Mas só dessa vez... (2017) Follow story

alicealamo Alice Alamo

Porque todos sabiam que Yuri odiava demonstrações públicas de afeto.


Fanfiction Anime/Manga All public. © Todos os direitos reservados

#Yaoi #Yurio #JJ #YurionIce #Pliroy #JJ/Yurio
Short tale
16
7014 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Ele estava em seu colo, e Yuri odiava que as pessoas deitassem em si daquele modo. Aliás, Yuri odiava que o tocassem de qualquer forma ou que fizessem aquele tipo de demonstração de afeto em público!

Qual era o maldito problema daquele idiota? Pior! Qual era o seu problema para ainda não o ter empurrado para o chão ou simplesmente se levantado para se sentar em outro assento vazio daquele aeroporto?

Bufou. Conseguia ouvir a música nos fones de ouvido que JJ usava e se irritou ainda mais ao notar que ele dormia. O Ipod estava entre as mãos de JJ, cruzadas sobre a jaqueta que ele usava, na altura do abdômen. Pelo canto do olho, viu Viktor rir escandalosamente de algo que Cris havia dito para um constrangido Yuuri e revirou os olhos com a cena. Bem, pelo menos a atenção não estava voltada para si e, assim, pode cuidadosamente retirar o Ipod das mãos de JJ e desligá-lo.

Observou o rosto sereno do namorado e agradeceu por ele não ter acordado com aquilo. Mas aqueles fones... Agr! Como JJ conseguia dormir com aqueles fones desconfortáveis? Retirou-os, pausadamente, sem querer despertar o outro, e, quando o fez com total sucesso, perguntou-se para que tanto cuidado. Ora, se JJ acordasse, ele levantaria de seu colo, e os problemas de Yuri estariam resolvidos!

Estalou a língua no céu da boca pela oportunidade perdida e conferiu o horário mais uma vez na tela do celular.

JJ suspirou mais profundamente atraindo sua atenção, e suas mãos foram mais rápidas que sua mente ao seguraram a cabeça e o ombro dele para que não caísse ou se mexesse muito.

Ouviu uma risada.

Viktor.

Sentado ao seu lado.

— Que é? — perguntou com raiva, mas mantendo o tom baixo.

— Nada. — Viktor deu de ombros e olhou de Yuri para JJ. — Yakov disse que o voo atrasou, ainda não tem previsão de quando embarcaremos.

— Puta merda! — resmungou, irritado, e mexeu as pernas sem perceber. Arregalou os olhos e segurou os ombros de JJ como se aquilo fosse minimizar o balanço anterior.

Viu-o abrir os olhos minimamente, perdido, sonolento, e sua mão rapidamente foi ao rosto dele. Acariciou-o de leve e sussurrou:

— Desculpe. O voo vai demorar ainda...

JJ assentiu, sem de fato entender o que Yuri havia dito, e voltou a fechar os olhos como antes. A mão de Yuri permaneceu no rosto dele, os dedos contornavam a linha do maxilar, subiam para as maçãs do rosto e terminavam nos cabelos em uma carícia suave.

— Sabe, eu ainda estou aqui. — Viktor riu, e Yuri parou o que fazia como se houvesse levado um choque.

Com o rosto corado, Yuri desviou o olhar e apoiou a cabeça na parede atrás de si.

— Não precisa ficar assim — Viktor provocou. — Apesar de você não ter pedido minha permissão, eu apoio o seu namoro, Yurio! E o Yuuri também!

— Viktor, cala a boca.

— Mas é sério! Como responsáveis por você, nós temos que garantir que você não se envolva com qualquer um. — Viktor falou mais sério, como se fosse óbvio.

— Viktor...

— Apesar de eu não gostar de JJ, quando falei com ele, ele pareceu entender muito bem as regras.

— Você o quê? — Yuri arregalou os olhos ao elevar a voz. — Por Deus, Viktor, que merda você andou falando para ele?

— Eu? — Viktor se levantou, fazendo-se de desentendido. — Eu só deixei claro que você tem uma família muito protetora, Yurio, e que é melhor ele abortar qualquer pensamento indecente que surja nessa cabeça suja. Você é muito novo para ele e para essas coisas.

Yuri piscou, confuso até entender o significado daquelas palavras.

— Katsudon! É melhor você tirar o Viktor daqui antes que eu arranque o fígado dele! — gritou a plenos pulmões enquanto o rosto queimava pela vergonha.

Yuuri se assustou ao ouvi-lo, mas não tardou ao retirar Viktor dali junto de Cris.

Yuri cobriu o rosto com as mãos e contou até dez numa contagem extremamente lenta até sentir o peso em seu colo se remexer.

Bateu na própria testa ao olhar para baixo e ver JJ acordado e coçando os olhos.

— O que houve, Yura? — ele perguntou, sonolento, após bocejar.

— Nada — resmungou.

— Então por que gritou? — Ele esfregou o rosto em sua coxa, como um gato, antes de voltar a deitar de barriga para cima, ainda com a cabeça em seu colo. — Hum?

Yuri olhou para a tela do celular para disfarçar a vergonha, contudo, o toque dos dedos de JJ em seu rosto o fez voltar a atenção ao namorado.

— Para, eles estão olhando — sussurrou ao desviar do toque.

— Eu sou um Rei, Yura, todos sempre estão me olhando. — JJ piscou fazendo Yuri rir anasalado. — E você é bonito demais para passar desapercebido, chega a ser ironia não querer chamar a atenção.

Yuri sorriu sem conseguir encarar JJ, odiava quando ele surgia de repente com aqueles elogios! Aquilo o desarmava, não conseguia respondê-lo ou provocá-lo como sempre fazia. Remexeu-se, desconfortável, com o peso do olhar de JJ em si e franziu o cenho quando ele pareceu analisá-lo com estranheza.

— Que é? — perguntou, mal educado.

— Tem algo no seu rosto. — JJ ergueu a mão, mas Yuri foi mais rápido ao esfregar a manga do moletom contra a face. — Não, ainda tá aí. Vem cá, abaixa, deixa eu tirar.

Yuri revirou os olhos e curvou o corpo para baixo.

JJ sorriu e segurou com as duas mãos o moletom de Yuri, forçando-o a se abaixar um pouco mais enquanto erguia o próprio corpo para beijá-lo. Manteve-o parado e, com uma das mãos, puxou o capuz da jaqueta de Yuri por sobre a cabeça dele, sentindo o corpo dele relaxar após isso.

Escondido parcialmente pelo capuz, Yuri fechou os olhos surpresos e suspirou entre os lábios do namorado. Acariciou-lhe o rosto e se esqueceu da raiva anterior que havia passado com Viktor, do constrangimento, do voo, de tudo. Uma mão de JJ estava em sua nuca, entre os fios de seu cabelo, massageando a área e o deixando mais entregue. Sentiu-o voltar a se deitar por completo em seu colo e o acompanhou, descendo o rosto conforme JJ se apoiava em suas coxas.

Eram beijos lentos, curtos, cortados pelo sorriso exibido e prepotente de JJ ou quando ele resolvia chupar seu lábio inferior só para fazê-lo respirar mais profundamente. Seu coração batia apressadamente, quase como se tivesse sido reativado somente quando os lábios de JJ tocaram os seus. E, quando acabou, Yuri piscou, devagar, admirando inconscientemente o quanto aquela maldita expressão de moleque que acabara de aprontar combinava com JJ.

— É... — JJ pigarreou e se sentou sem pressa. — Acho que chamamos um pouco de atenção... — falou, sem de fato parecer sentir-se culpado.

Yuri inclinou a cabeça para o lado em um gesto confuso, mas cobriu o rosto assim que ouviu o famoso som de uma câmera sendo ativada.

— Phichit! — Yuri gritou ao se levantar, vendo o patinador tailandês correr para perto de Viktor e Yuuri com o celular em mãos. — Eu não sei quantas fotos você tirou, mas eu vou te matar se postar qualquer uma delas!

JJ riu e balançou a cabeça negativamente enquanto abria as redes sociais no celular e atestava o que já sabia: uma foto sua e de Yuri se beijando, quando ele ainda estava sem o capuz. Salvou a foto rapidamente, antes que Yuri obrigasse Phichit a exclui-la.

Bocejou e sorriu quando Yuri voltou a se sentar, mal humorado, ao seu lado. Aproveitou-se da distração dele, como havia feito antes, e deitou-se.

— Jean!

Ele riu ao ouvir o nome e levou uma das mãos de Yuri aos lábios para depositar um beijo suave antes de fechar os olhos.

Yuri bufou, incrédulo, e xingou em russo, mas, contraditoriamente, sua mão permaneceu no rosto do namorado, os olhos não conseguiam se desviar da imagem dele adormecendo novamente, e o coração se aqueceu como um idiota, fazendo Yuri corar por dar-se conta de que devia estar parecendo Viktor quando olhava para o maldito porco.

Ok, tinha que parar com aquilo, era constrangedor, não deixaria mais JJ deitar em seu colo em público, muito menos beijá-lo. É, faria isso, com certeza faria. Sim. Mas... não daquela vez, talvez numa próxima, quem sabe...

Feb. 27, 2018, 8:25 p.m. 0 Report Embed 6
The End

Meet the author

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~