Tradição Follow story

larivalk Larivalk .

Já era uma tradição antiga que quando um ômega atingisse a idade de encontrar um par ser marcado um encontro na floresta, onde vários alfas interessados competiriam pelo mesmo e quem conseguisse mordê-lo primeiro se tornaria seu dono. Mas, apesar disso, Midoriya, sendo um ômega, já estava farto de participar desse encontro ridículo na floresta .Nunca encontrava ninguém e ainda sim achava um método arcaico , era bem mais fácil conhecer e ser marcado conhecendo alguém no dia a dia .Mas não ele era forçado a ir num lugar cheio de alfas idiotas e precisar evita-lo para não ser marcado . Mas nesse ano as coisas seriam diferentes , a presença de um novo alfa faria com que Midoriya agradece-se aquele encontro anual na floresta.


Fanfiction Anime/Manga For over 21 (adults) only.

#My Hero Academia #Boku no Hero Academia #Midoriya Ômega #Bakugou alfa #Lobos #Bakudeku #Bakugo Katsuki #Midoriya Izuku #Bnha #Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
30
6.8k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

1

Lá estava Midoriya , outro ano indo naquela floresta ridícula. Preferia ficar em casa ou até mesmo dormir do que estar naquele lugar. Qual era o problema de ser solteiro afinal de contas? Tinha apenas 16 anos, não é uma idade para procurar o parceiro de toda uma vida.

Infelizmente ele não tinha muita opção ,era apenas um ômega. Ainda não entendia a necessidade de ter um encontro anual com todas as classes para que pudessem arrumar um parceiro. Não poderiam se conhecer na escola ou até mesmo no emprego ?

A sociedade sempre fora assim, pelo menos foi isso que Midoriya escutou de seus pais. Aquele encontro anual na floresta era um meio de ajudar que todos pudessem achar seus parceiros, e evitassem qualquer tipo de briga fora daquele lugar. Basicamente o mundo era divido em três classes:

Alfas- Os reis. Praticamente podiam fazer o que quiserem que a sociedade não os olhava feio, pra falar a verdade, era capaz de serem elogiados. Fortes, com uma presença de intimidar as classes inferiores, e claro, acharem que podem fazer o que quiserem quando forem contrariados.

Midoriya não odiava todos os alfas, não , podia contar nos dedos quantos alfas ele considerava serem pessoas de bem. De resto, se todos sumissem ele não se importaria. Estava cansado de ver homens agirem feito crianças , ninguém podia dizer “Não”, nem mesmo o parceiro, que lá estavam eles soltando aquele feromônio forte e aumentando sua presença de forma anormal.

Já não bastava terem os maiores cargos e o respeito dos mais velhos, ainda tinham que ser mimados. Eram eles que sempre escolhiam seu parceiro, mesmo que esse não quisesse, era obrigado a ficar junto com o alfa. Caso contrário, sofreria as consequências. Como se já não fosse sofrer nas mãos do alfa quando este o marcasse.

Betas- Os caras que só querem ver o circo pegar fogo. Um bando de puxa saco dos alfas. Não eram tão afetados pelos feromônios e não eram a primeira opção como parceiro de um alfa, o que fazia com que eles tivessem uma vida bem mais calma .

Ao invés de se juntarem aos ômegas e lutarem contra aquela opressão ridícula, preferiam ficar do lado mais forte, rindo de situações horrendas onde ômegas sofriam pela presença de um alfa. Entretanto, Midoriya não odiava todos os betas, ainda havia esperança no mundo e muitos eram muito gentis, pelo menos com ele.

Eles podiam marcar ômegas, mas pra falar a verdade, as famílias preferiam que seus filhos fossem marcados por alfas fortes, e claro, ricos. Bem ricos. Muitos ômegas preferiam que Betas os marcassem, afinal, eles tinham uma presença mais fraca e não eram tão afetados pelo cio de um ômega, logo, a convivência possuía mais harmonia já que a chances de serem mal tratados eram baixas. O problema mesmo era o trabalho que eles conseguiam e não possuíam tanta força como um alfa.

Ômegas- A pior coisa que foi criada na terra. Talvez um esquilo tivesse mais importância que um ômega.Submissos, fracos, não tem controle do cio sem uso de remédios, pequenos, frágeis... A quantidade de coisas negativas que Midoriya poderia listar era imensa, claramente ele tinha o prazer de ter sido escolhido pra ser um ômega.

Ômegas não podiam trabalhar, afinal tinham que cuidar da casa e dos futuros filhotes. Levou séculos para que essa atrocidade mudasse, mas não acabou ajudando muito já que praticamente ninguém na sociedade queria contratar um ômega, afinal tinham que dar mais dias de folga.

Claro que tudo bem dar o dia de folga para alfas quando precisassem ajudar o parceiro no cio, mas dar um dia de folga para um ômega era o cúmulo do absurdo. Sendo que as duas coisas tinham o mesmo propósito, só fazia com que Midoriya tivesse mais raiva do local onde morava.

Mesmo que fosse um homem, ainda podia gerar filhotes. Aquilo era completamente bizarro, não entendia o motivo de apenas ômegas machos poderem gerar vida enquanto os betas não tinham aquela sorte de gerar um filhote. Não bastava ser um homem ômega, ainda tinha que dar a luz a filhotes.

Podiam cursar faculdade, mesmo sofrendo muito dentro da instituição. O método mais rápido e fácil de arrumar um emprego, era trabalhando para os pais ou para os pais do parceiro. Isso é claro se a família possuísse alguma empresa para contratar. Em outras palavras não era fácil ser um ômega.

Tinham um cio, onde atraia um bando de machos loucos por uma noite selvagem de sexo. Tinham que tomar remédios para cortarem o efeito do cheiro natural do cio, dos feromônios, de tudo já que a presença de um ômega podia tirar a concentração de alguns alfas.

Mas no dia do encontro anual, aqueles remédios não eram usados, logo, as fragrâncias e os feromônios dos ômegas estavam normais fazendo com que alfas e betas pudessem sentir o cheiro mais fácil, assim achavam seus parceiros pelo cheiro.

A única vantagem que o esverdeado via naquele encontro, era poder ficar em sua forma de lobo. Sim todos ali naquela comunidade podiam se transformar em lobos, de cores e tamanhos diferentes, tudo dependia de sua classe. Midoriya era um lobo esverdeado, um tanto raro, mal haviam ômegas ou outros lobos dessa cor fazendo com que ele chamasse certa atenção dos alfas, coisa que ele odiava.

Com seu pelo na cor de um verde escuro denso, e seu peito numa cor creme fazia com que tivesse um destaque entre as demais cores. Sem contar seus olhos grandes que pareciam esmeraldas polidas. Midoriya não era de se gabar, mas amava seu versão lobo e tinha orgulho dela, tinha puxado essa cor de sua mãe mesmo que seu pai seja quase um amarelo de tão forte, tinha puxado por completo sua amada mãe.

Tinha uma leve vantagem em seu tom de pelo, estavam no meio de uma floresta e era fácil de camuflar caso quisesse se esconder de alguém. Só precisa se livrar de alguma forma de seu cheiro que era bem similar a baunilha com Jasmim, fazendo com que seu tom natural de pelo combinasse até mesmo com seu cheiro que era de uma das flores mais cheirosas que existia.

O encontro da floresta se resumia a um dia inteiro naquele lugar. Havia alguns adultos que ficavam no centro da floresta caso algo acontecesse, mas no fundo, eles não faziam nada. Midoriya já perdera as contas de quantos ômegas já haviam sido completamente machucados naquele lugar e os adultos não haviam movido um dedo sequer para ajudar. Eles só impediam caso alguém tentasse marcar quem já possuísse a marca ou tentasse matar algum lobo.

Seus pais os deixavam próximo a floresta, os filhos se transformavam em lobo e carregavam consigo uma túnica preta caso precisassem ficar na forma humana. Levavam duas caso acontecesse alguma coisa com a outra peça. No fim do dia, apenas os pais dos Betas e Alfas iam buscar seus filhos para conhecerem os parceiros que os mesmos haviam escolhidos, enquanto os ômegas tinham que voltar para casa sozinhos, mostrando que eles não haviam conseguido arrumar nenhum parceiro. Se o ômega estivesse debilitado para retornar à casa, um dos adultos o levava direto para o hospital e avisava a família do ocorrido.

A regra era: não ter regras. Era cada um por si, valendo tudo. Desde brigas entre alfas para pegar um ômega ou até mesmo um alfa brigar a ponto de machucar um ômega para que pudesse marcá-lo. Era algo completamente selvagem e sem necessidade que Midoriya queria passar longe.

Sua mãe sempre lhe dizia para arrumar um bom alfa e continuar a família, entendia o ponto de vista da mesma, precisava continuar a linhagem da família. Apenas sua mãe havia puxado aquele tom verde, até porque era filha única e teve a sorte de herdá-lo, dependia do esverdeado conseguir continuar esta tradição de família de que pelo menos um filhote possuísse essa cor tão especial.

Mas Midoriya achava difícil, tentava gostar de algum alfa, mas a grande maioria era um completo idiota consigo. Podiam interagir com eles fora da floresta, só não podiam ser marcados, isso tinha que ser deixado para o dia anual do encontro da floresta. Também era recomendável que evitassem contato sexual já que os alfas ficavam animados demais e podiam marcar o parceiro fora da floresta, o que gerava muita briga e até mesmo prisão.

Midoriya havia até mesmo invadido o sistema para ver quem iria participar naquele ano, visto que apenas pessoas entre 15 e 18 anos podiam participar daquela festividade. Sim, o esverdeado conseguiu facilmente invadir o sistema para ver todos os Betas e Alfas e não se interessou por nenhum.

Ele rapidamente havia entrado na floresta, era já seu segundo ano naquele lugar horrível, tinha 16 anos e a cada ano que passava sua mãe lhe cobrava mais por não ter arranjado um alfa. A mesma já havia lhe dado a maior lição de moral de como tinha que achar um alfa logo antes que fizesse 18 e tivesse que ter um alfa mais novo, aquilo seria o cúmulo para o esverdeado caso acontecesse. Mas ainda assim, não tomaria nenhuma medida para arrumar um parceiro.

Andou mais adentro da floresta achando então sua pedra. Sim, ele demorou praticamente o dia todo no último encontro para achar um lugar bom para descansar e passar o tempo. Tinha uma altura boa, era confortável na medida do possível, tinha uma iluminação boa, uma quantidade razoável de vegetação em volta dela e claro, uma ótima vista fazendo com que pudesse ver alguns lobos correndo.

Pulou com graciosidade até o topo da pedra e deitou. Ficaria ali o dia todo se necessário e pediria a todos os deuses que não acontecesse o mesmo incidente do ano passado, sentia até um arrepio ao lembrar daquele dia. Preferiu então cochilar para que o tempo passasse mais rápido e aquela idiotice tivesse seu fim.

Diferente de alguns ômegas que preferiam andar juntos, principalmente entre amigos, Midoriya preferia ficar sozinho, assim chamava menos atenção. Afinal, ver um grupo de ômegas andando na floresta era o mesmo de pedir para ser notado. E tudo o que menos queria, era atenção.

Então foi aí que sentiu uma fragrância. Um cheiro de mel e laranja muito agradável, tinha que admitir, sabia também que toda aquela presença não poderia ser de um ômega ou um Beta. Estava curioso, não havia sentindo um cheiro daqueles antes, provavelmente era um novato, ótimo um rapaz mais novo, tudo o que ele menos queria. Todo o encanto do cheiro havia sumido com aquela informação.

Mas quando abriu os olhos para encarar aquele alfa, ficou surpreso. Ele era muito alto para ser alguém mais novo. Mesmo que alfas fossem maiores, nenhum alfa de 15 anos teria aquele tamanho. Sem contar na cor do pelo, não pôde deixar de notar como era bonito. Um tom marfim e no peito um branco, sem contar os olhos vermelhos que deixavam o alfa mais belo do que já era.

Aquilo deixou Midoriya um tanto animado, odiava admitir mas sem o efeito dos remédios, seu corpo era atraído involuntariamente para certos alfas. Nada que ele não pudesse controlar ou ignorar, mas aquele alfa era diferente. Ficou interessado no mesmo afinal, não havia visto foto nenhumade um alfa daquela cor. Sim, nos arquivos não só mostravam a foto humana como também em forma de lobo.

Percebeu que o mesmo lhe encarava com curiosidade e um tanto de fascínio, talvez nunca tivesse visto um lobo que tivesse a cor verde. Aquilo de alguma forma deixava Midoriya feliz, o alfa não lhe olhava como um pedaço de carne, muito menos parecia que iria atacá-lo para logo marcá-lo. Ele apenas lhe encarava, deixando o esverdeado cada vez mais curioso sobre aquele estranho. Afinal quem era aquele alfa?

Feb. 26, 2018, 8:16 p.m. 3 Report Embed 8
Read next chapter 2

Comment something

Post!
Leticia Assuncao Leticia Assuncao
relendo a fanfic :3 adoro essa fanfic *---*
Feb. 26, 2018, 7:38 p.m.
Rosada LoconaDeToddy Rosada LoconaDeToddy
Quero mais :3
Feb. 26, 2018, 6:33 p.m.
Rosada LoconaDeToddy Rosada LoconaDeToddy
Quero mais :3
Feb. 26, 2018, 6:33 p.m.
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 6 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!