O Corvo Follow story

gridpudim Grid Pudim

Temari era uma kunoichi incrível e uma das mais cruéis de sua geração. Mas desde que o conheceu passou a entender que assim como ela, ele nunca fora tão cruel como diziam... Os personagens do Naruto pertencem a Masashi Kishimoto. História fictícia. Plágio é crime. Capa – Imagem retirada do Pinterest One-Shoot do Desafio #VemproCrack - Grupo Inkspired Narrador: 3ª Pessoa Betado por: Pan Alban


Fanfiction Anime/Manga Not for children under 13.

#vemprocrack #UniversoNaruto #temari #itachi #naruto
Short tale
6
5832 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

N/A : Olá Pessoas!

Vim trazer a vocês uma proposta diferente de shipp e posso provar que é boa HAHAHAHA
Essa história já estava a muito tempo na minha cabeça e o pessoal do grupo Inkspired deu o empurrãozinho final para que eu pudesse escrever.
Esse aqui é o Desafio #VemproCrack (crackshipp tá, pelo amor de Thor hahaha)
Fiquem vocês com #ItaTema


~~~ 


Sunagakure

O sol brilhava forte e os raios entravam pela janela do quarto de Temari que despertou aos poucos, mais por conta do calor que sentia do que por conta da claridade.

Espreguiçou-se e levantou conferindo as horas. Ainda não dera sete da manhã, horário costumeiro que acordava.

Respirou profundamente e foi até o banheiro. Tomou um banho não muito demorado, escovou os dentes e se trocou antes que seu despertador tocasse. Colocou o leque em suas costas e foi até a cozinha tomar seu café-da-manhã.

Gaara já estava desperto e tomava um suco de frutas perto da pia da cozinha. Percebeu que alguém acordara e olhou para porta quando Temari adentrou.

- Ohayo! – O ruivo disse.

- Ohayo! – Temari respondeu. – Está pronto para a reunião já?

- Kankuro já está lá. – Gaara disse e Temari arregalou os olhos. – Ele disse em uma carta que voltaria da missão de madrugada e iria para a reunião direto.

- Acho que ele quer dormir o restante do dia. – Temari falou colocando suco em seu copo também. – Kankuro está há muitos dias nessa missão no país do Chá.

- Ele merece descanso.

Temari assentiu para o que Gaara disse e resolveram ir para a reunião. Assim que chegaram na sala de reunião no prédio do Kazekage, Kankuro era o único ali e estava com a cabeça deitada na mesa, roncando e babando em cima de alguns papéis. As cortinas ainda estavam fechadas, deixando o ambiente mais aconchegante para a situação de Kankuro.

Gaara ria em ver o irmão daquele jeito, mas, no fundo estava com pena. Kankuro estava trabalhando demais esses últimos dias. Resolveu então, abrir as cortinas vagarosamente para que seu irmão acordasse e ainda tivesse tempo de lavar o rosto para despertar de uma vez antes da reunião. Mas Kankuro não dava sinal de que acordaria.

Temari decidiu acordá-lo, logo todos apareceriam.

- Kank, acorde. – Disse carinhosamente para o irmão que continuava roncando. – Kankuro? – Falou mais uma vez. – Kankuro, acorda! – Agora um pouco mais alto e tocou no braço do irmão, mas nada o fazia acordar. Temari bufou, respirou fundo e então gritou. – KANKUROOOOOOOOOOO!

- Hã? Que? Temari? – Kankuro perguntou descolando o papel da sua boca.

- Pelo amor de Kami, Kankuro. – Temari ralhou. – Como você da trabalho para acordar, credo.

Gaara ria bem baixinho e terminava de abrir as enormes cortinas vermelhas da sala. Temari arrumava os papeis na mesa e Kankuro saira da sala para ir até o banheiro.

Antes que Kankuro voltasse, o daimyou, os senseis e os líderes dos clãs chegavam aos poucos na sala de reunião. Cumprimentaram Temari e Gaara e sentaram-se em volta da mesa redonda. Kankuro apareceu na sala, Temari desconfiava que ele não havia lavado o rosto pois sua pintura estava intacta, mas quando se colocou a seu lado, sentiu um fraco cheiro de café. Concluiu então que seu irmão não passara pelo banheiro e sim foi até a cozinha do prédio do Kazekage pedir um pouco de café para se manter acordado.

Assim que Kankuro se pôs ao lado de seus irmãos. Gaara pigarreou e começou a falar.

- Ohayo! – Todos o responderam. – Convoquei-os porque preciso alertar a todos sobre algo de extrema importância. – O daimyou o olhavam com seriedade e os líderes dos clãs de Suna se ajeitaram nas cadeiras. – Como todos sabem, a quarta guerra ninja está acontecendo. Nós de Suna e outras vilas formamos a Aliança Shinobi, que consiste em juntar forças para que a guerra acabe.

- Mas o que tenho a ver com isso? – Perguntou um daimyou que estava com grande chapéu.

- Nenhum lugar está totalmente em segurança enquanto essa guerra não acabar. E Konoha, que é nossa aliada, é a vila que mais se prejudicou pelo ataque do grupo Akatsuki. – os senseis estavam atentos ao que Gaara dizia. – Os convoquei aqui porque quero lhes avisar que estamos em estado de alerta. Nossos ninjas não poderão fazer trabalhos de menor importância e espero que entendam.

- Então seremos prejudicados por conta dos problemas dos outros? – O daimyou de chapéu grande perguntou.

- Em tempos de guerra não há vantagens! Se não houver união e empatia entre as pessoas, a guerra será por outros motivos também. – Gaara falou seriamente. – Eu estou pedindo para que entendam que nossos shinobis não poderão perder tempo com resgates de gatos em árvores e ajudar em trabalhos domésticos. A guerra virá para Suna como já aconteceu antes e temos de nos unir a outras vilas para que a paz reine e tudo volte ao normal.

- Eu invisto nos shinobis! – O daimyou falou enfurecido.

- Se todos morrerem você não terá como investir e nem do que se queixar. – Gaara já estava perdendo a sua enorme paciência.

O líder do clã Houki que tinha cabelos negros e amarrados em um coque alto falou para Gaara:

- Nós entendemos Kazekage! – Olhou para os outros e viu o daimyou de chapéu bufar. – Não seremos mesquinhos em achar que essa guerra não afetará a todos. São tempos difíceis.

- Obrigado pela compreensão. – Gaara agradeceu. – A reunião está encerrada.

Gaara levantou-se e todos fizeram o mesmo. Se despediram saindo da sala. O último daimyou fechou a porta quando saiu e Kankuro despencou em uma das cadeiras estofadas.

- Ah! Gaara eu preciso dormir, sério! – Kankuro ofereceu ao irmão um pergaminho. – O relatório.

- Ocorreu tudo bem na missão, pelo visto. – Gaara perguntou pegando o pergaminho.

- Está aí o relatório. Sim, foi tudo bem, apenas cansativo. – Kankuro bocejava. – Tomei café, mas não adiantou muito.

- Dispensado, Kank. Vá dormir! – Gaara ordenou e em um piscar de olhos, Kankuro não estava mais ali.

Gaara e Temari trancaram a sala de reunião e foram para a sala do Kazekage que parecia estar soterrada de papeis. Eram pilhas e pilhas de papéis sobre a aliança shinobi.

Documentos importantíssimos que todas as vilas deveriam ter e Temari se propôs a arquivá-los todos por ordem alfabética enquanto Gaara aprontava um grande pergaminho de nível confidencial para a Hokage Tsunade.

O dia se passara e a papelada de Temari se organizava aos poucos. Já eram cerca de 21 horas e Gaara sugeriu que terminassem no dia seguinte. Passaram em um pequeno restaurante e decidiram jantar por ali. Compraram comida para Kankuro e levaram para ele.

Quando chegaram Kankuro estava sentado na sala, descabelado, sem maquiagem e olhando para a parede.

- Tá bem, Kankuro? – Perguntou Temari com um riso anasalado. – Trouxemos o jantar.

- Tô tentando acreditar que consegui dormir mais de três horas. Faz muito tempo que não faço isso. – Kankuro disse sem tirar os olhos da parede.

- Vou deixar seu jantar na cozinha. – Gaara falou.

Temari foi para seu quarto, Gaara foi tomar banho em seu banheiro e Kankuro foi comer.

Assim que Temari entrou, percebeu que a janela estava aberta porque sentiu uma leve brisa que circulava pelo ambiente. Foi até a janela para fechar o vidro e sentiu um arrepio. Olhou para seu braço com os pelos levantados e depois notou que havia um corvo no parapeito de sua janela.

Olhou para o animal e pôde perceber que não era comum, seus olhos eram vermelhos. Temari prendeu sua respiração sem se dar conta e passou a encarar o bicho que a olhava profundamente.

Os dois se encaravam e Temari não conseguia parar de olhá-lo. Sentia como se sua alma estivesse paralisada, não conseguia mover seu rosto, não conseguia respirar e muito menos fechar a janela.

Até ouvir a voz de Gaara em sua porta fazendo com que despertasse do transe e voltasse a respirar pesadamente.

- Temari? – Gaara perguntou vendo que sua irmã estava respirando com dificuldade. – O que houve?

- Não foi nada, só tive uma falta de ar. – Temari disse tentando normalizar sua respiração e fechou a janela.

- Hmm... – Gaara a olhava ainda preocupado. – Tem certeza?

- Sim sim... e o que quer? – Perguntou mudando de assunto.

- Eu senti algo estranho, parecia um chakra, não sei dizer.

- Bom, não veio daqui. Acho que você tem trabalhado demais, Gaara...

- Temari, eu senti. Você tem certeza que não sentiu nada? Não sabe de nada? Você estava pálida. – Gaara perguntou.

- Não, não… E me dê licença, preciso descansar - Temari bocejou fingindo sono e fechou a porta na cara de Gaara. - Boa… noite!

Temari respirou profundamente encostada na porta. Olhou para janela já fechada uma última vez e sentiu um aperto grande no peito.

A imagem do corvo vinha na mente de Temari e sua respiração voltava a ficar descompassada. Ela arrepiava sem perceber e voltou a entrar em transe. Não acreditava que aquilo fosse um genjutsu e nem poderia ser, ele não estava mais vivo.

Quando se lembrou disso, Temari escorregou pela parede como se seu corpo já não tivesse forças. Agachou no canto entre a parede e a porta e ali ficou, encolhida, chorando. O corvo com olhos vermelhos não saia de sua mente.

“Por quê? ” – Temari pensou. – “Por que comigo?”

***

Floresta de Konohagakure – 1 ano e meio antes

Temari corria em direção a Suna, sua viagem era muito longa e cansativa. Havia ficado mais de uma semana em Konoha resolvendo assuntos diplomáticos sobre os exames chunin.

A floresta que rodeava Konoha não era mais um mistério para ela, conhecia cada galho torto em que devia pisar, sabia onde cada pedra estaria e como o clima funcionava por ali. E por esse motivo sentiu que havia algo errado.

Parou em cima de um tronco de uma árvore alta e escondeu-se no meio das folhas. Olhava desconfiada para os lados, tentando achar o real motivo para sua insegurança.

Sua mão estava segurando firmemente seu leque, qualquer movimento estranho e ela o sacaria de imediato.

Ficou ali por um bom tempo, mas absolutamente nada aparecia. Foi então que sentiu frio e percebeu que o céu escurecia, o que era improvável, há minutos atrás o céu estava sem nenhuma nuvem.

Uma pequena movimentação em alguns galhos da sua frente a fez segurar mais forte ainda seu leque e prender a respiração. Mas era apenas um pássaro, um pássaro preto, com olhos vermelhos.

Antes que Temari pudesse pensar em qualquer coisa, percebeu que em sua volta tudo havia ficado de uma tonalidade vermelha, não conseguia respirar direito.

O tronco em que estava simplesmente desapareceu e Temari caiu na imensidão vermelha. Só conseguia gritar, gritar e gritar. O seu corpo não correspondia a seus movimentos.

Fechou os olhos em desespero, implorando para que aquela sensação de queda e paralisia parasse. E assim se fez, quando abriu os olhos sentiu que estava com as mãos e os pés amarrados. Quando olhou ao redor, procurando o que lhe segurava, viu correntes em volta de seus pulsos e tornozelos, mas não conseguiu entender onde estava. Era como se estivesse em uma imensidão, que não tinha fim. Tudo ali era vermelho e preto. Temari estava realmente assustada com tudo aquilo.

- O QUE VOCÊ QUER DE MIM?! – Temari gritou na esperança de ver quem era e o que queria. – SE MOSTRE, COVARDE!

E, assim que Temari gritou “covarde”, enormes olhos vermelhos com riscos pretos apareceram em sua frente.

Temari engoliu a seco, já havia visto aqueles olhos, não cara a cara, mas sabia o que eles significavam.

- É um Uchiha, então? – Temari perguntou, não obteve resposta. E os olhos sumiram novamente. – Só sei da existência de dois. E não entendo o porquê qualquer um dos dois viria atrás de mim.

Temari foi solta e ficou em pé sem nem ao menos entender onde pisava. Apertou seus pulsos, tentando massageá-los para que a dor cessasse.

Agora, no lugar dos olhos grandes, havia o mesmo pássaro que Temari viu antes de estar naquele lugar. Apareceu mais um, e logo outro, agora já eram mais de cinco, e não paravam de se multiplicar. Temari estava extremamente confusa.

Aos poucos os pássaros começaram a voar por aquela imensidão vermelha e os olhos de Temari permaneciam atentos a tudo. Os pássaros formaram a figura de uma pessoa. E aos poucos foi aparecendo com clareza. Era Itachi Uchiha.

Itachi caminhou vagarosamente até Temari, a loira agora só o encarava de braços cruzados.

- Mais um passo e faço você voar pelos ares. – Temari disse já farta dessa brincadeira.

- Como? – Itachi perguntou caminhando ainda.

- Hm? – Temari colocou as mãos nas costas e não achava seu leque. – Devolva.

Itachi não respondeu e continuou se aproximando.

- Eu não vou falar de novo. – Temari falou tentando parecer imponente, mas sua voz saiu trêmula.

Itachi ficou cara a cara com Temari, pegou em seu rosto, sentiu sua pele macia e olhou no fundo daqueles olhos verdes.

Temari estava paralisada, não conseguia fazer nada. Não sentia medo daquele homem, mas sabia quem Itachi era, um Uchiha renegado, um Akatsuki.

Itachi passou o dedão sob os lábios de Temari deixando a loira mais paralisada ainda, estava assustada com o que sentia. Sentia seu coração acelerar e um frio diferente na barriga. Olhava para aqueles olhos vermelhos com riscos de um Sharingan.

- Vou parar de te perturbar, só queria te conhecer... Princesa da areia!

Itachi quebrou seu genjutsu em um piscar de olhos e Temari caiu sentada no tronco em que estava. Colocou as mãos desesperadamente em suas costas a procura de seu leque e lá estava ele, intacto.

Ela olhou ao redor e estava tudo como era antes, Itachi apareceu na sua frente e tinha um sorriso leve em seus lábios. Temari o olhou assustada e, assim que ela conseguiu segurar seu leque, Itachi se transformou em um corvo e voou.

***

Sunagakure - 3 dias após o enterro de Chiyo Baa-sama

Temari dormia como um anjo, fazia algum tempo que não conseguia dormir direito, tanto pelos problemas diplomáticos de Suna, como pelos transtornos e desagrados que a Akatsuki trouxe.

Parecia que desde que encontrou com Itachi pela primeira vez, a Akatsuki vem assombrando seus dias. Mas essa noite, finalmente conseguia dormir.

Temari ressonava tranquila na cama e começou a sonhar que estava aplicando o exame chunin, parecia a floresta que fez o seu próprio exame.

Ela e Shikamaru estavam com alguns papéis em mãos e discutindo sobre as regras. Caminhavam pelo local em que esperariam os genins, conversando. Até que Shikamaru a prendeu com suas sombras. Temari o olhou torto e em um piscar de olhos, não era mais Shikamaru que estava ali. Era Itachi.

- Você de novo. - Ela disse já nervosa. - Me larga!

Itachi simplesmente apareceu perto de seu ouvido e falou:

- Acorde!

Temari acordou assustada, sentou-se na cama e olhou para os lados, mas não via nada. Até que viu os olhos vermelhos de Itachi no canto esquerdo do quarto, no escuro. Quando ia gritar, um outro Itachi apareceu atrás dela e tampou sua boca.

Temari não sabia qual era o Itachi real, se algum deles era um Kage Bushin ou se estava em um genjutsu. Então o Itachi que estava no canto do quarto começou a se aproximar. Ficou na frente de Temari que estava com seus olhos verdes arregalados.

Ele sentou-se na beirada da cama e começou a falar:

- Preciso conversar com você. Mas, como você irá fazer qualquer coisa para que seus irmão ouçam que estou aqui, então ficaremos assim. - Itachi tirou o manto da Akatsuki e voltou a falar. - Quente esse lugar, não? - Falou enquanto dobrara o manto e o segurou com um braço enquanto Temari ainda tentava se desvincular dos braços do outro Itachi. - Primeiramente eu vim aqui por alguns motivos. - Temari parou um pouco de se mexer e olhava fixamente para Itachi. - Primeiro eu quero te contar uma coisa que basta você ver se quer acreditar ou não. - Temari continuava atenta. - Eu não estou na Akatsuki porque sou um deles. - Temari parava de se bater. - Eu sou um espião de Konoha e ninguém sabe disso. Fiz tudo o que fiz para defender a minha vila. Tenho como lhe mostrar. Posso?

Temari demorou a responder, sua curiosidade era enorme mas não poderia esquecer que há poucos dias seu irmão quase fora morto pelos mesmos que usavam esse manto preto e vermelho de Itachi.

Temari voltou a se debater e então Itachi fez contra a vontade dela. Começou a passar, diante de seus olhos, tudo o que Itachi sofrera. Tudo o que o Clã Uchiha representou para Itachi e como sofreu por matar seus pais. Mostrou também sobre as conversas que teve com Hiruzen, sobre entrar para a Akatsuki e às vezes que conseguiu olhar para Sasuke. Temari conseguiu sentir todo amor, todo a dor e todo o sentimento de perda que Itachi sentia em seu coração.

Assim que Itachi a liberou do genjutsu, Temari abaixou a cabeça, respirava ofegante e lágrimas pesadas saiam de seus olhos. Quando levantou a cabeça, percebeu que Itachi não havia saído do lugar.

- Por que você quis mostrar tudo isso a mim? - Temari perguntou com os olhos cheios de lágrimas.

Itachi apareceu de joelhos no chão na frente de Temari e ficou com o rosto colado no seu.

- Eu gosto do seu jeito, princesa. - E se levantou. - Gosto como você é forte e durona. Ouvi muito sobre você. A primeira kunoichi de sua época a ser jounin.

- E qual o problema? - Temari perguntou nervosa já e Itachi sentou-se do seu lado.

- Problema? Nunca falei que era um problema e sim o porquê você chama minha atenção.

- Fala logo o que você quer ou eu te jogo da janela. - Temari disse com a cara amarrada.

- Quero isso!

Itachi beijou Temari de uma vez. Não esperou que ela deixasse, então fez logo. Mas Temari deixou. Foi seu primeiro beijo, um beijo com um renegado. Com o membro de uma organização criminosa que tentou matar seu irmão. Onde ela estava com a cabeça? Quem garante que tudo aquilo que ele mostrou a ela, não era mentira?

Temari deu por si e se desvinculou do beijo.

- Saia!

Itachi levantou-se e apenas respondeu os pensamentos de Temari.

- Eu não menti e você sabe.

Itachi transformou-se em um corvo e voou pela janela que misteriosamente se abriu, deixando para trás apenas uma pena preta caída no chão, Temari a pegou e ficou encarando-a. Respirou fundo e olhou para a janela sentindo um arrepio.

***

Os dias se passaram e Temari sonhava com Itachi todos os dias, algumas vezes só haviam corvos nos sonhos, ás vezes ele aparecia de relance, mas sempre estava lá.

Faziam aproximadamente 15 dias que Temari acordava assustada e sempre no mesmo horário. Já estava começando a ficar de saco cheio daquele jogo. Então, resolveu passar a 16ª noite em claro no prédio do Kazekage, adiantando alguns papéis que precisavam ser revisados com urgência.

E exatamente, às três horas da manhã, Temari ouviu batidas na janela. Se assustou em primeiro instante, mas preferiu olhar para o relógio primeiro antes de olhar para a janela. Temari sabia que era ele. Essa era a hora que ele a visitara todas as noites em seus sonhos e sempre quando acordava assustada, conferia em seu relógio ao lado da cama, sempre o mesmo horário.

Itachi transformado em corvo bateu mais uma vez, Temari bufou e levantou-se da cadeira. Foi até perto da janela e cruzou os braços. O corvo bateu de novo e Temari abriu a janela fazendo com que Itachi entrasse.

- O que quer afinal? - Ela disse enquanto Itachi voltava a sua forma humana.

- Preciso falar de novo?

- Porque você quer ficar comigo. Por Kami, estamos em guerra. Você não devia pensar nisso. - Temari falou mais alto do que imaginava.

Itachi começou a tossir, colocou uma mão na boca e outra na barriga. Tossiu algumas vezes e Temari se assustou quando viu que corria sangue pelos dedos magros de Itachi.

- O que está acontecendo? Você está ferido. - Temari colocou uma mão nos ombros de Itachi e o levou para um sofá. E Itachi tossiu mais uma vez.

- Não, tá tudo bem. - Voltou a tossir.

- Ah claro, você vem aqui, fala que quer ficar comigo e tosse sangue. - Temari foi buscar um kit de primeiros socorros. - Infelizmente eu não tenho como fazer mais que isso por você. - E mostrou o kit para Itachi.

- Obrigado, mas meu problema não se resolve assim.

- Então me conte. - Temari pediu e Itachi pegou da mão dela algumas coisas para limpar o sangue.

- Eu só quero que confie em mim. - Itachi olhava nos olhos de Temari. - Não quero falar disso com você.

- Então como que eu vou confiar em você? - Temari perguntou. - Você é um Akatsuki, meu irmão quase foi morto por um de vocês…

- Deidara me surpreendeu, confesso… - Itachi limpava a boca. - Eu não quero caçar bijuus. Já te falei o que faço na Akatsuki.

- Eu não entendo, Itachi. Você está na Akatsuki como espião de Konoha, matou seu clã para não haver uma guerra dentro da vila. As pessoas te odeiam ali…

- Eu não ligo… Temari, eu tenho pouco tempo de vida…

- Como assim?

- Eu não quero te falar mais do que falei, você já sabe o mais importante, eu só quero que você acredite no que eu te falo. - Itachi levantou. - Temari, eu vou ser bem franco com você. Eu tenho um objetivo de vida, e eu irei cumprir, que é proteger meu irmão e torná-lo em um grande shinobi.

- Você sabe que ele te odeia, não é? - Temari falou e Itachi começou a rir.

- E que continue assim… - Temari parecia não entender muito. - Um dia você vai entender.

Itachi estendeu a mão para Temari para que ela também levantasse, e assim ela fez.

- Eu quero passar o pouco de tempo que ainda tenho com uma mulher incrível. - Itachi deu um sorriso bobo.

- E você me conhece, por acaso? - Temari perguntou.

Itachi deu uma gargalhada alta que fez Temari se assustar.

- Eu não estou te pedindo para você me amar. - Itachi disse pegando o queixo de Temari. - Eu sei que você gosta de um Nara. Sorte a dele.

- O que? Como assim!? - Temari saiu de perto de Itachi e encheu um copo d’água.

- Tudo bem, seria egoísmo da minha parte. - Itachi caminhava para perto de Temari. - Eu só quero te pedir isso, Temari. Só quero passar o pouco do tempo que me resta perto de você.

Temari fingiu que não ouvia e colocou água em um copo para Itachi também, voltou a cruzar os braços e olhou pela janela. Itachi a olhava com ternura, ele não mentira a ela, só achava aquela quase mulher uma shinobi formidável.

Obviamente se sentia atraído por ela fisicamente, Temari era linda, uma das shinobis mais bonitas que já vira. Mas seu objetivo era diferente de tudo aquilo, Itachi tinha em mente que morreria por Sasuke e isso não estava longe de acontecer. Também não queria prender Temari a um amor que ele não conseguiria lhe oferecer, até porque seus dias estavam contados. O que Itachi queria era simplesmente ter algum tempo com ela e só conseguiria se arriscasse, mas não forçaria Temari, nunca, a nada.

Decidiu então que deixaria ela pensar, não se submeteria a correr atrás de alguém que não o quer.

Colocou o copo na mesa e Temari seguiu seus movimentos com os olhos. Itachi abriu mais um pouco a janela e quando Temari percebeu que ele iria embora, ela agarrou sua mão.

- Para onde você vai? - Perguntou de cenho franzido.

- Eu não vou te forçar a ficar comigo, se não quiser, eu respeito. - Disse Itachi olhando para a loira.

Temari o puxou para baixo e o beijou, agora era a sua vez de revidar o susto. Itachi arregalou os olhos e ainda com os lábios selados, ficou por alguns segundo imóvel, até envolvê-la aos poucos em um abraço.

Itachi apertava a cintura de Temari colando-a mais em seu corpo, fazendo com que ele pudesse sentir o coração dela pulsando rapidamente.

Ficaram algumas horas se beijando e abraçados, mas não falaram mais sobre nada além deles dois. O sol começou a aparecer e Temari pediu para que Itachi fosse dessa vez, ninguém poderia saber sobre eles, muito menos que se encontraram ali. Então, Itachi selou o último beijo nos lábios de Temari, se transformou em alguns corvos e sumiu pelo céu que ainda não estava totalmente claro.

***

Itachi aparecia pelo menos duas vezes por semana no quarto de Temari, ou onde quer que ela estivesse, mesmo que transformado em corvo, ele estava lá a olhando.

Temari sempre sentia quando Itachi estava por perto, se ela estivesse em alguma missão, Itachi passava voando próximo a ela e sempre deixava cair uma pena.

Eles passaram a se dar muito bem, melhor do que Temari podia imaginar, viviam contando coisas de como era serem irmãos mais velhos e acabavam sorrindo um para o outro com o silêncio que se seguia. A loira vivia esperando pela chegada de Itachi para lhe contar sobre as coisas que acontecera com ela ou pelas presepadas que ela e os irmãos se metiam.

Itachi preferia que Temari permanecesse deitada, ele se escondia dentro do quarto e a colocava em um genjutsu. Conseguia controlar o chakra com perfeição para que os irmãos de Temari não o sentisse e assim eram seus encontros.

Temari não se importava, aquelas eram as horas que ela mais conseguia rir e se divertir, Itachi também, ficava ansioso para estar ao lado dela.

Kankuro já estava desconfiado que a irmã vivia de bom humor, já Gaara não entendia nada e até ajudava Temari em suas desculpas de que Kankuro estava louco e enciumado por besteira.

Toda vez que Temari contava alguma das histórias de ciúmes de Kankuro, Itachi morria de rir e depois a beijava, falando que infelizmente o irmão dela tinha razão, mas irmãos mais velhos nunca devem concordar com os mais novos. E os dois caiam na risada.

Até que um dia Itachi chegou para seus encontros rotineiros com Temari e começou a tossir demais. E Kankuro bateu na porta do quarto dela.

- Temari? Você tá bem?

- Tô sim Kankuro! Foi só uma crise de tosse. - Temari disse tentando esconder Itachi em qualquer lugar que não desse pra escutar ele tossindo.

- Mas você nunca teve isso. - Kankuro perguntou preocupado.

- Relaxa, tá tudo sob controle.

- Qualquer coisa me chama. - Kankuro falou indo para o seu quarto.

- Tá bom! - Temari disse e Itachi finalmente parou de tossir.

Pegou algodão dentro de seu banheiro e molhou na pia. Passou na boca de Itachi e falou baixo para que só ele ouvisse:

- Você não vai me contar porque é que você tosse tanto?

- Não acho que você deva se preocupar com mais isso, já tem uma vila inteira pra cuidar. - Itachi disse deixando que Temari cuidasse dele.

- Eu não quero que você se vá de vez. - E uma lágrima escorreu do rosto de Temari.

- Ei! - Itachi pegou o rosto dela. - Não é para você sofrer, estou cumprindo o meu objetivo e quero que você cumpra os seus, Temari. Você merece ser feliz!

- Você também, Itachi! - Temari não conseguia fazer com que suas lágrimas parassem.

- Eu serei, quando meu irmão se tornar um grande shinobi. - Itachi tossiu mais uma vez, mas dessa vez não cuspiu sangue. - Não se preocupe comigo, prometa isso pra mim.

- Não! - Temari falou e fez uma careta. - Eu me preocupo sim, você me cativou, como não vou me preocupar?

- Só fiz isso porque acredito que você é uma mulher forte, saberá lidar com tudo isso e será feliz porque esse também é meu objetivo.

- Itachi, por favor, pare! - Temari não conseguia não chorar.

Itachi já estava limpo, então pegou o rosto de Temari e a beijou. Aquele seria o último beijo e ele fez questão de ser o melhor de todos. Itachi e Temari não transaram aquela noite, mas Itachi declarou seu amor por Temari. Disse o quanto a achava incrível e que alguém muito especial a faria feliz. Falou que Temari era uma mulher forte e inteligente e precisava de outro homem assim ao seu lado.

Dormiram abraçados em um genjutsu, e Itachi foi embora antes de Temari acordasse, deixando um beijo em sua testa como despedida. Antes de sair do quarto, Itachi engolia a seco e uma lágrima rolou de seus olhos. Se transformou em corvo e saiu, deixando cair, como de costume, mais uma pena.

Temari acordou algumas horas depois com Gaara batendo na porta dizendo que ela estava atrasada. Levantou assustada da cama, se trocou e pisou na pena que Itachi deixara escapar. Colocou a pena em uma caixa que ela costumava a guardar todas as que ela conseguia.

Passou o dia todo avoada e com uma cara triste, não tinha como ficar feliz, sabia o que ia acontecer a partir de agora, mas teria que se colocar em seu lugar.

Saiu algumas vezes do prédio do Kazekage para respirar melhor mas nada parecia tirar aquela angústia de seu peito.

Quando voltou para casa, fez o jantar e não deu a mínima para as gracinhas que Kankuro fazia. Entrou em seu quarto e pegou todas as penas de Itachi que estavam guardadas, as abraçou e começou a chorar. Era um choro triste e sentido. Ela sempre esteve ciente de tudo, Itachi nunca escondeu que seu objetivo era Sasuke e ela respeitava. Era irmã mais velha também, sofreu muito na infância e sabia o quanto Itachi estaria feliz em ver que seu objetivo seria cumprido.

Temari acabou dormindo com as penas em seus braços. Sonhou que estava em Konoha, caminhava pela a vila e não via nada e nem ninguém, continuou caminhando e quando chegou perto de um lago, viu Itachi ali sentado, correu para falar com ele.

- Itachi, você… está vivo? - Perguntou afoita.

- Ainda sim, por isso estou aqui. - Falou com um sorriso no rosto. - Estou com Sasuke, não se preocupe.

Temari sentou ao lado de Itachi e o abraçou sem pedir. Começou a chorar e Itachi percebeu.

- Ei, ei! Não chore! Eu estou feliz, meu irmão está muito forte, melhor do que eu poderia imaginar. - Itachi limpou as lágrimas de Temari.

Ficaram abraçados por todo aquele tempo, rindo e conversando de coisas aleatórias, até que Itachi começou a tossir de novo.

- Temari… - Tossia sangue. - Eu não ficarei muito tempo… Eu só quero te dizer que passei os melhores dias da minha vida com você. E espero que você pare de guardar seus sentimentos por aquele garoto. - Tossia mais. - Eu te amo! Mais você merece mais… - Itachi começou a desaparecer, estava cada vez mais translúcido e Temari já não o conseguia ouvir.

- Não volte, Itachi! Não, volte aqui! - Temari tentava pôr a mão em Itachi, mas não adiantava, sua mão transpassava o corpo quase transparente dele.

- Temari! Eu te amo! - E sumiu.

Temari acordou chorando e assustada, as penas de Itachi desapareceram de seus braços. E quando olhou pela janela, pôde jurar que vira a imagem de Itachi sorrindo, com o sangue na boca. Temari saiu correndo de sua cama, abriu a janela e gritou.

“NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOO!”

April 5, 2018, 8:39 p.m. 8 Report Embed 2
The End

Meet the author

Grid Pudim PERFIL DESATIVADO ESTOU EM OUTRAS PLATAFORMAS COM O MESMO NOME!

Comment something

Post!
Alice Alamo Alice Alamo
Oii! Nossa, eu li essa fic assim que você postou, acredita? Eu tava mega curiosa para ver como você iria juntar o Itachi e a Temari logo no universo Naruto! Então, para começar, meus parabéns por ter participado do desafio! Espero que tenha gostado <3 Eu amo a Temari, é uma das minhas personagens femininas preferidas, uma das mais fortes, e eu amei ver a forma como você não tirou essa força dela ao inserir um romance justo com o Itachi. E eu gosto muito do corvo, acho enigmático e eu estranharia demais se você não colocasse isso na história porque é algo que caracteriza muito o Itachi no anime. E o Itachi mostrar toda a verdade para ela de fato era a única forma que eu veria ela aceitando o Itachi. E eu gostei bastante do modo como eles interagiram, achei que eles mantiveram uma relação de confiança e de cumplicidade, sabe? A Temari sendo um apoio para ele, mesmo longe. Achei incrível isso. Ah, e como foi bom não ler sexo explícito! Eu gostei muito mesmo de não ter sexo deles na fic porque reforçou o que eu disse, o sentimento de cumplicidade deles foi o que predominou durante toda a fic e eu, nossa, curti muito isso. Sério, demais. Uma coisa que notei! Você usa as cores de cabelo para se referir aos personagens, "a loira", "o ruivo", etc; não é um erro, mas o ideal seria sempre se referir aos personagens pelos nomes ou pronomes. Como não é um erro, fica muito à sua escolha <3 Ah, e teve um detalhe, que foi o uso de hífen em vez do travessão. Mas só isso! Ficou muito bom. Espero que tenha gostado de participar do desafio! Parabéns <3
May 10, 2018, 5:28 p.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    Que bom que gostou <3 Obrigada pelas dicas e o hífen é uma mania feia que eu tenho que estou tentando parar HUAHUAHUAHUAHU é que é o mais rápido pra usar UHAHUAHUAHUAH Adoro quando me ajudam com a escrita, to começando a escrever agora, faz 1 ano no máximo, e você falando que gostou da história já é uma honra pra mim <3 Obrigada mesmo May 11, 2018, 12:22 p.m.
Bárbara Maria Bárbara Maria
Já tinha visto o ship em outras fics AU, mas nunca em original, ou com eles com um envolvimento tão profundo assim. Acho que combinam, suas pessoas inteligentes e fortes, embora eu seja Shikatema ROXA kkskaska Parabéns pela fic! <3
May 4, 2018, 11:46 a.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    AAAA eu sou mega ShikaTema também, pra mim, meu shikatema sempre fica junto no final uhauahuahauhauh Obrigada por ler <3 May 7, 2018, 7:40 p.m.
Gabriela Garcês Gabriela Garcês
Amei. Eu nunca pensei que gostaria de ItaTema, mas colocando-os juntos nessa história... Meus parabéns viu. Apaixonante.
April 28, 2018, 3:21 p.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    Obrigada por ler <3 Fico feliz que tenha gostado May 7, 2018, 7:38 p.m.
Karimy Karimy
Jamais pesei em ler uma história onde esses dois ficassem juntos. Nossa, como sofro pela vida e morte do Itachi! Queria mesmo que ele tivesse tido a felicidade de ter, pelo menos, passado seus últimos dias de vida ao lado de alguém que se importasse com ele de verdade, como Temari mostrou se importar! Muito legal a história! Beijos, autora!
April 21, 2018, 10:57 a.m.

  • Grid Pudim Grid Pudim
    Muitíssimo obrigada por ler <3 April 24, 2018, 1:40 p.m.
~