sophialoren Sophia Loren

Pós guerra nos Elísios. Hades observa Hypnos e Thanatos reconstruírem o local, quando Perséfone retorna ao lugar nada feliz junto com sua mãe.


Fan-Fiction Anime/Manga Alles öffentlich.

#comedia #saint-seiya
Kurzgeschichte
0
3.8k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Capítulo Único

Hades observava as ruínas que era os Elísios depois da Guerra Santa. Ele precisaria reconstruir tudo, e levaria muitíssimo tempo. A única coisa que não tinha desmoronado foi um pequeno templo perto do Rio Lete, e se virasse para lado poderia ver alguns pilares de seu grande templo principal — ou pelo menos o que sobrou, o que não era muito — ao longe.

Suspirou irritado. Ah, Athena ia ver na próxima Guerra Santa! Iria se vingar por ter destruído sua casa! E aqueles cavaleiros também, como ousaram invadir os Elísios e ainda macular com sangue!?

Pegou seu copo com suco de laranja instantâneo e bebericou, voltando a prestar atenção em seus serviçais, os gêmeos Hypnos e Thanatos que agora estavam retirando entulho e fazendo concreto. Hades havia os punidos pela falta de competência que tiveram ao não impedirem os cinco cavaleiros de bronze. Os deuses nem inventassem de dizer que haviam sido vencidos por causa que os moleques trajavam Kamui. Eles eram deuses oras! Reconstruiriam todo o Elísios como punição. Quem sabe depois o restante do Mundo Inferior.

Hypnos respirava com dificuldade, as vezes tossindo, enquanto mexia o cimento com uma enxada. Sua túnica preta grudava em seu corpo suado e fétido. Nunca tinha trabalhado em sua infinita vida, sempre deu ordens. O que havia feito para merecer aquilo, mesmo? Ah, é os Santos de Bronze...

— Minha coluna! — Resmungou se apoiando na enxada, escutando um estralo de sua vertebra. Se sentia um velho. Muito humilhante.

— Eu não mandei parar Hypnos! — a voz do Imperador ecoou de sua confortável cadeira comendo Doritos.

— Desgraçado — xingou, retornando a labuta.

— O que você falou?! — Hades perguntou irritado, fazendo o deus do sono ter sua dor de cabeça aumentada.

— Nada, meu senhor! — corrigiu-se rapidamente — Só pensei que pudéssemos ter um intervalo. Estamos nisso já faz mais de doze horas.

— Deveriam ter pensado nisso antes de perderem para meros Cavaleiros de Bronze! — afirmou tomando o restante de seu suco — Volte a trabalhar, já!

Ao seu lado Thanatos riu enquanto empurrava uma pedra para um carrinho de mão, que por algum motivo tinha no depósito. Sendo surpreendente, pois para que teriam um depósito no Paraíso? Assim como tinha um estábulo — sem cavalos — e uma piscina. Para que diabos eles precisariam de UMA PISCINA?!

— Está rindo do que? — perguntou o loiro com sua calma assustadora — Isso é sua culpa também!

— Nada, só que nunca imaginei você assim. Xingando Hades. Tão certinho que você é — mangou, tirando uma mecha gordurosa de sua face imunda.

— Thanatos estou vendo que está se divertindo muito aí — observou Hades — Meu suco acabou, traga mais — ordenou, estirando o copo de plástico da Sailor V. Em sua defesa não havia mais seus chiquérrimas e dignas louças e utensílios.

— Já estou indo, meu senhor — suspirou o deus da morte cansado. Levantou-se de onde estava juntando a metralha e subiu irritado o que restava de uma escadaria, seguindo até uma mesa e enchendo o copo de seu amo com a melhor expressão de poucos amigos. Ele se sentia ultrajado.

— Mais o que está havendo aqui?! — uma voz feminina brandiu as suas costas.

Hades sentiu seu corpo gelar e tremer. Pela primeira vez em sua infinita e maravilhosa vida ele teve medo. Muito medo. Os gêmeos param onde estavam, petrificados, reconheceram aquela voz já imaginando o que iria acontecer, o que mais temiam em séculos.

O Imperador do Submundo virou se lentamente, encontrando-se com sua amada esposa, seu belo e esculpido rosto marcado pela raiva, as lindas madeixas encaracoladas, ruivas, caiam em cascata emoldurando ainda mais sua beleza. Os intensos olhos castanhos emanavam sua ira, faltando sair chamas a qualquer momento. Vestia um vestindo luxuoso, preto, bordado com rosas multicoloridas.

Tão magnifica quanto se lembrava.

Logo atrás de sua esposa, a peste de sua sogra. Fez uma careta. Cabelos castanho loiro, olhos azuis, vestia um vestido grego bordado em prata embaixo do busto até a cintura. Trazia em suas mãos o pesadelo para qualquer um que se encontrasse com a deusa, cestas cheias de cereais de todo tipo, bolinhos, cookies e vitamina de cereal... claro não podia se esquecer das famosas barrinhas de cereais. Deméter pousou o olhar em Thanatos que ainda estava parado ao lado de Hades.

— Me responda Hades! O que raios houve aqui?! — pediu Perséfone, sua voz trovejando pelo ambiente.

Ele ainda estava em choque. O que ela fazia ali? Quando tinha acordado? Imperador se perguntava. Antes de responder, Thanatos respondeu:

— Minha senhora, houve uma guerr... — foi interrompido.

— Não estou falando com você Thanatos! — gritou esse voltando para ele, que se esquivou e encolheu de medo — Vamos Hades! Estou esperando! — continuou.

— A-amor...b-bem... — o virginiano gaguejou, sua amada era muito assustadora com raiva. Por que mesmo pediu para que Hypnos a colocasse para dormir?

— “Amor” o caramba! — Sua voz fez a terra tremer e as pequenas pedrinhas flutuarem em consequência de seu elevado Cosmo.

— S-se acalmar querida — pediu o Senhor do Submundo ainda gago — Olha, o que aconteceu foi que... que... sabe... Athena e seus guerreiros... e.… houve uma batalha... ela me venceu... aí... aí desabou tudo...

— QUE?! Não acredito niss- foi cortada pela deusa da agricultura.

— Thanatos, querido o que houve como você? — Deméter perguntou segurando o rosto do moreno, avaliando-o como uma maníaca — Está pálido, magro e sujo! — catou uma de suas barras de cereais — Deve ser falta de cereal com certeza! — enfiou a barrinha de forma um pouco bruta na boca do deus da morte, que começou a tossir engasgado, “Me esqueci que ela é louca!”, pensou aflito.

— MAMÃE — pediu a deusa da primavera — Estou conversando com meu marido! E para de tentar matar Thanatos!

Thanatos tomou o todo o suco instantâneo que estava na jarra que ainda segurava, se melando no processo e se “limpando” logo depois na manga rasgada e suja de sua túnica, ou o que restou dela.

— Voltando – disse Perséfone — NÃO ACREDITO QUE VOCÊ AINDA CONTINUA COM ESSA BRIGUINHA BESTA COM ATHENA! — Hades caiu para traz junto com sua cadeira, efeito da energia emanada — Ela tem coisas muito mais importantes para fazer! Mais naaaaão... você quer dominar o mundo e matar todos os seres! Nem pensa como vai ficar o submundo depois disso! Lotado! Ou em mim, que amo muito Terra! Nunca me levaste em consideração, nunca me deu ouvidos! Nem sei como isso começou, mas foi piorando com passar dos séculos! Athena é a minha irmã favorita e isso ACABA HOJE! Está me ouvindo Hades! Cresça! Você tem responsabilidades que as deixa de lado ao ficar planejando essa maldita Guerra Santa sem sentido! Te conheci mais responsável e menos infantil, antes disso tudo começar. CHEGA! ESTÁ ME OUVINDO? CHEGA! — gesticulou explosiva.

Hades balançava freneticamente sua cabeça em positivo e murmurando “S-sim... claro querida...” o medo apossava do corpo. Sentia que poderia morrer a qualquer momento.

— Eu te disse minha filha! — Deméter se intrometeu mais uma vez — Que ele não prestava! Mas me escutou? NÃO! Tinha que comer a maldita Romã! “Eu o amo mamãe, vou fazê-lo mudar”, você disse “Ele é bom. Queria que a senhora visse isso”, disse! Mais olha o que ele fez com você! Te colocou em um sono por séculos quanto tentou impedi-lo, com ajuda daquele ali! — Apontou para Hypnos que saia devagar do local tentando não se envolver — Além de destruir uma parte da floresta que vivíamos com aquele eclipse!

— MAMÃE! — pediu Perséfone se virando e vendo o que restou de sua casa e seus jardins, que criou com tanto amor e afinco. Encarou Hades abismada — Vai reconstruir tudo! Até meu adorando jardim! Tudo do jeitinho que estava! E depois vamos chamar minha irmã e seus guerreiros para um jantar de reconciliação. E nunca mais quero ouvir essa maldita história de Guerra Santa.

— Mais, mais... Perséfone, amor... — tentou argumentar — Não acho que sej-

— NADA DE MAIS! — gritou expandido mais ainda seu Cosmo, criando ondas por todo o Elísios.

— Se deu mal — murmurou Hypnos que se encontrava longe mais ainda podiam escuta-lo.

— Hypnos! — chamou a Imperatriz do Submundo — Thanatos! Vocês vão auxilia-lo como estavam fazendo na reconstrução! Se pensaram que sairiam ilesos estavam errados pois isso também é culpa de vocês! — se afastou um pouco para avaliar pequeno templo, deixando Deméter que observa a mesa nada saudável que tinha próximo.

— O que é isso?! — perguntou apontando para mesa, com uma careta — Doritos e Tang?! Isso lá é comida?

— E o que tem? — afirmou Hades se recuperando um pouco do ocorrido, se levantando e limpando sua túnica que tinha se sujado com a queda — Não tínhamos mais nada, pois tudo foi destruído pela guerra. Só consegui comprar isso com o dinheiro que peguei do Shun...

— Que?! E ainda é ladrão! — exclamou a deusa da agricultura — Agora que não deixo mesmo minha filha sozinha!

“Não, por favor não” pensou o trio de divindades.

— Já que falou do Shun... me lembra... outros coitados dos garotos que tiveram que ser seu receptáculo! — voltou a Imperatriz — Você é horrível por estragar essas vidas tão puras — deu um tapa que o fez cair de novo — Vai pedir perdão para eles também e dar-lhes uma nova vida e feliz!

— Acha que manda em mim?! — levantou-se em fúria. Quem sua esposa achava que era para mandar em um dos Três Grandes?!

— VAI FAZER ISSO! — ordenou Perséfone deixando-o de lado para enfim seguir ao templo.

— Claro, querida — disse submisso, encolhendo-se.

Deméter jogou tudo da mesa no chão, assustando os três, espalhando os itens de sua cesta.

— Agora, quem quer um lanchinho saudável? — perguntou a deusa.

O trio tentou sair correndo, mas a mulher foi mais rápida e os fizeram sentar-se no chão em frente à mesa.

— Fiz com tanto carinho — disse a loira sorridente — Vocês vão A-D-O-R-A-R! — empurrou seus bolinhos, cookies e barrinhas goela a baixo nos três deuses que tossiam logo depois, tendo que recorrer a gororoba que era a vitamina de cereal já que não havia mais Tang, para a tristeza deles.

— O que acharam? — perguntou animada — Especialmente você Thanatos — olhou-o sedutoramente.

O deus da morte sentiu um arrepio percorrer seu corpo. “Não pode ser essa louca se apaixonou por mim?!”, pensou, “Estou lascado!... Cadê aquele baú para eu me selar?!” fitou os lados.

Foi a vez de Hypnos rir do irmão, mais não por muito tempo pois Deméter enfiou novamente em sua boca outro bolinho. Engasgando-se. Ah por que tinha reclamdo de Hades? Elas eram bem piores. Até mesmo os Espectros tinham medo da doida. Sem falar de seus filhos.

— M-maravilhoso senhora Deméter — tossiu o deus da morte, com o rosto completamente escarlate, imaginando que com isso acabaria mais rápido com o momento de tortura.

Idiota! — gritou Hades pelo Cosmo — Agora é que a gente morre de vez com essa comida!

— Que bom! — Deméter estava aliviada e brilhante — Foi a primeira pessoa que disse que gostava de minha comida. Sempre reclamavam! Até minha filha! “Chega de cereal mãe” dizia ela “Existe outros tipos de comida além do cereal”, “Não somos pássaros mamãe” falava. Unf! — Suspirou logo voltando com um sorriso, que para eles era psicótico — Amanhã vou preparar mais quitutes que eu mesma inventei com os cereais! Ah! Isso me lembra de novo da receita que a mamãe guardava de um bolo de chia. Vou fazer também! — saiu saltitando para encontrar novos ingredientes e a tal dita receita.

Hypnos e Hades se encararam, voltando com um olhar assassino para o deus da morte.

— Gente, por que estão olhando assim para mim? — perguntou apreensivo sem entender. Hades e Hypnos que agora vestiram suas Súrplice. O Deus do Submundo, com leves movimentos nas mãos fez aparecerem sua Espada e Elmo.

— Para que isso? Não sabia que ela iria reagir dessa forma — perguntou Thanatos se afastando devagar dos deuses, medroso.

— Irmão — disse o deus do sono com as mãos carregadas de Cosmo Energia — Só uma dica: Corre!

— Você não é assim Hypnos! — gritou Thanatos fugindo dos golpes disparados pelos ambos deuses.


Fim(?)

6. Juni 2019 14:35:53 0 Bericht Einbetten Follow einer Story
1
Das Ende

Über den Autor

Sophia Loren Só uma garota que gosta de escrever.

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~