Uma virada no destino Follow story

nelianemalfoy Neliane Malfoy

Trunks sofreu uma grande decepção amorosa, que lhe custou várias coisas, não somente no campo sentimental, mas também no material. Arrasado com tudo, Trunks caiu no fundo do poço. Todos assistem a sua degradação e tentam ajudar, mas será que conseguirão? Será que Pan e Bra conseguirão ajudar? E Bulma conseguirá achar uma solução? Casal - Trunks e Pan


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only. © Todos os personagens de Dragon Ball Z pertencem a Akira Toriyama e não a mim.

#romance #drama #Dragon-Ball-Z #Pan #Trunks #Marron
5
5909 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Problemas!

Trunks com seus 38 anos de idade, estava desiludido com o amor, tudo por causa de um casamento que não deu certo, não por ele, mas por Maron. Ele se apaixonou cegamente pela loira, que engravidou, e logo o fez comprar casas e apartamentos, para depois de três anos de casados pedir o divórcio, sem motivo aparente. O pior disso tudo foi quando ela confessou que nunca o amou, só estava com ele por causa do dinheiro e da boa vida.


Na separação Trunks teve que dividir todos os bens comprados durante o casamento, além de ser obrigado pela justiça a dar uma boa mesada por mês a Maron, isso foi o grande trunfo dela, além do que com separação o filho do casal passou a receber uma pensão gorda, pois ficou com a mãe.


Após o divórcio Trunks afundou na bebida e na companhia constante de várias mulheres, isso estava acabando com sua vida, quem tinha que aturar ele era sua família, apesar deles não morarem na mesma casa. Por causa dessa vida ele começou a faltar ao trabalho, ou a chegar bem tarde nele, sempre perdendo reuniões que eram encobertas pela irmã que era vice-presidente e por Pan, que era assessora da presidência. Isso tudo já estava ocorrendo há seis meses, ninguém estava agüentando aquela situação, mesmo Vegeta que no momento não falou nada, estourou ao ver a esposa aos prantos pelos cantos. Bulma tentava arquitetar um plano para tirar seu filho daquela situação, mas ainda não tinha encontrado nenhuma solução, isso a deixou indignada. Kuririn e 18 que uma vez freqüentavam a mansão dos Briefs nunca mais apareceram depois do golpe que a filha deles deu em Trunks, estavam muito envergonhados.


Nesse momento na corporação cápsula, Pan olhava de forma insistente para o relógio em cima de sua mesa, já se aproximava das dez da manhã e nada do seu chefe chegar ao trabalho, suspirou mais uma vez em desânimo, nunca na vida pensou que Trunks iria descer ao fundo do poço dessa maneira. Quem o conheceu a vida toda, estava surpreso com rumo dos acontecimentos, pois ninguém imaginou que ele iria se entregar a dor, ao sofrimento e também a bebida e ao sexo desenfreado, usando as mulheres somente como objetos, com sentimento nenhum. De repente seu devaneio foi interrompido pela entrada exasperada de Bra em sua sala.


– Pan, eu não agüento mais isso, olha o horário e me diz cadê o Trunks? A reunião começa as onze e nada dele – Indagou nervosa a garota de madeixas azuladas, para depois encarar a amiga.


– Bem, chefinha, eu sinto lhe informar, mas acho que ele só vai aparecer aqui na empresa na parte da tarde – Respondeu sincera a neta de Goku.


– Mas que droga! Maldita Maron, acabou com meu pobre irmão – Praguejou a filha de Vegeta sentando-se de frente para a morena.


– Nem me fale, dá vontade de encher ela de porrada – Esbravejou a filha de Gohan, cruzando os braços.


– Dá! Mas somente não fiz isso, por causa do meu sobrinho – Bra replicou indignada.


– O Trunks tem que se reerguer, tem que pensar no filho dele – Desabafou a garota.


– Pan, me faz um favor? – Perguntou a garota de cabelos azuis se levantando.


– Depende... – Resmungou pressentindo algo não muito agradável.


– Por favor, vá até o apartamento do Trunks e traga ele para a reunião, tentarei atrasar a reunião até as onze e meia – Suplicou a vice-presidente.


– Eu vou morrer apertando o interfone e ele não vai me atender – Gesticulou apreensiva a assessora.


– Não seja por isso, pegue essa chave aqui, é do apartamento dele – Retirou do bolso e depositou na mesa.


– Bra, eu não posso ir lá, vou invadir a privacidade dele e vai saber o que posso encontrar lá.. – Argumentou receosa a morena.


– Eu entendo o seu medo, mas vai por mim, a essa hora quem passou a noite com ele já deve ter ido embora – Ponderou pensativa a vice-presidente.


– Isso você supõe não é? E se ele estiver pelado e ainda acompanhado? – Perguntou vermelha.


– Relaxa Pan, não vai acontecer nada, ele deve ter perdido a hora de novo e com certeza a pessoa que estava com ele já se mandou – Bra insistiu cruzando os braços.


– Está bem... eu vou! Mas fique sabendo que se ele ficar furioso, vou dizer que foi você que me mandou lá – Ameaçou ao pegar a chave do apartamento de seu chefe.


– Acho que ele nem vai ligar.. Desejo-lhe sorte – Murmurou antes de sair da sala – Quase ia esquecendo essa outra chave aqui é da entrada do prédio – Deu a outra chave para a amiga e se retirou.


– Não estou com um bom pressentimento sobre isso – Falou em voz baixa pra si mesma, antes de salvar os arquivos em que estava trabalhando e desligar o micro.


Ao estacionar seu carro na frente do prédio luxuoso onde Trunks morava, uma sensação estranha tomou conta dela. Medo? Esse sentimento somente poucas vezes sentiu, fechou os olhos por alguns segundos a fim de se equilibrar de novo.


Saiu do veículo e foi até o saguão do prédio, com a chave que Bra deu e conseguiu adentrar sem nenhum problema, esperou o elevador abrir, para ingressar rapidamente e apertar o número dez, que levaria ao décimo andar, onde o duplex de Trunks ocupava o andar todo, mais o décimo primeiro andar, onde ficava a cobertura.


Ao entrar no apartamento, Pan sentiu um cheiro forte de bebida, fechou a porta atrás de si e caminhou até a sala, onde se deparou com várias garrafas vazias de vinho espalhadas pelo tapete azul marinho, balançou a cabeça em desaprovação e seguiu até a escada para subir para o andar superior. Já no segundo pavimento do duplex, Pan foi encontrando pelo caminho roupas jogadas no chão do corredor, engoliu em seco, imaginando o pior, aproximou-se lentamente para não fazer barulho e pode avistar a porta do quarto de seu amigo entreaberta e hesitou um pouco em invadir o local.


Continua

-

March 31, 2018, 12:19 a.m. 0 Report Embed 5
Read next chapter Amizade Incondicional

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 14 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!