Short tale
8
5263 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Lee

N/A: IMPORTANTE!
Boa noite gente! Essa fanfic faz par com a fanfic de nome “Breathe” da minha querida marida Boo Alouca (LINK: https://getinkspired.com/pt/story/37957/breathe/). 

É preciso explicar o contexto pra quem não está sabendo, mas estamos representando GaaLee no twitter desde o início da fake tour. As interações se dão por total improvisação, então recentemente não sei como se deu, mas acabamos por protagonizar uma briga colossal que resultou na saída do Gaara de casa e acabou distanciando o casal por uns dias.

Como a gente é bem louca dos dramas, isso nos pegou de uma maneira tão forte que a Boo acabou escrevendo uma oneshot sobre os sentimentos do Gaara no momento em que saiu de casa e eu, em contrapartida, escrevi o lado do Lee. Foi totalmente no improviso e não nos contatamos durante a escrita para deixar tudo mais dinâmico, então eu nem sei se encaixou do jeito certo, mas eu me diverti muito com essa proposta de trazer pra realidade uma das tours mais longas e dramáticas daquele twitter, e espero que vocês gostem!

Um agradecimento especial para Trillian nosso complemento do trisal, que deu um up na capa diretamente do PUTAQUEPARIU.

___________________________________

Uma batida forte, madeira, tijolo e então silêncio na sala de estar.

A porta da frente, agora fechada, não dá mais sensação de abrigo. 

Manchadas, as paredes da nossa casa se transformam em prisão e eu estou atado em meu lugar. Tento mover mãos e meus dedos se sentem inchados por baixo da atadura, tento mover pés, mas os pesos em meus tornozelos apertam mais do que consigo suportar.

O coração bate forte em meu peito, como acontece sempre após uma rodada de treinos especiais e eu nada fiz. Estou cansado, mas não estou feliz. E nada fiz. E nada faço. A cada segundo desperdiçado é um passo a mais que te distancia de mim, que me distancia de nós e eu simplesmente fico aqui.

Reconheço o gosto do medo que me mantém enraizado ao chão.

E eu não faço nada.

Gaara... o que nós fizemos?

Há uma poltrona por perto e eu já não preciso me manter em pé, por isso eu sento e por isso eu choro, mesmo que em silêncio. E é necessário o silêncio porque me falta coragem para interromper a calmaria que a tua partida deixou...

Por mais que o silêncio subitamente me parecesse tão mais doloroso do que os gritos anteriores, havia uma espécie de solenidade naquela falta de barulho que eu não seria capaz de quebrar. Mesmo que pelos motivos errados.

E ainda que eu não consiga diferenciar as lágrimas de tristeza entre as de frustração, eu não seguro e elas escorrem. Porque eu estou cansado, Gaara. E porque eu não sei o que fazer.

Eu não quero mais passar por isso. Não aguento mais ficar assim. Não aguento mais te ver assim.

Não importa o quanto eu tente, minhas prioridades me parecem tão equivocadas e eu simplesmente não consigo suportar o quanto ainda te deixo entristecer. Parece que atingi ao limite e, em algum momento das nossas vidas, o controle simplesmente escapou por entre minhas mãos.

Eu não entendo porque sempre que tentamos resolver alguma coisa acaba se estendendo até transformar em disputa sobre quem está com a razão. Eu não quero isso, Gaara. Não precisamos disso. 

Então, por que insistimos em acabar assim?

Até onde sou capaz de continuar errando com você?

Isso me custa, isso te custa. No fim das contas a razão tem um preço muito alto a se pagar... E daqui de onde estou, só e em silêncio, ela não me parece um prêmio tão importante.

Eu limpo o rosto e me levanto, porque já não tenho o luxo de poder me desfazer assim. Estou sujo, estou exausto, nós perdemos tanto tempo nos violentando e não temos como recuperá-lo tentando nos recompor... E você precisa lembrar, Gaara, tal como eu jamais posso esquecer.

A água do chuveiro é gelada, e ainda permanece gelada porque eu ainda não consertei direito o regulador de temperatura, mas eu até prefiro assim. "O frio clareia as ideias", ouvi dizer, mas tudo o que eu desejava era que também levasse todos os pensamentos ruins embora.

E também as memórias. Eu não preciso delas aqui e agora para me tentar a voltar atrás.

Eu sei, Gaara. Eu conheço as fases da sua vida e vi cada lágrima e sangue que você derramou. Sei tudo aquilo que te faz hesitar e de cada pequeno grande medo que ainda te mantém acordado à noite... E me dói, na agressividade de suas últimas palavras, perceber que você está tão perdido quanto eu.

Mas, meu amor, nós não podemos mais viver desse jeito. 

Eu preciso que você volte, preciso que você fique, mas eu não sei o que você quer. Eu não sei o que acontece. Você está caindo num abismo próprio porque se julga incapaz de amar, e eu não sei mais o que posso fazer. 

Me mostre o que posso fazer, Gaara.

Você se contorce e se retrai em seu casulo, distribuindo as recompensas das pequenas felicidades que você conquistou para todas as pessoas ao seu redor e mantendo para si apenas as pedras do caminho.

Não foram eles, Gaara. Não fui eu, foi tudo você. Foi sempre você. Você nunca precisou da pena de ninguém, você só precisou da chance para provar que eles estavam errados. E tudo o que eu mais quis foi estar por perto para presenciar o quanto você seria capaz de se fortalecer. Por isso fiquei. Por isso fico.

Você é o único que não vê que não precisa comprar a companhia de ninguém. Me diz, o que é preciso para te fazer entender?

Você acha que eu não vejo, acha que eu não percebo, mas você se oculta na multidão que você coleciona e que você exibe, orgulhoso como se fossem os selos mais valiosos de sua coleção. Você se esconde e você desaparece. 

Do que você foge, Gaara? O que tanto te assusta?

Você não é nenhum monstro. Você nunca foi um monstro. Você é forte, você é um sobrevivente. Por que você não consegue deixar que te vejam como eu vejo? Por que você não consegue soltar as amarras que tanto te puxam em direção ao chão?

Às vezes eu erro, e muitas vezes eu esqueço, eu e você não somos iguais. 

Eu digo coisas que sei que podem te machucar, e, mesmo tendo certeza que me custe admitir, eu faria tudo de novo se me fosse dado a chance de voltar atrás. Porque tem certas coisas que me machucam, mas eu não posso abrir mão.

Eu me mantive e eu te forcei. Te acurralei ao ponto que você precisou fugir para não se despedaçar. Isso partiu meu coração.

E me doeu, está doendo até agora. Mas disso eu não me arrependo.

Será que você poderá me perdoar?

Eu já não sou capaz de manter confortável quando testemunho o quanto isso te desfaz.

Eu já não tenho coragem para correr atrás de você e te cobrir com todo os beijos que gostaria de te dar, e todas as carícias que gostaria de proporcionar, e ignorar, e fingir que tudo está bem, quando isso está nos consumindo aos poucos. A nós dois e a tudo que construímos.

Eu já não posso te proteger quando tudo o que está te destruindo também faz parte daquilo que te mantém em pé. 

Eu já não posso mais repetir o totem barato de que tudo vai ficar bem quando palavras vazias já não me servem mais nem como prece.

Eu já não posso mais tomar partido de uma luta que é sua e você é o único que tem o poder de vencer.

Me diz, Gaara, você pode me perdoar?

Quando entro no quarto que deveríamos dividir, o ambiente está escuro e nossa cama está cheia. Eu não sei em que momento se deu, mas de alguma forma eles conseguiram escapar de seus quartos e se amontoar ali. 

Parado ali no batente da porta, eu me perguntei o que você diria se visse Metal e Shinki tão próximos assim sem tentar se matar... Teria sido engraçado e nós dois riríamos se o contexto fosse um pouco menos triste.

E talvez ainda seja. Porque a verdade é que, por mais que me doa nossos últimos passos, eu não consigo acreditar que tenham sido os últimos. 

Podem me chamar de tolo, ou mesmo de sonhador, mas esse pequeno pedaço de nós dois ainda existe, e está vivo. Aglomerado em nossa cama como fazíamos... fazemos, a tantos anos em noites frias de tempestades. Ainda que dessa vez a tempestade tenha sido causada por nós dois.

E eu não quero me desfazer dele. De nenhum deles. Mas eu não posso te culpar.

Não posso te culpar, Gaara, qualquer que seja sua decisão pois eu falhei com você. Falhei com a nossa família.

Não deveria ser eu mais um dos motivos que te mantém insone. Não deveria ser eu mais uma das pessoas a te fazer sentir sozinho.

Não deveria ser eu a te deixar perdido.

Eu permiti que você saísse por aquela porta e não fui atrás. 

Eu não fui atrás nem mesmo sob a perspectiva de que você pudesse nunca mais voltar. E pela primeira vez, pela primeira e última vez, não fui capaz de pedir para você ficar.

Porque eu não sei o que acontece, Gaara, mas de alguma forma, machucado ou confuso, eu confio que você fará o melhor dos julgamentos. 

E por isso, meu amor, eu peço que você me perdoe por não conseguir voltar atrás. Eu peço que me perdoe por não conseguir me arrepender. Eu peço que me perdoe por te dar o espaço que você me pediu e ficar aqui.

Mas você não está mais sozinho.

E eu preciso que você perceba isso.

Eu preciso que você perceba e que você volte.

A pequena Yodo derruba seu bicho de pelúcia no chão, embora o braço de Denki a esteja protegendo da queda. Eu não me atrevo a tira-la dali, só a coloco mais ao meio do colchão e ajeito a manta que já havia sido puxada inteira para o lado do Metal.

Talvez, por hoje, seja melhor eu dormir no sofá.

E sim, eu não sei o que acontece, e não sei onde iremos parar, mas esta é a nossa casa, Gaara.

Haja o que houver... estaremos aqui.

April 24, 2018, 4:02 a.m. 5 Report Embed 9
The End

Meet the author

Políbio Manieri Being alive...

Comment something

Post!
Boo Alouca Boo Alouca
FINALMENTE EU CHEGUEI AQUI! Eu demorei 84 anos? Demorei! Mas eu jamais poderia esquecer de vir maratonar o seu perfil como fiz com o da Pat. Eu prometi que quando chegasse o pc, viria mergulhar aqui e TOMARA QUE EU ME AFOGUE! Eu sempre vou me orgulhar desse nosso trabalho em sintonia, eu sempre vou me orgulhar dessas obras, eu nunca vou deixar de me emocionar ao reler e ao pensar nisso. Eu aprendi tanto e evoluí tanto naquele dia, que eu nem sei como te agradecer por ter vivido aquilo comigo. Como você falou no comentário de Breathe, só a gente mesmo, pra saber o quanto todo esse trabalho foi especial, emocionante ao extremo e prazeroso. Eu tô tão mastigada agora, pela intensidade do lado do Lee, pela lição massiva de "tudo tem dois lados", quanto estava no dia em que aconteceu. Eu nunca tive efetivamente um relacionamento assim, então pra mim, foi um aprendizado que eu tive ao mesmo tempo que o Gaara, que é um puta sem noção pra essas coisas. Uma briga de casal, cotidiano de relacionamento, e um relacionamento adulto, 30 e poucos anos, com filhos... E eu ainda estou surpresa, com o tanto de complexidade e profundidade que se pode tirar disso, que nós escavamos todos os dias de tuor... Por favor, nunca me abandone nessa parceria, eu não me imagino mais, vivendo sem aprender todo dia, uma coisa nova com cada faceta tua. E nessa noite, o Lee mostrou da melhor maneira possível, a mim e ao Gaara, que o amor nem tudo suporta. Ele não é obrigado a suportar. O amor não pode sobrecarregar nenhuma das partes e as vezes, um pouco de rudeza é necessária pra compreensão. As melhores arrumações, provém do caos, e eu amo essa família cheia de intensidade, mais do que amo a maioria das poucas coisas que gosto de verdade. 24 de abril do ano que vem, a gente tem que comemorar a postagem dessas fanfics sim! Ou eu não me chamo Boo! Te amo marida, até que a morte nos separe <3
Aug. 18, 2018, 9:10 a.m.
Mandy Mandy
Eu nunca sei o que é mais arrebatador, ficar estática ou chorar, e agora eu tô aqui paralisada com as lágrimas caindo sem ninguém mandar e pensando "caralho por que eu vim aqui sofrer?" Sabendo que eu sofreria eu li e caralho eu tô sofrendo pau no meu cu mil vezes. Eu amei essa visão madura do Lee, me deu uma perspectiva que eu nunca tinha pensado em ter e agora foi como se a galáxia tivesse explodido e criado uma coisa totalmente nova na minha mente. Se eu tive uma base incrível pro Gaara (e foi nela que eu escrevi Flor do Deserto), agora eu tenho uma base fodida pro Lee. Fui salva pelo spandex.
May 23, 2018, 8:18 p.m.

  • Políbio Manieri Políbio Manieri
    É PRA TODO MUNDO CHORAR COMIGO E COM A BRUNA SIM PORQUE A GENTE FICOU MTO DEVASTADA. VC FAZ A FAKE TOUR PRA SER MONGOL E SAI DE LA COM UNS DRAMA DO CU. Realmente foi a primeira vez que escrevi o Lee +35 e aaaaaaaaa eu só quero mais. É muito preciosinha essa familia! July 27, 2018, 8:12 p.m.
Hasashi Rafaela Hasashi Rafaela
MDS SUA ARROMBADINHA LINDA DO CARALHO, EU NÃO ACREDITO QUE A NOSSA TOUR FOI CANONIZADA. Melhor casal do twitter, melhor casal nenê da vida. Eu consegui visualizar cada situação da tour e colocar no contexto da vida dos dois, dos filhos...mds, que coisa mais linda, Terê! E eu chorei, porque tá lindo. Sério! Parabéns <3
April 24, 2018, 5:34 p.m.

  • Políbio Manieri Políbio Manieri
    AEHOO 2 ANOS DEPOIS MAS TARDO E NAO FALHO. Mulher eu ainda hoje sinto as dores dessa briga meu jesus amado hoaiushd foi mto pesado e to feliz q tenha dado certo! obrigado por ter dado uma olhadinha, sua maravilhosa <3 Seguimos nossos roteiros! July 27, 2018, 8:08 p.m.
~