alicealamo Alice Alamo

Seu coração batia, apressado, ainda que não estivesse fazendo nenhum exercício físico. Era horrível e desconfortável ouvi-lo bater tão alto toda vez que a presença do namorado ficava mais marcante para si. Era estranho, um sentimento morno e bonito que não sabia como tratar. Queria ser como Viktor que não se importava para mostrar a todos o tamanho de seu amor e de sua felicidade, contudo, ele não era... Era Yuri, só... Yuri.


Fanfiction Anime/Manga All public. © Todos os direitos reservados

#Yaoi #Yurio #JJ #YurionIce #JJ/Yurio
Short tale
7
7.1k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Yuri sentia o rosto quente, bem como as costas, as coxas, o corpo todo. E isso era ridículo! Já havia visto várias vezes Viktor secar o cabelo de Yuuri, e nem mesmo o porco se sentia envergonhada com tal ato, por que então ele não conseguia permanecer indiferente?

Os dedos de JJ passavam pelas mechas compridas de seu cabelo loiro, desembaraçando cada nó com que se deparavam pacientemente. Estava sentado entre as pernas de JJ, sentindo o calor do corpo dele contra o seu: as pernas encostadas às suas, a pélvis colada ao seu quadril, a respiração que hora ou outra tocava a pele do seu pescoço... E tudo que era tão simples e comum para os outros casais, para ele era tão constrangedor!

O modo como JJ o abraçava de vez em quando, rindo de uma piada qualquer com Viktor antes de se afastar para voltar a pentear-lhe o cabelo, fazia seu coração pular assustado no peito. A voz rouca vibrava a caminho do seu ouvido e invadia seu corpo fazendo-o ter vontade de suspirar e deitar no ombro dele. Contudo, não podia, não estavam sozinhos.

JJ pegou a escova de cabelo. O modo como ele a deslizava por todo o comprimento do cabelo loiro era macio, Yuri quase nem sentia a pressão da escova. Dava-lhe sono... Era relaxante e reconfortante.

A cada nó mais teimoso, JJ beijava-lhe o ombro, como se se desculpasse pela dor mínima que havia causado, e Yuri cerrava os punhos pelo arrepio que o percorria toda vez.

Seu coração batia, apressado, ainda que não estivesse fazendo nenhum exercício físico. Era horrível e desconfortável ouvi-lo bater tão alto toda vez que a presença do namorado ficava mais marcante para si. Era estranho, um sentimento morno e bonito que não sabia como tratar. Queria ser como Viktor que não se importava para mostrar a todos o tamanho de seu amor e de sua felicidade, contudo, ele não era... Era Yuri, só... Yuri. Olhava para aquele sentimento da mesma forma como olharia para um livro de física quântica em latim.

Conseguia sentir o corpo de JJ movimentando-se atrás do seu, e o calor era tão bem-vindo que Yuri o comparava com um bom casaco de pele no meio do inverno russo. Estar nos braços de JJ era bom, horrivelmente bom, sentia-se seguro e satisfeito ali, tanto que não se importava mais com as piadas que Viktor fazia a seu respeito.

Fechou os olhos, satisfeito com o cabelo já todo desembaraçado embora JJ continuasse a lhe pentear.

A escova foi deixada no chão, e Yuri sorriu minimamente já ciente do que viria a seguir.

Gemeu baixo, deliciado, quando as mãos de JJ entraram em seu cabelo bem rente à nuca. Os dedos subiram, acariciando suavemente o couro cabeludo em uma massagem que tirava exclamações prazerosas e satisfeitas de Yuri a despeito de quem estivesse por perto. Era como um gato a apreciar o carinho ofertado. A mão direita desapareceu, e a respiração de JJ tomou seu lugar próxima ao ouvido de Yuri.

— Posso trançá-los, Yura?

Era covardia lhe perguntar isso enquanto a outra mão de JJ mantinha-se em seu cabelo, puxando-o de vez em quando com uma leve pressão, mas o suficiente para que Yuri se lembrasse de quando o namorado fazia aquilo em momentos mais íntimos.

Resmungou, irritado, virando o rosto na direção contrária a JJ, mas ganhando um beijo molhado e demorado em seu pescoço.

— JJ, seu idiota! — exasperou-se, vermelho, e olhou em volta, contudo...

— Eles saíram faz uns vinte minutos já, Yuri. — JJ riu, convencido.

Yuri piscou, abismado, e cruzou os braços enquanto um leve bico se formava nos lábios.

— Vou trançar seu cabelo, tudo bem?

— Não precisa dessa frescura, só vamos no cinema com o velho e o porco.

— Eu gosto de pentear o seu cabelo, e você fica lindo com tranças, como um príncipe arrogante e irritado. — JJ sorriu abertamente enquanto Yuri revirava os olhos.

— Príncipe? Sério? — Yuri ironizou, mas não impediu que JJ começasse a fazer a trança.

— Posso te chamar de gatinho, mas acho que esse apelido você prefere restrito à cama, não? — JJ provocou e puxou o cabelo de Yuri com um pouco mais de força quando ele se debateu para tentar estapeá-lo, revoltado.

Yuri gemeu, baixo, e se amaldiçoou por isso quando JJ lhe piscou, malicioso.

— Termina essa merda e para de falar bosta — resmungou, baixo, ao desviar o rosto envergonhado.

JJ sorriu, vitorioso, e fez o penteado tão lentamente quanto era possível, aproveitando-se do raro momento em que Yuri se permitia aquele tipo de carinho. Amarrou a ponta da trança e dedilhou seu trabalho.

— Pronto, vire-se para eu ver como ficou.

Yuri abriu os olhos, sonolento. Passou as mãos pela trança embutida sem cuidado enquanto se ajoelhava e ficava de frente para JJ com o cenho franzido.

— Ficou bom?

JJ o encarou, profundamente, do modo como fazia Yuri perder o fôlego e começar a remexer-se inquieto por ser analisado tão intensamente.

— JJ! — exclamou, alto, com a impaciência usual.

JJ passou os braços pela cintura de Yuri e, em um movimento rápido, puxou-o para o colo.

Yuri iria reclamar, iria gritar e espernear como lhe era de costume, mas os lábios quentes de JJ cobriram os seus em um beijo profundo e intenso, invadindo não só sua boca, mas sua mente, roubando seus pensamentos e obrigando suas mãos a apertarem os braços fortes e subirem pelo pescoço e nuca do namorado.

Era sempre assim, sempre intenso e impensado, e Yuri odiava aquela química explosiva que eles tinham porque o efeito era tão devastador que o fazia ceder ao outro em busca de prazer.

— Minha vontade agora é te descabelar — JJ sussurrou, rouco, rente aos lábios de Yuri antes de chupá-los.

Yuri sorriu entre os beijos e não teve dó ao soltar o elástico da ponta da trança e lamber o lábio inferior de JJ.

— Eu deixo você me pentear depois.

E JJ riu, abertamente, sequestrando mais uma vez a mente de Yuri enquanto o beijava e bagunçava-lhe o cabelo da pior forma possível só para, depois, poder tê-lo novamente sentado entre suas pernas, ronronando feito um gato, enquanto o mimava. E, assim, talvez fizesse Yuri entender e aceitar para si mesmo que até alguém como ele poderia gostar de pequenos momentos românticos...


March 1, 2018, 11:55 p.m. 0 Report Embed Follow story
5
The End

Meet the author

Alice Alamo 24 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~