João Gostoso Follow story

C
C Clark Carbonera


Um conto sobre o último dia da vida de um homem, o simples trabalhador João Gostoso.


Short Story All public.

#cotidiano #português #500palavras #literatura-brasileira
Short tale
0
4957 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo único


João Gostoso era mais um dos milhões de trabalhadores brasileiros que davam a vida para viver. Morava no Morro da Babilônia, num barracão feito de madeira e algumas paredes de tijolos vermelhos, sua casa ficava quase no centro da comunidade e não tinha número, exatamente como o seu dono, para o governo, João Gostoso era ninguém.

Como em um dia qualquer, ele acordou de madrugada para pegar o primeiro ônibus das quatro da manhã, depois o segundo das quatro e quarenta e cinco – que atrasou alguns minutos – e por último o terceiro ônibus das cinco e meia; tudo isso para chegar na feira e descarregar as caixas de frutas, legumes e hortaliças das caminhonetes dos feirantes e ganhar seu arroz com feijão. A única diferença foi ele sentir simplesmente que aquele dia era diferente e, com a chama que ardeu dentro dele, achou que deveria trabalhar como nunca trabalhou, descarregou cinco vezes mais caixas do que de costume, ganhou uns trocados a mais e até um pastel da Maria Pasteleira.

Para comemorar esse grande dia, foi, logo depois do trabalho, mais ou menos às seis da tarde, ao bar Vinte de Novembro. Gastou tudo o que tinha: bebeu tudo a que tinha direito, cantou todas as músicas do radinho e dançou um samba bem brasileiro com todas as moças que lhe apareciam pelo caminho.

Depois disso tudo, indo para casa, passou pela lagoa Rodrigo de Freitas e viu. Viu a Lua mais bonita. A Lua mais cheia e brilhante que já existiu. Mal se aguentando em pé, João Gostoso foi tentar alcança-la, molhando toda sua calça puída e suja, se inclinando mais e mais, até tocar nela. Mas a Lua se desfez em pedaços ralos.

Irritado com aquilo, João Gostoso jogou-se em busca da sua Lua cheia, debatendo-se na água e afastando-se cada vez mais, sendo puxado para muito longe da bola grande e brilhante. Ele estendeu os braços, deixou-os bem esticados na tentativa de tocá-la, mas a água o puxou para longe... muito longe. Ah, João Gostoso! Tão cheio de cachaça estava ele que não percebeu. A Lua era apenas um reflexo esfiapado. 

May 21, 2018, 5:50 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

C Clark Carbonera “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~