Urso (2015) Follow story

alicealamo Alice Alamo

Nada como um plano bem elaborado para atrair um chocólatra mal-humorado.


Fanfiction Anime/Manga All public. © Todos os direitos reservados

#Yaoi #DeathNote #Mello/Near #Mello #Near
Short tale
10
6833 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único


Aquele urso estava lhe encarando, Mello podia jurar que sim! O pelo branco sintético que envolvia a espuma, a gravata preta que quebrava um pouco toda aquela fofura albina.

Um urso, uma palavra, quatro letras, vários motivos para estar sobre sua cama, em seu quarto, sentado sobre uma barra de chocolate. De fato, muito significados a serem considerados e interpretados.

As safiras, jóias presas por fios transparentes, amarrando-as firmemente ao bichinho malditamente branco, fofo e imóvel.

Fofo?

Mello já ouvira muitas pessoas dizerem que bichos de pelúcia são fofos, bonitos. Porém, o loiro não o achava tudo isso, não o tinha em tal estima, sendo sincero, considerava-o tão longe dessa descrição que não acreditava que tais brinquedos merecessem tanta atenção.

Se fosse descrevê-lo, seria sincero! Diria que eram seres inanimados, com ausência de qualquer movimento ou força, sem função ou utilidade, em síntese, um brinquedo inútil para decorar alguma lacuna de algum quarto qualquer.

Curioso, andou e sentou-se na cama, encarando o ser maligno que esmagava seu precioso chocolate. Notou então a gravata preta mal arrumada, desalinhada. Bufou ao retirá-la do urso.

Olhando-o agora sem o preto que quebrava sua monocromia, confirmou sua tese! Já vira aquele urso e sabia mesmo a quem pertencia, mas não, não iria devolver de jeito nenhum! Até porque o bicho estava em seu território e ali quem mandava era Mello, só e unicamente Mello.

Não possuía obrigação de se levantar e levar a pelúcia de volta ao dono... Não tinha essa responsabilidade, além disso, pensamentos maldosos envolvendo tesouras passaram por sua mente, permitindo-o sorrir cruel ao visualizar outra cabeça albina no lugar da cabeça do urso.

Mas não podia deixar Matt vê-lo! Céus... Não queria nem imaginar a cena que o ruivo faria quando o visse com um urso de pelúcia... Um vexame com certeza.

Debaixo da cama pegaria pó, coisa da qual o loiro tinha alergia, na cama estaria ao alcance do ruivo, guardou-o então no armário, debaixo de sabe-se lá quantas cobertas e ainda fez questão de trancá-lo.

Olhou para sua cama, pegou o chocolate e deitou-se. Contudo, mesmo sem o urso, sua cama ainda estava diferente... O cheiro de chocolate estava camuflado por um insuportável aroma de Johnson! O cretino ainda tivera a ousadia de deitar em sua cama! E mais, por um bom tempo Mello poderia supor, visto que até seu travesseiro exalava a fragrância.

Mas nada disso acabou com a paciência do loiro... Preferiu abrir a barra de chocolate e saboreá-lo, acalmando assim seu espírito. Rasgou com pressa a embalagem, arregalando os olhos...

É... Tinha sido a gota d’água.

Levantou-se, abriu o armário quebrando a tranca, saiu do quarto marchando, castigando o piso e estrangulando o urso e deixando a barra de chocolate sem chocolate cair jogada no chão.

Parou de frente a porta tão conhecida. Se chutasse, seria dramático, se abrisse com força, emotivo demais, se abrisse calmamente, passivo demais e ainda o outro acharia que ele estava lá para devolver o urso, mas se batesse... Caso se anunciasse antes, seria indiferente, ainda que a raiva em si borbulhasse.

Mesmo que com força desnecessária, Mello bateu na porta. Três vezes, cada batida superando a pressão exercida da anterior...

A porta abriu-se, revelando Near de pijama ainda e parecendo ter acabado de ter uma noite péssima. Mello estrangulou mais o urso quando o albino resolveu dar atenção à pelúcia, bufou, socou o albino com força, empurrando assim o maldito urso no rosto do menor.

– Fique longe do meu quarto! – Mello ordenou gritando, saindo e batendo a porta com força.

Near sorriu. Tudo o que fora feito conseguiu mesmo trazer o loiro até si, com uma pequena margem de erro obviamente, já que sua porta ainda estava inteira e no devido lugar.

Feb. 25, 2018, 1:20 a.m. 0 Report Embed 4
The End

Meet the author

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~