Lembre-se de mim Follow story

iaranaruhina02 Iara Coelho

".. E assim, no caminho de volta para casa, apenas um pensamento, aliás, uma súplica permanecia em seus pensamentos: Por favor, Hinata, lembre-se de mim.."


Fanfiction Anime/Manga All public.

#oneshot #naminhamesafns #fns #naruhina #songfic #naruto
Short tale
10
5.1k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Estou aqui com essa One inspirada na música The Scientist do Coldplay para o desafio de prompts do FNS. Eu gostei muito do resultado, espero q vcs gostem tmb srsrsrsr

Enfim, Enjoy \0/

Ps- gente, o itálico do início é da história mesmo, e o itálico lá do "final" é a letra da música

*******************************************



OneShot - Lembre-se de mim


E tudo começou assim: com uma troca de olhares. Eu sei, parece meio clichê, mas foi exatamente assim. Eu estava na praia indo surfar, quando na correria me esbarrei nela. Sua primeira atitude foi ficar furiosa, mas quando me dispus a ajudá-la, ela ficou vermelha e envergonhada. E eu a achei tão linda! Ela era linda por inteira, desde o seu cabelo escuro à pele branquinha e leitosa. Baixinha, mas adorável. Porém, foram seus olhos que me cativaram. Olhos de uma cor tão incomum que me lembravam a lua. E que continham um brilho intenso, puro, quente e cativante. E me tornei cativo naquele instante.


Seu sorriso então, ah o sorriso. Esse me arrebatou por completo. Nós nos apresentamos e ela me disse seu nome: Hinata Hyuuga. Um nome estranhamente delicado, como ela própria. Eu, malandro como sempre, já fui jogando meu charme de conquistador barato. Mas ela me deu um fora, olha só, quem diria! E aquilo feriu meu ego e me deixou chateado. Eu disse a mim mesmo que iria sair com aquela garota, e mais, disse que ela seria minha esposa.


Felizmente, o destino parecia estar do meu lado, pois duas semanas depois eu a reencontrei em uma balada. Finalmente consegui seu contato e nos falamos depois. Marcamos de sair, e foi incrível. Aquela mulher era diferente de tudo o que eu já vi. Ela era carinhosa, meiga, uma verdadeira princesa, mas também sabia ser firme e pulso forte. E eu senti isso quando, na ousadia e alegria, tentei enlaçar sua cintura. Ela me deu um bom tapa e disse que não era esse tipo de mulher. E eu? Ah, eu me apaixonei perdidamente.


Saímos outra vez, e outra, e outra. E finalmente, depois do sexto encontro, nos beijamos. E como eu posso descrever isso? Não sei se eu tenho palavras bonitas e elegantes o suficiente pra descrever tal momento. Hinata tinha os lábios mais doces e macios que já provei. Mas não foi apenas isso, quando a beijei senti algo diferente. Meu coração disparou, eu senti uma paz invadir todo o meu corpo, seguido de um alívio sem explicações. Na verdade, eu me senti em casa. Me senti como um nômade, que andava sem rumo e sem direção até que finalmente encontra um lar. Me senti seguro, me senti amparado. Me senti no céu. E foi inevitável me apaixonar ainda mais por ela.


Hinata era meu porto seguro, era o alento da minha alma farta e cansada. Hinata era a minha respiração de alívio, depois de tanto tempo sufocando. Porque a verdade mesmo era que eu apenas seguia minha vida, sem me apegar a ninguém e sem me importar com ninguém, achando que eu não precisava de mais alguém além de mim. Como fui trouxa!


Hinata apareceu como um furacão e revirou todos os meus conceitos e filosofias. Ela arrastou tudo. Ela me desvendou. Me cercou por todos os lados, quebrou minhas barreiras, retirou minha armadura e me deixou exposto. E depois de ver todas as marcas que a vida havia me proporcionado, ela me abraçou e me ajudou a sarar minhas feridas.


Hinata, ah minha Hinata.. Como eu te amo! Daria toda uma vida para ver você feliz.


Hinata era o amor da minha vida, sendo assim, nada mais lógico do que casarmos. E assim fizemos. E foi incrível! Eu era órfão de pais, então tive uma infância e adolescência difíceis, na verdade, poucas coisas eu sabia sobre o amor. Mas Hinata ensinou. Chegar em casa e receber suas boas vindas era a coisa mais importante para mim. E depois que vieram nossos filhos? Nossa, eu me sentia o homem mais realizado do mundo. Boruto e Himawari são meus tesouros, e que me fizeram amar ainda mais aquela mulher. Hinata, ah minha doce Hinata, queria eu que a vida não fosse tão cruel! Mas sim, a vida é.


A vida faz questão de nos jogar no chão quando estamos felizes. Talvez porque não seja justo alguém ser feliz por tanto tempo, mas eu estava gostando de ser feliz. Porém, a vida é uma merda. E te mostra que você também é um merda. E assim aconteceu. Os anos passaram minha Hinata, e eu percebi você diferente. No início eram pequenas coisas, alguns esquecimentos aqui e ali. Algumas atitudes sem sentido. Mas eu acabei não ligando muito pra isso, achei que pudesse ser coisa da idade, já que não éramos mais dois jovens. Mas foi agravando, e agravando, até que chegou o dia em que você me perguntou quem eu era e o que estava fazendo invadindo “sua casa”. Nossa, só Kami sabe o quanto aquilo me assustou e machucou. Você havia me esquecido. E como lidar com aquilo?


Desesperado e extremamente confuso, contatei nossos filhos, já casados, para irmos ao hospital. Então veio o veredito: Alzheimer. E nossa, aquilo me pegou completamente desprevenido.


Mas, como eu disse, a vida é uma merda e faz questão de mostrar que nós também somos. E eu fui tão merda ao ponto de achar que não podia lidar com aquilo. Então deixei você, minha querida Hinata, aos cuidados do hospital. Como fui covarde, não é?


Mas, apesar dessa atitude, apenas um desejo assolava meu coração: o desejo que você lembre-se de mim. Então eu voltei, Hime. Voltei porque não podia ficar longe. Por isso, eu te peço: lembre-se de mim, Hina. Por favor…







— Nossa, que história forte, sr. Uzumaki. Eu amei! Quer dizer, é uma bela história. Trágica, mas bela. Foi o senhor quem escreveu? — Perguntou a bela senhora.


Era uma das pacientes daquele hospital. Não era muito de receber visitas, apenas aquele velho senhor que sempre levava consigo o seu diário, lendo todos os dias para ela, ainda que esta não se lembrasse disso.


O velho sr. Uzumaki suspirou derrotado. Mais um dia em vão. Mais um dia sem resultados. Sentiu os olhos encherem de lágrimas, pois sentia muita culpa. Se não tivesse se acovardado e fugido, se tivesse estado com ela desde o começo, talvez o estado de Hinata não estivesse tão avançado. Olhou-a, o sorriso doce e sereno, deixando o rosto marcado pelo tempo incrivelmente belo. Os anos não a afetava em nada, pois continuava linda. Seu velho coração deu uma batida dolorosa.


— Oh, sim. — Pigarreou, tentando disfarçar a voz embargada — Eu que escrevi. Você gostou mesmo?


O sorriso de Hinata se abriu ainda mais. Como era possível alguém ser tão linda?




Vim para te encontrar, dizer que sinto muito

Você não sabe quão adorável você é

Tinha que te encontrar, dizer que preciso de você

Dizer que te escolhi..





— Hai, eu adorei! Mas é a sua história mesmo? Ou apenas ficção? — Perguntou inocente.


Naruto respirou fundo. Estava doendo demais, não sabia se conseguiria continuar com aquilo.





Conte-me seus segredos e faça-me suas perguntas

Oh, vamos voltar para o começo

Correndo em círculos, lançando cara ou coroa

Caras numa ciência distante..





— É.. Fictício, na verdade. Não é uma história real. — As palavras pareciam espinhos que saem arranhando sua garganta. A dor dilacerando suas entranhas.


— Bem, o senhor tem uma maravilhosa imaginação. Eu adorei, de verdade!!


Outro sorriso. Outra pontada de dor.





Ninguém disse que seria fácil

É uma pena nos separarmos

Ninguém disse que seria fácil

Mas também não disseram que seria tão difícil

Oh, me leve de volta ao começo..





— Mas diga-me, sr. Uzumaki, o Senhor pretende dar um final à história? Quer dizer, o personagem não deixa explícito um possível final. Sua amada se lembra dele? O reconhece? Ou não? — Os olhos perolados que Naruto tanto amava brilhavam sua direção, exalando pura curiosidade.


Hinata, doce Hinata..





Eu só estava analisando números e figuras

Desfazendo os enigmas

Questões da ciência, ciência e progresso

Não falam tão alto quanto meu coração..





— Sim, ela o reconhece no final. E ambos voltam a viver juntos, pelo resto de suas vidas. — Respondeu fervorosamente, quase como uma petição.


Seu coração gritava por um milagre, por algo que o indicasse que realmente tudo acabaria bem.





Diga-me que me ama, volte e me assombre

Oh, e eu corro para o começo

Correndo em círculos, como se perseguindo nossas caudas

Voltando a ser como éramos..





— Que bom! Fico tão feliz!! — Pequenas lágrimas de contentamento desciam pelos olhos perolados.


Naruto se viu arrebatado com aquela visão. Porém, ao olhar no relógio, viu que já não tinha mais tempo. O horário de visita estava acabando. Precisava ir.


— Bem, eu preciso ir. Foi um prazer estar aqui. — Disse com dificuldade.


Hinata o respondeu formalmente e sorriu.


Naruto, movido pela ousadia e por aquele sorriso, abraçou a pequena Hinata, sentindo-se estremecer em seus braços.


— Hime, meu amor, por favor.. Lembre-se de mim.. — Sussurrou, beijando sua testa.


Soltou-se de sua amada velha e virou-se para sair, cabisbaixo.


— N-Naruto-kun..?


Estancou no lugar. Ouviu mesmo aquele baixo chamado, ou era sua mente lhe pregando peças?


Virou-se para Hinata e a viu com os olhos cheios de lágrimas.


— Naruto-kun! — Pronunciou firmemente, avançando para outro abraço.


Naruto estava perplexo. Sem reação. Como aquilo estava acontecendo? Estaria Kami atendendo às suas preces?


— Naruto-kun, Naruto-kun..


Ouvir sua amada o chamando assim mais uma vez o fez despertar para a realidade. Sim, aquilo era real!! Começou a rir, gargalhar de felicidade.


— Hinata!!! — Abraçou-a forte.


Beijou a testa de Hinata e Soltou-se de seu abraço, olhando em seus olhos perolados.


— Fique aqui, Hime. Eu vou chamar o médico pra te examinar. Com certeza ele irá te dar alta e vamos hoje mesmo para casa, ok? — Disse feliz e esperançoso.


Hinata sorriu e assentiu. Naruto saiu como um foguete pela porta. Porém, no corredor, ocorreu-lhe a ideia de que talvez devesse levar Hinata para ver o médico. Talvez assim, vendo como ela estava bem, a dessem alta mais rápido. Decidido, voltou para o quarto, felicidade exalava de seus poros.


Abriu a porta bruscamente, vendo sua amada esposa dar um leve salto, com certeza de susto.


— Hina, eu pensei em..


— Mas que absurdo! Quem o senhor pensa que é para entrar assim no quarto alheio? — Cortou-lhe, a voz com um leve tom de irritação.


A dor veio mais forte dessa vez. Tão furiosa.. Talvez por conta da maldita esperança de finalmente sair daquele pesadelo. Seu coração parecia estar sendo esmagado, tanto que foi assolado por uma leve falta de ar.





Ninguém disse que seria fácil

É uma pena nos separarmos

Ninguém disse que seria fácil

Mas também não disseram que seria tão difícil

Oh, me leve de volta ao começo..





— Eu.. E-Eu… — Não conseguia pensar direito, não sabia o que fazer. Respirou fundo e sentiu a velha e fria Lâmina da tristeza cortando mais um pedaço de seu velho coração — Perdoe-me, senhora. Não foi por querer.


E assim, deixou aquele quarto, deixou aquele hospital, deixou aquele lugar. Porém, apesar da tristeza latente e pulsante, prometeu a si mesmo que voltaria no dia seguinte e tentaria outra vez. E caso não desse certo, voltaria no outro dia, e no outro, e no outro, enquanto vivesse. Pois o arrependimento de ter a deixado uma vez ainda o assolava. E Naruto sabia que a dor até podia passar algum dia, mas a cicatriz ficará para sempre o lembrar de seu erro estúpido.





Ninguém disse que seria fácil

É uma pena nos separarmos

Ninguém disse que seria fácil

Mas também não disseram que seria tão difícil

Oh, me leve de volta ao começo..





E assim, no caminho de volta para casa, apenas um pensamento, aliás, uma súplica permanecia em seus pensamentos: Por favor, Hinata, lembre-se de mim.. 

April 24, 2018, 2:38 p.m. 0 Report Embed 4
The End

Meet the author

Iara Coelho Um pouco tímida e retraída. Escrevo por paixão e amo ler também. Aberta para novas amizades

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~