Amor da sua cama Follow story

b.merlin713617 Beatrice Merlin

Loucura? Talvez, mas deixar a Rosada sofrer pra sempre por não estar nos braços de alguém que não se importa com ela e não a ama? Isso não, não mais. De agora em diante, ela tem a mim, e se ela me quiser, eu a esperarei o tempo que for necessário, nem que pra isso eu seja apenas.. O amor da cama dela.


Fanfiction For over 18 only. © História e ambiente de minha autoria, sendo vedado seu uso sem autorização prévia. Baseada na música: Amor da sua cama. Composição: Felipe Araújo/ Thales Lessa/ Waléria Leão Produção musical: Blener Maycon Todos os direitos autorais reservados.

#romance ##naruto ##kakasaku ##songfic
Short tale
7
7.2k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Amor da sua cama

 Mais uma noite se passava, e o calor da rosada permanecia ao seu lado na cama; aquele perfume adocicado tomava conta do cômodo, porém a mesma havia saído antes mesmo dos primeiros raios de sol beijar o chão.

Ele suspirava, pensando no quão bobo poderia ser, se envolvendo a tal nível com ela, deixando-se levar por sentimentos que outrora jamais seriam designados a essa mulher. Mas ele sabia que era inevitável não se envolver com a Haruno, ela fazia parte de sua história, a viu crescer e tornar-se uma bela e independente mulher e também a viu sofrer por um homem que não a merecia, mas que tão incondicionalmente ela amava. Derrotado, ele levantou-se da cama e olhou para o nada, desejando apenas que a noite voltasse rápido, e trouxesse a rosada com ele.

Sakura Haruno, agora uma pessoa respeitada e admirada por muitos ainda se sentia incompleta, sabia que amar um Uchiha seria seu fim, e mesmo assim, desde tudo que aconteceu na guerra, ela ainda o amava, mas sabia que não suportaria o fato de vê-lo partir novamente. E foi assim por dias, depois que o mesmo partiu; a sensação de estar tão vazia e sem vida quanto às cerejeiras que esperavam a primavera para florescer permanecia atrelada à jovem, e a mesma usava do seu trabalho para desviar seus pensamentos e dores em algo mais produtivo. Ainda mantinha contato com os membros da sua antiga equipe, convocou-os e mais algumas outras pessoas para uma básica confraternização.

A noite seguia agradável, bebida e comida a vontade e boas conversas com amigos incríveis realmente melhoraram o humor da rosada, mas por mais que tentasse seu humor ainda não era suficiente, irritada, porém disfarçando bem, levantou-se da mesa e foi em direção a uma área aberta e solitária, para que pudesse respirar fundo e organizar seus pensamentos.

-Não é certo a anfitriã sair da cerimônia. Falou displicente seu antigo mentor.

-Sensei, eu só estou tomando um pouco de ar fresco. Tentou reargumentar, mesmo que sem sucesso.

-Ainda sente falta dele não é? Perguntou de vez, não era muito de fazer rodeios quando o assunto era com a rosada.

-Sim.

-E o que ele poderia fazer em relação a isso que você está sentindo?

-Nada.

-O que você pode fazer em relação a isso? Sentiu-se estranhamente quente e corajoso, era uma combinação perigosa.

-Eu não sei senhor.

O fato de ela ter o chamado de senhor estranhamente o fez rir, e outra idéia veio à mente.

-E o que EU posso fazer para te ajudar rosada?

A Haruno surpreendeu-se pelo fato dele tê-la chamado por esse apelido não tão incomum, mas que tinha uma deliciosa sonoridade na voz dele, talvez fosse o álcool correndo na veia de ambos, mas o vento frio pareceu absurdamente reconfortante para os dois, e o olhar dele sobre ela a fez sentir vontade de realizar alguns desejos do passado, e como se estivesse lendo a mente da jovem, o grisalho acariciou o rosto dela, antes de tomar-lhe os lábios impiedosamente, devorando os sentidos dela, entorpecendo sua mente e assim permaneceram por um tempo, até o ar se fazer necessário.

-Eu, nós... Nós temos que voltar para a cerimônia. Disse sem jeito, olhando para os lados.

-Certo, vamos. Disse sem olhar para ela, tentando controlar sua respiração e se conter.

Os convidados sequer notaram que ambos tinham sumido por alguns instantes, a conversa e as brincadeiras regadas a bebidas fortes deixaram todos bem entretidos, mas a rosada não fugiu do olhar questionador e malicioso da sua amiga, que percebeu o sumiço dela e do ex-mentor, mas disfarçou como sempre. “uma boa atriz”. Pensou, voltando a se sentar e entrar novamente na conversa.

00h15min a.m, foi o momento em que os convidados começaram a se retirar do local, agradecendo a festa e especialmente a companhia de todos novamente. Quando Sakura se viu sozinha, respirou fundo e foi trocar suas vestes. Colocou uma música suave ao fundo e começou a limpar o local, depois de mais de meia hora limpando e organizando, só faltavam os pratos, uma pilha mais que enorme, e para seu desespero, sabia que teria que lavar e secar tudo sozinha.

-Oh céus, grande idéia dar uma festinha particular e se ferrar sozinha na limpeza Haruno! Recriminou-se.

-Se precisa de ajuda, posso fazer isso. Falou o grisalho que até o momento estava observando tudo, sentado numa arvore próxima a janela.

-Por Kami, quer me matar de susto? Uh, bem, certo, se vai me ajudar, então, por favor, venha para cá! Falou recompondo seu tom.

Em questão de segundos ele já estava atravessando a janela, fazendo a jovem rir quase que descontroladamente.

-O que houve? Perguntou enquanto ajustava a camisa depois de passar pela janela.

-A porta ainda estava destrancada, e você fez como aqueles rapazes de filme, que entram pela janela para ver sua amada. Sorriu corando em seguida.

-Bem, comece lavando os pratos, eu vou secando e guardando. A propósito, não sabia que você tinha um arsenal de bebidas escondido em casa! Falou querendo sanar sua curiosidade.

-Digamos que ser discípula da Godaime-sama acaba acarretando em certas mudanças, você sabe. Sorriu enquanto lavava os pratos e o grisalho secava e guardava.

O resto da noite transcorreu tranquilamente, com conversas sobre tudo que aconteceu no mundo, e formulando hipóteses para as outras coisas que podem acontecer. Já eram quase duas da manhã, e ambos estavam ali apreciando a companhia um do outro, e logo ele sentiu a inexplicável vontade de falar sobre o que aconteceu com ela.

E se eu despir minha alma

Será que ela também te excita?

Às vezes o amor se disfarça embaixo dos lençóis, reflita

-Ei, rosada...

-Já sei sobre o que vai falar, e se for o que eu to pensando pode parar por ai.

-Como assim? Perguntou um tanto contrariado.

-Se você vai pedir desculpas pelo beijo de mais cedo, pode esquecer, não há necessidade. E depois de ouvir tais palavras, Hatake riu com gosto, deixando a mulher a sua frente sem entender. -O que foi?

-Você acha mesmo que eu iria pedir desculpas? Sorriu, andando em direção a ela, e a deixou sem saída, presa entre o balcão e a pia. -Na verdade eu queria era repetir a dose. “perigosamente perto amigo.”

Ela baixou o olhar e ele entendeu o que aquilo significava, sabia que o Uchiha não saía da mente dela, e sentiu certa inveja do moreno, por ter o amor dela, mesmo que ele não merecesse.

Tenho vontade de ir mais fundo

Mas não tenho certeza se ainda posso

Certeza eu tenho que posso ir além do que virar seus olhos

-Sei que não sou ele, mas se ao menos você se forçasse a esquecê-lo, talvez encontrasse alguém melhor. Sakura olhe para mim, por favor! Falou, fazendo os olhos dela irem de encontro aos seus, esmeraldas brilhantes que o desarmavam totalmente e que irradiavam uma vontade há muito escondida. E tomado pela vontade, reclamou a boca dela para si, num ímpeto de desejo reprimido.

O calor convidativo do corpo dela o deixava atordoado, e a forma como as mãos dela passeavam por seu corpo apenas afirmava que ela o queria, da mesma forma que ele a queria no momento. Como se estivesse pegando uma boneca, Hatake levantou a jovem e a levou para a sala, deitando-a sobre o sofá, tendo um maior acesso ao corpo dela, deslizando uma de suas mãos pela perna recém despida, seu toque era como fogo se alastrando pela pele dela, a incendiando.

A jovem sentiu a volúpia que transbordava dele e cobiçava cada vez mais tê-lo para si por completo; o beijo encontrava-se num momento não mais de desejo reprimido e necessitado, fora trocado pelo sentimento de intimidade e carinho, que ambos compartilhavam. O fogo que consumia ambos já não dava mais pra negar, nem pra tentar extinguí-lo, Sakura tomou a postura e saiu do sofá, puxando-o para seu quarto, enquanto ele sorria cafajestemente.

Além de transpirar seus poros

Além de arrancar sua roupa

Além de apresentar o caminho que você percorre com a sua boca

Mas ó, é só uma ideia boba

É só uma ideinha boba

As carícias estavam longe de terminar, e a fome estampada no rosto dela só dava a ele mais vontade; tomou posição sobre o corpo da rosada, tirando-lhe o vestido e apreciando quão bela ela estava, seguiu fazendo uma trilha de beijos, descendo pelo vale dos seios, em direção a renda avermelhada que cobria sua intimidade. Olhou para a jovem, e o olhar que recebeu dela foi mais intenso que um sonoro “Faça”; com a coragem que recebeu do olhar dela, removeu o fino tecido e provou com vontade, sentindo o doce sabor dela.

Gemidos incessantes eram ouvidos entre uma respiração pesada e um nome delicioso e sofregamente sussurrado, quando viu que não agüentaria mais esperar, levantou-se, posicionando-se sobre Sakura e a penetrou lentamente, fazendo com que ela gemesse implorando por mais, e assim ela fez, deixando trilhas avermelhadas e ardentes nas costas dele, traçando um mapa o qual ela sabia como trilhar. Os movimentos antes lentos e ritmados começavam a dar espaço para movimentos mais rápidos e descontrolados, a beijos ardentes entre gemidos, e a deslizar possessivo de mãos desenhando as curvas de um belíssimo corpo feminino.

Tudo bem

Se é pra você me usar, o que é que tem?

Só de ta com você, fico bem

Posso não ser o amor da sua vida

Hatake sentiu as paredes dela contraírem fortemente sobre seu membro, delatando que o orgasmo dela estava próximo e acelerou os movimentos, fazendo a jovem se libertar e espasmos de prazer virem como ondas, inundando e percorrendo seu corpo; em mais algumas investidas, alcançou seu próprio prazer, derramando-se nela e a puxando para seu colo, sentindo o calor dela ainda o envolver, sorriu acariciando os cabelos rosados dela, e sentindo o perfume adocicado que emanava do seu pescoço.

-Incrível. Você foi incrível. Disse olhando para ele.

-Não tiro seu mérito rosada, você também foi excelente. Sorriu a olhando nos olhos.

-Bem, ainda temos tempo, e você ainda não viu tudo o que eu aprendi “Sensei”. Falou com extrema malicia, roçando sobre o corpo dele, o fazendo novamente se excitar.

-Vamos ver até onde vão suas habilidades. Sorriu.

Assim permaneceram durante a noite toda, num misto de carícias, cumplicidade e sexo. E essa cena se repetiu por vários dias, alternadamente, se estendendo por meses. Mas logo o grisalho começou a ver o quanto estava se envolvendo emocionalmente, e mesmo que ela ainda não esquecesse o Uchiha, ela ainda o procurava, quer fosse para conversar, quer fosse para manter sua cama quente. E estranhamente, ela notou a diferença dele, e começou a se afastar, mesmo sabendo que o magoaria - e se magoaria no processo também – mas via que era um mal necessário. O Hatake, num ímpeto de estresse se abriu para a jovem, falando tudo o que realmente sentia, e falando sobre o fato do Uchiha a abandonar, mais de uma vez e ela nunca desistir dele, mesmo sabendo que ele sempre a abandonaria; sabia que havia sido rude, e notou que ultrapassou os limites quando sentiu seu rosto arder violentamente, já que a rosada desferiu um tapa extremamente forte e sonoro em seu rosto, enquanto lágrimas manchavam o rosto dela.

-Sakura... Por favor, eu não. Eu não queria ser rude, não queria ultrapassar o limite tolerável; por favor...

-Me deixa em paz, por favor. Eu sei que sou burra por ainda esperar por ele, mas não achei que você fosse insensível a tal ponto de falar dessa forma.

E mesmo sabendo que ele tinha razão, a rosada partiu, sem olhar pra trás e sem aceitar as desculpas dele. Foi cruel da parte dele, ela sabia, mas ela sabia que ele queria abrir os olhos dela para que ela não sofresse mais.

Tudo bem

Se é pra você me usar, o que é que tem?

Tanto faz se você não me ama

Posso não ser o amor da sua vida

Mas eu sou o amor da sua cama, ai, ai, ai, ai

Mas eu sou o amor da sua cama, ai, ai, ai, ai

Semanas se passaram e o grisalho malmente era visto pela aldeia, sempre em missões importantes, e assim, sempre ocupado. Era sua última missão do ano, e havia sido concluída com êxito, chegou em casa exausto e preferiu apenas se jogar na cama, removendo seu coldre e ficando apenas com sua roupa casual, fechou os olhos fortemente, pensando em tudo que aconteceu nos últimos meses, principalmente no ultimo mês, levemente irritado por lembrar da rosada e da saudade, foi tomar um banho para relaxar.

Após sair do banho ouviu um som de campainha, foi até a porta e não havia ninguém, sentiu o vento frio trazer um cheiro familiar, mas não se importou; seguiu em direção ao quarto e viu uma silhueta conhecida o olhar pela janela e sorrir, o brilho esmerada no olhar dela aqueceu o coração dele, que foi em sua direção.

-Sakura? 

Feb. 26, 2018, 4:08 p.m. 2 Report Embed 1
The End

Meet the author

Beatrice Merlin “Nem sempre faço o que é melhor pra mim, mas nunca faço o que eu não tô a fim de fazer”. -Engenheiros do Hawaii

Comment something

Post!
Alice Alamo Alice Alamo
Olá! Notei que sua história é uma fanfic e, portanto, está na categoria errada do site. Fanfics devem ser postadas na categoria Fanfiction e os gêneros como romance, poesia, lgbt, etc, devem ser postados nas tags ;) Para alterar, basta ir em Editar configurações da história, ok?
March 1, 2018, 6:44 p.m.

  • Beatrice Merlin Beatrice Merlin
    Olá, percebi o sutil erro e já corrigi! Obrigada por me avisar! March 15, 2018, 1:06 p.m.
~