New writing contest available! #AParallelUniverse. Weiterlesen.
Kurzgeschichte
1
3.7k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Capítulo Único - Para meu querido amigo

Você era diferente. Diferente de seus irmãos. Tinha, na verdade tenho cem porcento de certeza que que tinha sentimentos. Não matava por esporte como os outros, matou por fome, te perdoo por ter ceifado a vida da Miauzinha pois como já afirmei, não foi por ruindade.

Nós seres humanos também precisamos tirar a vida de um animal para nossa sobrevivência desde os tempos mais remotos. Você fez o mesmo. Quero dizer que te entendo. Estava tentando sobreviver. Por isso não te culpo.

Me lembro de quando te encontrei no lixo da minha casa. Tão pequeno que me confundi com um girino. Na época já mais imaginava que fosse do Mundo Invertido. Um assecla do Devorador de Mentes. Pensava na época que você fosse uma descoberta cientifica, uma nova espécie.

Haha, no início acho que fui egoísta por cuidar de você para ter algum sucesso no ramo da ciência. Todavia quando te vi comendo chocolate de caramelo, com medo do calor que as lâmpadas aqueciam o aquário, você foi me conquistando.

Uma criaturinha muito fofa, em minha humilde opinião.

Se lembra que te levei para a escola no dia seguinte? Bom, acho que sim. Foi uma revelação e tanto quando descobri o que você era. Uma cria do desconhecido Mundo Invertido.

Meus amigos queriam te matar. O meu coração ficou muito apertado, pois você não era uma ameaça, não para mim pelo menos. Eu nunca te vi assim. Não tinha como você fazer aquelas atrocidades.

Quando fugiu, fiquei internamente contente, pois aonde que estivesse, estaria a salvo e dava mais chances de salvar-lhe. Nunca externei isso para os outros, provavelmente, quero dizer, eles não iriam me entender. Afirmariam que eu só gostava de você por dividir meus gostos de chocolate e logo depois te executariam.

Te encontrei em um dos boxes do banheiro masculino. Menti pela primeira vez aos meus amigos, gosto de afirmar que omiti, assim não sinto que fui um traidor.

Você já estava maior, mas mesmo assim não me dava medo. Te levei de volta para casa, sã e salvo.

Como já escrevi acima, você passou por uma metamorfose ficando do tamanho de um lobo, podemos dizer assim, e lanchou a Miauzinha. Digo novamente, não te culpo.

Sendo sincero, fiquei assustado depois disso. Pensava que você poderia me almoçar também. Te prendi no porão fazendo um caminho com mortadela. Sinto muito por isso. Deve ter ficado desesperado, sozinho no escuro e fazendo-o fugir pela segunda vez. Espero que um dia me perdoe, meu amigo. Eu não fiz isso por maldade. Queria me proteger, te proteger.

Chamei pelos meus amigos para me ajudar a encontra-lo, infelizmente nenhum atendeu. Só Steve que encontrei no meio do caminho. E fizemos uma trilha de carne de boi para lhe atrair.

Eu... não iria te executar quando te encontrasse, não seria capaz de fazer isso. Não queria que se machucasse ou machucasse uma pessoa. Eu, no fundo do meu subconsciente planejava um lugar seguro para todos e para você.

Foi quando — no momento já tinha encontrado os paspalhões de meus amigos — me deparei com um bando de seus irmãos Democães, na armadinha que deveria ser para você.

Percebi no meio ao caos que se formou, uma certa coisa. Eles não eram como você, eram uma máquina de matar, como já descrevi a cima. Eles não tinham sentimentos, eram manipulados, controlados. Nunca conheceu o carinho.

Ah, aconteceu tanta coisa depois. Até mesmo alguns desentendimentos com meus amigos.

Em nossa última busca no buraco da fazenda que levava ao mundo paralelo, nos esbaramos pela última vez.

Meu lindo bichinho de estimação, mesmo estando adulto e com sua boca bifurcada em tentáculos dentados. Jamais me atacaria, nem meus amigos. Te entreguei seu chocolate de despedida, sabia que seu falecimento estava próximo, já que a On, digo a Jane fecharia o portal e quebraria sua ligação com o Devorador de Mentes.

Você meu caro amigo, tinha sentimentos, não era ruim. Tinha empatia. Uma anomalia no meio de seus irmãos. Tenho a teoria que foi sua criação. Não foi alienado. Foi bem tratado. Inteligente como qualquer outro animal.

Sabia que os animais, mesmo que selvagens, mas que tiveram um bom vinculo ser humano, eles jamais esquecem de você? E de sua criação e carinho?

Pois é. Você é um bom exemplo. Assim como uma família que adotou um filhote de leão que cresceu tanto, tendo-lhe leva-lo a uma readaptação para a vida na floresta. Passou anos solto, e sua antiga família foi visita-lo, observando de longe. E o que aconteceu? O leão foi para cima deles, mas não para mata-los e sim para cumprimenta-los com lambidas e abraços.

Contigo foi quase isso. Uma boa comparação.

Queria muito tê-lo salvado, mas infelizmente, para o bem de todo o mundo você teve que falecer junto de todos seus irmãos.

Desejo muito que esteja em um bom lugar. Onde possa ter sua alegria, bastante chocolate, mortadela e carne de boi. E ter sua paz.

Você merece isso tudo Dart. Nunca vou me esquecer de ti. Vai estar sempre guardado em meu coração.

Mesmo por um curto período de tempo, mudou muito minha vida, me trouxe alegria e muitas desventuras. Você para mim era mais que um Democão, era um amigo, daqueles que podemos contar segredos, que nunca me largaria em momentos difíceis, que me entendia, nós entendíamos.


Espero que um dia possa me perdoar.

Te amo.


De seu melhor amigo, com todo amor,


Dustin Henderson


O jovem menino de cabelos encaracolados castanhos estava de cócoras no local onde havia feito o sepultamento de Dart. Era um lugar bem bonito e fresco, com uma bela vista.

Steve o ajudou retirar o Dart do buraco onde se encontrava e enterrá-lo onde o mais novo pediu.

Tudo isso sem seus amigos saberem. Talvez o condenariam por tal ato.

Fechou a tampa metálica de uma caixa já velha e enferrujada, onde guardou a carta e enterrou próximo a lapide de madeira em forma de cruz com o nome “Dart” esculpido na mesma.

Suspirou, deixou uma flor branca e se levantou. Próximo dali Steve Harrington o observava, com o corpo meio deitado no capô do carro. Seu topete, encharcado de laque não se movia com o sopro de vento. Girava as chaves do carro entre os dedos.

Dustin se aproximou do mais velho, dava batidinhas nas roupas para retirar a grama grudada. Steve o encarou compreensivo, sabia que o menino ainda não tinha superado a perda do Democão.

— Podemos ir? — Harrington perguntou calmamente, agora já completamente em pé.

— Sim — o garoto olhou para baixo apreensivo — Promete que não vai contar a ninguém?

Steve colocou as mãos na cintura.

— Claro que não — deu batidinhas nas costas do mais novo — O segredo é seu, não meu — fitou os olhos castanhos do mais jovem — Quando se sentir bem para contar, vou está lá para te apoiar.

— Obrigado — Dustin sorriu amarelo, com um pouco mais de calma.

Harrington abriu a porta do carro para o guri, que entrou logo depois. Antes de seguir para a porta do motorista virou-se novamente perguntando:

— Se senti melhor agora, depois dessa carta?

— Sim, estou um pouco mais melhor agora — encontrou uma posição confortável para se sentar — me ajudou muito escrever essa carta.

Steve sorriu, feliz por seu amigo estar vencendo suas dores e se tornando mais forte.

4. Juli 2019 20:05:29 3 Bericht Einbetten 1
Das Ende

Über den Autor

Sophia Loren Só uma garota que gosta de escrever.

Kommentiere etwas

Post!
Nathy Maria Nathy Maria
Isso foi realmente emocionante. Animais são seres tão inocentes e verdadeiros, essa perda é de quebrar o coração… mas eu amei a One, ficou maravilhosa! ^-^
July 07, 2019, 13:32

  • Sophia Loren Sophia Loren
    Obrigada <3 Essa one é do ano passado, mas só me lembrei de repostar agora, com a 3 temporada. Sim os animalzinhos é desse jeito mesmo. Saudades dos meus ;-; July 07, 2019, 14:34
  • Nathy Maria Nathy Maria
    De nada <3 Com tantas ones para revisar/repostar deve ser difícil não esquecer alguma, não? Infelizmente algum dia eles vão. Também tenho saudades… e bem, ainda assim espero que os nossos sejam amigos lá no Céu dos animalzinhos! ^^ July 07, 2019, 16:45
~