Quatro Doses Follow story

gridpudim Grid Pudim

Sabaku No Temari morava com seus dois irmãos, era solteira e delegada da delegacia da mulher. Todos os dias acordava e só pensava em como poderia mudar a vida de outras mulheres, mas nunca pensava que poderia mudar a sua. Até que o destino cuidou disso para ela.


Fanfiction For over 21 (adults) only.

#Temari #Shikamaru #UniversoParalelo #ShortFic #ShikaTema #Naruto
14
6067 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Chuva, cigarros e uma dose de impulsividade

Quarta-feira, 03 de Maio, e só o que tinha em minha geladeira era água gelada e uma forma de gelo vazia. Realmente, estava mais do que na hora de ir ao supermercado e eu que teria que ir sozinha, meus irmãos tinham feito compras das últimas vezes.

Me troquei, entrei no carro e parei em uma padaria próxima ao trabalho para tomar café-da-manhã. Enquanto tomava meu chá quente, vi na tv que tinha na padaria, que logo hoje, provavelmente, choveria a tarde e sim, eu teria que ir ao supermercado de qualquer maneira, só de pensar em sair correndo do supermercado ao estacionamento, já desanimava meu dia.

Cheguei ao trabalho, e antes de entrar em minha sala, já percebi que o dia prometia. Eu Sabako No Temari, era delegada da delegacia da mulher, e sim, meus dias não eram nada fáceis.

Na minha mesa haviam pilhas e pilhas de casos e relatórios que eu precisava analisar, algumas mulheres já estavam do lado de fora para falar comigo, e eu tentava atender o máximo de mulheres possíveis.

Apesar de tudo, não ocorreu nada fora do normal na delegacia, e acabei saindo relativamente cedo. Peguei meu carro e fui diretamente para o supermercado. Já havia feito a lista de compras, que eram muitas.

Consegui comprar praticamente tudo, coloquei as compras em sacolas e coloquei-as no carrinho novamente para leva-las ao carro. Quando fui até a porta do supermercado, estava chovendo, parecia que a mulher do tempo acertou dessa vez. Eu tive que sair correndo, pois, o estacionamento do supermercado não era coberto, ou seja, eu pegaria toda essa chuva nas costas, mas não tinha jeito, precisava ir embora, tinha mais alguns relatórios para ler e queria termina-los hoje. Corri até meu carro, abri o porta-malas apressada e fui colocando as sacolas com as compras ali dentro. Peguei as 3 últimas sacolas de compras de mal jeito fazendo com que as sacolas rasgassem, minhas compras caíram no chão e eu já ensopada da chuva, xingava até a última geração do criador das sacolas de plástico.

- Maldito seja quem inventou essa merda de sacola de plástico.

- Calma, tá tudo aqui! – Do nada, uma mão se estendeu e me ajudou a pegar as compras que ainda faltavam no chão.

Quem era ele? Moreno, alto, cabelo preso e com um cigarro molhado na boca. Quando eu vi aquela cena, peguei as compras da mão dele, guardei-as no carro, fechei o porta-malas, virei para agradece-lo e comecei a rir sem querer.

- Oh... Obrigada! – Agradeci mas ria muito internamente com aquele cigarro molhado na boca dele.

- Tudo bem!... – Ele respondeu e coçou a nuca com uma mão e a outra estava no bolso, provavelmente procurando a chave do carro.

O carro dele era o que estava ao lado do meu, então cada um foi para seu carro. Quando liguei o motor, ouvi que ele havia buzinado do carro dele, olhei já pensando que não era pra mim, mas quando olhei, ele abaixou o viro e parecia que pedia para eu fazer o mesmo. Então o fiz.

- Qual seu nome? – Ele me perguntou.

- Sabaku No Temari e o seu? – Disse sem entender.

- Prazer Temari, eu sou o Nara Shikamaru, e você me deve um cigarro! – Ele respondeu, pulando para o banco do passageiro. Ele estendeu a mão pela janela do banco do passageiro e me entregou um cartão, eu não entendi muito mas achei engraçado, peguei o cartão e então ele continuou dizendo. – Vou cobrar o cigarro viu, tá caro.

Pulou para o banco do motorista de novo e foi embora, enquanto eu fiquei ali, sem entender absolutamente nada. Fechei o vidro e li o que tinha no cartão. Pelo jeito ele era engenheiro de sistemas, havia também o seu telefone e email.

Guardei o cartão na minha bolsa e fui para cara. Chegando, Gaara, meu irmão mais novo, me ajudou a guardar as compras, fui tomar banho enquanto ele preparava o jantar. Saindo o banho, meu irmão Kankuro também chegou em casa todo ensopado, ele não tinha carro, devia ter se molhado no caminho para casa. Logo mais jantamos e eu fui para meu quarto, na minha bolsa havia uma pasta com os relatórios, comecei a ler e os terminei antes da meia-noite. Fui guardar a pasta na bolsa e acabei vendo aquele cartão de Shikamaru, olhava e ria lembrando da cena.

O peguei na mão e fiquei encarando. Mandava mensagem ou não? Bom, eu não tinha nada a perder, então escrevi uma mensagem.

“ Pagarei seu cigarro, não sou caloteira! ”

A enviei e fui dormir, não olhei mais para o celular até ele despertar de manhã cedo, enrolei algum tempo para sair da cama, até ver que sim, eu já estava atrasada. Levantei, tomei café-da-manhã e fui para o carro, onde finalmente eu olhei para tela do celular e ele tinha me respondido.

“ Pode ser amanhã então? Está disponível? ”

Fiquei pensando e realmente eu não faria nada sexta-feira. Então lhe mandei outra mensagem.

“ Estou sim, onde levo seu cigarro? ”

Guardei o celular na bolsa de novo, e fui para a delegacia, só parei para almoçar, tive um dia cheio e nem lembrei de verificar o celular. Quando parei em farol no caminho para casa que me lembrei da possível resposta de Shikamaru. Mas preferi esperar chegar em casa para verificar.

Hoje era meu dia de fazer o jantar, então assim que cheguei em casa, levei minha bolsa até meu quarto e fiz um macarrão rápido. Meus irmãos e eu comemos e logo após tomei banho. Saindo do banho fui para meu quarto e peguei o celular. Shikamaru havia mandado uma mensagem marcando em um bar não muito longe daquele supermercado que nos encontramos pela primeira vez. Provavelmente ele achava que eu moro próximo, e se fosse isso, ele estava certo. Então respondi confirmando o lugar e o horário.

Eu fiquei rolando na cama de ansiedade, não conseguia dormir de jeito nenhum, fazia muito tempo que eu não sabia com alguém do sexo oposto que não fossem meus irmãos, e sim, eu estava realmente afim de ver o que ia dar. Abri o guarda-roupa e comecei a pensar na roupa que iria amanhã, decidi e coloquei em cima da cadeira que havia em meu quarto. Escolhi um vestido preto, não tem como ficar feio, e um sapato também preto. Enfim deitei novamente e dessa vez, consegui dormir.

Sexta-feira, acordei, me troquei e fui cedo para a delegacia. Não por que estava inquieta, e sim porque hoje eu realmente precisava resolver alguns assuntos a mais. No final deu tudo certo e fui direto do trabalho para o encontro. Antes de chegar no bar, parei em um posto de gasolina e comprei um maço de cigarros que eu deduzi ser o que ele fumava e fui.

Cheguei lá e antes de estacionar, Shikamaru estava do lado de fora do estabelecimento, fumando. Parei o carro no estacionamento que era do bar e fui de encontro a ele.

- Pronto, minha dívida está paga. – E entreguei o maço de cigarros para ele.

- Oh, você comprou mesmo. – Ele pegou e deu um sorriso tímido de canto, e continuou. – Bom, eu espero que você não tenha vindo aqui só no intuito de me entregar isso, porque eu estou com fome...

- Está preparado. Encontros comigo podem ser horríveis. – Respondi abrindo um sorriso.

Ele não respondeu mas ficou me encarando, uma das mãos foi até a cabeça e coçou sua nuca. Seu cigarro estava pelo fim já, então ele o apagou e jogou longe. Ele deu alguns passos à frente e disse:

- Vamos, problemática.

March 20, 2018, 4:16 p.m. 0 Report Embed 1
Read next chapter Beijos, Déjà vu e uma dose de reciprocidade

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 3 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!