo que a armadura tiver para si e de repente virar uma bruxa. Feiticeiros são ótimos diplomatas, mas péssimos espadachins.
— Esqueceu o que aconteceu em Skellige, Itachi?
Itachi fechou os olhos visivelmente desgostoso com a lembrança. O arquipélago hostil de Skellige com a soberania de Cerys an Craite, floresceu em fortuna e em tonéis de hidromel. Kaer Trolde, a fortaleza e capital da maior ilha do arquipélago, Ard Skellige, a rainha Cerys convidou inúmeros aristocratas — se é que poderiam ser chamados assim — e amigos íntimos da família para um grande banquete de aniversário. Os habitantes das ilhas são mundialmente famosos por serem marujos extremamente habilidosos e guerreiros mortais, sendo assim a violência é uma tradição tão grande quanto os diferentes kilts dos clãs das ilhas.
Não foi diferente naquele banquete. Um dos filhos de um líder de um clã, puxava a saia o vestido de Sakura, sem um pingo de sutileza, claramente afim de se enfiar no meio das pernas grossas da feiticeira. Mal deu tempo de Sasuke ou Itachi de sacarem suas espadas, Sakura sacou a espada do abusador e cravou no meio das pernas do homem e o rasgou de baixo para cima. Foi um choque de cinco segundos até a própria mulher fitar os rapazes incrédulos pelo assassinato. Todos sacaram suas espadas, foi uma porradaria tão intensa que Itachi não sabia como que só aquele cara morreu estrebuchado.
A rainha adorou a atitude de Sakura, tal como muitas mulheres que estavam presentes, os outros clãs aristocratas não.
— Ainda sinto dor quando lembro daquela espada saindo pela bunda daquele cara.
— Sasuke tem razão, Itachi, esta feiticeira tem sangue de demônio no corpo. Mais um motivo para achá-la antes da Igreja.
— Então vamos direto ao ponto, Sasuke, onde foi a última vez que viu a feiticeira?
— Toussaint. Vinhedo de Vermentino. Fomos cumprir um contrato para eliminar um ninho de lacraias gigantes. Ela recebeu as moedas do sommelier e partiu para sei lá onde. Já faz um bom tempo...
— A bendita não disse para onde ia?
— Tu achas mesmo que se ela tivesse me contado nós estaríamos aqui, idiota?
— Não tens nenhuma pista de onde essa filha de súcubo possa estar? Não temos nada?
— Ela ficava em Corvo Bianco. O senhor do vínculo também é um bruxo. Atualmente ele vive em Kovir com a esposa, acredito que vós conheceis o casal. Triss Merigold e Geralt de Rivia.
Shisui e Itachi encaravam o Uchiha mais novo.
— Estás nos dizendo que Sakura conhece a conselheira do rei de Kovir? E o que caralhos Geralt de Rivia tem na cabeça para comprar a porra de um vinhedo? Esse fodido já tem dinheiro o suficiente para ser rei se quiser só por ter casado com Triss.
— Primeiro: elas não só se conhecem como são bem íntimas, acredito ser coisa de feiticeira. E segundo: parece que Geralt resolveu um problema bem fodido em Beuclair, contratado pela própria duquesa. O pagamento foi o vinhedo e um título de nobreza. O cara tem honras para entrar em qualquer buraco do castelo.
— E em qualquer par de pernas, imagino. — Itachi coçou a barba, mal se lembrava de ter se deliciado dos prazeres da carne nesses últimos dias, apesar de que isso seria facilmente resolvido se expulsasse o irmão do quarto. Irmão este que citava-o repreendendo — Sasuke, ele é homem. Mesmo encoleirado ele não nega carne. — Shisui pareceu concordar, apesar de ter ficado ligeiramente incomodado com a declaração de Itachi.
— Há uma certa fama também nos bordéis, não mentirei, mas só com o que vislumbrei posso dizer que Geralt não perdeu totalmente a humanidade. A esposa parecia acender de volta nele o que nós esquecemos há séculos.
Itachi fez questão de expor um raro sorriso, coisa que derretia qualquer mulher que visse. Shisui fez a mesma coisa.
— E desde quando você é romântico, Sasuke Uchiha?
O caçula inexpressivo encarou os familiares por uns instantes. Se desencostou da parede e seguiu para a porta.
— Alugarei outro quarto. Partiremos ao amanhecer para Toussant — Ele parou antes de fechar a porta — Tentem não acordar toda Novigrad, promíscuos.
Aviso este que foi completamente ignorado com sucesso por horas. Sasuke então resolveu cruzar Novigrad até o famoso Passiflora, o bordel mais luxuoso da cidade.
Pelo menos lá tinha camas fofinhas e peitos quentes.

May 30, 2018, 1:35 p.m. 0 Report Embed 1
Read next chapter Toussaint

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 1 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!