Nossa tormenta de cada dia (2016) Follow story

alicealamo Alice Alamo

Uma tormenta... Sim, tormenta porque, para Itachi, até mesmo pegar o metrô com o próprio irmão poderia se mostrar algo perigoso.


Fanfiction Anime/Manga All public. © Todos os direitos reservados

#itasasu #incesto #Itachi-Sasuke #yaoi #itachi #sasuke #naruto #ua
Short tale
12
6998 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Itachi se ajeitou no banco do metrô, passando o braço pelos ombros de Sasuke e apoiando a cabeça dele em si. O irmão dormia tranquilamente, alheio ao barulho das vozes e à movimentação do veículo.

Graças à semelhança física gritante entre eles, ninguém os olharia atravessado, ninguém os julgaria, ninguém acharia que tinham um relacionamento ou algo assim e, por isso, pode beijar o topo da cabeça do mais novo e aprofundar os dedos nos cabelos negros dele em um carinho puro.

A face de Sasuke estava tranquila, livre de qualquer preocupação como a que ele tanto tinha como as provas da faculdade. A respiração lenta, os lábios entreabertos, indefeso sem a arrogância habitual. Lindo...

Itachi desviou a atenção do irmão para o painel do metrô, checando a estação em que desceriam. Um pouco longe ainda.

A senhora sentada à sua frente lhe sorria, gentil. É claro que sorria. Para ela, ele estava sendo o irmão mais velho cuidando do irmão mais novo. Só isso.

Apertou Sasuke contra si inconscientemente. Um medo que esmagava o coração e que sufocava a razão abateu-se sobre si.

Itachi olhou pelo vagão.

Um casal a alguns metros conversava animadamente. A garota estava sentada no colo do namorado, rindo. Trocavam beijos rápidos, ignorando o vagão lotado. A mão dela acariciava os fios ruivos do cabelo curto do garoto, e ele repousava a mão nas costas dela, às vezes retirando uma mecha loira da face dela e a colocando atrás da orelha para então beijá-la de leve.

Itachi desviou o olhar antes que fosse pego os encarando e lhes passasse a ideia errada. A mão de Sasuke em suas coxas lhe pareceu interessante de repente. Queria fazer o que todos faziam. Queria ser como qualquer outro casal era, agir como agiam sem medo de ser olhado com nojo, sem medo de ser cercado por um bando de idiotas e apanhar numa esquina, sem medo de botar seu irmão em perigo por causa de intolerantes e ignorantes.

Tocou a mão de Sasuke com hesitação, não ousando levantar a cabeça para ver o que as pessoas ao redor iriam achar de seu comportamento. A mão de Sasuke era fria, mas era sempre bom tê-la junto à sua, entrelaçar os dedos, sentir-lhe a textura, sentir o conforto no coração ao apertá-la e ao saber que o irmão estava ali consigo.

Seu coração, o idiota maldito, acelerou medroso. Ele engoliu em seco por saber internamente que aquilo estava errado, que podia estar chamando a atenção de alguém naquele vagão e que aquilo poderia acabar em um desastre caso viessem confrontá-lo.

Soltou Sasuke. Fechou os olhos. Respirou fundo. Ergueu a cabeça. A senhora à sua frente lia uma revista qualquer, o casal continuava a conversar, as pessoas seguiam suas vidas.

Riu baixo, nervoso, sem graça. Talvez por saber que o que sentia era tido como errado e condenado pelos outros, sentia-se acuado ao sair em público com Sasuke. Toda vez era aquilo... Toda vez o mesmo martírio, o mesmo medo de que alguém notasse o modo como seus olhos brilhavam quando olhava o irmão, o modo como sorria apaixonado para ele, o modo como queria abraçá-lo e mantê-lo próximo ao corpo, o modo como não parava de querer tocá-lo, beijá-lo.

Sasuke se remexeu desconfortável, atraindo a atenção do mais velho. Os olhos sonolentos abriram-se para depois voltarem a se fechar rapidamente enquanto Sasuke se acomodava melhor em Itachi, buscando a mão dele para segurá-la possessivamente.

Itachi arregalou os olhos e foi impossível não achar que alguém não veria aquela cena. Tentou puxar a mão, mas Sasuke se remexeu, apertando-a ainda mais.

O homem no banco ao seu lado fechou o jornal que lia, colocando-o na mochila, e Itachi não ousou o encarar. Respirava de modo acelerado, não muito, mas fora do normal com certeza. Passou a língua pelos lábios secos e passou a bater o pé no chão, ansioso.

Vamos, vamos, mais quatro estações, vamos...

Sasuke riu preguiçosamente, desencostando do irmão e bocejando.

− Odeio metrô – Sasuke murmurou, descontente com a quantidade de pessoas no vagão. Principalmente com a garota de cabelos rosas que mexia no celular e o olhava rindo com as amigas. – Odeio mesmo.

− Compre um carro. – Itachi sorriu de canto, sem desviar o foco do painel com as estações.

− Tem bala?

Itachi entregou-lhe a mochila, e Sasuke rapidamente retirou o pacote de Halls de lá.

− Quer uma? – Sasuke perguntou enquanto fechava a mochila e a deixava no colo.

− Sim.

Sasuke abriu a embalagem de uma e a colocou na boca. Itachi observava o painel compenetrado, as mãos juntas e o pé batendo contra o piso. Sasuke sorriu, compreensivo, tocando o rosto do mais velho com carinho enquanto o virava para si. O arquear de sobrancelhas confuso de Itachi logo deu lugar ao arfar surpreso quando os lábios de Sasuke se colaram aos seus.

Mornos, doces, lentos. Um movimento vagaroso apenas para abrir-lhe os lábios e deixar que a bala escorregasse de uma boca para a outra.

Não notou quando fechou os olhos, quando soltou as mãos para levar uma ao rosto de Sasuke e lhe acariciar a face, quando seu pé parou de bater contra o solo, quando o coração se acalmou, desligando o cérebro e deixando-o mais uma vez apreciar só e somente o gosto de Sasuke contra seus lábios.

Confortável, acolhedor, o beijo do irmão era sempre assim.

Sasuke mordeu de leve o lábio inferior de Itachi, sorrindo de canto ao encostar a testa à dele e ao ouvi-lo suspirar, aéreo. Segurou a mão do irmão, obrigando-o a levantar embora não fosse a estação certa ainda. Pegariam o próximo metrô porque Sasuke sabia que as pessoas agora os olhariam torto, os julgariam, os recriminariam. Por isso, saiu com Itachi dali antes que o mais velho se desse conta do que faziam.

O próximo metrô estaria lotado, iriam de pé provavelmente, mas Sasuke não tinha problema com isso. Aliás, poderia ser até melhor já que poderia abraçar Itachi com a desculpa de se segurar nele...

Itachi riu baixo, apertando a mão de Sasuke enquanto esperavam na plataforma. Puxou-o devagar para si, abraçando-o pelas costas e beijando-lhe o rosto antes de deixar a cabeça se apoiar no ombro dele. Suspirou quando a mão de Sasuke foi ao seu cabelo e sorriu mais calmo.

Todo dia uma luta, escondidos... Mas não importava porque era todo dia amando o irmão mais novo da mesma forma que sabia que era amado por ele... Estavam juntos. Viveriam e enfrentariam aquilo da melhor maneira possível, visando apenas serem felizes.

Feb. 26, 2018, 9:39 p.m. 0 Report Embed 2
The End

Meet the author

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~