lullabywoonder Lullaby Woonder

Onde Benjamin Brown, no auge dos seus 35 anos, acaba de sair de um relacionamento tóxico e pretende comemorar da melhor forma. [Conteúdo Eróticos]


Short Story For over 18 only. © Reservados

#drama #oneshot #lemon #shoujo #yaio #historiaoriginal #bishounen
Short tale
0
374 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

『Autora』

Benjamín Brown, um homem no auge de seus 35 anos, trabalha como engenheiro de Software, no desenvolvimento de programas de computador, buscando a inovação e a ciência para garantir maior desempenho e produtividade dos setores da economia.


Um homem bom, gentil e deveras atraente. Sua pele branca como a neve e seu corpo esculpido chamam atenção de qualquer um o olhasse para si.


Seu estilo elegante, porém, descontraído também chama bastante atenção.


Benjamin tem uma condição genética um pouco diferente; o albinismo, que é uma doença congênita caracterizado pela ausência completa ou parcial de pigmento na pele, cabelos e olhos, devido à ausência ou defeito de uma enzima envolvida na produção de melanina.


Seus olhos tem uma coloração mel muito fraca, lábios carnudos e rosados por conta de seu glos de cereja. Seu rosto fino e pálido sempre tem com um pouco de maquiagem, não que fique muito evidente que use.


Sua vida financeira e social é sublime, mas sua relação amorosa ia de mal a pior.


Colin Scott, 30 anos, e trabalha como gerente de uma concessionária de carros. Namorado/ficante de Benjamin.


Um homem com uma personalidade forte e duvidosa. Mas Benjamin tentava ser o mais amável e paciente com o mais novo, mas chega um momento que nem mesmo a pessoa mais paciente não aguenta mais a grosseria de tal; Principalmente se isso for uma traição.


•••


Benjamin se sentia esgotado por conta de seu trabalho, ele estava dirigindo seu carro em direção a casa de seu namorado assim como aviam combinado. Hoje ele colocaria um fim naquela relação problemática.


Colin era um homem que esquecia facilmente de suas promessas, mas seu ciúme excessivo nunca era esquecido; E muitas vezes isso deixava Benjamin assustado. Qual é o problema sair para beber com seus amigos?


Todas as noites perto das 23h, ligava perguntando quem está e aonde está, mesmo já sabendo de resposta.


— Enfim chegou o dia... — Benjamin falou e suspirou alto.


Ele saiu do carro e andou en direção até a porta da casa do namorado, mas por algun motivo a porta estava trancada. Como de costume, quando isso acontecia, Ben se abaixou e pegou a chave que fica embaixo do tapete da entrada.


Ao destrancar a porta ele ouvir barulhos na cozinha. Ele tirou seus sapatos e andou em direção a cozinha meio acanhado repitindo mentalmente todo o seu "discurso" para o termino do namoro.


Apesar de Colin ser um homem impulsivo e até considerado arrogante, Benjamin não queria mágoa-lo.


— Eu cheguei... — A frase de Benjamin morreu aos poucos assim que viu Colin beijando outra pessoa; Uma mulher cujo os cabelos são comprimos e um corpo sensual.


— Benjamin. — Colin se afastou da mulher que olhou confusa para os dois. — Eu posso explicar...


— Calma, vocês estão juntos? — Ela olhou para Colin. — Você me garantiu que era solteiro!


— Não estamos mais juntos. — Benjamín falou sério. — De tudo, eu nunca imaginei que você fosse capaz disso.


Benjamin suspirou cansado e caminhou em passos longos.


— Benjamin, não vá! — Colin andou até o albino e pegou em seu pulso o impedindo de continuar seu caminho. — Isso foi um engano, não rolou nada entre nós eu juro.


— Você estava aos beijos com ela, afinal ela confirmou isso quando falou que você avia falado que era solteiro. — Benjamin desviou o olhar e se soltou do aperto das mãos grandes do outro. — Buscarei minhas coisas outro dia.


— Ben... Querido...


— Não me chame assim, está tudo acabado.


— Você não conseguirá viver sem mim! Nunca achará um homem como a mim.


— Te garanto que isso não será um problema.


O mais velho saiu pela porta da casa e andou até o carro.


— Ei, moço... — A mulher se aproximou do Ben. — Benjamin certo? Peço desculpas, eu não sabia que ele tinha um namorado.


— Você não teve culpa, você também fui usada... — Benjamin suspirou. — E na verdade você fez um grande favor para mim, obrigado.


Benjamin entrou no carro deixando a mulher confusa e Colin extremamente irritado para trás.


— Eu... Finalmente terminei... — Ele falou para si mesmo. — Finalmente estou livre! — Ele sorriu. — Foi da pior forma possível mas eu finalmente posso viver minha vida em paz!


Benjamin comemorou, finalmente ele avia terminado seu relacionamento tóxico. Ele finalmente poderia ver seus amigos normalmente, sair com eles para beber ou para uma festa.


Seu telefone começou a tocar, ele tocou no vivo a voz do carro e atendeu a ligação.


— Ainda ta na casa dele? — Brian perguntou.


— Acabei de sair de lá. — Benjamín falou prestando atenção na rua. — Peguei ele com outra.


— Wow... Como se sente? Você está bem?


— Nunca me senti tão vivo. — Benjamin riu. — Nunca achei que ficaria tão feliz em ser traído. — Ele falou rindo.


— Então você realmente não sentia nada por ele?


— Claro que não. Quantas vezes eu já tentei terminar esse namoro, e por causa daquela anja da guarda eu finalmente consegui!


— Fico felize que você finalmente se livrou desse amor tóxico.


— O que acha de uma noitada para comemorar e rasgar essa página do livro e começar outra?


— Eu adorei a ideia! Nightclub midnight?


— 23h?


— Fechado! Te encontro lá.


Benjamin desligou a ligação e sorriu animadamente, há bastante tempo não curtia uma boate com seu amigo.


•••


Assim que chegou enfrente aquele lugar estravagante, Benjamin mostrou a sua identidade e entrou na boate, as luzes coloridas dançavam no této. Haviam strippers homens e mulheres encima do palco dançando sensualmente. As bebidas eram distribuidas pelos barmens.


Benjamin olhou ao seu redor até que finalmente encontrou o seu amigo, ele usava uma roupa azul comportando muito bem em seu corpo.


Já Benjamin usava cores claras como o beje, sua blusa era larga, mas por conta de ser fina, quando ficava contra a luz, conseguia se ver a silhueta do Ben. Sua calça jeans era azul marinho e se comportava bem em seu corpo, deixando evidente suas curvas.


— Olha só se não é o branco de neve. — Brian Brincou. — Esta lindo.


— Você também está, belo adormecido. — Benjamin riu.


— Está bem animadinho pra quem ainda não bebeu.


— Apenas estou feliz. — Ele falou animado. — Vamos beber e curtir então?!


— Vamos então!


Os dois se sentaram de frente para a bancada do barmen e pediram um Drink, foi atrás ao outro.


Eles conversavam animadamente sobre futuros bares e boates que frequentariam depois daquela noite, afinal agora são dois homens solteiros, prontos para uma noite de festança.


— Aquela mulher está olhando oara você. — Brian falou olhando de relance para mulher.


— Sabe que essa não é minha praia. — Benjamin riu e olhou fixamente para mulher. — Ela não está olhando para mim, ela está olhando para você. — Brian virou-se rapidamente e olhou para mulher que riu com a ação do outro e levantou seu copo para sinalizar que era ela. — Parabéns, você sabe muito como flertar. — Ele falou com sarcasmo. — Ta esperando o que? Vai até ela!


— Mas e você? Afinal eu convidei você para comemorarmos a sua "liberdade".


— Idiota. — Benjamin riu alto. — Vai até ela, vai a deixar esperando? — Ele se levantou e puxou Brian para que se levantasse. — Vai logo. — Ben empurrou Brian para que o mesmo fosse até a mulher. E assim o mais novo fez.


Benjamin sorriu e voltou para a bancada bebendo sua bebida.


— Sozinho? — Quando se deu conta, tinha um homem ao seu lado. — Gostaria de um drink?


Ben onolhou de cima a baixo, o homem o olhava fixamente. Benjamin desviou o olhar.


— Eu não preciso de você para me pagar bebidas. — Benjamin falou simples sem olhar para o mesmo. — Não há outra maneira de me 'cantar?


O homem ficou em silêncio, como se não tivesse uma resposta para isso; e ele realmente não tinha. Então ele se levantou derrotado e andou para longe do homem.


Benjamin olhava todas aquelas pessoas se divertindo olhando os strippers. E ele também se divertia vendo os corpos musculosos e dançando tão sensualmente.


Mas de certa forma ele não estava se divertindo, passar a noite sozinho num lugar como esse era extremamente frustrante.


— Uma tequila por favor. — Ben pediu para o barman que logo deu sua bebida.


— Olá.


— Hm... Oi.


— Tequila? — O homem olhou para a bebida agora na mão de Ben. — Bela escolha, sabe o que dizem sobre quem toma tequila no início da festa né?


— Não... O que eles falam?


— Dizem que a primeira coisa a se fazer depois de tomar tequila é dar uns pega com um cara louro e alto que está do seu lado no bar só te admirando. — Ele falou sorrindo.


— Sei qye queres provar minha pela, mas não acha que parece desesperado demais? — Benjamin suspirou.


— Talvez, mas é o que eu estou sentindo agora.


— Desculpa, mas você não faz meu tipo... — Benjamin sorriu constrangido, ele não queria parecer grosseiro, mas pela maneira que o homem saiu de perto de si parece que ele pareceu bem grosseiro.


Ele suspirou e virou-se para a bancada olhando o seu copo ainda cheio. Foram passando minutos até horas, mas nada de Brian voltar. Então Ben descidiu ir embora, ele pagou o barman, mas assim que iria se levantar um homem sentou-se ao seu lado.


— Olá, sou Anthony Ali.


— Oi. — Benjamín respondeu cansado. — Benjamín Brown.


Benjamin olhou para o tal Anthony, ele era um homem bonito. Seus olhos escuros eram marcantes, seu rosto definido e um corpo esbelto era marcado pela camisa vermelha. Suas mãos grandes e braços fortes. Todo seu corpo era simétrico, nada exagerado. Isso chamou a atenção de Benjamin.


— Olha, depois dos foras que deu naqueles caras bonitos, senti meio que um reseio de vim aqui, mas você está sozinho então...


— Eles tiram cantadas ruins, por que você não tenta? — Benjamin falou sorrindo. Ele pediu duas bebidas.


Ben, colocou uma de suas mãos em seu rosto enquanto a outra levava a taça com a bebida colorida até seus lábios enquanto mantinha o olhar fixo nos olhos do moreno.


— Eu fiquei um tempo pensando no que eu ia te falar, mas acho que um beijo fala mais que mil palavras.


— Você é terrivel nisso. — Benjamin riu.


— Sério? Essa era a minha melhor, usei ela apenas com você. — Anthony falou sorrindo.


— Tenho que confessar que gostei do seu carisma. — Ele se levantou e pegou na mão de Anthony. — Vamos dançar. Estou plantado aqui a um bom tempo.


— Mas e a bebida? — Anthony perguntou.


— Toma tudo. — Benjamin riu e virou o seu a taça, tomando todo o líquido amargo, fazendo seu corpo se esquentar.


Anthony olhou para seu copo e fez o mesmo, mas pela a careta que fez, Benjamin acabou rindo.


— Vamos logo. — Ben falou entre risos enquanto puxava Anthony até o meio das pessoas.


— Eu não sei dançar. — Anthony olhou para as outras pessoas que se divertiam.


— Vamos lá Anthony. Todos sabemos dançar. — Benjamin falou animado. — É só se mover conforme a música, se solta e acima de tudo se divirta.


Anthony olhou envolta, mas Benjamin colocou suas mãos no rosto do outro.


— Você é um homem tímido não é? Esqueça eles. — Benjamin começou a se mover conforme a música se divertindo sem se importar se estava dançando certo ou não.


Anthony riu e também foi se soltando aos poucos. E quando viram os dois estavam dançando desajeitadamente sem se importar.


•••


— Você é um péssimo dançarino, Anthony.


— E você é um homem exigente, Benjamin. O que te trás aqui? Principalmente sem companhia.


— Eu vim acompanhado, mas meu amigo já achou alguém para passar a noite, se é que me entende.


— Certo ele, temos que aproveitar as oportunidades. — Anthony falou olhando fixamente para o mais velho.


— Eu sou uma oportunidade?


— Não sei... Você é?


— Espertinho, respondendo a minha pergunta com outra pergunta. — Benjamin riu nasalmente.


— De todos aqueles homens fortes e bonitos, por que escolheu a mim?


Benjamin riu logo falou:


— Você faz meu tipo, um homem carismático e sincero. — Ele sorriu. — Músculos não fazem diferença nenhuma para mim.


— Está dizendo que sou fraco? — Anthony exclamou indignado.


— Claro que não, mas você também não é como aqueles caras. — Ele apontou para os strippers masculinos.


— Nisso você tem razão.


— E respondendo sua pergunta, eu vim aqui para me divertir depois de muito tempo vivendo em uma espécie de "cativeiro".


— Deixa eu adivinhar; relacionamento tóxico.


— Exatamente. — Benjamin concordou.


— Então temos que comemorar! — Anthony ergueu seu copo e benjamin fez o mesmo, eles brincaram logo bebendo o líquido.


Em alguns minutos de muita bebedeira e flertes, ambos estavam cansados e bêbados, talvez ambos tivessem pegado pesado na bebida, mas não ao ponto de não ter mais convivência de seus atos.


— Certo, senhor das cantadas, qual é a da vez?


— Que tal a qual nossos lábios estão juntos em um beijo?


— Você é um homem de sorte, Anthony. Eu gostei dessa... — Benjamin riu e se aproximou do outro juntando seus lábios.


Eles sentiam a textura dos lábios e o toque da língua macia que enrosca-se com outra língua enquanto a sensação do perfeito encaixe das bocas afasta a capacidade de raciocínio para potencializar os outros sentidos mais primitivos.


Seus lábios dançavam em uma harmonia invejável; Um ósculo viciante e completamente sedento. O beijo aconteceu lento e profundo, suas línguas entrelaçavam urgentes, quentes, molhadas. A doçura da boca de ambos era um deleite de sensações, prazeres guardados onde apenas um beijo era o suficiente para demostrar o desejo que um tinha pelo outro.


Eles se separaram pela ausência do ar.


— Quero que me ajude com uma missão. — Benjamin falou rente a boca do outro, logo aproximando seus lábios do ouvido de Anthony e sussurou: — Me encha inteiro de satisfação...


•••


Eles alugaram um quarto da boate, o isolamento acústico era extremamente bom, já que pelo volume da música la de fora, quase se escutava nada ali dentro.


Anthony pegou na cintura de Benjamin, o puxou para mais perto de si e perguntou:


— Queres mesmo?


— Essa noite, sou apenas seu.


— Você é um homem corajoso de ficar com um cara que conheceu a menos de cinco horas.


— Não me importa, quero apenas me divertir.


Benjamin olhou em direção aos lábios de Anthony e consequentemente umedeceu seus próprios lábios. Então ele finalmente selou seus lábios rapidamente nos de Anthony.


Anthony desceu suas mãos para a cintura de Benjamin e o puxou para si. Já o Ben levou suas mãos até a nuca do mais velho, sentindo os fios longos em suas mãos.


A cada segundo o beijo se tornava mais afoito cheio de desejo. Benjamin sentia seu corpo queimar a cada toque, o ar se fez ausente e eles se separaram, suas respirações eram descompassadas e pesadas. Anthony começou a fazer uma trilha de beijos até o pescoço do moreno, deixando beijos molhados.


— Thony... — Benjamin arvou ao sentir as carícias em sua cintura e os beijos molhados em seu pescoço.


Anthony empurrou o outro contra a parede cinza daquele pequeno quarto, a qual ficava ao lado da cama.


Quando Benjamin se deu por conta, uma das mãos de Anthony já está apertando com força as suas acima de sua cabeça. Sua outra mão agarrar os cabelos claros de Benjamin e o puxou para trás, deixando-o com o rosto virado para cima, facilitando o contado de seus lábios. Não era exatamente doloroso para Benjamin, era extremamente exitante.


Benjamin soltou um arfar abafado pelo beijo, proporcionando uma abertura para a língua de Anthony invadir sua boca. Ele aproveita inteiramente o espaço, a língua explorando habilmente a boca do outro.


Com apenas um beijo como aquele, ambos dos homens sentiam seu corpo quente, como se tivesse em chamas.


Anthony soltou a mão de Benjamin e soltou seus cabelos, e então segurou a cintura do outro. Ele invadiu por baixo do camisa do mesmo e com suas mãos, explorando a pele macia e quente.


Benjamin colocou suas mãos sobre o peito de Anthony deslizando suas mãos até a barra da camisa do mesmo. Ele adentrou suas mãos e as deslizou para cima, arranhando a pele morena de Anthony.


Ben separou o beijo por falta de ar; suas respirações eram descompassadas e pesadas. Os lábios de Anthony foram até o pescoço do mais velho deixando beijos molhados e leves mordidas, com direito a chupões.


Benjamin puxou o rosto de Anthony e selou novamente seus lábios no do outro, era um beijo afoito e "desesperado".


Anthony se separou dos lábios do albino e empurrou Benjamin para a cama o fazendo ficar deitado. E Anthony não tardou em ficou por cima do mais velho.


Benjamin sentia seu corpo queimar a cada toque que sentia de Anthony, as mãos grandes daquele homem exploravam cada pedacinho do seu corpo.


Ambos já estavam cegos pelo desejo, esquecendo completamente que eram praticamente desconhecidos.


Anthony tirou a camiseta de Ben com pressa e a jogou no chão do quarto. Ele passou as pontas de seus dedos pela pele desnuda e macia do outro. Já Ben sentiu um arrepio percorrer por todo o seu corpo.


O Benjamin inverteu as posições e ficou em cima do outro. Ele se movimentava sobre o colo do homem, lentamente, se pressionando sobre a intimidade de Anthony, o qual já estava bem acordado. Ben repetiu os movimentos até ouvir o outro gemer seu nome.


— Benjamin... — Ele gemeu baixinho segurando a cintura fina do albino.


Ben sorriu ladino e segurou a mandíbula do outro e fez ele olhar para si, logo falou com uma voz sensual:


— Quero que olhe em meus olhos e me diga o quão exitado está.


Mas antes de responder, Anthony invertou as posições e ficou por cima do albino novamente. Ele sorriu e sussurou para si:


— O suficiente para te satisfazer. — Ele começou a distribuir beijos pela clavícula e desceu seus beijos até o cós da calça do outro.


Anthony abriu o zíper da calça do Ben e a tirou a mesma, novamente jogando no chão do quarto. Suas mãos foram para as coxas bem definidas do albino as apertando fazendo o mesmo arfar.


— Você pernas lindas. — Anthony falou beijando a coxa do mais velho.


Anthony tirou a última peça que avia no corpo de Ben e mordeu seus lábios ao ver o outro exposto para si.


O corpo do albino era bem definido, suas curvas, seus músculos, nada exagerado, tudo na medida certa.


Benjamin se sentou na cama e iniciou outro beijo.


Anthony, durante o beijo, passou seu indicador pelo membro do mais velho, o que fez com que o mesmo arfase alto, quase como um gemido. Até que ele finalmente começou a masturba-lo.


Anthony apertou a base de membro e acelerou seus movimentos, fazendo com que o corpo do outro se inclina-se e coloca-se sua cabeça no ombro do mais novo se separando do beijo.


Ele podia sentir a respiração de Benjamin acelerada, principalmente quando ele passava meu dedo na ponta de seu membro. Fazendo movimentos circulares, intercalando em subir e descer.


Benjamin envolveu seus braços no pescoço do mais novo o apertando, seus gemidos eram ainda mais alto. O moreno sentiu o pré-gozo do outro começar a sair.


Anthony olhou para Ben, o albino tinha sua boca carnuda aberta e seus olhos fechados, apenas sentindo o prazer que as mãos habilidosas o proporcionavam.


O moreno não conseguiu se segurar e selou novamente seus lábios nos de Benjamin, um beijo necessitado cheio de desejo e luxúria.


Suas línguas se entrelaçavam e os gemidos de Benjamin causavam um tremor em suas bocas.


— Awm... Amhw... — Ele gemeu alto se sentindo em êxtase.


Suas costas se arqueavam cada vez mais e seus gemidos abafado pelo beijo começavam a ficar mais altos. Seu corpo estava agitado, ele gozaria em breve. Então Anthony aumenteu ainda mais os movimentos de sua mão e a intensidade do beijo.


Benjamin sentiu seu corpo tremer e tem solavancos involuntárias. Ele se separou do beijo e gemeu alto e arrastado, Anthony olhou para baixo ao sentir um líquido quente escorrer por suas mãos.


Ben tinha seus olhos fechados apenas tentando recuperar sua respiração. Já Anthony beijava o pescoço de albino, deixando suas marcas.


— Você é tão sedutor... — Anthony finalmente falou e empurrou Ben para que deitasse na cama.


— Me faça seu está noite, me preencha de prazer. — Benjamin suplicou em deleite sem pudor nenhum.


Anthony tirou sua calça junto com sua roupa íntima. Ele levou dois dedos seus até a boca de Ben que olhou nos seus olhos e chupou os dedos do mais novo, sem quebrar o contato visual. Anthony tirou seus dedos da boca cheia do albino e sorriu ladino.


Anthony se debruçou sobre Ben e selou seus lábios, ele afastou as pernas de Benjamin e começou a prepara-lo com um dedo, o albino soltou um arfar entre o beijo.


O seu corpo dava espasmos involuntários ao sentir Anthony o prepara-lo. Ben tentava segurar seus gemidos o máximo que podia, mas era impossível.


— Solte sua voz, quero ouvir você gemer meu nome até ficar rouco. — Anthony falou rente aos lábios de Benjamin.


Logo, Ben sentiu mais um dedo em seu interior e gemeu alto assim que ele começou a movimenta-los, simulando estocadas com eles.


Anthony esticou seus braços até o criado mudo e pegou uma camisinha, a abrindo e colocando em seu intimidade.


O moreno se posicionou na frente de Benjamin e colocou as pernas no mesmo ao redor de sua cintura.


Anthony sem mais nem menos entrou em Benjamin com facilidade, fazendo o mesmo abrir seus olhos.


— Ahm... — Ele gemeu de dor, Anthony se debruçou sobre o albino e o beijou para destrai-lo. Mas logo se separou dos lábios vermelhos do outro.


— Você é tão quente... — O moreno falou em meio a arfares.


Anthony juntou suas mãos com as de Benjamin, que logo começou aperta-las com força tentando descontar a sua dor nelas.


Aos poucos Anthony começou a se mexer dentro de Benjamin. Ele foi aumentando a velocidade gradualmente, Ben já não sentia mais a dor, mas sim o prazer. Ele não conseguia controlar seus gemidos e Anthony também não.


Os gemidos doces de Benjamin se misturavam com os gemidos grossos do moreno. Fazendo uma "música" erótica. Ambos estavam suados, com os cabelos úmidos. Seus corpos se chocavam quando Anthony estocava seu membro em Benjamin.


Anthony começou a estocar fundo e forte, até ver os olhos de Benjamin revirarem de prazer e um gemidos altos ecoarem pelo quarto.


— Achei... Awh... — Anthony gemeu arrastado ao sentir o interior de Ben se comprimir e apertar seu membro. — Awhm...


Benjamín sentiu aquela sensação de formigamento em seu baixo ventre novamente, ele sabia que estava perto de chegar em seu clímax.


— Anthony... Awm... Eu vou- — Benjamin sentiu seu corpo dar espasmos e tremer, foi quando ele gozou mais uma vez. — Gozar Awm...


Ben gemeu alto e arrastado, quando sentiu um enorme prazer assim que Anthony continuou a estocar, prolongando seu orgasmo.


Benjamin sentia seu corpo fraco e mole, mas o prazer de sentir Anthony se movimentando em seu interior era inexplicável.


— Aahaw... Anthony-


— Gosta disso? Hm? — Anthony perguntou estocando maís rápido e fundo.


— Awm... — Benjamin gemeu alto ao sentir o membro do moreno ir mais rápido. Ele não conseguia nem mesmo responder o outro.


— A-ahm... — O moreno gemeu alto. Ele sentiu seus olhos querem revirar, mas ele preferiu olhar Benjamin que segurava os lençóis com força e tentando manter seus olhos abertos sem os revirar. — Awhm... — Anthony chegou ai seu limite gozando dentro da camisinha. Ele se mexeu lentamente dentro do albino, prolongando seu orgasmo.


O moreno ficou um tempo parado olhando Benjamin que tinha seus olhos fechados e sua boca carnuda aberta. O moreno saiu de dentro do albino causando gemidos em ambos e se deitou ao lado do Ben.


Ele tirou a camisinha logo a amarrando e jogando no lixo ao lado da cama.


Nenhum deles pronunciou nada, apenas suas respirações ofegantes eram ouvidas no quarto.


O quarto ficou em estremo silêncio por várias minutos, até que Anthony falou:


— Essa foi a melhor foda que eu já tive em décadas! Precisamos repetir novamente.


Benjamin respirou fundo e se levantou da cama e pegou suas roupas do chão, ele as vestiu lentamente. Ele se sentou na cama novamente.


— Também concordo que foi uma ótima foda. — Benjamin olhou para o moreno. — Mas não sei se podemos repetir.


— Você é solteiro, eu também, nossos corpos tem química.


— Não quero me envolver muito, se é que me entende...


— Nada como uma foda casual possa resolver. — O moreno engatinhou até a borda da cama onde Benjamin estava sentado. Ele beijou o pescoço do mesmo e sussurou: — Passe essa noite aqui, quem sabe não repetinos a dose. Hm?


— Preciso achar Brian. — Benjamin se levantou da cama se distanciando dos toques de Anthony. — Quem sabe por via do destino nos encontramos de novo?


— Você é um homem misterioso, Benjamin; Gosto disso. — Anthony falou em um tom sedutor. — Então tá, homem da pele tão branca quando a neve, nos vemos por ai. — Ele sorriu gentilmente. — Se quiser um parceiro de foda, sabe onde me encontrar.


— Procurarei você. — Benjamin riu e andou até a porta. — Obrigado pela noite maravilhosa.


— Eu que agradeço.


Benjamin destrancou a porta e saiu do quarto fechando a porta novamente. Ben andou com um sorriso ladino pelo corredor daquela boate.


Depois de tanto tempo, ele sentiu o prazer carnal novamente, com um cara estranho, mas foi a melhor foda que ele ja teve.


Quem sabe o destino não faz Anthony e Benjamin se encontrarem novamente? Mas por ora, Benjamin se sentia satisfeito.



May 15, 2021, 12:21 a.m. 0 Report Embed Follow story
1
The End

Meet the author

Lullaby Woonder 𝐒𝐞𝐣𝐚𝐦 𝐛𝐞𝐦 𝐯𝐢𝐧𝐝𝐨𝐬 𝐚𝐨 𝐦𝐞𝐮 𝐂𝐲𝐠𝐧𝐮𝐬🦢🖤 🏳️‍🌈 Pansexual 📕 Amante dos livros ☁️ Mente além das nuvens ✨ Olhem para as estrelas e aprendam com elas 🦢 𝐕𝐞𝐧𝐡𝐚 𝐟𝐚𝐳𝐞𝐫 𝐩𝐚𝐫𝐭𝐞 𝐝𝐨 𝐦𝐞𝐮 𝐦𝐮𝐧𝐝𝐨 𝐩𝐞𝐪𝐮𝐞𝐧𝐱 𝐂𝐢𝐬𝐧𝐞.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~