Erólico Follow story

guardiangel Reira Trapnest

Victor quer patinar para ser um vencedor. Entretanto, lhe falta algo em sua coreografia. Quem sabe ele encontre a resposta no balcão de um bar, regado a muito álcool?


Fanfiction For over 21 (adults) only.

#Romance #Anime #Yuri On Ice #Comédia #Victor/Yuuri
9
6892 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Erólico: Parte 1

Notas iniciais: Olá, pessoal! 

Essa é a parte 1 dessa história em 2 capítulos. Espero muito que gostem!


Sua opinião é sempre bem-vinda!



Victor saiu do último treino da noite exausto. Sua exaustão não se devia somente ao fato de sua carreira estar acabando como patinador, afinal, ele não era mais tão jovem aos 27 anos, mas também àquele sentimento de vazio em seu peito.

De que adiantaria treinar tanto e não possuir o espírito para tal? Sua coreografia estava

incompleta, ele pensava, relembrando sua conversa com seu treinador, Yakov:

- Qual o problema, Vitya?

- Eu não sei mais o que fazer, Yakov! Não me sinto bem patinando essa música.

- Mas a coreografia está perfeita!

- Os juízes vão olhar para mim e tudo que assistirão é um corpo patinando de um lado para o outro, fazendo movimentos mecânicos, esperando que alguém se convença com sua atuação.

- Você diz isso porque não sente que seus sentimentos estão integrados?

-Que sentimentos? Eu nem sei o que é Eros na prática. Passei minha vida inteira vivendo para a patinação. E mesmo que eu tenha ficado com várias pessoas, nunca me envolvi de fato com nenhuma delas. Eros para mim não é só sexo. É sedução, controle e a perda do controle. Não acho que eu tenha sentido isso antes.

- Vitya, nunca é tarde para descobrir coisas novas. Se você acha que só vai performar bem se experimentar o Eros, eu sugiro que não volte a treinar até encontrá-lo.

Yakov tinha razão, ele havia treinado mais um dia em vão, aperfeiçoando as técnicas, porém, dançando sem a alma.

O toque do celular tirou Victor de seus devaneios. Victor atendeu e ouviu a voz familiar.

- Vic, Sala e Mila estão te esperando, meu amor...

- Eu juro que me esqueci por causa do treino.

- Como alguém se esquece do casamento das amigas?

- Para começar, o casamento é árabe, não me pergunte o motivo. Depois, eu realmente estou desmotivado no momento, vou ser mais chato do que peso de papel.

- Você sabe que elas são excêntricas, Vic. Mas vão ficar muito magoadas se você não for.

- Vou ter que ficar grudado no bar a noite inteira. Só ficando muito bêbado eu vou aguentar essa noite, Chris.

Victor desligou e foi para casa. Ele merecia um banho e uma roupa bonita para contrastar com sua feição emburrada.

Se preparou como sempre, cuidando de seu corpo como um templo. Deu atenção especial aos seus cabelos longos e platinados, usando sua técnica especial com óleo de mamona. Não usaria terno aquela noite, apenas uma camisa social branca e uma calça jeans azul. Para completar, usou seu melhor perfume, que no fim da noite, estaria misturado ao cheiro de álcool em seu corpo.

Ele pediu um taxi e rumou à festa. Certamente, seria uma longa noite.

Ao chegar, Victor encontrou Chris, que o cumprimentou dizendo:

- Até casual você é de longe quem mais chama atenção aqui, Vic.

- Então realmente não é minha culpa. Eu só vim para beber.

- Vamos, eu te levo ao bar.

Ao chegarem ao bar, no qual tocava música árabe a pedido das noivas, Victor sentou e começou a observar os drinks mais pedidos, antes de começar a pedir os seus. O barman era um jovem moreno, de olhos pretos e sorriso fácil. Parecia uma criança, fato que fez Victor repensar sua estadia no bar.

- Boa noite, senhor! O que deseja?

- Ainda não decidi, me pergunte daqui a pouco.

- Tudo bem, senhor. Eu serei substituído em 5 minutos, então pedirei ao outro barman para que lhe atenda.

A situação não era muito promissora. Victor não sabia o que beber, e logo teria que se ajustar com o outro barman se quisesse ficar bêbado, porém sem uma ressaca promovida pela mistura de bebidas. Ele esperou pacientemente pelo novo barman, esperando alguém bem mais velho e mais experiente com bebidas, porém, nada no mundo o prepararia para o choque que percorreu seu corpo.

Substituindo o primeiro, o segundo barman entrou com uma regata preta, mostrando todos os seus músculos magros, porém, tonificados. O avental não permitia Victor observar suas pernas, mas ele teve a sensação de que seriam tão bonitas quanto os braços. O toque final de sua beleza vinha do rosto. Feições asiáticas tão delicadas que contrastavam com seu corpo sensual.

Victor estava paralisado. Se ele respirasse um pouco mais perto, seria capaz de avançar no rapaz sem muitas explicações.

- Olá! Pitchit disse que o senhor ainda não pediu nada. Gostaria de uma sugestão?

- Er... Eu... Claro! Por que não?

- Eu fiz um novo drink, mas ainda não dei um nome para ele, gostaria de experimentar?

Por um momento, o platinado pensou em dizer o que ele queria realmente experimentar, porém, achou mais sensato perguntar do que se constituía o drink.

- Bom, é uma receita de romã, Big Apple e Vodca.

- E quais os efeitos colaterais?

O japonês se perguntou ao que o outro homem estaria se referindo, mas arriscou uma resposta.

- Bom, ouvi falar dos clientes que testaram que é um ótimo drink para tentar conquistar alguém.

- E como exatamente seria isso?

- Beijando? Eu não tenho ideia.

- Interessante... Faz um para mim.

- Seu pedido é uma ordem, senhor.

- Primeiro, eu não sou senhor, nem pretendo ser. Segundo, meu nome é Victor. Me chame assim pelo resto da noite.

- Tudo bem, Bíctoru. Meu nome é Yuuri.

- É Victor, com V.

- Oh! Me desculpe, V-Victoru. Não quis ofendê-lo, ainda não consegui me livrar do sotaque.

- De onde você é?

- Sou do Japão. Moro aqui há poucos anos.

Yuuri começou a preparar o drink. Ele era feito de maneira delicada, o que requeria um alto nível de concentração do barman. Victor observava cada movimento do mesmo, chacoalhando a coqueteleira de forma sensual.

"Estou realmente sendo seduzido por um barman?" Victor pensava.

Enquanto isso, o japonês estava tão confuso quanto o russo. Nunca havia visto um homem que exalasse uma aura tão erógena. Era até vergonhoso o quanto ele era bonito. Quem sabe o drink ajudaria os dois a se aproximarem? Era impossível dizer, mas certamente ele tentaria.

- Aqui está, Victoru. Espero que você goste.

Disse Yuuri, sorrindo.

Victor provou do drink. Era maravilhoso. Doce e refrescante. Nem mesmo parecia que havia álcool ali.

- Yuuri! Espero que você faça mais desses para mim a noite toda!

- Eu só vou parar quando meu horário de trabalho acabar.

Victor passou grande parte da noite observando o japonês fazendo diversos drinks para os convidados. Apercebeu-se então que Yuuri não fazia seu drink assinatura para ninguém mais além dele. Chris chegou por trás de Victor, o abraçando, o que fez o platinado corar na frente de Yuuri.

- Vamos dançar, Vic. Seus fãs estão esperando para ver sua bunda torneada no chão!

- Eu não quero, Chris! Estou ocupado bebendo.

Falou Victor olhando de uma forma intensa para Yuuri, levando Chris a olhar especulativamente para o barman à frente.

- Hm... Aproveite a bebida então.

Yuuri não estava acreditando no que estava vendo. O platinado fazia movimentos com os dedos no cabelo impecável, se insinuando para o japonês. Se aquele fosse o sinal pelo qual estava esperando, não iria deixar passar. Resolveu então tentar uma abordagem mais direta.

- Daqui há 10 minutos eu terei uma pequena pausa. Gostaria de conversar nesse meio tempo?

- Por que não?

Naquele momento, na cabeça de ambos, só existia um tipo de conversa possível.

(10 minutos depois)

- Victoru, o que estamos fazendo? Preciso voltar para o bar em 5 minutos...

Yuuri mal conseguia respirar naquele pequeno almoxarifado da casa de festas. Ele e Victor compartilhavam o local, cientes de que poderiam ser encontrados a qualquer momento. A adrenalina, porém, só fazia com que a tensão sexual aumentasse.

- Não sei o que está havendo, Yuuri, a única coisa que eu sei é que eu quero você. Agora.

- Eu também te quero.

Não fazia sentido para os dois. Que tipo de atração seria tão forte para fazer com que duas pessoas que mal se conheciam sentissem aquele tipo de necessidade física um pelo outro?

Yuuri tomou a iniciativa, puxando Victor para um beijo com o gosto de sua própria criação. Suas línguas de enrolaram, explorando as novas sensações que passavam por seus tecidos e papilas.

Doce, amargo, ardente.

Para Victor, nada se comparava ao beijo que agora recebia. Era como se todo esse tempo, nenhum de seus beijos com outras pessoas fizessem sentido. Além de embriagado pelo álcool, ele também estava embriagado pela sensação de ter o corpo do moreno junto ao seu.

Yuuri pulou no colo do mais velho, agarrando as pernas em sua cintura, permitindo que suas pélvis se encostassem.

- Yuuuuuri! Se você me provocar assim, vou querer mais do que eu posso fazer agora.

- Então me passa seu contato, Bíctoruu. Prometo que te mostro meu pole dance quando estivermos em um local mais apropriado...

O moreno saiu deixando Victor no local, sem saber o que fazer. Ele estava mesmerizado. O moreno o estava provocando deliberadamente. Sua respiração ainda falhava pela memória do contato íntimo.

Enquanto isso, Yuuri voltava ao bar, com um sorriso vitorioso no rosto.



Notas finais: E aí? Gostaram? Espero que sim! 

Até o próximo capítulo!

Feb. 26, 2018, 4:11 a.m. 0 Report Embed 0
Read next chapter Erólico: Parte 2

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 1 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!