All I Want Follow story

lalah_diangelo Larissa Di Angelo

"Se fosse definir da forma mais simples e entendível possível, eu colocaria com todas as letras. Adornadas e carregadas de significado, que eu o amava mesmo com meus tons rudes às vezes ao fazê-lo, era a forma mais sincera de demonstrá-lo. Ainda que eu fosse um desgraçado indigno de recebê-lo possuía comigo a melhor das conquistas, ele me amava tão intensamente e verdadeiramente da mesma forma." {AMIGO SECRETO} Os personagens da obra não me pertencem, e sim ao querido Kōhei criador da maravilha que é My Hero Academia. Mas a história contida nela sim. PLÁGIO É CRIME, SEJA CRIATIVO E CRIE SUA PRÓPRIA HISTÓRIA. Art. da capa não me pertence



Fanfiction All public.

#BNHA #romance #Di Angelo #Amigo Segreto #Kacchan #Pro KatsuDeku #KatsuDeku #Midoriya #Angst #Yaoi #drama
2
7126 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

Veja, você trouxe o melhor de mim
Uma parte de mim que nunca tinha visto
Você pegou minha alma e a purificou
Nosso amor foi feito para as telas de cinema...

Kodaline - All I Want

Irritantemente a pouca claridade no quarto — a qual havia me despertado —, consequentemente ainda tão cedo, ocasionava comigo jogando alguns xingamentos ao ar, sendo retrucados com uma curta risada conhecida. Que me obrigou, além do sol em meu rosto, a despertar por completo.

— Bom dia, Kacchan! — disse ainda sorrindo, como se aquele fosse um detalhe crucial para iluminar ainda mais seu rosto.

“Estupidamente belo; graciosamente iluminado.”

— Bom dia — a voz rouca pelo meu recente despertar, não escondia completamente a irritação causada pelo mesmo — Quanto tempo...

Não pude ou consegui terminar de dizer, quando Izuku interrompeu-me, deixando um selar nos meus lábios — infelizmente breve demais —.

— Não seja tão estressado ainda de manhã, Kacchan — sussurrou rente aos meus lábios e antes que eu pudesse trazê-lo de volta para perto, o mesmo se afastou — Ainda é cedo e acordei á pouco também.

Bufei irritado, ao confirmar que acabara perdendo mais algumas horas de sono calmo e tranquilo. Acordar cedo estava entre as coisas que odiava fazê-lo, mesmo com a necessidade que poderia haver sobre aquela ação.

— Deku? — tive para mim novamente a atenção de seus olhos, mesmo já sendo um adulto com todos os quesitos para se classificar como qual. Aquelas orbes esmeraldinas ainda mantinha sobre si o mesmo brilho e sagacidade determinada, as quais eram suas principais características a meu ver. Mas, principalmente porque continuavam neutras e puras, como da primeira vez que eu fora capturado por aquele olhar.

O olhar que me salvou de mim mesmo.

— Kacchan?! — Só percebe que tinha afundado em meus próprios pensamentos, quando encontrei a face curiosa de Midoriya me observando, perigosamente perto para quem ansiava sempre por mais e mais dele.

— Fica em casa — ditei simplista, enquanto minha mão percorria de forma lenta pelo seu rosto com algumas sardas, como se eu o estivesse desenhando. Quando na realidade só estava mais uma vez memorizando cada ponto ou linha que o compunha.

— Você sabe que não podemos — retornou calmo a negativa, enquanto fazia menção de levantar da cama. O puxei antes que concluísse, o fazendo cair sobre mim.

— Kacchan? — entonou confuso, era possível notar o ponto de interrogação pairando sobre sua cabeça, se eu me esforçasse para isso.

— Ainda é cedo Deku, então apenas fique aqui — falei como se fosse o óbvio, enquanto tentava me ajeitar melhor ao seu lado, ouvindo mais uma vez naquela manhã seu riso — agora — tanto abafado soar, aquele que por diversas vezes, despertava em mim vontade de retribui-lo da mesma forma, sorrindo.

Sabia que não conseguiria dormir novamente, então apenas me ocupei, aproveitando pelo raro tempo sereno que me era oferecido, antes que as demais obrigações invadissem o quarto a chutes obrigando-me a cumpri-las.

Sentia os dedos de Izuku contornarem meu peito em pequenos círculos, e por algum tempo apenas nos ocupamos em aproveitar aquela pausa pela nossa rotina incansável e sem descanso. Por alguns minutos eu me confortei no calor do corpo alheio, em busca da minha paz, a qual ele sempre me proporcionava.

Inacreditável como era injusto a maneira que havia dele me confortar ou desarmar, até mesmo no silêncio sem nada ser dito ou feito. Midoriya possuía o dom que poucos — ou ninguém — tinham que era relevar e trazer a tona a melhor parte que poderia haver em mim, da mais bondosa combatente ao caos e destruição na qual eu já me assemelhava.

Tivesse consigo cada detalhe ou traço que pudesse me completar a parte humana e pura que me faltavam na maioria das vezes. Não que eu ousasse acreditar em toda aquela estupidez de almas gêmeas e blablabá, mas a convivência ao seu lado e os sentimentos despertos no processo me fazia morder a língua e dar o braço a torcer por aquela idiotice — mesmo que só para mim —, ainda que com o restante eu negasse.

Se fosse definir da forma mais simples e entendível possível, eu colocaria com todas as letras adornadas e carregadas de significado, que eu o amava mesmo com meus tons rudes e que, às vezes ao fazê-lo, era a forma mais sincera de demonstrá-lo. Ainda que eu fosse um desgraçado indigno de recebê-lo, eu possuía comigo a melhor das conquistas: Ele me amava tão intensamente e verdadeiramente da mesma forma.

—Hey, Izuku?

Nunca me cansaria daquele olhar, mesmo agora estando espantado e curioso por tê-lo chamado pelo nome, era uma das poucas certezas que tinha e carregaria até o fim dos meus dias — Eu amo você.

Foi momentaneamente engraçado, ver seus olhos brilharem e engrandecerem com que havia escutado. Precisava dizer aquela frase com frequência estabelecida para evitar a surpresa, como se fosse novamente a primeira vez.

Ainda assim, quem de nós dois foi possível o primeiro a falhar? De respiração ou batimentos, foi a mim, ao me encontrar mais uma vez a mercê do seu sorriso. Tão puro e verdadeiro, o detalhe que completava a sua beleza única.

— Amo você Kacchan — disse alegre, ainda com o sorriso estampado, iluminando as sardas e complementando os orbes esmeraldinos. Lampejo necessário a confirmar, que sem perceber ou aproveitar-se, ele regia completamente as forças sobre mim.

Havia por fim um lugar ao qual eu sempre pertencia, ponto de conforto ou paz, pertencente à luxúria e sensualidades únicas. Por um dia, ou traçando uma vida, eternamente e unicamente ao seu lado.

‘Mas se você me amava
Por que você me deixou?
Tome meu corpo
Tome meu corpo’

Frio, foi à primeira sensação que acometeu sobre meu corpo quando retornei a realidade. Vazio, foi a segunda a ser notada, provavelmente a mais dolorosa e odiada por mim, que vinha como forma de confirmação, a mais nova tortura regente acoplada aos meus dias. Era já quase como uma rotina ter daquele mesmo sonho misturado com lembrança, dia após dia, sem pausas.

Com o passar do tempo se tornou difícil para mim, poder separar o que eram apenas memórias e o que era minha imaginação, mas ainda sim, cada vez que ocorria, não havia ficado menos doloroso ou até menos real. Como um lembrete a quem eu havia perdido, levando consigo tudo o que significava.

Ausência

Era estranho este sentimento, antes de conhecer Midoriya ou que ele ocupasse todas as lacunas que havia em minha vida. Eu tinha a noção de que isso sempre existira na época, como se eu estivesse sempre em busca de algo para preenchê-lo — como de fato havia encontrado —, porém agora sua presença era indesejada, preenchendo novamente as lacunas de minha vida, sem autorização. O vazio que estava ali, no lugar que costumava ser somente teu. O vago espaço na cama, sua mesa de trabalho... Não havia mais nada que pudessem dizer que o faria voltar a ocupá-los novamente.

Mas do lado de fora, cada um sabia como se lembrar sobre você, ninguém ousaria esquecer o que havia feito para proteger alguns inocentes, mesmo com sua própria vida em risco, como um verdadeiro herói que, quando criança sempre dizia querer ser. Eu me lembro dos seus sonhos e como você reagia cada vez que falava sobre eles, cada riso ou brilho no olhar, diferentes.

Eu notava e me ocupava em apenas admirá-los, sabendo que com isso, se possível, estaria me apaixonando um pouco mais por você e seus detalhes.

Ninguém presente aquele dia o esqueceria, mas eles não conviviam com aquilo da mesma forma que eu, por todos os dias, ou meses que sucederam.

Você se tornou o herói deles, mas se esqueceu de que sempre fora o meu.

Culpa

Somente eu a suportava. Como um peso invisível sobre meus ombros, esmagando e te destruindo lentamente de dentro para fora. Obrigando-te a conviver todos os dias com aquilo, sem nunca poder ter a chance de mudá-lo.

Impotência

Algumas vezes, já me ocorreu essa sensação pela minha vida. Mas nunca nenhuma delas se fazia tão presente e forte como a lembrança sobre aquele dia. A maneira que v, paralisado, você ir, novamente mais uma vez para longe de mim. Mas daquela não havia uma forma de correr para alcançá-lo, você não me deixou formas de fazê-lo nem se acaso eu me tornasse o melhor, o número um como sempre desejei; Ainda haveria aquela distância imposta novamente sobre nós dois, imutável. O dia no qual me fez relembrar, como ferro marcado com força em minha alma e mente, de como eu ainda sou fraco. De como assisti você morrer, sem conseguir te salvar.

“Tudo que eu quero nada mais é
Do que ouvir você batendo na minha porta
Porque se pudesse ver seu rosto mais uma vez
Tenho certeza que eu poderia morrer um homem feliz”

Deitado, e sobre mim esse teto branco sem graça ou vida, acaso eu feche os olhos, consigo mentalizar de maneira perfeita seus detalhes, seus beijos e toques.

Ser trazido de volta à realidade é o castigo mais cruel que poderia me ocorrer, penitência desumana sobre todos os meus pecados. Pois por mais real que eu consiga lhe imaginar, o frio e o vazio ainda me aguardam presentes em todas as vezes que abro novamente os olhos.

Eu deveria ter dito mais vezes que te amava, quebrado meu orgulho estúpido e idiota me impedia de fazê-lo. Agora desejo novamente poder dizer, poder te ouvir.

Eu nunca havia me importado com ninguém por quase toda minha vida. Já estava acostumado e havia aceitado o fato de sempre ser visto como um vilão para a maioria, menos por você, que não me viu daquela forma, mesmo que eu quase sempre, apresentasse que ainda conseguia me fazer também acreditar pela primeira vez que eu não era.

Através de alguns que nós conhecíamos ainda me dizem palavras de conforto e apoio. Eu as entendo, mas não as quero. Pois a única coisa que desejo e que peço fervorosamente ao nada, é que todo esse tormento seja apenas mais um sonho ruim, e que eu possa acordar novamente acalentado pelo seu calor. Que eu possa sentir sua pele e seus batimentos, e saber que você está vivo.

“Quando você disse seu último adeus

Morri um pouco por dentro

Deito-me chorando na cama a noite toda

Sozinho, sem você ao meu lado”

Porque, se é possível alguém crescer no amor e mudar por ele, eu posso dizer que fui um desses. Pois há o fato de que eu cresci por nós e melhorei para você. E mesmo agora, eu não me arrependendo nem um pouco disto. Se fosse possível, eu gostaria de mais uma chance de ter você, por um dia ou de apenas poder lhe dizer algo.

Diria lhe que você era a minha única exceção e motivo, que sentiria sua falta com todas as batidas que meu coração poderia dar. Que nossa vida, foi à única e verdadeira casa que eu tive.

Espero que isso não soe tão egoísta como nós sabemos que eu costumo ser, mas os últimos meses de sua vida foram sem dúvidas os melhores da minha.

Você salvou minha vida, mesmo sem nunca saber. Salvou-me de mim mesmo. E por mais que eu o tenha perdido, sou muito orgulhoso do homem que você foi ao fazer aquilo que considerou valer a pena. Ter te conhecido, no final, me assegurou a dizer que trouxemos alegria para a vida um do outro, sobre tudo e todas as coisas que tivemos de enfrentar.

Eu te amo Izuku, sempre irei.

“Eu tive tudo, e então quase tudo de você

Um tanto, e então nada de você

Me leve de volta para a noite em que nos conhecemos

Eu não sei o que devo fazer

Assombrado pelo seu fantasma

Me leve de volta para a noite em que nos conhecemos”

Feb. 26, 2018, 1:43 a.m. 0 Report Embed 3
The End

Meet the author

Larissa Di Angelo Mineira, 20 aninhos Estudante de Marketing E num futuro não tao distante Publicitária ❤ Amante séries e filmes (principalmente de Heróis) Adora HQ's, mangas, livros e musicas... Enfim essa sou eu...

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~