Legado Follow story

emily-christine8811 Emily C Souza

Após os conflitos internos de Konoha, Minato prometeu a Fugaku que o próximo Hokage nomeado seria um Uchiha a fim de reintegrar o clã à política da Vila, é claro que Itachi era o sucessor mais indicado e nem mesmo o Conselho pôde se opor a isso. No entanto, o gênio Uchiha não se achava digno de tal cargo, principalmente por estar envolvido com o Yondaime Hokage e temer manchar a honra de herói que o companheiro detinha. Título e Sinopse feitas por Vanessa <3 Essa fanfic faz parte do desafio Inkdisney do grupo Inkspired Brasil Homem Ser, Mulan


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#minaita #crackshipp #inkdisney #MinaIta #minato #itachi #UN #yaoi #romance #familia #lemon
Short tale
12
5516 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

O amor como um todo


NOTAS INICIAIS:

Essa historia faz parte do desafio inkdisney, do grupo inkspired brasil

A música escolhida foi Homem Ser do filme Mulan

Crackshipp Minato e Itachi

Universo Naruto

Vanessa Morgenstern, essa fanfic é pra você minha linda.

-----------------------------------------------------------  



A porta foi trancada assim que passou por ela.

Não foi surpresa quando sua cintura foi agarrada. Soltou uma risadinha, achando graça na pressa do outro, já os olhos azuis brilharam com malicia. Sentiu as mãos gentis passearam pelas laterais do seu corpo, cada toque provocando um arrepio na sua pele e, quando ele alcançou o seu pescoço – os dedos apertando levemente sua nuca, precisou segurar um gemido que sairia alto demais.

Levantou o rosto, procurando a boca dele com necessidade. Segurou as mãos que estavam em seu pescoço, puxando uma delas para beijar a palma, seus olhos escuros encarando intensamente os azuis. Ele colou seus corpos, ambas as bocas se encaixando em um voluptuoso beijo.

Fechou os olhos diante da sua ânsia por mais que crescia em seu peito. Abriu os lábios formando um pequeno biquinho, o que foi suficiente para a língua esperta adentrar sua boca e tocar na sua, instigando-a a participar do contato lascivo. Não conseguiu refreia o gemido de puro prazer que saiu da sua garganta, se aproximou mais, abraçando os ombros do mais velho.

Uma das mãos se esgueirou pelos seus fios escuros, embrenhando-se entre as madeixas. Suavemente sua cabeça foi virada pra esquerda, o beijo se tornou mais profundo; os lábios carnudos devorando os seus com fome. Abriu mais um pouca a boca, precisando com urgência da dança erótica que a que ele fazia com um simples beijo. Como se entendesse seu pedido mudo, Minato usou sua língua para escorregar mais profundamente na cavidade e se entrelaçou com a sua.

Uma fina baba escorreu pelo seu rosto, o beijo fazendo pequenos estalos sensuais. Itachi sentiu seu corpo ferver, o seu baixo ventre se contraiu, clamando por atenção. Itachi se esfregou no corpo do Namikaze e, em retaliação ao seu ato desavergonhado, Minato puxou seu cabelo. Soltou a boca da dele por precisar respirar. Minato, por sua vez, distribuiu alguns selinhos, não querendo findar o ósculo.

— Está excitado somente com um beijo? — Minato soprou no ouvido do Uchiha. Aproveitando que o menor estava completamente entregue, mordiscou a ponta da orelha dele, descendo pelo pescoço e distribuindo beijinhos molhados onde alcançava.

Itachi sentiu o corpo tremer, as pernas ficarem bambas e se segurou os ombros largos do Namikaze para não cair. Como poderia não estar excitado depois daquele beijo? Minato era tão bom com a boca, que parecia estar fazendo sexo com ela!

— Não me provoque, — sussurrou de volta. Gemeu baixo quando as mãos geladas dele entraram por baixo da sua camisa. — Você sabe muito bem que a culpa é completamente sua, já que não me tocava a dias.

Minato o olhou por alguns segundos. Itachi era a sua perdição com aquele rosto corado, os olhos semicerrados, a boca inchada e vermelha; sem falar nos bicos do peito dele que já estavam duros.

Ele respondia tão bem aos seus toques, era enlouquecedor!

— Não teria como saber que a missão que lhe designei iria demorar muito mais que o previsto. — murmurou.

Retirou a blusa dele, descendo seus beijos pela clavícula e aproximou a boca dos botões rosados. Ao encostar a ponta da língua no mamilo esquerdo, Itachi se contorceu em seus braços; ele era bem sensível ali. Rodeou o bico e abocanhou, mamando avido como a um bebê faminto. Com a sensação crescendo dentro de si, Itachi já não pode se controlar; prendeu os fios louro entre os dedos, puxando com força o cabelo de Minato.

— Assim... — gemeu, jogando a cabeça para trás, por pouco as pernas não cedendo ao intenso prazer e a mistura de sentimentos.

Estar com Minato era sempre assim: Um sentimento intenso que queimava seu peito, devastava sua mente e corroía sua sanidade ao ponto de aceitar fazer amor com ele ali, na sala do Hokage.

Minato deu atenção ao outro mamilo, os dedos castigando o mamilo que foi judiado pela sua boca outrora. Como era bom ter a boca dele ali, Itachi sempre ficava zonzo com o tratamento que ele dava aos seus sensíveis mamilos.

— Eu... — engoliu um novo gemido necessitado. — Eu não consigo mais ficar em pé.

As mãos desceram pela sua bunda e agarraram suas coxas. Minato o levantou de um vez e, sem pensar muito, Itachi entrelaçou as pernas na cintura dele.

Enquanto Minato engolia sua boca em um beijo pecaminoso, Itachi estava perdido entre as sensações dos membros roçando um no outro (devido a posição) e os lábios que se mexiam contra os seus. Seu corpo tocou a superfície dura da mesa de madeira. Desviou os lábios de um faminto Minato, e olhou preocupado os documentos que estavam na mesa. Ficou aliviado ao ver que a mesa estava limpa.

Abriu as pernas acomodando Minato no meio delas. Ele abraçou seu quadril e lhe puxou mais para a beirada da mesa, a boca dando chupões pelo seu peito e barriga – onde não seria visível a ninguém.

Depois de toda a sedução do beijos, Minato já estava um pouco apressado. Sua chinela e calça logo foram retiradas, mas a situação não era justa quando o mais velho estava completamente vestido.

— Você está vestido de mais. — reclamou.

Minato retirou a liga que prendia seu cabelo, fazendo com que os fios se espalhassem pelos seus ombros e caíssem em seu rosto. Com um olhar profundo e encantado, Minato acariciou uma mexa em seu rosto. Ele pegou o chapéu de Hogake que estava em cima da mesa e colocou em Itachi.

— Como eu disse, você ficara ótimo como Hokage.

Itachi negou, — eu já disse sobre você dizer essas coisas. Nós dois sabemos que não é o momento certo para você se aposentar.

Minato sorriu como sempre, não se incomodando com o pessimismo do Uchiha. Até preferia assim, pois quando ele for chamado, a surpresa em seus olhos será a melhor coisa que Minato irá ver.

Itachi não deu chance de o assunto continuar; ele estava bem mais interessado em retirar toda a roupa que o impedia de sentir o corpo quente de Minato. Começou pelo manto Hokage, descendo a peça pelos ombros largos, e ela logo caiu no chão. A blusa teve o mesmo destino, e não perdeu tempo em tocar cada gominho do abdômen do louro.

Voltaram a se beijar; um ósculo calmo, a língua brincando e se enrolando com a sua. Gemeu gostoso quando Minato rebolou contra sua ereção – a cueca deixando o contato mais intenso. Desceu suas mãos para a bunda dele, instigando mais a felação.

Minato arfou contra seus lábios, puxando seu cabelo e deixando seu pescoço a mostra. Passou a íngua pela sua orelha, Itachi tremeu com o tesão que sentiu já que aquele era um ponto muito sensível.

— Você já está pronto para mim? — provocou o Uchiha com sua voz grave.

— Estou... — murmurou.

Desgrudou um pouco os corpos para tirar a sandália e a calça. Itachi abriu mais as pernas e apertou a dolorida ereção; o pré gozo deixando uma mancha na sua cueca preta.

Minato mordeu os lábios ao ver Itachi daquele jeito, amava de mais quando ele ficava tão entregue e tão duro quando ainda nem haviam começado as preliminares.

Pegou sua cadeira acolchoada e se sentou. Subiu as mãos pelas coxas, apertando a carne firme e roliça em seus dedos. Alcançou a barra da cueca box e a desceu lentamente, seus olhos azuis fixos nos olhos escuros caídos pelo prazer. Itachi gemeu baixinho; a pela arrepiando e seu pênis contraindo com a sensação do leve toque das pontas dos dedos de Minato.

Com a cueca jogada em algum lugar, Minato chegou mais perto. Envolveu a ereção firme, mas gentil, e a passou a mover a mão devagar. Itachi, por puro reflexo, apertou o punho dele, porém não impediu o ato.

Minato abriu um grande sorriso malicioso já Itachi soltou um gritinho quando o dedão dele acariciou a cabeça esponjosa e o pequeno buraco da uretra.

— Você está tão molhado, Tachi. — Minato deixou a cabeça cair para trás, os olhos revirando. Como aquele Uchiha mexia com a sua sanidade!

As pernas dele tremeram ao ouvir a voz rouca. Soltou o pulso de Minato e segurou na ponta da mesa, tentando segurar o gozo que vinha avassalador.

— Se não parar de me masturbar, eu vou gozar. — avisou em meia voz.

Minato apertou o membro e sessou os movimentos.

O sol já estava se pondo, e a combinação das cores no céu refletiam pela janela. O rosto e parte do torso de Itachi foi agraciado pela luz quente do pôr-do-sol...

Minato ficou extremamente tocado com a magnitude da beleza do parceiro. As cores rosa e alaranjado colorindo a pele branca, e as sombras das arvores dançando pelo corpo dele. Era a coisa mais linda que Minato viu na vida.

Não tinha como negar que era completamente dele; de corpo e alma.

Levantou-se da cadeira; a necessidade de sussurrou seus sentimentos tomando conta do seu corpo. Segurou o rosto dele e encarou os olhos negros, Itachi piscou um pouco confuso sem saber como reagir a transparência de sentimentos nos olhos azuis.

Minato escondeu o rosto no pescoço dele, aspirando o cheiro de canela; algo tão característico de Itachi. Apertou a cintura ele, o coração apertado e as preciosas palavras querendo saltar da sua boca sem permissão.

Desde que Itachi saiu da Anbu para ser somente um sensei, Minato vinha o observando. No começo não passava de curiosidade, pois Itachi não escondeu sua filosofia ao se retirar no secreto grupo Ninja e virar um simples professor. Depois, quando precisou decidir que time ele treinaria e cuidaria, Minato precisou ter uma conversa mais profunda. Nem ao menos percebeu quando aquela quentura gostosa no peito apareceu e se alastrou por seu corpo e sua mente.

Até o presente momento, Minato não sabe dizer o que realmente fez seu coração acelerar e seus olhos enxergar o quão precioso Itachi é.

— Você não faz ideia do quanto meu coração é todo seu, não é? — murmurou.

Itachi se agarrou mais a ele, fechando os olhos sem conseguir controlar a felicidade que corria por entre suas veias. Minato não era de falar, ele costuma mostrar seus sentimentos através de gestos, mas quando ele dizia... Itachi tinha de se segurar para não desmaiar tamanha felicidade que sentia.

— Faça amor comigo, Minato. — sussurrou, tomado pela emoção.

Minato voltou a olha-lo, sorrindo com a expressão chorosa que ele adquiriu.

— Seu desejo é uma ordem, Tachi.

Levantou um pouco as pernas do Uchiha e voltou a se sentar. Com um olhar safado, chupou a cabecinha e a rodeou com a língua, engolindo o membro pouco a pouco. Assim que sentiu os finos pelos da virilha roçar seu nariz, Minato comprimiu as bochechas e sugou com força enquanto voltava para a cabeça. Cutucou o buraquinho da uretra com a ponta da língua.

Itachi gemeu alto, a mão direita amaçando as mexas do cabelo louro do Namikaze; a mão esquerda apoiada na mesa. Minato não tirou os olhos dele, e mesmo querendo fechar os olhos, Itachi não se atrevia a perder o espetáculo que ele fazia com seu pau na boca.

Que chupada era aquela? Ele estava quase que literalmente lhe ordenhando, mas de vez usar as mãos, ele usava a boca.

— Você fica lindo com meu pau na sua boca, Senhor Hokage.

Minato soltou uma risadinha maldosa, um claro aviso que Itachi pagaria pela fala atrevida. Itachi, por outro lado, mordia os lábios mal conseguindo esperar pelo “castigo” que iria receber.

O ato seguinte provocou seu delírio; Minato desceu as chupadas até suas bolas, onde carinhosamente as engoliu juntas. Itachi sentiu seus olhos revirarem em suas orbitas, e precisou mesmo tirar a mão do mais velho que estava o masturbando. Quase gozou sem controle algum.

— Aí, caralho... — soprou ao sentir o dedo rodeando sua entrada.

Minato empurrou o seu torso contra a mesa e Itachi deixou-se deitar. Suas pernas foram levantadas e presas contra seu tórax pelas mãos dele. Minato dançou com a língua pelo comprimento do seu pênis, pressionou suas bolas e enfim lambeu sua entrada; que a essa altura já se contraia em expectativa.

— Nossa... — gemeu longínquo, as mãos inquietas transitando entre suas coxas e os cabelos louros. — Tão bom...

Minato apertou com força as suas coxas. Provocar Itachi era provocar a si mesmo, e já quase não podia se controlar.

— Segura as suas pernas.

Assim que teve suas mãos desocupadas, Minato abriu mais as duas nádegas brancas. Experimentou tentar penetra-lo com a língua, mas o canal era muito apertado e só a ponta passou.

Itachi, ao sentir a penetração, largou as pernas e se contorceu, rebolando contra o rosto do Minato. Os olhos reviraram, e soltou um gemido estrangulado.

Minato se levantou e se debruçou, beijou os lábios finos enquanto colocava de vagar o dedo médio lambuzado com saliva dentro do Uchiha. A entrada se contraiu, apertando seu dedo. Minato se afastou e liberou a própria ereção do confinamento na cueca box azul marinho que ainda usava.

Colocou mais um dedo, usando os dois para alargar mais o espaço na cavidade apertada. Itachi mexeu um pouco a bunda, a superfície dura da mesa incomodando um pouco. Minato pareceu entender, pois voltou a sentar e puxou Itachi para seu colo. Itachi, que já estava mais solto, esfregou sua bunda contra o membro do Minato.

Minato desceu as mãos pelas costas suadas, espalmando-as nas duas polpas. Apertou com vontade a carne das nádegas, ajudando Itachi nos movimentos dos quadris.

Sem resistir, desceu a mão com força controlada contra a bunda dele, Itachi abriu a boca em um gemido mudo e o olhou com surpresa, porém não o repreendeu. Minato entendeu a atitude como aprovadora e voltou a bater, só que com a outra mão.

— Levanta um pouco — pediu.

Itachi saiu do seu colo, cambaleando um pouco até se firmar. Minato abriu a primeira gaveta do lado direito da mesa e pegou um pacote de camisinha. Gesticulou para que Itachi voltasse a sentar no seu colo.

Vestiu a camisinha e posicionou seu membro na entrada do Uchiha. Itachi, com os joelhos apoiados na cadeira, desceu de vagar, sua entrada engolindo aos pouco o comprimento do Namikaze. Gemeu incomodado. Mesmo depois de tantas vezes que fizeram amor, nunca se acostumou com o tamanho do parceiro.

Parou de arder, e Itachi já sentia prazer com a felação. Aumentou um pouco as sentadas, curvou as costas e, aproveitando a posição, Minato voltou a chupar seu mamilo; os braços fortes dele abraçando sua cintura.

Sentou com um pouco mais de força, rebolando. Minato soltou um gemido profundo, enroscou a mão direita no seu cabelo e o puxou, atacando seu pescoço em seguida. Quicou com mais pressa, as costas curvaram mais e o baixo ventre passou a roçar na barriga do Namikaze.

Minato soltou seu cabelo e colocou as mãos na sua bunda, ajudando-o a manter o ritmo. Seus movimentos já estavam erráticos por causa da velocidade, porém não era suficiente. Queria mais; mais rápido, mais fundo, mais bruto. Mudou levemente de posição, tirando os joelhos e apoiando a planta dos pés da cadeira.

A mudança deixou a entrada pouco mais apertada; as nádegas mais fechadas em torno do seu membro. Minato soltou um grunhido, dando um novo tapa na polpa esquerda do moreno.

Itachi segurou nos ombros dele e sentou com mais violência, o choque da bunda dele contra suas pernas reverberando pela sala. O barulho era indecente e só provocava mais ainda a libido do casal.

Minato olhou com adoração para Itachi. Ele devolvia o olhar com a mesma intensidade, os mesmos sentimentos escondidos pelas orbes negras. E, mesmo com toda aquela intimidade, Itachi ainda escondia algumas emoções no estoicismo característico dos Uchihas. Isso deixava Minato incomodado, no entanto, não reclamaria; não era direito seu cobrar uma mudança em relação a personalidade dele. Afinal, quando se apaixonou, Itachi era exatamente como está agora.

Segurou as coxas dele e forçou a parada nos movimentos. Empinou mais a bunda do Uchiha e Itachi voltou a se apoiar nos joelhos. Abriu o máximo possível da bunda dele e passou a meter.

Itachi escondeu o rosto perto dos fios louros, gemendo sem parar. Buscou sua ereção e começou uma masturbação nervosa.

Sua próstata foi tocada. Sentiu a ânsia pelo ápice tomar seu corpo; começando pelo aperto nas suas bolas e se alastrando pelo seu pau que pulsava na sua mão.

— E-eu... — engoliu um pouco da saliva que queria sair da sua boca. Soltou um gemidinho, suas próstata sendo pressionada insistentemente. — ... vou gozar. — avisou.

Minato o olhou com os olhos semicerrados; sua mente perdida no prazer crescente em seu amago. Mordeu levemente o mamilo de Itachi, provocando assim o orgasmo dele.

Itachi mordeu Minato enquanto gozava em jatos fortes; sua porra sujando todo o abdômen dele. Minato jogou a cabeça para trás e amassou a bunda do Uchiha. Gemeu forte, enchendo totalmente a camisinha.

Se deixou cair sobre Minato, sentindo seu corpo pesado; as pernas tremendo, o coração acelerado e a respiração afoita. Minato encostou a cabeça na cadeira, as mãos caíram pela lateral do seu corpo; sua respiração ofegante e a boca seca.

Após alguns minutos, Minato acariciou a cabeça de Itachi entre os fios negros. Olhou para a janela, já estava bem escuro, então devia ter passado um pouco das sete. O vento gelado bateu no corpo despido de Itachi e ele tremeu. Minato levantou com delicadeza o rosto dele; os olhos estavam sonolentos. De qualquer forma, ele não poderia ficar pelado, estava fazendo frio de mais.

Levantou com ele em seu colo, pondo-o na cadeira em seguida. Procurou a cueca dele e a sua, o vestiu e o cobriu com seu manto de Hokage. Vestiu sua calça e voltou a sentar, Itachi se alinhando em seu corpo. Sempre que terminavam de fazer amor ele ficava bem manhoso.

— Amanhã é meu primeiro dia como Sensei. — Itachi falou, a voz abafada pelo peito do mais velho.

— Você vai se sair bem. — Minato assegurou.

Voltaram a ficar em silencio, o carinho que Minato fazia em sua cabeça aumentando a sua sonolência pós sexo. O manto era quente e não deixava o frio gélido da noite tocar sua pele. Segurou o colarinho, se encolhendo mais perto do Namikaze.

— Uma hora ou outra teremos de falar sobre você ser o próximo Hokage.

Itachi fez alguns círculos imaginários no peito nu de Minato, pensando sobre a insana proposta do mais velho. Nunca sonhou em ter aquele cargo, nem sequer cogitou na verdade. Os cidadãos não morriam de amores por Uchihas e ser escolhido para ser um líder poderia causar uma mancha na imagem de Hokage herói que Minato detinha.

Sem falar que a decisão dele poderia ser revogada por conta do relacionamento incomum que tinham. Além de todos os contras, também havia o fato de ser novo de mais. Acabara de se tornar sensei, estava com apenas vinte e cinco anos, como Minato poderia querer se aposentar e deixa-lo sozinho com um vila em constante crescimento para administrar?

— Você sabe que não é uma boa ideia, Minato. — levantou o rosto para olhar nos olhos dele. — Não aceitaram Madara para o cargo, e o que aconteceu? Ele corrompeu vários Uchihas, buscou poderes inimagináveis e atacou a vila. — vestiu o manto por completo, ficou de pé e encostou na mesa; os braços cruzados. — Depois que ele matou tanta gente, ninguém de Konoha quer chegar perto de Uchihas. Como você imagina que sua decisão vai impactar essas pessoas? De forma boa que não é.

Minato levantou e seguiu para a janela.

— Eu discordo quando dizem que o Hokage precisa ser o ninja mais forte da vila. Para mim, Hokage deve ser aquele que ama a vila e que fara de tudo para protege-la. — voltou-se para Itachi, e apoiou as costas no vidro gelado. — E este é você, Itachi. Você não passava de uma criança quando veio me alertar sobre os planos dos Uchihas. Você impediu um golpe de estado que geraria uma guerra civil e me deu a oportunidade de mudar a situação do clã perante a vila.

Não se aproximou dele. Minato sabia bem o que Itachi estava pensando; que o envolvimento deles o influenciou a escolhe-lo como próximo Hokage. Porém, Minato já vinha pensando nisso a muito tempo; Itachi é a escolha perfeita em todos os parâmetros. Ele amou a vila a ponto de trair o próprio clã, era inteligente e, com somente treze anos já era Chunin e fazia parte da Anbu. Com o passar dos anos, ele se mostrou ainda mais capaz, se tornando Jonin e decidindo por se tornar um Sensei.

Itachi, no entanto, não via sua própria genialidade e perspicácia, julgando não ser a melhor escolha para liderar uma vila.

— Espero que reveja sua decisão Minato.

Deixando o ponto final na história, Itachi retirou o manto e se vestiu. Minato o observou em silêncio, reconhecendo o mal habito que o Uchiha tinha de não reconhecer o próprio mérito na decisão do Namikaze.

Abaixou os olhos, sem saber o que dizer para ele perceber que era a melhor decisão para todos. Itachi parou na porta, não querendo que aquele momento que começou tão bem terminasse com um clima pesado.

Respirou fundo e voltou para onde Minato estava. Ele ficou surpreso quando Itachi parou em sua frente e lhe deu um selinho. Encostaram as testas, ambos se olhando com intensidade.

— Até amanhã, Yondaime.

— Até, Tachi.

Itachi não poderia estar mais... chocado?

Abismado? Horrorizado? Como definir o que seus olhos viam? Tudo bem que eles acabaram de se formar Genin, mas o nível deles como ninja era fraco de mais até para a idade deles.

Começando por Naruto, que é péssimo em Taijutsu e Ninjutsu, tem a personalidade impulsiva, costuma agir sem pensar, e está sempre gritando com Sasuke. Não soube responder nenhuma das suas perguntas, reclamou que estavam perdendo tempo e que deveriam ir logo para as missões. “Com as suas habilidades, a única missão que podem fazer é caçar javalis” respondeu sincero.

Sakura, a única garota do grupo, não ficava muito atrás. Tirando a inteligência e o preciso controle do Chakra, ela também era péssima em Taijutsu e passava mais tempo olhando para Sasuke do que prestando atenção no que Itachi dizia.

E tinha o Sasuke, seu tolo irmãozinho, que por saber a técnica do clã Uchiha e estar superior no combate corpo a corpo, acha veemente que é um ótimo ninja. As habilidades, apesar de melhores que os outros dois, eram medíocres.

Suspirou, tampando o rosto com a mão, e negando com um aceno. Os três estavam na sua frente, olhando para si de forma perdida e Itachi quis saber o que faria com ninjas despreparados e sem jeito algum.

Olhou mais firmemente para cada um. Naruto com certeza aprenderia rápido, visto que aprendeu a fazer kage bunshin no jutsu em uma única noite para passar na prova e virar Genin. Sakura era inteligente, então absorveria bem seus ensinamentos para melhorar o Taijutsu (só precisava focar em algo além do seu irmão). E Sasuke era um Uchiha, com certeza evoluiria bem mais, apenas precisava abaixar o ego.

Era isso, teria de muda-los e melhora-los um por um, e individualmente ajudaria em seu crescimento. No fim, eles se tornaram ninjas forte prontos para as mais difíceis missões ou as mais sangrentas guerras.

— Baseado nas suas habilidades, eu montei o melhor treinamento individual. A partir de agora, seus treinamentos serão específicos para cada um. — Itachi explicou. — O principal objetivo é o aprimoramento da capacidade ninja pessoal de cada um, para então, focarmos em vocês como um time de verdade.

Sasuke soltou um sorriso de lado, bem convencido, e se virou para Naruto.

— Isso porque você é péssimo em tudo o que faz, e o Nii-san precisa te ajudar para não se envergonhar na frente dos outros Sensei.

Naruto se enfezou, mas antes que ele abrisse a boca para começar uma nova briga, Itachi se colocou entre eles.

— Naruto, começarei por você, — avisou. — E Sasuke, aqui é Itachi-sensei, não quero que se porte como meu irmão e sim como meu aluno. — olhou para os três. — Todos vocês são péssimos e precisam melhorar com urgência.

Sasuke e Naruto, ambos emburrados e de rosto virado, se afastaram. Sakura também se afastou. Todos ficando a uma distância segura uns dos outros.

— Eu quero que façam um kage bunshin. — orientou enquanto andava na frente deles. — Vocês irão treinar Taijutsu com seus clones. Comecem.

Não foi surpresa que os golpes de Naruto fossem rasos. Ele sabia somente o básico: um chute alto, um soco atravessado e uma rasteira. Nada mais do que isso, e mesmo que ele fosse particularmente ágil, ainda sim os movimentos se repetiam e eram fáceis de prever.

Sakura conseguia ser pior que Naruto, na questão de conhecer técnicas e a rapidez em executa-las. Ela não conseguia desviar dos golpes do próprio clone, acabando por se machucar muito e se cansar mais rápidos que os outros dois garotos.

Sasuke era bom, mas ainda tinha muito que aprender. Como sempre a arrogância falava mais alto e o atrapalhava vez ou outra.

Teria muito trabalho para ajustar aqueles garotos.

— Chega, parem o combate. — ordenou.

Todos desfizeram o kage bunshin e se viraram para olhar o sensei. Itachi cruzou os braços e os observou por um tempo, tentando achar a melhor forma de mostrar onde eles deveriam focar, onde eles precisavam melhor.

Não era uma questão de pura técnica e forma, e sim a habilidade de observar o oponente, perceber o próximo ataque com antecedência e combater com um ataque melhor. Mesmo a defesa precisa de mais percepção e raciocínio do que técnica.

Eles precisavam fazer tudo isso enquanto lutavam, e um nível de combate tão elevado requer concentração e seriedade, o que aquele time estava longe de ter.

— Vou dizer somente uma vez. Não há como vocês alcançarem seus objetivos agindo como crianças mimadas, se importando mais com brigas ridículas e paixões infantis. — fez um kage bunshin, — Eu vou mostrar o que eu quero de vocês, então prestem bastante atenção.

Fez os selos com as mãos, seu clone aparecendo depois de uma pequena fumaça. Os próximos trinta minutos se passaram com Itachi lutando contra seu clone. Os movimentos era completos de mais e Naruto estava admirado. Sasuke se concentrava em decorar as técnicas para executá-las depois, já Sakura se sentia oprimida, sendo a única garota e, ainda por cima, muito fraca e sem técnicas de Taijutsu.

Finalizou com um cruzado, o clone sumindo em outra fumaça. Ficou satisfeito ao perceber que seus alunos prestaram atenção nos seus movimentos.

— Pensem no Taijutsu como três lições para executar uma boa luta. A primeira é a percepção; basicamente vocês devem perceber o tipo de técnica que seu oponente utiliza. A segunda é o reflexo, onde basicamente você vai desviar, ou defender, o ataque por já saber como e onde ele vai ser. E a terceira é o raciocínio, pois você precisa saber qual ataque vai ser mais efetivo de acordo com a técnica que o oponente usa.

Os três assentiram. Itachi voltou ao seu posto e pediu para que eles voltassem a treinar como os clones.

Mesmo depois de toda a sua explicação e demonstração, seus alunos não progrediram muito.

Na verdade, eles pareceram piorar levemente, mostrando confusão no momento de executar os básicos golpes de luta. Não demorou muito para perceber que eles estavam tentando o imitar, e não realmente buscando compreender o que era o Taijutsu.

Itachi ficou decepcionado.

Porém não iria desistir. Dia após dia seguia dizendo as mesmas coisas, explicando de novo e de novo e de novo, incansavelmente ensinando o básico de uma boa luta.

Depois de semanas dizendo e mostrando a mesma coisa, finalmente o time mostrou alguma melhora. Sakura estava bem mais ágil, canalizando seu chakra nos punhos e pés para potencializar os golpes. Naruto foi o que mais evoluiu, parando de se mexer de forma impulsiva e raciocinando antes de realizar qualquer movimento. Sasuke também o impressionou, esquecendo um pouco o Ninjutsu e focando em melhorar seu desenvolvimento como ninja.

Hora ou outra eles ainda se perdiam em briga estupidas, o que provocava um castigo por parte do sensei. Na maioria das vezes, os colocavam para lutar contra si, somente para mostrar que os dois ainda precisavam de muito para evoluir e, mesmo que alguma habilidade seja superior, ninguém era melhor do que ninguém; ambos sendo cidadãos de Konoha.

A hora já estava avançada, contudo Naruto não parecia querer cessar o treino. Foi agradável para Itachi descobrir a fome por aprender e a disposição para treinar do seu aluno. Naruto andava bastante animado e se mostrou mais maduro ao deixar o pensamento de “superar” o Sasuke e se focar em se superar para ser Hokage como o pai.

E o comportamento dele só reforçava sua convicção de que o cargo Hokage não era para si.

O movimento de Naruto chamou sua atenção. Ele pulou, usou o corpo do clone para chegar a cabeça e o chutou, deu um mortal para trás e caiu em pé. O clone sumiu, e Naruto limpou um pouco de saliva que saiu da lateral da sua boca; ele estava ofegante, com a roupa suja e algumas escoriações espalhadas pelo corpo.

Deu um passo para frente, pronto para elogia-lo, contudo, a súbita presença de Minato chamou sua atenção.

— Foi um ótimo golpe, filho.

Naruto abriu o maior sorriso que Itachi já presenciou e concordou animado.

— Itachi-sensei que me ensinou. Eu estava errando no balanceamento da minha base na perna esquerda, por isso eu sempre acabava caindo de costas no chão. — ele caiu sentado, e acabou deitando esticando os braços. — Finalmente depois de quase um mês eu aprendi a executar essa técnica.

Minato sorriu e se agachou, bagunçando com carinho os cabelos amarelos tão parecidos com o seu. Naruto suspirou cansado, precisando descansar um pouco para conseguir andar até em casa.

Minato endireitou o corpo e olhou para as outras duas crianças. Só mesmo Itachi para conseguir disciplinar e treinar um grupo tão peculiar. Não ficou surpreso sobre estar certo de escolhe-lo para ser o sensei do seu filho.

— Esta um pouco tarde, crianças. Devem ir para casa, já anoiteceu.

Sasuke assentiu e rapidamente seguiu para sua casa dentro do bairro Uchiha. Sakura olhou para o Uchiha que se afastava, ainda gostava muito dele, mas já aprendera a dar prioridade ao que realmente é importante.

Naruto ainda se manteve deitado por alguns segundos, mas logo se levantou e acenou para o pai. Sakura o acompanhou, conversando pacificamente com ele.

Ver o alunos de Itachi evoluindo tanto em tão pouco tempo era um prazer para Minato. Estava feliz pelo parceiro.

— Deveria ir para casa também, senhor Hokage.

Minato sorriu, buscando a cintura alheia e a apertando com carinho.

— Eu vim em uma missão, Uchiha.

Itachi o olhou em expectativa, um sorriso brincando em seus lábios. Se aproximou mais, ficando a centímetros de distância dos lábios carnudos. Não queria parar de olhar para aquele sorriso maravilhoso, porém não conseguia olhar muito tempo para os lábios se movendo sem querer grudar ambas as bocas.

— E qual é a sua missão, Yondaime?

Minato enlaçou sua cintura, os dedos da mão direita fazendo um leve carinho nas suas cortas. Itachi tocou no rosto dele, acariciando a bochecha. Minato estava com aquele olhar derretido que tanto lhe tirava de orbita. Bastava ele o olhar assim para o frio em sua barriga aparecer; a sensação de borboletas voando causava arrepios em sua pele.

— Minha missão é convencer um Uchiha rabugento a jantar na minha casa, e — completou antes que Itachi o interrompesse. — eu mesmo vou preparar a comida. Você não pode perder a oportunidade de comer algo que eu cozinhei.

Minato estava nervoso. Sempre cozinhou bem, melhorou mais quando casou com Kushina que o ensinou alguns truques, porém não evoluiu muito depois da morte dela (consequência de um infortúnio na hora do parto). A questão era que vinha tentando convencer Itachi a passar um tempo na sua casa com Naruto, seu desejo maior naquele relacionamento era formar uma família completa. Dizer que seria preparado especialmente pelas suas mãos foi uma estimulação a mais para faze-lo pensar um pouco antes de negar.

Itachi desviou os olhos sentindo vergonha da expectativa que Minato transmitia no olhar e nas mãos tremulas em sua cintura. A pele dele estava ainda mais bonita sob a luz do luar e era difícil se controlar quando sua curiosidade o instigava a ver como seria o resto do corpo banhado a meia luz.

Estava tentado a aceitar o convite para o jantar, porém se sentia inseguro sobre como Naruto enxergaria seu relacionamento com o pai. Ele só tinha treze anos e pouco sabia sobre amor e companheirismo, porém Naruto com certeza poderia repudiar a ideia de o pai estar ao lado de outro homem.

— Eu não sinto que seja a hora do Naruto saber sobre nós, Minato — disse com calma. — Ele só tem treze anos e com certeza não espera que o pai seja parceiro de outro homem.

Minato soltou a cintura dele e acariciou seu rosto. Itachi sempre pensava nos outros e esquecia de si mesmo, isso de certa forma foi o que mais lhe encantou quando o conheceu mais intimamente. Porém isso também era o que impedia o Uchiha de se arriscar e ser feliz por conta própria.

— Não precisamos dizer a natureza do nosso relacionamento agora, isso serio improprio visto que Naruto não entenderia. Por enquanto eu quero que ele se acostume a nos ver juntos, no mesmo ambiente e assim também goste de você.

Itachi assentiu, no entanto ficou calado. Minato decidiu em deixar ele pensar um pouco. Passou o dedão pelo lábio inferior dele, e bastou esse gesto para Itachi semicerrar os olhos, os negros das íris ficando ainda mais escuros pelo desejo.

Sorriu enquanto encostava os lábios. Como sempre Itachi tinha gosto de dangos, o que vinha se tornando o sabor preferido do Namikaze. Lambeu o fino lábio antes de morde-lo. Itachi gemeu; o gostoso arrepio despertando seu baixo vente, e o corpo já tocando o do parceiro. Abriu a boca e acariciou a língua dele, mas não a fechou no ato, assim o beijo ficou semiaberto e mais obsceno. Sem soltar o cabelo dele, Minato puxou o rabo de cavalo. Itachi, em resposta, passou o braço por trás do ombro, se apoiando no mais alto.

Em uma confusão de baços e pernas, eles se entrelaçaram deitados no macio gramado, ambos repousando na beirada da cachoeira. Estavam se amando sob a luz do luar, somente a água corrente sendo a testemunha das confissões de amor que faziam um para o outro. Minato suspirava tanto pelo sentimento intenso que queimava seu peito quanto pelo prazer que nevoava sua mente. Itachi, por outro lado, murmurava palavras incompreensíveis e se contorcia embaixo do corpo do amado.

E essa era a veracidade do show recheado de paixão, cumplicidade e amor que ambos performaram apenas para as estrelas e a lua assistir. Minato ama Itachi como um tudo, e Itachi ama Minato sem poder explicar como ou o quanto.

E era somente isso que importava.

O jantar foi bem mais agradável do que Itachi poderia imaginar que seria.

Naruto falou muito, sempre entusiasmado com alguma coisa e não parou quieto. Itachi achou engraçado o fato de que ele, um Uchiha criado sob uma família severamente tradicional, gostou e muito do comportamento extrovertido e espalhafatoso do garoto.

Minato não tirou o sorriso dos lábios a noite toda, muito contente por ver o filho se agradar da presença do Uchiha e de Itachi não se incomodar com a personalidade expansiva que Naruto tem.

Foi incrível ver como Naruto era esperto para a idade, de certa forma. Ele nunca tratava Itachi como sensei quando estavam saindo juntos ou conversavam na residência do Minato, e não faltava com respeito ou coleguismo quando Itachi estava o treinando.

E cada vez mais, Itachi se desprendia da visão limitada dos Uchihas ao qual foi criado. Passou a pensar mais em si mesmo e no seu relacionamento com Minato, que ficava mais e mais forte. Também tinha Sasuke, que ficou chateado ao ver que Naruto tinha mais contato com seu irmão do que ele, e Itachi resolveu que seria uma boa ideia levar Sasuke para os passeios e os jantares da casa dos Namikazes.

Sakura também aparecia, porém com menos frequência, já que sua mãe não gostava que ela ficasse tanto tempo fora de casa. Depois de um tempo, Sasuke começou a adotar a casa do irmão como sua e não muito depois já estava morando com o mesmo.

Itachi evoluiu como professor durante o curto período que cuidava do time 7.

Entretanto, Naruto teve dificuldade com o controle do chakra. Primeiro os levou para treinar na floresta, onde eles precisaram subir em uma arvore correndo e ficar pendurado por vinte minutos de cabeça para baixo.

Demorou uma semana para Naruto e Sasuke conseguir esse feito, sendo que Sakura conseguiu de primeira (a mente dela é simplesmente brilhante, então não foi surpresa).

Mesmo com toda a complicação na segunda fase do treinamento, Itachi não desistiu e tão pouco os interrompeu. Aguardou pacientemente acreditando no potencial deles, e o sentimento de completa satisfação preencheu seu peito quando eles conseguiram executar com perfeição a tarefa imposta.

Não poderia descrever o gosto que era observar seu alunos crescerem e melhorarem. Ser quem os ensinou era insignificante diante dos limites vencidos e os novos patamares conquistados.

Sasuke e Naruto lutavam em igualdade e Sakura dava uma surra nos dois, com a força sobre humana e a inteligência aflorada. Uma kunoichi de primeira e o orgulho do time.

Itachi estava satisfeito com quase tudo o que estava acontecendo. Só tinha uma única coisa o incomodando. Minato não desistiu da ideia de torna-lo Hokage, e Itachi precisava se apresentar para ser treinado pelo atual Hokage.

— O conselho de Konoha decidiu a favor da minha escolha para meu sucessor, — Minato falou contente. — Seu treinamento começará semana que vem, se você quiser aceitar o cargo.

Itachi continuou encarando-o impassível. Minato manteve o sorriso forçado, o corpo tremendo e o nervosismo subido. O Uchiha não parecia feliz, ou era impressão sua?

Itachi suspirou, se aproximando do Hokage abusado. Ainda não compreendeu o porquê da insistência dele, ou de onde vinha toda aquela convicção, mas não poderia simplesmente deixar ele fazer as coisas pelas suas costas.

— Eu já disse não vou deixar você destruir toda o seu prestígio colocando um Uchiha para ser um Hogake. — estreitou os olhos, — E não faça nada que envolva meu futuro sem falar comigo, e eu autorizar, outra vez.

Minato negou exasperado. — Você tem todo o direito de recusar, Itachi, porém era meu dever indicar meu sucessor. O seu futuro está em suas mãos, nunca disse o contrário. Não pense que eu o coloquei como sucessor para força-lo a nada, estou ofendido que cogite tal hipótese, sabe bem que eu jamais usaria minha posição para manipula-lo ou obriga-lo a alguma coisa.

Mesmo com a com os olhos azuis repentinamente sérios, a voz dele continuou calma e suave; a fala soando mais como um esclarecimento do que uma reprimenda.

E isso era uma das coisas que mais gostava em Minato: o fato de ele nunca lhe tratar como uma pessoa que devesse submissão por ser mais novo que ele; mesmo a diferença sendo mínima, Minato tem trinta e sete enquanto seu aniversario de vinte e seis estava chegando. Ele também jamais levantava a voz ou lhe tratava com indiferença.

Sempre que tinham um desentendimento resolviam os problemas com dialogo e paciência, Minato sempre muito tranquilo e paciente conseguia levar as conversas com uma leveza invejável.

Como acabou em um relacionamento como esse era um mistério que jamais conseguiria desvendar.

— Me expressei de forma incorreta, desculpe se parentou uma acusação. — disse com o semblante mais brando. — Eu só quero te proteger, não consegue ver isso? — resmungou envergonhado. — Não me sinto capaz de comandar toda uma vila.

Minato lhe ofereceu seu olhar mais gentil e ameno. Podia compreender com clareza todas duvidas e questionamentos que cercavam aquela cabecinha, por muitas vezes, insegura.

— Eu vou estar aqui, Tachi. Não vou a lugar algum.

Naquele momento, isto bastou para que Itachi aceitasse o desafio.

Ninjas de toda Konoha cercavam a sede administrativa onde o Godaime Hokage seria apresentado.

Minato sorria diante dos olhos negros e Itachi queria muito beija-lo naquele exato momento. Ter o apoio incondicional do seu parceiro e do Hokage herói estremecia sua base e gelava seu estomago.

Sua bochecha se mantinha corada pela adrenalina de estar em frente de toda Konoha, no cargo mais alto e cobiçado da vila.

Seu manto, igual a que Minato usava, estava fechado; um dos seus braços por dentro dele e pendurado na brecha antes do primeiro botão fechado. Seu cabelo de fios negros estava solto e o chapéu cobria seus olhos, mostrando somente a boca.

Não sorria, porém não estava sério. De longe seu bom humor irradiando e contaminando a todos.

Foi apresentado e retirou o chapéu.

E, mesmo que ninguém gostasse de um Uchiha, Minato guardava suas costas e zelava por si.

E Itachi não poderia querer nada mais que isso.

“... Vocês não são o que eu pedi

São frouxos e sem jeito algum

Vou mudar, melhorar

Um por um

Calmo como a brisa

Chamas no olhar

Uma vez centrado

Você vai ganhar

São soldados sem qualquer valor

Tolos e sem jeito algum

Mas não vou desistir de nenhum...”

“...Homem ser!

Seremos rápidos como um rio

Homem ser!

Com força igual a de um tufão

Homem ser!

Na alma sempre uma chama acesa

Que a luz do luar nos traga inspiração

O inimigo avança

Quer nos derrotar

Disciplina e ordem

Vão nos ajudar

Mas se não estão em condições de se armar e combater

Como vão guerrear e vencer?...”

May 20, 2018, 5:25 a.m. 4 Report Embed 10
The End

Meet the author

Emily C Souza Não posso dizer que sou tudo aquilo que escrevo, mas tudo aquilo que escrevo tem um pedacinho de mim

Comment something

Post!
MRz Rz MRz Rz
Olá, eu sou a MRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O sistema de verificação atua não só para ver a qualidade da história, como também para observar se a história está de acordo com as normas do site. Sua história está “em revisão”, porque o texto tem alguns erros de concordância que deixam o texto um pouco confuso. São erros pequenos que uma revisão já ajuda a encontrá-los. O Inskpired tem alguns blogs de gramática que dão algumas dicas ou você pode usar um beta reader disponibilizado no serviço de Autopublicação. Depois de corrigido esses erros, é só responder esse comentário para que eu faça uma nova verificação. De resto, a história está ótima!
March 13, 2019, 12:25 p.m.
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá! Que ótima escolha de música, Homem ser é um hino atemporal mesmo, hahaha Gostei de como você criou uma versão alternativa dentro do próprio universo canon de Naruto com o Itachi como sensei e namorado do Minato. A descrição que você fez durante os treinos mostrando o Itachi como um sensei rígido e sensato que não pega leve nem com o próprio irmão ficou muito canon, afinal o Itachi é uma pessoa muito responsável - gênio Uchiha, lindo, maravilhoso - hahaha. Também foi muito legal você ter desenvolvido relacionamento entre o Itachi e o Naruto que é algo muito importante para o Minato, que quer que seu filho e o amado tenham um bom relacionamento cheio de respeito e amizade. O Itachi ter acabado como Hokage nessa versão também foi algo maravilhoso, ele merece mesmo - até no canon ele merecia, se estivesse vivo -, e acredito que apesar de ser um Uchiha, ele realmente teria o apoio da vila por ser um gênio paciente desses e ainda colocar o time 7 na linha hahaha. Entretanto, você poderia ter dado um pouco mais de foco no treinamento do time 7, já que é a parte que realmente condiz com a musica que você escolheu, assim daria para assimilar a musica ao plot sem ser só no finalzinho da fic. Algumas partes do lemon também ficaram um pouco confusas; sugiro que você faça uma revisão mais minuciosa na fic, pois tem alguns errinhos de concordância, mas não é nada que uma um beta não resolva, fica a dica para os próximos. Obrigada por ter participado do desafio e parabéns pela sua história <3
June 23, 2018, 12:03 p.m.
Vany-chan 734 Vany-chan 734
EU TO COMPLETAMENTE ENCANTADA!!!! Vamos por partes: 1) Achei o lemon uma delicinha, juro que não imaginava o Minato com essa “fome” toda KKKKKK Mas devo dizer que gostei da relação que eles mantiveram ao longo da fic, como cada personalidade se manteve a mesma, a doçura do Minato contrastando com o jeito mais calculista do Itachi. 2) A MÚSICAAAAAAA, meu deus, eu não tinha ideia de como você iria explorar ela, mas quando começou a trabalhar o time7 tudo fez sentido na minha mente e posso dizer com segurança que ficou perfeito! Amei de verdade vc ter mantido certos treinos e as falhas de cada um, assim como ter trabalhado as habilidades dele com tudo que meu amado UN oferece! 3) A FANART DA CAPA TA LINDAAAA E COMBINOU CERTINHO, eu imagino o Itachi alguém muito centrado, meticuloso e dissimulado, e essa fanart deixa esse mistério no ar, mas após ler a fic pensei na cena final dele se postando como Hokge! – só faltou o chapeuzinho! 4) To mais que agradecida por ter sido honrada com essa fic, e pra mim foi muito gostoso te ajudar e ver o seu esforço em criar algo que foi um desafio pra vc! AMEI, SIMPLESMENTE, AMEI <3
May 20, 2018, 11 a.m.

  • Emily C Souza Emily C Souza
    O que dizer desse cenário que fez tudo valer muito a pena? O prazer foi meu! Eu vi vc animada com um UN e pensei "pq não?" Eu nunca tinha escrito e teve muitas coisas que eu tive de pesquisar pra não escrever besteira. Eu tbm aproveitei pra mudar algumas coisas que eu nunca achei que tivesse sido legal no Cannon (melhor parte de vc escrever o seu UN hahahaha). Não vou mentir, com a dificuldade que eu tive de encaixar a música e os acontecimentos, eu pense muitas vezes em desistir, mas ver seu intusiasmados me motivou e eu consegui terminar (ver que vc gostou me deixa muito feliz por ter ido até o fim). Obrigado mesmo pelo apoio, e como eu sempre digo, a fic foi mais que merecido, princesa linda <3 May 20, 2018, 11:34 a.m.
~