Deixe-me ir Follow story

delryne Delryne Aligheri

''Você nasceu doente!'' é o que eles dizem, com sede de matar e arrancar o mal pela raiz. Os infiéis citados são humanos como eles, o que os diferencia é o poder, literalmente, os poderes. Se sou um pagão dos bons tempos, minha amante é a luz do sol. Nada de mestres ou reis quando sua única natureza é a morte, não há inocência mais doce do que o meu sujo pecado.


Fanfiction Not for children under 13. © Todos os direitos reservados.

#fulga #solidão #tristeza #short fic #drama #Chuuya Nakahara #Bungou Stray Dogs
Short tale
1
6100 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Como um cão sem rumo

Caindo como poeira em seu desgastado terno preto, o pelo da raposa encolhe sob a neve, tristeza vista, qualquer súplica significa nada acompanhada de angústia e gritos silenciosos vindos do abismo mais fundo da alma. Sem que possa fazer qualquer coisa, dominado pelo luar que aflora os pensamentos, via-se o preço pago pela corrupção do corpo e do espírito. Eu, que enxergava o ódio como o único sentimento existente, finalmente conheci aquilo que chamam de tristeza.

Aquele que tinha como rival, parceiro, talvez... amigo? Vi aquele homem sair pela porta da frente, mal podia acreditar que algo o tinha mudado, algo nomeado como ''a perda de alguém querido'' na qual ainda não passei. Nesse tempo por alguns minutos pensei que poderia ter alguma chance de redenção, mas então os versos desligaram a chave que mantinham minha lucidez, e então a gravidade prendeu-me em meu estado deplorável mais uma vez. Quando me dei conta, o “double black” tinha deixado de existir. Desde que eu me lembro minhas mãos sempre estiveram cobertas de sangue, como uma vez o demônio dourado alertou-me, estou condenado as trevas, sou impuro, manchado e corrompido.

Tenho estado preocupado demais com a minha vida e com a vida daquele que eu chamo de líder. Nós só obedecemos às ordens de tirar a vida enquanto é ele quem suga, um verdadeiroabsorvedor de almas. Fazia o serviço com o maior prazer, fazia. Hoje, minha vontade é fugir de tudo, correr ao máximo sentindo a circulação do meu sangue e minhas veias pulsarem, meu coração bater tão rápido quanto fujo de todos e de mim mesmo. Tenho o total conhecimento que eles irão farejar-me como animais famintos prontos para atacar sua presa. Mas, apesar de tudo, prosseguirei, pois se ele conseguiu escapar, então tudo posso.

''Você nasceu doente!'' é o que eles dizem, com sede de matar e arrancar o mal pela raiz. Os infiéis citados são humanos como eles, o que os diferencia é o poder, literalmente, os poderes. Se sou um pagão dos bons tempos, minha amante é a luz do sol. Nada de mestres ou reis quando sua única natureza é a morte, não há inocência mais doce do que o meu sujo pecado. Quero ter a oportunidade de deixar tudo para trás e começar novamente, se eu obter sucesso no final, isto pode ser considerado um verdadeiro milagre.

Assim deixo, ou melhor, fujo da máfia do porto para nunca mais colocar meus pés neste lugar, sujar minha espada com sangue inocente. Não traga-me de volta, porque caso traga, minha única opção e escolha é deixar esse planeta cheio de imundices, em razão de que já fiz minha contribuição para ele. Por muito tempo odiei-te, Osamu Dazai, mas agora compreendo-te mais do que cheguei a compreender os limites da máfia.

Nesta noite de inverno definitivamente gélido, contemplo a dualidade do meu coração monótono e miserável. Assim como foi-me dito uma vez, a única coisa que temos é o direito de duvidar, como cães abandonados vagando sem rumo.

March 23, 2018, 12:19 a.m. 1 Report Embed 1
The End

Meet the author

Delryne Aligheri Apenas mais uma sorumbática escritora vagando por um funébre mundo. A partir do momento em que comecei a ter percepção da existência, prometi a mim criar inúmeras histórias onde o caos e a soturnidade reinavam como verdadeiros imperadores de um vazio já existente. O verdadeiro reflexo de Edgar Allan Poe procurando um espaço maquiavélico e silencioso. Além de autora, também sou artista, poetisa nas horas vagas e futura violinista.

Comment something

Post!
Mateus Álvaro Mateus Álvaro
A gente tava bem inspirado quando fez isso, QUE ESCRITA DIVINA ESSA <3
March 22, 2018, 7:48 p.m.
~