Side by Side Follow story

whatapanda Políbio Manieri

Queria fingir. Queria fugir. Mas a quem tentava enganar? Estava cada dia mais encurralado por aquela pressão. Aquele homem que o perseguia e espreitava, predatório e atrevido, como uma praga. Uma maldita e deliciosa praga.


Fanfiction For over 18 only.

#romance #drama #hot #naruto #fns #comédia #gaalee #leegaa #Gaara-Lee
15
7162 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo único

N/A:

Essa oneshot é a minha homenagem à fic da Tia Tatu chamada Experience Secret, onde GaaLee é o casal secundário da trama, e Gaara tem um caso com Lee, muito embora tenha se casado por obrigação com Matsuri - que, no caso, é uma mulher mais do que insuportável. E temos a Hinata como principal mandante e chave de tudo isso.

É uma descrição de um pensamento que eu tive ao ler o rápido desenrolar da cena da academia que acontece no Capítulo 2 da história original e tentei dar um pouco mais de protagonismo aos dramas desse esse casal que eu amo tanto :3

Quem se interessar, até mesmo para familiarizar-se com o enredo, fica aqui minha sugestão, pois é uma fic divertidíssima (vocês vão querer saber que tal jogo é esse o qual eles tanto se referem), hot e este casal vai ser bastante importante no enredo, vou deixar o link nas notas finais!

No mais, estou extasiada em ter sido autorizada a trabalhar neste pequeno drama e espero que tenha ficado bem condizente ao que já foi narrado da coisa.

Boa leitura!

_________________________________


Side By Side


Lee nunca foi um homem de grosserias.

De fato, se havia algo que podia se orgulhar era o quanto honrava a impecável educação dada por seus pais, mesmo nos mínimos detalhes. Ele não xingava ou praguejava. Não se mal dizia, ainda que a situação justificasse qualquer mal humor. Era raro se ver até mesmo a mais pequena faísca de preocupação abalar sua postura cordial e bem humorada de costume.

Ele era bem conhecido pela sua determinação e força de vontade.

Mesmo que estivesse no direito, você não o veria se gabar de sua capacidade de autocontrole. Sem duvidas era apreciado por todos o modo como conseguia lidar com os mais diversos tipos de problema sem perder o brilho do olhar.

Dizia-se por aí, também, que era bastante otimista.

Pau pra toda obra, o cara do sorriso fácil e da mão amiga. O fogo da juventude. É o tipo de pessoa que você não encontraria choramingando pelos cantos, por mais complicada que estivesse a vida.

O cara do "tem jeito" e do "vai dar certo".

E aquela não era uma daquelas situações complicadas. Não era nada que não pudesse resolver. Não era lá um de seus maiores sacrifícios. Inferno, não era nem mesmo como se o fizesse despender mais do que 15 minutos do seu dia...

Mas, então, por que Lee se sentia a ponto de descer a chave inglesa naquele cara que lhe sorria abestalhado que nem pastel?

- Acho que coloquei mais do que aguentava. - ele coçava a cabeça ao se justificar, visivelmente constrangido.

E Deus sabe o que a rainha havia visto naquilo ali.

Mas não precisava recorrer a nenhuma divindade para entender.

Quase religiosamente naquele fatídico horário a academia lotava num frenesi que podia ser descrito como o mais perfeito crossover entre a feira da fruta e a G Magazine.

Não que já não fosse rotina aquele rebuliço de macho com ferro batendo, mas, era difícil apontar algum momento mais inconveniente possível para aquele Uzumaki Naruto emperrar o aparelho de Leg Press.

Pela terceira vez.

Na semana.

E a graxa daquela maldito ferrolho já estava virando uma lambança horrorosa em suas mãos.

Como dizem? 'Ossos do ofício'?

Lee voltou-se para o rapaz, sorrindo educadamente, como o esperado.

- Não esquente com isso, termino num minuto!

É, talvez a tal força de vontade fosse-lhe realmente uma máxima.

Mas aquela sensação incômoda não era culpa do loiro, isso sabia. Sim, Lee não explodiria - ou perto disso – por um motivo tão insignificante.

A questão era que lá estava ele, em meio à fila de homens impacientes que começavam a se amontoar em torno daquela máquina. Num calor desgraçado que não sabia dizer se era por toda aquela concentração de gente com exercício num espaço claramente insuficiente, ou pela aura que sentia pairar por suas costas feito névoa invisível de puro instinto assassino.

E, talvez, algo a mais.

Ele limpou, de qualquer jeito, uma gota de suor que escorria pela lateral de seu rosto, se concentrando no que fazia. O que mais frustrava era que pensava já conseguir lidar melhor com o peso daquele olhar à essa altura do campeonato...

Era um formigamento que chegava a sufocar. Ele nunca parecera tão grudado no seu encalço como nos últimos dias.

Lee havia tentado se animar com as probabilidades. Quem sabe, com o passar do tempo, tudo se tornaria mais fácil ou, no mínimo, menos angustiante. Contudo, nem todo otimismo e autocontrole do mundo seriam o suficiente para manter-se indiferente diante à sensação crua de impotência que apertava feito um soco em seu estômago.

Queria fingir, queria fugir, mas a quem tentava enganar? Estava cada dia mais encurralado por aquela pressão. Aquele homem que o perseguia e espreitava, predatório e atrevido, como uma praga. Uma maldita e deliciosa praga.

E o que fazia constantemente suas orelhas esquentarem era saber que aquele súbito frio na barriga tinha um motivo. E que ele já deveria bem ter aprendido aquela lição.

Não poderia estar mais errado. E um tanto puto.

Lee suspirou, limpando as mãos com o pano de sua cintura enquanto se punha de pé.

- Muito bem, Naruto. Acho que isso deve resolver.

- Ah obrigado, cara! – Naruto jogou os braços pra cima em alívio, apoiando a mão em seu ombro, se pendurando ali. Típico. – Se esse negócio quebrasse, minha mãe ia comer meu cu com areia...

Ah, meu rapaz, o risco de dona Kushina  à sua rabeta é brincadeira de criança. Isso quando conseguia notar, mesmo à distância, a pele que deveria ser clara restando apenas à um tom de distância do vermelho dos cabelos. E, muito provavelmente, pouco tendo a ver com a falta de ar pela corrida que executava na esteira.

Lee achava interessante.

Hinata o confidenciou uma vez que mantinha as identidades de seus brinquedos em segredo entre eles. Era uma das regras estranhas daquele esquema... ninguém sabe quem entra, ninguém sabe quem sai.

E ele ia se aproveitar até o último minuto daquela informação. Porque o ruivo podia pagar de todo poderoso para quem estivesse disposto a comprar... ele sabia que podia ser tão inseguro quanto um filhote assustado.

Mas isso não importava mais. Certo?

- Só... tenha mais cuidado, está bem?

O loiro acenou intensamente com a cabeça, agradecendo uma vez mais antes de se dirigir ao próximo aparelho, com sorte decidido a não tocar mais naquele por hoje.

Deixado só, Lee apertou a base dos ombros, sentindo os músculos repuxarem por baixo dos dedos. Ultimamente não adiantava o quanto se esforçasse que nem cavalo em suas atividades, aquela tensão e ansiedade permaneciam firmes e palpáveis como uma pedra por cima de suas costas.

Embora fosse tentador, não dava para responsabilizar outro pela displicência que estava tendo com sua rotina. Por mais que seu cenho franzisse e sua vista se voltasse em direção perigosa, apenas para constatação do óbvio naquele encarar.

Petulante, ele não vacilava por nada.

E, cara, como estava quente.

Lee alongou a cabeça, soltando o ar que não percebeu prender e sentindo as articulações do pescoço estalarem em resposta... Foi quando um pensamento subitamente desagradável lhe acometeu.

Ele havia esquecido. Da graxa nas mãos. E da camisa branca.

Ótimo.

Hoje não estava sendo lá um de seus melhores dias.

Com a caixa de ferramentas em mãos, Lee caminhou rumo ao vestiário.

Era notável a animação geral quando o circuito, por fim, começou a normalizar seu ritmo após aquela pausa técnica. Ou, também por conta da figura altiva que adentrava naquele recinto, com consciência plena de sua capacidade em quebrar – ou aumentar – toda a concentração de testosterona do ambiente.

Hinata vinha em sua direção em passos largos e decididos. O cabelo longo amarrado balançando em suas costas e a malícia brilhando no olhar. 

Imponente, segura e poderosa, como a abelha rainha que era.

Lee esboçou um curvar de lábios, esperando, do fundo do coração, que não quebrassem nenhum outro aparelho por ali... Mais cedo ou mais tarde ele ainda ia mandar a conta daquele prejuizo.

- Boa noite, Lee, o que tem pra mim hoje? – e foi então que ela parou, parecendo reparar nele fixamente. – Nossa, você tá trabalhando de mecânico agora?

- Ora, boa noite senhora Hinata. – Lee podia sentir na expressão dirigida a si que ela realmente não tinha muito interesse no porque ele parecia quase fugido de uma mina de carvão abandonada, mas, se bem que ia gostar de saber. – Na verdade foi outro misto de animosidade adolescente, estão ficando cada dia mais constantes por aqui. – Completou baixo, dirigindo o olhar discretamente para o loiro, que se fingia distraído em sua musculação.

Ela gargalhou com elegância.

- Ele é uma graça não é? – a mulher levou o polegar à boca, passando sobre a língua antes de esticar o braço, esfregando algo que alcançou próximo ao queixo dele – Tá sujinho aqui também.

E Lee podia jurar que escutou algo parecido com um tropeço na direção onde ficava os equipamentos de exercícios cardiovasculares.

Hyuuga Hinata você não presta.

- Bom, você pode ir se aquecendo na esteira, e eu... Bom... – e levantou as palmas, fazendo se exibir o estado em que se encontrava, antes de apontar em direção ao banheiro. – Depois eu te encontro!

Os olhos em pérola continuavam estacionados nele, curiosos, até se modularem um pouco pra esquerda, parecendo observar algo por cima de seu ombro e voltarem novamente. Ela sorria.

- O que?

- Ah nada, só estava pensando que essa imagem de brucutu sujo combina bem com você... – e deu-lhe um tapinha no ombro, piscando antes de se dirigir para onde ele a havia indicado anteriormente – Tá um tesão, lindinho.

Em dias comuns, era provável que aquilo não acabasse nada bem.

Mas, em questão de hoje, Lee pensou que não poderia se importar menos.

Ele ficou um instante parado onde se encontrava, tentando segurar o riso involuntário que brotou quando ecoou por suas costas, debochada, a voz feminina, num tom alto demais para quem está lidando com casualidades "Boa noite, Gaara!"

Olha, foi dificil de controlar.

Hinata era mais ligeira que uma águia e tão mortal quanto uma cobra. E talvez não fosse tão ruim que tenha acabado por se meter tão próximo em meio àquele fogo cruzado em forma de mulher...

Era sempre reconfortante tê-la como aliada. A descontração que a acompanhava o acabava por fazer se sentir mais confiante em não estar tão sozinho tendo que se forçar à ignorar aquele clima hostil.

_______________

Quando adentrou o vestiário pouco iluminado, o banque da porta de ferro soou metálico se chocando contra o batente. Havia todo um andar de distância entre os provadores e à sala de musculação, o que era bom. Vai que podia se utilizar daquele silêncio para buscar alguma paz de espírito ou coisa parecida.

Ou talvez arrancar-se daqueles pensamentos inúteis e concentrar-se, de uma vez por todas, no trabalho.

Mas nem sempre boa vontade resolvia tudo.

Largando a bolsa sob o banco comprido, Lee retirou uma toalha de rosto limpa com cuidado para não sujar as demais roupas e se avaliou, desanimado, no espelho que cobria a parede por inteiro.

Que bagunça.

Com um pouco de sorte, talvez conseguisse remover aquelas manchas escuras da gola, mas, infelizmente, este era um dote com o qual ele já não contava tanto assim. Lee demorou um segundo, avaliando suas opções e acabou por decidir não se incomodar com a sujeira que iria se espalhar enquanto puxava o tecido por cima de sua cabeça.

Jogando a camisa por aí, ele se aproximava da pia quando sentiu um arrepio gelado cruzar sua espinha, antes mesmo de ouvir o ruído delator. Como se adivinhasse. Como se pudesse o sentir, mesmo à distância e poder sem saber.

E como desejou forte que aquele agitado arfar familiar fosse apenas fruto de sua perturbada imaginação. Mas o reflexo o traiu quando levantou os olhos, desacreditado, e o vislumbrou encostado à porta.

Ele abraçava a própria mochila como se tivesse a necessidade de impor aquilo. Impor qualquer coisa que pudesse, que tivesse em mãos, como barreira.

Bom, ia mesmo precisar.

Corado pelo recente exercício, Gaara arfava em silêncio. E a cena pareceu congelar o tempo na eternidade daquele tremer de lábios, que pareciam estar buscando as palavras certas a dizer.

Calado, e mais ansioso do que gostaria de admitir, Lee aguardava o soar daquela voz que não ouvia por muito tempo, dias, meses, fingindo – ou tentando fingir – neutralidade.

Aquele verde estava inquieto dentro do olhar e ele inspirou por um momento, antes de jogar tudo o que segurava longe, fazendo estrondo contra os armários de metal.

- Mas que porra, Lee!

Lee piscou.

Heim?

Ele virou rapido, no susto do barulho, encarando de frente aquele ruivo irado que se aproximava com o dedo em riste.

- Não se faça de idiota! Por quanto tempo você pretende continuar esse joguinho?

Ah, pequeno... Ele era tão atrevido quanto era impetuoso, mas, felizmente, ainda existia a raiva. Lee não pretendia ceder uma vírgula que fosse, dessa vez.

- Ora, deve ser uma experiência terrível ser ignorado em prol de uma mulher. – sua voz travestia um tom irônico enquanto cruzava os braços, assentando-se na bancada.

O que era útil porque aquilo ia demorar.

- Quer dizer na minha cara que nada daquilo lá fora foi proposital?

E, ele sequer imaginaria que sim. Cada segundo do seu dia, desde então, era gasto planejando formas de chamar sua atenção. Qualquer coisa. Mesmo que a situação pendesse seriamente entre o ridículo e o desesperado, ele ponderaria a respeito.

Mas não o daria esse gosto aqui e nem agora.

- Parece incrível, às vezes, mas o mundo não gira ao seu redor, Gaara. – ele o observou começar a passar os dedos entre os próprios fios enquanto dava passos à esmo, numa tentativa de acalmar e pensar. Mas, agora, era sua vez de jogar os dados. – Não estava se divertindo no seu papel de observador?

Gaara parou abruptamente seus movimentos, voltando à postura ofensiva.

- Não me diga que você... – e pareceu ponderar por um tempo, antes de materializar aquela acusação. Como se houvesse um medo de que bastasse pronunciar as palavras para tornar realidade. – entrou no jogo.

Havia uma certeza mesclada à incredulidade naquele tom que fez fechar a cara e desfazer sua pose relaxada.

Ah, audácia. Quem visse não ia dizer que estava discutindo exatamente com o primeiro participante daquela sandice, parecendo perplexo o bastante com a ideia da coisa.

- Você não se atreva. Nem por um segundo. Nem em pensamento. – e aproximou-se, para encarar aquele rosto com clareza, firme sobre o que dizia. – Diferente de você, eu sei quem sou e sei bem o que quero. Sempre soube. Morro e não preciso me esconder por trás de mulher nenhuma para me reafirmar.

Notou o homem se abalar por um segundo, diante o impacto contido naquela frase. Por mais que tentasse manter alguma civilidade, não tinha muito pra onde fugir e nem pra que enrolar.

- Você... não está sendo razoável.

Estou dizendo, agradeça aos céus pela tal educação, ou Lee já teria mostrado àquele projeto de tom rosado que o coloria a ponta do nariz dele o que era um vermelho. Um vermelho de verdade.

- Eu?! – ele apontou com as duas mãos para si mesmo – Eu não estou sendo razoável? Você não aguenta nem dois meses em segundo lugar... tem noção do que são oito?

Gaara suspirou forte, esfregando as duas mãos sob as olheiras, que pareciam tão maiores vistas de perto. Respirou fundo enquanto as arrastava pelo rosto, até fechar as palmas juntas em frente ao queixo.

- Eu já te disse, você sabe. – e, de repente, aquele tom de voz macio. Por que estava ficando macio? – Não depende só de mim. Meu casamento sequer ocorreu por minha vontade.

Mas Lee não pretendia deixar tão barato, dessa vez.

- Claro, Gaara, porque todo mundo tem o direito de tomar as decisões da sua maldita vida pessoal. Todo mundo, menos você.

Porque sabia que Gaara tinha um temperamento difícil, e andava longe de ser uma das pessoas mais pacientes que já conhecera. Queria descontar aquela raiva. Provocá-lo até o limite.

Queria colocar tudo pra fora. Precisava. Estava farto.

- E você acha que estou aqui, diante de você, sob a vontade de outra pessoa? – ele ainda vai arrancar aqueles cabelos – Estou aqui porque quero estar com você, droga!

E o salto que sentiu no coração Lee não deixou transparecer. Nem mesmo o embargar, que começava a teimar em subir-lhe pela garganta. O ímpeto de substituir toda aquela animosidade pelo cansaço, e um tom de tristeza.

- Você não está comigo, nunca esteve. – e suspirou – Eu sou o que fica nas sombras, enquanto você brinca de império com a sua primeira dama.

Mas Gaara não parou o avanço e nem deixou se abalar.

- Você não entende? Não há uma escolha! Nunca houve uma escolha... – por um segundo, Lee pensou que tocaria seu rosto quando moveu. Ele estava tão perto, mas permanecia longe. – Nunca houve sequer um patamar válido de comparação. É você! Sempre foi você. Eu... eu preciso de um pouco mais de tempo.

É verdade, tinha esquecido o quanto estava quente.

Ele não fez mais menção de se mover, então as palavras apenas ecoaram, naquele calar abrupto e incômodo, sem muita clareza se era pela acústica do lugar ou pelo vazio de sua mente.

Seguiu-se alguns segundos longos demais antes de Lee se sentir sem saída. A fadiga da incerteza pesava sobre qualquer decisão que pudesse passar por sua cabeça, então buscou refúgio contra o olhar pesado, se concentrando nos detalhes de um piso qualquer.

E soltou baixo, quase em um sussurro:

- Seria tão mais fácil, tão mais simples... – e menos doloroso – Por que você simplesmente não me deixa em paz?

Não seria mais fácil? Deixar estar. Fingir que nada aconteceu, que nada acontece, e tentar seguir a vida?

Os punhos dele cerraram e os dentes apertaram. Finalmente havia o conseguido empurrar até o limite. Era agora. Esse era o momento.

- Por que?!

E ele veio com as mãos em sua direção.

Lee fechou os olhos, esperando. Esperando qualquer tipo de impacto que fosse, físico ou psicológico. Qualquer coisa. Mas não esperando o estapear suave na superfície de mármore quando as palmas bateram e permaneceram, apoiadas, o encurralando entre aqueles braços.

- Porque você e sua boca grande não conseguem fingir que sua voz não falha e suas pernas não tremem quando eu chego perto.

Quando falou, rouco, Gaara ainda soava perigoso.

E Lee apenas conseguiu engolir em seco e mudo, em resposta.

Essa não...

- O que há, Lee? Não consegue me afastar?

Ele o desafiou, se inclinando sobre seu corpo quando o balcão da pia não deixou recuar. Os olhos desceram de seu alvo, percorrendo, despudorados, toda a superfície tensa da pele à mostra.

E que tipo de timming cerebral idiota era aquele, em que apenas se deu conta de que estava semi-nu justamente agora?

Lee sentiu o calor subir instantaneamente às suas bochechas.

Ah, sim, semi-nu e sujo.

E, oh meu deus, estava ficando duro?

E todo aquele papo furado sobre autocontrole? Ou seria nervos de aço?

- Uma palavra é só o que precisa, e eu juro que saio por aquela porta e o deixo com a sua preciosa paz.

Muito bem, isso já está ficando ridículo. Diga alguma coisa, Lee. Qualquer coisa. Isso é tão pouco. Na verdade, não é nada. Ele nem sequer o tocou ainda e já estava imobilizado, petrificado feito uma estátua de cera.

E os argumentos? E a raiva? Cadê a razão? A tal boca grande? Qualquer coisa!

A intensidade no olhar fazia um tremor espalhar-se por todo o seu corpo, seguido por uma compressão cada vez mais absurda entre suas pernas. Ele travou a respiração.

- Droga, a ratazana estava certa... – Gaara murmurou, próximo o suficiente para Lee sentir o próprio hálito reverberar de volta ao chocar-se contra os lábios em movimento – Você tá um tesão, moreno.

E aquele bastardo tinha tanta confiança que se deixava blefar, sem o menor receio.

Decerto Lee já valeu bem mais do que o que se propunha... Mas isso, talvez, em algum outro dia em que tudo pudesse fazer maior sentido.

Porque, quando a língua o tocou, antes mesmo da boca, o único movimento descoordenado que conseguiu fazer chegar do cérebro ao corpo foi o agarrar dos cabelos ruivos e o puxar para si, selando, enfim, aqueles lábios indecentes.

Sentiu o frio dos dedos dele espalmarem-se entre suas costas e pescoço, segurando com força, quase como se receasse arriscar quebrar aquele contato à qualquer momento. Ou, apenas para se assegurar de juntar seus pedaços enquanto se desfazia.

Aquele homem o via e o conhecia como se fosse um livro aberto.

Perto demais. Perigoso demais.

E ele cedia fácil, ele sempre cedia tão fácil que deveria se envergonhar. Mas o apetite daquela boca deslizando sem delicadeza contra a sua, e o desespero daquelas mãos premeditadas, que apertavam como se pudessem aprisionar seus receios em toque, faziam seu estômago revirar. Um êxtase de fogo gelado que o desprendia num misto de raiva e alívio, rancor e saudade. Amor. E desejo.

Game over.

Lee deixou seus braços penderem fechados por cima de ombros, puxando o ar na primeira oportunidade que surgiu. Seu lábio inferior foi sugado, o calor do corpo sobre o seu contrastando a superfície gelada em suas costas.

- Você cheira àquela mulher...

Mesmo assim ele o abraçava, gentil.

- É mesmo? – e não diminuía em nada os beijos que distribuía, quase que preguiçosamente, em direção à base desnuda do pescoço.

- Se dormir com dragão vai cheirar à enxofre, querido.

Ele riu em silêncio, num soltar de vento quente sobre a pele arrepiada, e elevou a cabeça.

- Lee, você fala demais.

Com o rosto seguro em suas mãos, Gaara lhe buscou, desejoso. O polegar roçou levemente sobre os lábios cheios, que se contraíram ao toque.

Porque Lee não queria mais fazer piada sobre aquilo.

- Por quanto tempo vou ter que continuar fingindo que isso não me magoa?

E notaria, se não estivesse tão cegamente tragado por toda aquela força, que ele teve q se elevar na ponta dos pés para alcançar sua bochecha, quando não se curvou. O pouco suor da pele escorregava, mantendo a suavidade de seus toques em uma constância tentadora.

- Não quero que finja nada para mim, só... Aguente mais um pouco.

E o brilho dos olhos sobre os seus refletiram, em um pedido sem voz. Aquele homem em seus braços ardia feito pimenta, mas também se derretia mais que manteiga... Onde ele encontraria as forças necessárias para resistir, para negar àquilo tudo?

Respire.

Lee fechou as pálpebras inspirando por um segundo, apenas para se deixar aproveitar um pouco a sensação gostosa daquela proximidade. Em seu íntimo admitiu, sabia que já havia perdido feio aquele jogo.

Antes mesmo de começar.

E, agora, o outro também estava sujo de graxa.

- Que se dane.

Perdidos pelo tecido, seus dedos se acharam próximos ao colarinho e o puxaram em direção aos lábios, mergulhando em outro beijo de tantos sabores e tão pouca paciência. A eletricidade e euforia se digladiando tão deliciosamente na base de sua barriga enquanto devorava, sem dó, cada centímetro da língua que lhe era oferecida.

O êxtase daquele gosto familiar, daquele corpo tão conhecido, tão próximo, o atordoava de um jeito que podia jurar sentir o coração pulsar em altas batidas aos seus ouvidos. Tão ritmadas e pesadas que parecia mais... passos. 

Oh. 

OH. 

Espera.

Lee arregalou os olhos, se dando conta da situação. Se dando conta do lugar.

Num sobressalto, deu apenas tempo dele se derrubar, abraçado em Gaara, por dentro de um dos boxes próximos até um clique fazer a porta abrir e alguém entrar, resmungando alguma coisa sobre a vida.

Quando a silhueta passou pela pequena fresta, ele pôde perceber um relance de cabelos loiros e a cor laranja, facilmente reconhecível à quilômetros.

Uzumaki? Aquele cara era o rei da inconveniência ou o que?

Enquanto Lee se ponderava, entre o nervosismo e o susto, se aquilo já estava virando uma perseguição pessoal, um pequeno remexer o fez olhar para baixo.

E uma gota de suor escorreu fria por seu rosto.

Claro que não havia percebido que, tentado a manter os pés fora de vista, estava agachado sobre a caixa d'água do vaso sanitário, encostado à parede com os baços estendidos sobre a superfície. Até aí tudo bem, contanto que aquele negócio não quebrasse com o seu peso, ele tinha toda a estrutura física necessária a seu favor para se manter daquele jeito por um bom tempo.

Mas e a psicológica?

Porque, abaixo de si, aquele ruivo havia caído sentado sobre a tampa, mas não só isso. A altura e proximidade entre suas posições praticamente gritava a perfeita nivelação da cabeça dele com um problema. Um grande e duro problema. E, droga, ele havia percebido.

O arrepio lhe desceu como uma pedra de gelo pela espinha quando o viu erguer o rosto com um dedo encostado sobre os lábios, em sinal de silêncio. Olhos verdes diretos e ardilosos, com o discreto curvar de um sorriso dissimulado em frente ao seu desespero com a situação.

Ooh não. Nem pense nisso. O perigo é iminente e o que ele estava querendo? Ficou louco? 

Tudo o que Lee podia fazer era balançar a cabeça em negativa e se agarrar ainda mais em seus azulejos quando ele se aproximou mais, ignorando-o completamente.

A torneira foi aberta lá fora e aquele toque pesado que subia por suas coxas até agarrarem ao cós das suas calças queimava. E, vocês já repararam que calças de exercício não tem botão? Não tem mesmo um maldito zíper pra servir de empecilho. Ou um tecido que fosse mais resistente e não maleasse com tanta facilidade sob um mero puxar, sem demandar o menor esforço.

Ok, isso agora, definitivamente, era o seu coração. Porque ele tinha certeza que estava prestes a ter um troço, a qualquer momento, bem ali mesmo. Principalmente quando aquele maldito descarado, conseguindo o que queria, se lançou sobre sua exposição, abocanhando-a sem a menor cerimônia no exato momento em que a água parou de correr e barulho do silêncio dominou o ambiente.

E como diabos deveria ficar quieto?! Como diabos se manteria calado com aquela cavidade quente descendo sedenta, a garganta contraindo enquanto o engolia em toda sua plenitude? Pra começo de conversa, não era ele o preocupado com a publicidade do relacionamento dos dois?

Conseguindo um relance a mais de equilíbrio, Lee tocou a cabeça de Gaara na intenção de o afastar. Teimoso, ele não se moveu. Forçando pelos cabelos, então ergueu sua cabeça. E desejou que não tivesse feito. Quando o olhar em brasa encontrou com o seu o peito arfava, e os lábios eram cheios, e a língua totalmente estirada para fora a acariciar a parte inferior da ereção, desde a base até a ponta brilhante de saliva.

Todo aquele calor carnal se misturava à ansiedade do medo, deixando seu corpo numa sensibilidade que acreditava ser capaz de soltar até faísca ao menor toque. Não devia. Não podia. Mas, como queria. E aquela dualidade antagônica de pensamentos e sensações, misturada ao vermelho possessivo daquele homem, o estava deixando completamente sem opções ali.

Inconscientemente sua cabeça pendeu para trás, batendo na parede. A boca abriu num gemido mudo em que cobriu com uma das palmas para não escapar. 

Cara, isso tinha feito barulho. Não tinha passos, não tinha água, não tinha nada ali para servir de cortina contra aqueles ruídos de sucção, que pareciam ecoar no ar como se acionassem um alarme.

Ele teria saído, talvez? Lee já podia sentir pele das costas da própria mão marcar dolorosamente pela mordida na qual se concentrava. Tentando, controlando, enquanto aquele pecado só afundava-se cada vez mais entre suas pernas, não podendo ser mais claro em demonstrar o quanto estava pouco se fodendo para o problema em questão.

Suas pernas tremiam. Os músculos protestavam e já não sabia se era pelo incômodo da posição ou, simplesmente, porque a intensidade a lhe chupar aumentara drasticamente.

Um zíper abrindo foi tudo o que ecoou lá fora. E, puta que pariu, Uzumaki Naruto, por que você não vai embora de uma vez, seu cretino?

E, então, é bem verdade que Lee realmente não xingava ou praguejava, mas....

Mas que inferno!

E foi então que a porta enfim fechou e no respirar aliviado, quebrou o gemido que havia prendido.

- v...você, seu...

Chegava a ser ridicula sua tentativa de ameaçar.

Ele não lhe dava nenhum indício que daria qualquer trégua para falar ou tempo para raciocinar. As unhas desceram, impiedosas, por toda extensão de seu abdômen e o sobressalto que deu quando as sentiu fincarem em seus quadris fez a porcelana do vaso estalar. Por que eles sempre tinham que quebrar alguma coisa nessas horas?

Apoiando-o pelo pescoço, Lee empurrou o quadril para frente para descer dali e sentou-se no lugar de Gaara que escorregou para o chão.

E chupava.

Meu deus, ele não para, não dá uma folga.

Lee podia sentir-se vazando e endurecendo loucamente sobre a mão que o fechou em um aperto firme, subindo e descendo em sua extensão enquanto os lábios molhados lhe capturaram a ponta. Bem. De. Leve. O calor e o frio começando a se concentrar ao mesmo tempo em torno de seus quadris.

- Gaara...ah... eu... eu vou...

E o tal do autocontrole, ele já havia falado sobre?

Quando sentiu as paredes da garganta contrairem na mais funda e intensa estocada, ele desistiu de tentar conter todas aquelas sensações, e se deixou ao ápice. Antes mesmo de sequer ter a chance de se condenar pelo pensamento deplorável de atingir o orgasmo ali mesmo, no vestiário da academia, pela boca lasciva daquele homem casado.

Porque vergonhosamente admitia, tudo aquilo que soava execrável naquela ideia, também soava absurdamente excitante.

Lee assistiu aquele maldito lentamente engolir cada gota derramada com verdadeiro prazer, visivelmente deleitado pela provável visão de seu amante se dissolvendo em tremores, neblina e suor diante de si. E pelo total controle que, mais uma vez, tinha da situação.

Colocando as calças de volta ao seu lugar de origem Gaara subiu toda a extensão de sua virilha e barriga com a língua, demorando-se ao seu tempo, seguindo os rastros de marcas vermelhas que deixara outrora.

A sensação leve da caricia junto ao arranhar de uma possível barba por fazer, criava cócegas deliciosas por cima da dormência que ainda corria recente por suas veias. Ele já não tinha mais forças para resistir à tudo aquilo. 

Ele algum dia teve forças?

Ah, esqueça.

Aquele ruivo sedento vinha, o prendia, o tomava e o dominava como um verdadeiro furacão.

Lee estremeceu em um pulo quando, em meio ao leve do toque em seu peito, os dentes de Gaara cerraram fortes na base de seu pescoço. A pontada de dor repentina o retirou do torpor que ainda o acometia. Aquilo ali ia deixar uma marca! Claro que ia, era exatamente essa a intenção por trás de seu brilho possessivo.

As mãos o acariciaram e os lábios landinos se moveram.

- Você não consegue fugir de mim. Não se esqueça disso.

E por mais receios que ainda ofuscassem a certeza naquelas palavras, Lee não discordou. Tudo bem, hoje não.

O abraçou, então, puxando o ar daqueles cabelos para dentro de seus pulmões e deixando-se realizar na percepção de que ele, agora, cheirava a si.

Ao menos por agora gostaria de esquecer todos aqueles problemas. Ia viver e ia fingir. E não iria se preocupar. Por mais que soubesse que tudo permaneceria igual assim que abrisse os olhos.

- Lee, você não deixou a Hinata correndo na esteira?

Oh...merda.

_____________________________

Notas Finais

Obviamente nada incomum em tanta bolsa e camisa simplesmente largados pelo chão de um vestiário vazio...

O link da historia original: /historia/experience-secret-10029249

Feb. 26, 2018, 3:15 a.m. 0 Report Embed 3
The End

Meet the author

Políbio Manieri Being alive...

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~