Sakura's Anatomy Follow story

uchihaspears Uchiha Spears

Perdida e sem memória alguma sobre as últimas horas de sua vida, Sakura acorda em uma cidade desconhecida e sob a falsa identidade de uma jovem residente em um hospital da Filadélfia. Envolvida em um jogo mortal e sanguinário por um sádico psicopata misterioso que a persegue por seu passado sombrio, ela não pode confiar em ninguém se quiser sobreviver até o final para descobrir a verdade. Ela só não imaginava que o programa de residência incluísse uma série de assassinatos assustadores e quatro médicos suspeitos, dentre eles um perigoso detento misterioso e sensual. Mantenha seus olhos bem abertos durante este jogo traiçoeiro.... Em um lugar onde nem todos são o que parecem ser, somente o melhor mentiroso viverá para ver o final.


Fanfiction For over 18 only.

#SasuSaku ##SasuSaku ##Naruto
23
7012 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Prólogo

Eu costumo olhar os flocos de neve caindo pela janela. Costumo pensar em milhões de possibilidades que poderiam acontecer nas próximas horas, pois tudo pode acontecer em vinte e quatro horas.

Vinte e três horas atrás eu estava em Chicago. Estava observando a neve cair pela janela daquele pequeno quarto e agora estou em um dos principais bairros da Filadélfia, na Pensilvânia.

Em menos de vinte quatro horas, existe um leque de possibilidades; assim como existem escolhas para a morte e para vida. Eu fiz algumas escolhas e algumas delas me trouxeram até aqui.

Tinha uma passagem na minha cama e uma anotação: Um novo jeito de começar, vá e tudo será resolvido.

Na posição que eu estava eu não tinha como negar.

Abro minha mala vermelha, que não é tão grande. Eu a encaixaria como mediana. Procuro meu cachecol amarelo entre as roupas bagunçadas e tento ser cuidadosa, mas não tem como não bagunçar mais. Olho no relógio e percebo que se eu não sair de casa em dois minutos eu chegarei atrasada e isso não é bom.

Bela maneira de recomeçar aqui.

Perco a paciência rapidamente e jogo a minha a mala sobre a cama. Achei! Coloco meu cachecol amarelo e dou uma volta com ele no pescoço. Desço a escada correndo e abotoo meu sobretudo. Acho no chão minhas botas e calço às pressas.

Meu primeiro dia aqui, não posso falhar. Abro a porta da casa desesperada e olho a mensagem no celular com o endereço que me foi enviado.

Saio correndo pelas calçadas assim que vejo o ponto de ônibus a minha frente. A neve não ajuda muito a correr. Tenho a leve impressão que aqui neva mais que em Bellwood.

Meus pés praticamente afundam no chão e em alguns centímetros de gelo. Sigo correndo e segurando a minha bolsa de lado. Céus! Quando que me tornei tão sedentária? Fico surpresa com a minha falta de ar, no entanto consigo chegar no ônibus que estava fechando as portas.

— Com licença, esse ônibus passa na 800 Spruce Street, Philadelphia? — pergunto a motorista morena e ela afirma. Agradeço e procuro uma cadeira vazia e ali me sento.

Vejo pela janela os prédios antigos da Filadélfia. Aqui é tão histórico, diferente de Chicago e de Bellwood. A arquitetura é bonita, alguns prédios me lembram castelos ou aquelas mansões antigas de livros e filmes. Não há tantos carros, o que é um ponto positivo.

Fico atenta para não perder o lugar que devo descer. Afinal, eu não conheço nada daqui.

Coloco música para tocar, preciso relaxar um pouco e tentar afastar o nervosismo que insiste em se apoderar de mim. Meu velho tique de balançar as pernas não me abandona. Afrouxo um pouco o cachecol, sentindo meu coração apertar e aquela velha sensação de falta de ar.

Não, isso não vai me colocar para baixo dessa vez. Não, dessa vez.

Do outro lado da janela vejo o prédio qual procuro. Me levanto correndo e peço parada, o ônibus para e eu saio.Aqui está mais frio, minha vontade é de voltar para o quentinho do ônibus. Ou o quentinho da cama desconhecida na qual acordei.

Olho o letreiro e leio em voz alta: — Pennsylvania Hospital.

Repito para mim mesma o nome do hospital, tentando gravar as letras em minha mente.

Me sinto tão pequena e insignificante diante do grandioso prédio à minha frente. Fico algum tempo parada na frente do hospital vendo a movimentação. Vejo médicos, e entre eles alguns enfermeiros.

O silêncio é quebrado quando a sirene da ambulância se aproxima.

Eu levo a mão ao peito e flashes assolam minha cabeça. Meu coração volta a acelerar e a minha respiração falha. Isso não vai me derrubar hoje, e se depender de mim, nunca mais.

Dou passos largos e apressados para a entrada do hospital. A porta automática abre a minha frente e entro. Aqui dentro está quente e confortável. Estamos na época do natal, e há uma grande árvore decorada no centro do saguão. Parece ser um bom ambiente.

— Sakura Romanov. — uma voz me tira do meu estado de admiração e memórias pungentes. O homem desconhecido à minha frente está com o meu nome falso.

— Eu, sim. Prazer. — estendo minha mão, tentando ser educada.

— Senhorita. — a voz do homem volta a repetir meu nome e eu olho melhor para ele. — Ou eu deveria dizer… Haruno. — meu corpo se retrai e arregalo meus olhos. — Yugakura Hidan. Chefe da cirurgia e responsável pelos residentes, orientador do programa de residência.

— Prazer em conhecê-lo. — digo ainda sem jeito. Ele é um homem bonito, deve ter no máximo uns quarenta e cinco anos, talvez? Cabelos grisalhos e queixo quadrado, um bom porte.

— Recebi seu currículo ontem. — tremo e sinto uma pequena aflição quando ele fala.

— Você sabe a verdade sobre m…

Tenho minha frase cortada por ele.

— Não se preocupe com isso. Porém tenho uma observação a fazer: não toleramos atrasos.

— Eu, eu… Ah, não! Esqueci. — bato a mão na cabeça. — Mil desculpas, não foi a intenção.

— Sei que teve uma longa viagem de Chicago para cá. Apresente-se a sala dos residentes em dez minutos. Teremos uma apresentação.

— Não está tudo perdido? — pergunto e já pensando que fiz algo errado, como sempre.

— Não, não está. Vai dar tudo certo. — ele toca meu ombro, fazendo-me olhar a mão dele. São grandes.

— Foi você que me mandou pra cá? Você sabe sobre o que aconteceu? — pergunto receosa. Será que ele que me trouxe até aqui? São tantas dúvidas pairando sobre a minha cabeça.

— Não foi eu que te trouxe até aqui, mas sei um pouco sobre o que houve. Até mais. — ele fala educadamente. Um verdadeiro gentleman americano.

Novamente volto a ficar sozinha no hospital, e pauso para encarar a árvore de natal. Me aproximo desta e noto que as estrelinhas tem o nome de funcionários do hospital. Tenho vinte minutos até achar a sala dos residentes.

Muitas incertezas rondam a minha cabeça nesse momento e especialmente sobre o senhor Yugakura. Ele soube sobre mim e ainda está me ajudando a mandado de alguém. Não consigo entender o porquê disso, porém se eu quiser encontrar a verdade, terei que ficar.

Não demoro a encontrar a sala, e ao olhar pela janela vejo que tem pessoas lá dentro. Acredito que sejam os novos residentes. Respiro profundamente, chega a inflar o meu peito.

Não aja diferente dessa vez e principalmente: Não seja você.

Abro a porta e os olhares de todos caem sobre mim. Há um loiro forte, uma morena de olhos perolados, uma loira de olhos azuis e uma outro morena de coques no cabelo.

— Oi! — digo. Alguns acenam, outros parecem não se importar.

— Oi! — o loiro muito bem afeiçoado fala. — Residente?

— Sim. Esse é o local, certo?

— É. Bem-vinda.

Procuro um lugar para me sentar, então o loiro me mostra uma cadeira vazia perto dele. Me sento ao lado dele e o agradeço pelo gesto gentil.

— Que horas eles irão falar conosco? — a loira de olhos azuis pergunta.

— Desculpa a demora. — o senhor Yugakura aparece na sala ao lado de uma mulher de cabelos roxos. É instantâneo, todas as residentes olham deslumbradas para a mulher estonteante a nossa frente. — São os mais novos residentes do hospital. Meus sinceros parabéns, eu sei o quanto lutaram para entrar aqui e seus esforços valeram a pena.

— Hoje vocês são médicos, devem se orgulhar disso. A especialização é um sonho para os novos residentes, mas desde já eu aviso que isso daqui é um jogo e esse jogo a partir de agora vai virar um pesadelo. De agora em diante na vida de vocês, os segundos que levam para tomar uma decisão vão decretar se o paciente vive ou morre. Vocês terão acertos, mas também muitas perdas. Espero que levem isso a sério. A propósito, me chamo Dra. Konan, e sou especialista em cardiologia. Torço para que joguem bem.

— Bem, dadas as palavras de incentivo. Vamos para a apresentação. — o outro continua.

— Uzumaki Naruto, vinte e cinco anos vindo de York interior. Boas notas. O que almeja?

— Quero ser um cirurgião de trauma.

— Blake Ino, vinte e quatro anos e vinda de Oakland. O que pretende seguir? — ele pergunta para ela. Eu começo a estalar meus dedos, estou nervosa e pensativa.

— Oncologia.

— Tenten Mitsashi, vinda de Hong Kong. — todos nós olhamos para a jovem chinesa. — Vinte e cinco anos. O que te traz de tão longe?

— O sistema de saúde daqui é um dos melhores do mundo. Ganhei uma bolsa para aprender um pouco aqui e depois aplicar no meu país.

— Hinata Hyuuga, vinte e quatro anos vinda de San Diego. O que quer alcançar?

— Obstetrícia. — ela fala curto.

Eu serei a próxima, ao contrário de todos aqui presentes, eu não decidi o que quero ou o que irei fazer. Honestamente eu nem sei como caí aqui, já que mal batalhei por tudo isso.

— Madeline Sakura, vinte e cinco, vinda de Chicago. Te trouxemos aqui. — ela fala e todos os outros voltam a me olhar. Fico sem jeito é surpresa por ela ter mudado o meu sobrenome.

A Dra. Konan vai até a porta e parece estar falando com alguém e então volta para cochichar algo no ouvido do Yugakura. Ele assente e diz: — Ok. Mande entrar. É o nosso último residente de última hora.

Um cara entra na sala, está de jaqueta preta, calça jeans surrada e tênis. A atenção de todos vai para ele. Ele é alto, olhos negros marcantes e cabelo pretos na altura do queixo quadrado e com uma covinha no meio.

Bonito. Observo minhas colegas e acho que elas também acharam.

— Uchiha Sasuke, vinte e seis anos vindo diretamente da Curran-Fromhold, penitenciária masculina da Filadélfia.

Ele acena um pouco irônico.

— O que almeja?

— Sair da condicional. Bom revê-lo, Hidan. — ele fala.

E nós simplesmente ficamos sem palavras, nos entreolhando sem entender nada.

Feb. 26, 2018, 5:23 p.m. 1 Report Embed 1
Read next chapter ...Pronta para isso?

Comment something

Post!
Karina Da Silva Ramiro Karina Da Silva Ramiro
💗
Feb. 27, 2018, 1:20 p.m.
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 11 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!