(2018) Por Gaara Follow story

alicealamo Alice Alamo

Gaara havia mudado muito naqueles anos todos, não era nem a sombra do que tinha sido na infância antes de conhecer Naruto, ele era finalmente feliz. E, se Ino fazia parte daquilo, se era preciso arriscar a própria vida para que aquela felicidade continuasse existindo, não falharia com Gaara como na infância, não hesitaria jamais em garantir que o irmão pudesse enfim viver em paz...


Fanfiction Anime/Manga All public. © Todos os direitos reservados

#Naruto #Gaara #Ino #GaaIno #Kankurou
Short tale
8
6971 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Notas iniciais: Fic feita para Grid Kinomoto que achou essa imagem linda <3


Pesado, o corpo desacordado de Ino em suas costas era pesado, e Kankurou tropeçava já pelo cansaço e desespero. Olhou para trás pela quinta vez, o medo o fazia refém, a ideia de que os inimigos ainda estavam por perto o fazia respirar fundo e se esforçar para ignorar a dor que latejava de todos os ferimentos de seu corpo.

Quando Gaara o tinha enviado com Ino e mais alguns shinobis para aquela missão, todos sabiam que o perigo era eminente. Via, nos olhos do irmão mais novo, o medo que ele tentava esconder por ter que enviar Ino para aquele serviço, mas Gaara era o Kazekage, ele não podia colocar os sentimentos pessoais a frente da vila e sabia que Ino era essencial para o sucesso daquela infiltração.

Haviam descoberto mais um laboratório clandestino nos arredores da Vila da Areia, no meio do deserto onde achavam que nunca procurariam. A missão inicial era que invadissem o laboratório sem deixar pistas e coletassem as informações necessárias para organizarem uma intervenção, a captura dos traidores e o resgate das cobaias, se houvesse. Ino foi o primeiro nome na cabeça de todos, até mesmo dos conselheiros, quando Gaara comunicou que reuniria uma equipe para isso.

Ino havia se mudado para Suna logo após a guerra para auxiliar a Vila da Areia com sua reforma medicinal e construção de estufas, fazia parte da aliança entre Suna e Konoha, mas não fazia parte da aliança os encontros escondidos entre ela e Gaara, o modo como se olhavam, como sorriam um para o outro, como se apaixonavam...

Eles eram discretos, Kankurou mesmo só havia percebido porque... bem, ele não tinha percebido, havia ouvido Gaara rir em seu escritório e, quando abriu a porta da sala, vira Ino sentada no colo dele, beijando-o. Depois disso, tudo tinha ficado óbvio. Gaara adquiria um brilho nos olhos verdes quando Ino entrava em seu escritório, ficava aéreo quando ela partia para Konoha por algum motivo, sorria com facilidade quando ela lhe pedia para andarem pela vila, mesmo que o sol queimasse a pele desacostumada com o calor dela ou o frio da noite a fizesse xingar alto quando se esquecia do casaco.

Ela não gostava de Suna, mas se esforçava, e Kankurou apostava que ela fazia isso apenas por Gaara. Apesar de preferir Konoha, Ino sempre se mostrava interessada por Suna, ouvia atentamente tudo o que Gaara explicava, sugeria melhoras, esforçava-se ao limite para que Suna prosperasse, era querida pelos moradores e, acima de tudo, ela trazia luz e paz para o Kazekage deles.

Em certo ponto, Gaara já não era capaz de esconder bem o que sentia. Quando estavam próximos, o braço dele tocava a cintura de Ino automaticamente, como se a proximidade lhe fosse vital. Ela arrumava o cabelo dele sem se importar com quem estava olhando, e ele permitia e sorria de leve enquanto a admirava de maneira apaixonada. Ninguém tinha dúvidas mais de que Ino havia requisitado para si aquilo que muitos um dia duvidaram que Gaara tivesse: seu coração. E ele o entregou, sem medo, sem ressalvas, por completo.

Mas então as notícias de experiências clandestinas começaram, e Kakashi começou a precisar do clã Yamanaka. Ino voltou para Konoha a fim de ajudar Naruto e Shikamaru nas pesquisas, ela ficara meses longe, e toda Suna pareceu perder seu sol. Gaara tentava se manter firme, forte, contudo, tudo isso ruiu como um castelo de areia quando souberam que Ino invadira sozinha um dos laboratórios, infiltrada, dominando a mente de um dos cientistas enquanto seu corpo desacordado era velado por Shikamaru.

Gaara não aceitou bem aquilo. Kankurou viu a areia se agitar como há tempos não acontecia, acompanhou o irmão até uma parte afastada do deserto e o viu descontar toda a frustração na terra árida. Ino estava sob um risco além do esperado, e Gaara não sabia lidar com o medo dominava sua mente.

Ele não dormiu. Soube pelos guardas que Gaara não dormia há alguns dias, e a expressão cansada dele enquanto examinava os documentos confirmava isso.

— Ela voltou — foi o que disse e, diferente dos dias anteriores, Gaara finalmente pareceu ouvi-lo.

Os olhos verdes se arregalaram, e o tão concentrado Kazekage pareceu um homem qualquer ao tirar a capa e o chapéu do posto e correr para fora do escritório em direção à entrada da vila. Quando os portões se abriram, nem Ino nem Gaara se mexeram. Ela sorria, abertamente, os olhos azuis enchendo-se gradualmente com lágrimas enquanto que Gaara parecia estar encarando um oásis após dias no deserto. Como sempre, ela deu o primeiro passo na direção dele, mas, dessa vez, na frente de todos, Gaara adiantou-se e anulou a distância entre eles puxando-a para um beijo repleto de carinho e saudade.

Os shinobis ao redor sorriram de modo contido e desviaram o olhar em respeito, Kankurou não, Gaara era seu irmão, então, quando o casal se separou, cumpriu seu papel ao provocar o mais novo e constrangê-lo um pouco.

O relacionamento deles trouxe algumas complicações políticas, reviveu o lado conservador da vila, mas Ino era única... Ela era como o segundo sol de Suna, aquela que aquecia a alma do Kazekage que os protegia, ela era a guardiã do coração de Gaara, e muitos a respeitavam e admiravam por isso. O povo não se importava de ela ser de Konoha, não quando era ela quem os atendia no hospital, quem ajudava nos partos difíceis ou salvava os shinobis feridos em missões, quem havia florido as ruas secas de Suna e apresentado o aroma e a delicadeza de cada flor.

Então, quando finalmente achou que tudo ficaria em paz, um relatório chegou à mesa de Gaara. A notícia de mais um laboratório causou indignação no conselho de Suna e, por ironia do destino, a ninja que mais sabia sobre as experiências realizadas nele, que já havia até mesmo se infiltrado em um, estava ali com eles, pronta para ajudá-los.

Gaara não teve escolha a não ser escalá-la para a missão, aliás, nem mesmo Ino havia dado a ele a chance de escolher. Ela era uma shinobi! Uma ninja sem igual, com habilidades únicas e imprescindível para aquilo, ela não deixaria que Gaara prejudicasse a vila por medo.

Então, Kankurou se voluntariou para ir junto. Era uma missão perigosa, quase podia ouvir Gaara dizendo que ele mesmo iria a despeito do cargo que ocupava, por isso, voluntariou-se. Protegeria Ino caso fosse preciso.

E foi. E ele não conseguiu. E eles falharam.

Era uma armadilha. Ino tinha percebido isso assim que chegaram ao lugar. Rapidamente, ela mandou que os demais se afastassem, contudo, escolher avisá-los lhe custou tempo de fuga e Kankurou assistiu ao momento em que os inimigos a capturaram.

Todo o restante da equipe foi ignorado, o alvo era Ino. Ela sabia demais, era uma Yamanaka, em outras palavras: um problema a ser eliminado.

O sangue parou de correr em suas veias quando se deu conta do que aquilo significava. Gritou ordens como nunca antes, nem mesmo durante a guerra. Cinco dias, cinco lentos e malditos dias, foi o que precisaram para achar o esconderijo dos inimigos. Montaram vigília, aguardaram, mas, antes que pudessem invadir, Kankurou a viu.

Ino não pareceu notá-lo, ela estava ferida demais, o corpo repleto de sangue e hematomas, sujo, e ela tropeçava enquanto tentava andar pela areia. Havia fugido.

A emoção falou mais alto, e ele correu para ajudá-la. Uma armadilha, óbvia, mas que o desespero não lhe permitiu ver. Lutaram, todos eles, e Kankurou teve que ser rápido para conseguir carregar Ino para fora daquele lugar enquanto o time tentava lhes dar tempo.

A tática era simples, iriam se dividir e voltar à Suna. Viu muitos do time conseguirem sair em direções diferentes e odiou-se por ter desejado que os inimigos perseguissem eles e não a si quando sentiu os chackras em seu encalço.

Não podia ser pego, não podia deixar Ino ser capturada de novo, não podia falhar com Gaara!

O ar faltava nos pulmões, respirar queimava seu peito, o sangue escorria pelo corpo, o suor salgado caía sobre os olhos. Ino estava desmaiada, a respiração tão fraca que mais de uma vez o pânico o atingiu ao achar que ela não respirava.

Despistar os inimigos foi difícil e exigiu que ele não parasse ainda que as pernas já não aguentassem o esforço. A areia nunca lhe serviu tão bem como quando ele caiu sobre ela, exausto, diante dos portões de Suna. Estavam longe, mas ele sabia que os guardas os veriam.

De forma inconsciente, tentou segurar Ino quando tentaram tirá-la de perto de si, suas marionetes usaram o pouco que sobrava de seu chackra para formar uma redoma ao redor dela e só se afastaram quando Gaara apareceu à sua frente.

Gaara o ergueu com a areia e segurou sua mão, só então abriu os olhos e deixou que as marionetes desmoronassem sem vida. Viu Gaara relaxar, o rosto perder a seriedade e misturar alívio por Ino estar viva e preocupação com o estado dela. Entretanto, diferente do que imaginava, o irmão não foi até ela, ele apenas moveu a areia, como fazia consigo e, assim, entraram na vila.

Sua mão ainda sentia o calor da de Gaara, ele não o havia soltado nem por um minuto. Não se lembrava do que aconteceu depois de entrar no hospital, tampouco de ter pedido a consciência. Abriu os olhos com dificuldade se sentindo cansado, o corpo dolorido. Havia uma ardência no braço esquerdo e logo identificou o soro que pingava lentamente. Suspirou e tentou se ajeitar no leito. Parou no meio do caminho. À direita, havia uma poltrona, pequena, desconfortável, mas que o fez sorrir.

Gaara estava todo torto, o chapéu de Kazekage repousava sobre o colo, mas ele dormia, de forma serena e despreocupada. Por alguns minutos, deixou-se observá-lo. Seu irmão havia mudado muito naqueles anos todos, não era nem a sombra do que tinha sido na infância antes de conhecer Naruto, ele era finalmente feliz. E, se Ino fazia parte daquilo, se era preciso arriscar a própria vida para que aquela felicidade continuasse existindo, não falharia com Gaara como na infância, não hesitaria jamais em garantir que o irmão pudesse enfim viver em paz... 

March 23, 2018, 2:56 a.m. 9 Report Embed 6
The End

Meet the author

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comment something

Post!
July Thereza July Thereza
Que história mais amorzinho! Adorei esse lado todo irmão protetor do Kankurou, realmente é algo que um irmão faz pelo outro, proteger a paz... E a forma que você escreveu isso foi muito amorzinho, adorei! Parabéns pela fic. Besos e queso!
May 23, 2019, 8:42 a.m.

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Olá!! Ahhh que bom que gostou!! Eu amei escrever essa história, adoro esse casal e o Kankurou sendo esse irmão tão zeloso e preocupado <3 Muito obrigada pelo comentário! Beijoss May 23, 2019, 11:25 a.m.
Juliana Brum Juliana Brum
Que história maravilhosa!!
Feb. 20, 2019, 9:55 p.m.

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Muito obrigada pelo comentário!! Beijoss <3 Feb. 27, 2019, 6:31 p.m.
Gabriela Garcês Gabriela Garcês
QUE ONE MAIS PERFEITAAAAAAA Estou completamente apaixonada. Eu nunca tinha lido uma história contada por Kankuro, sobre GaaIno. Nunca. E você fez com perfeição. Obrigada por escrever essa história maravilhosa <3 Não sabe como fiquei feliz ao lê-la. QUERO MAIS GAAINO
April 28, 2018, 7:55 p.m.

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii! Estou gostando de ver a senhorita por aqui novamente <3 Eu nunca tinha escrito nada sobre o ponto de vista do Kankurou hahahaha. Que bom que você gostou! Eu gosto muito de GaaIno, tem mais umas perdidas no meu perfil ;) Obrigada pelo comentário, beijosss April 30, 2018, 10:37 p.m.
Grid Pudim Grid Pudim
AAAAAA ALICE QUE COISA LINDA! 💜 Fiquei mega feliz por ter ganho uma fic linda dessas. Eu amo os irmãos da Areia, é o time que mais gosto. Sou alucinada na Ino também! Adoro ela e toda aquela coisa de controles de mente. Eu amei a história, é tão bom ler universo naruto 💜 Obrigada pela leitura e por se inspirar hahaha (grid kinomoto aqui)
March 22, 2018, 10:39 p.m.

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii AEEE você gostou!!! <3 Eu amo o Gaara, então, tudo o que tá ligado a ele vem no pacote ;) Eu shippo muito esses dois, nossa, eu realmente shippo os dois desde que comecei a ler Naruto, sabe? Não sei porquê ou como, só shippo <3 Muito obrigada pelo comentário Fico feliz que tenha gostado Beijoss March 23, 2018, 6:48 p.m.
~