7 meses. Follow story

inory12 Inory 12

Conto contado por uma gata que viu sua dona surtar pela primeira vez e provavelmente não será a última. Continuação de 6 meses.


Short Story Not for children under 13.

#Drogas #Mia #Depressão #Suicídio #Mutilação #Gato #Self Inserction #Gato preto e branco
Short tale
0
6179 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Mamãe.

N/A: baseado em fatos reais.



Eu sei de uma coisa, minha mãe não tem uma mente muito saudável. Todos os dias ela chora dentro daquele pano gigante que balança de lá pra cá, chamam isso de “rede”. Mesmo ela se sentindo extremamente confortável sozinha comigo e meus filhotes. Só existe um ser que ela se sente confortável: Vovó.

A vovó é meio ranzinza, não gosta quando eu peço carinho, mas ao mesmo tempo ela gosta da minha presença ali. Meus filhotes amam minha mãe, assim como eu amo ela, porém, como eu citei no começo, minha mãe não tem uma mente saudável.

Uns dias atrás, ela gritava muito, chorava muito, enquanto minha tia confrontava ela, depois que vovó implorou para que mamãe saísse de casa. Mamãe implorou que parassem, que a deixassem em paz, mas titia sempre a confrontava e pela primeira vez eu senti mamãe extremamente determinada a fazer algo ruim, principalmente quando vovô chegou e disse a seguinte frase: “Isso é falta de porrada, estou louco para dar uma porrada nessa menina, essa menina e merda é a mesma coisa” enquanto ele dizia isso mamãe chorava como nunca a vi chorar, era desesperador.

“Se você não parar de chorar eu vou te bater! ” Ele ameaçou minha pobre mamãe, enquanto do outro lado minha tia a provocava mais ainda, eu só não entendi uma coisa: Por que vovó não estava fazendo nada? Sendo que, ela chorava silenciosamente.

Mamãe parou de chorar e começou a soluçar freneticamente enquanto mandava minha tia ir embora e ela foi, com muita raiva. Eu fui até mamãe e a chamei, senti algo sombrio vindo dela, mas ela não me respondeu.

Logo vovó apareceu, mas nada disse, apenas olhou para mamãe e foi para seu quarto. Alguns minutos depois mamãe sai da rede e vai até o guarda roupa e pega uma caixa branca e uma faixa preta no meio

“ O que foi mamãe? O que vai fazer? ” Eu perguntei, mas ela apenas me ignorou e saiu para a cozinha, suas lágrimas eram frenéticas e a sensação de determinação vindo dela era enorme.

Corri atrás dela, para tentar impedi-la do que estava preste a acontecer, chamei por ela, mas mamãe simplesmente olhava para mim e virava o rosto, ela pegou várias caixinhas brancas com faixas vermelhas e tirou umas cartelas de lá e começou a pôr aquelas coisas pequenas e brancas na boca sem parar, enquanto eu pedia para ela parar, ela não podia me deixar, não podia desistir. Continuei chamando-a, andando atrás dela.

Ela foi até a geladeira e bebeu água e foi nessa hora de vovó apareceu, a mesma parecia cansada então não se tocou do que mamãe estava fazendo, apenas viu ela beber a água, mamãe fora esperta, arrumou a cena do crime.

Vovó saiu e mamãe foi deitar e eu fui atrás dela e vi percebi que ela adormeceu. Passou-se muito tempo, tanto que vovô e vovó saíram e quando estava no final da noite mamãe acordou, fiquei tão feliz de vê-la, corri atrás dela, mas sentir que agora ela me ouviria e que eu tinha de cuidar dela, assim como ela cuidou de mim.

Ela se sentou no chão e ficou me acariciando, olhando para mim com muita culpa, mas não demorou muito para ela levantar e aquela sensação de determinação sombria voltar nela, ela foi na cozinha novamente e é claro, fui atrás, enquanto meus filhotinhos gritavam por explicações.

Ela tirou uma faca de uma gaveta e pôs a cortar os braços, eu gritei para que ela parasse, parecia que a raiva e tristeza contida nela estava cada vez diminuindo, mas não deveria ser assim que ela fizesse isso. Então ela parou e voltou para sua rede, mas parou no meio do caminho e se segurou na parede, parecia tonta.

“Mamãe, vá deitar! ” Pedi e ela assentiu e foi deitar na rede. Ela dormiu novamente e enquanto cuidava de meus filhotes cuidava de mamãe, ela precisava de alguém com ela e eu fiquei o tempo todo vigiando ela.

Após algumas horas mamãe acordou, mas a tontura ainda era presente, ela se sentou no chão e passou muito tempo comigo.

- Desculpa por te preocupar tanto meu amor. – Ela disse.

“Mamãe, estarei aqui para o que vier! ” Lambi a trilha de lágrimas que corria em seu rosto, ela apenas sorriu e me deu um beijo na testa e vários outros ao decorrer do tempo.

- Mesmo com eles aqui, não puderam me impedir. – Ela disse e fiquei confusa com que ela disse – Não importa se estão aqui ou não. Não é assim que as coisas funcionam. Não é do nada que um suicida sente vontade de fazer “essas coisas”, depende do momento, depende do nível de estresse, mas ninguém entende e nem tenta entender, apenas acham que sou uma louca suicida, mas não é assim que as coisas funcionam.

Suicida? Mamãe é suicida? Quer dizer que mamãe tem depressão? Por quê? Eu achei que a fazia feliz.

- Mia, a mamãe te ama muito, mamãe agradece todas as vezes que miou, sei que estava tentando me impedir, agradeço do fundo do meu coração por isso, mamãe está orgulhosa.

Mamãe é uma pessoa boa, mas não é feliz, mas não significa que ela não é feliz comigo, é só que ela não consegue sentir felicidade, seu mundo é negro e sombrio, ela é uma bomba relógio, que se você não cortar o fio certo ela se autodestrói, literalmente. Portanto, irei cuidar dela, irei fazer ela se sentir confortável, não serei igual a titia que nos dias seguintes ignorou por completo minha mamãe, mas senti que ela não se importasse com isso.

Já vovó voltou a falar com ela, mas mamãe não estava tão segura assim em relação a vovó, por isso passou bastante tempo comigo e com meus filhotes. Eu amo mamãe e mamãe me ama.

March 10, 2018, 4:37 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~