Crush Follow einer Story

juuhina Julia Olsen

O que você faria quando visse uma foto sua em uma publicação no Facebook, de uma página sobre crush de transporte público? Hinata se viu nesta situação e decidiu participar dessa brincadeira da melhor forma possível. [fanart feita pela @AmaterasuSHIT]


Fan-Fiction Anime/Manga Alles öffentlich.

#allhina #metrô #crush #naruto #hinata #naruhina
Kurzgeschichte
1
2.6k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Since I've Been Loving You


Baby, desde que estou amando você, yeah
Estou prestes a perder minha cabeça preocupada – Led Zeppelin.


"Hinata, pelo amor de Deus, olha no que eu te mencionei no Facebook!"

A jovem coçava os olhos naquele sábado de manhã, após uma profunda noite de sono. O beep da notificação entregava uma mensagem de sua irmã no WhatsApp. Ela, sem entender o que ocorreu, despertou repentinamente por achar ser algo grave. Deslizou o dedo sob a tela de seu smartphone, procurando a tal notificação.


Hanabi Hyuuga mencionou você em um comentário.


Engoliu em seco.

Ao abrir a imagem, notou ser uma foto sua no dia anterior, ao voltar para casa após o seu expediente de trabalho. Ela estava em pé no transporte público, manuseando seu aparelho celular, com fones de ouvido e uma feição concentrada. A verdade era que ali, naquele momento, ela estava lendo o seu livro favorito em formato PDF.

Ela estava com um rabo de cavalo comprido, seu rosto estava sereno com um óculos de grau redondo e sutil, os lábios eram realçados em um batom vermelho escuro matte. Vestia uma saia cinza clara de cintura mais alta rodada, meia calça preta fina, uma blusa de uma banda qualquer e uma jaqueta de couro curta.

O que chamou mais a atenção era a legenda da imagem e o nome da página em que esta foto estava.

"Olá, pessoas maravilhosas desta internet. O pedido de hoje foi feito por um seguidor que, em suas próprias palavras, se apaixonou a primeira vista por esta moça, que estava no metrô da linha amarela sentido Butantã, em São Paulo, por volta das quatro da tarde. A foto foi tirada estritamente no embarque da estação Paulista. Ajudem-no a encontrá-la." Da página "Crush do Transporte Oficial".


"Hinata MANA É VOCÊ NA FOTO, SOCORRO DEUS!"


A foto contava com sete mil e trezentas reações, seiscentos e vinte comentário e mais de quatro mil compartilhamentos. O comentário de sua irmã mais nova era o mais reagido do post, com três mil e novecentas reações e duzentos e setenta respostas. Os comentários variavam entre "tenho interesse também" ou "nem conheço os dois e já estou shippando horrores" e "desfecho, atenta".

Hinata coçava a cabeça, sem saber o que formular para responder. Nunca em seus vinte anos de vida, imaginou que iria parar em uma rede social com uma pessoa a procurando para conhecê-la melhor. Não sabia pensar se era uma audácia tremenda ou se era timidez, por não conseguir falar com ela no vagão e tentar algo a sós depois.


"Hanabi, eu nem sei o que dizer sobre isso. São oito e meia da manhã, amore. Bom dia! hahahah"


Comentou, incrédula e surpresa sob o que aconteceu. Após o comentário, a garota vasculhou suas redes sociais e percebeu várias solicitações de amizade e, em seu bate papo, notou uma mensagem diferente das recebidas anteriormente.


"Oi. Primeiramente, bom dia. Segundo, desculpe incomodar você.

Fico feliz que eu tenha conseguido te encontrar por causa do comentário da sua irmã na publicação daquela página, ainda mais tão rápido. Eu fui a pessoa que pedi para publicarem sobre você, e não imaginaria que iria viralizar daquela forma.

Queria saber se podíamos nos conhecer melhor. Você parece ser uma pessoa incrível."


A mensagem foi de um homem, vulgo o nome cadastrado na rede social era de Naruto Uzumaki. A foto era de um homem de cabelos loiros e desgrenhados, os olhos azuis eram marcantes e sua feição era séria. O cabelo parecia bem hidratado e brilhoso, seu peitoral era marcado em uma camiseta da banda Lynyrd Skynyrd. Ele morava próximo ao centro da cidade e trabalhava como analista de marketing em uma empresa conhecida da região, era também guitarrista base e vocalista de uma banda de heavy metal. Provavelmente aquilo ocupava os seus fins de semana.

De acordo com as informações do seu Facebook, ele tinha vinte e quatro anos e era formado em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda, cursando agora Música em uma universidade federal. Era solteiro e adorava viajar. Ele tinha um gatinho em uma coloração exótica de laranja, que se chamava Kurama, que mais se parecia com uma raposa.


"Hanabi, a pessoa do post me chamou no Messenger graças ao seu comentário. É um homem muito bonito, não sei o que fazer. Parece até zoeira com a minha cara."


Respondeu sua irmã no WhatsApp. A Hyuuga se levantou de sua cama e passou a cuidar de seus afazeres, pensando ou não se iria responder Naruto. A música em tom ambiente deixava seus nervos mais relaxados enquanto lavava a louça naquela pequena residência.

Ao trocar de música, decidiu analisar mais a foto do rapaz antes de aceita-lo em seu perfil. Ela tentou se recordar vagamente dele sentado em algum banco próximo a ela naquele momento. Ela deu uma leve risada, aceitando a solicitação de amizade.

O seu telefone tocou. O nome "mana" fez com que o seu sorriso se iluminasse.

– Conta, agora – a voz da menor saiu sem pestanejar – é o tal Naruto mesmo? Ele respondeu meu comentário com um "eu não acredito que é ela mesma, puta que pariu, que Deusa! Vou chamar ela agora".

Hinata pôde rir.

– Sim, ele mesmo. Eu não vi, era muita resposta. Eu ainda estou acordando.

– Você respondeu ele?

– Ainda não. Não sei o que dizer pra ele. Não é sempre que minha cara aparece em uma página de crushs de metrô né, Hanabi.

Ela gargalhou.

– Ele parece ser um sapão. Não perde tempo, sua boba.

Hinata observava a tela do seu celular, pensando no que poderia responder ao loiro. Ela admirava a foto em que estava em seu perfil, amaldiçoando-se por não se recordar dele no vagão. Talvez ela até possa se lembrar, o que poderia dificultar seria a roupa diferente do que estava vendo naquele momento.


"Bom dia, Naruto.

Fique tranquilo em relação a isso, não me incomodou nem um pouco. Na verdade, eu estou muito surpresa com essa publicação. Nunca imaginei ser um crush de metrô, rs.

Podemos nos conhecer sim, sair pra tomar uma cerveja. Percebi pela foto de perfil que curte Lynyrd, um bom lugar é um PUB que toque música boa."


Hinata achava que não devia esconder o seu lado curioso sobre o rapaz, sem demonstrar um nível alto de stalker. Há tempos não demonstrava interesses por outros rapazes, visto que sua vida era focada em terminar seu curso superior e ser efetivada em seu estágio.

O curso de Pedagogia era sua escolha ideal e, trabalhar com bebês da faixa de oito a quatorze meses era definitivamente o que mais amava fazer. Não ligava para o dinheiro, somente queria fazer pelo resto da vida algo que ela tinha certeza que nunca iria se cansar.

Adorava ter crianças a sua volta.


"Curte beber uma cerva e ainda quer música boa? Já posso trazer as alianças? Hahah

Brincadeira, Hinata.

Eu toco nos fins de semana com a minha banda. Tocamos covers de diversos tipos e temos nossas músicas autorais. Depende de que tipo de evento que a casa quer, a gente se adapta. Acharia da hora se você viesse ver a gente e curtir o nosso som.

Anota meu WhatsApp. Podemos falar melhor por lá, e ainda posto uns memes muito ruins mas que eu racho o bico."


O sorriso de Hinata foi de orelha a orelha. Naquele mesmo momento, ela salvou o número do Uzumaki, vendo uma foto divertida no perfil. A foto consistia em um meme do personagem Shrek com os olhos vermelhos, simulando que ele havia fumado maconha e com os dentes para frente, fazendo uma careta muito esquisita. Ela se engasgou com a própria saliva ao ver a imagem.

– Olá senhor Jureg – ela disse em áudio – sou eu, a Hinata do metrô. Pode salvar meu contato. Eu engasguei de rir com essa foto. Os memes são reais, continua que tá pouco.

No mesmo instante, ele ouviu o áudio e em seguida respondeu a morena em forma de áudio, sem deixá-la na espera.

Que primeira impressão boa você deve ter de mim, meu Deus. Continuo com os memes porque você pediu – ele deu uma pausa para mastigar alto – Sua voz só não é mais bonita do que você, pelo amor.

Ela corou.

– Obrigada pelo elogio, Naruto – a voz da garota saiu risonha, dando um ar angelical – Em que bar vocês vão tocar? Já vou me programar pra poder ir. Faz tempo que não saio por aqui.

A gente vai tocar em um bar perto da Augusta. Primeira vez que iremos tocar lá. Pra ficar fácil pra você, posso te buscar em algum lugar, vou estar só com alguns caras da banda no carro, porque dois deles tem namoradas e eles vão com as minas deles.

Ele realmente estava interessado em vê-la. É óbvio, não era a toa que ele havia me procurado naquele post daquela página, pensou. Ela só não sabia o que pensar sobre a parte do "se encontrar" estava sendo tão rápido. Não estava acostumada com isso.

Tinha cerca de uma semana para poder conversar com ele via WhatsApp e ter uma opinião concreta sobre esse encontro. Ele postou um story no WhatsApp, com um buquê de flores, uma garrafa de cerveja, uma guitarrinha e um coração do lado.

Ela pôde sorrir com aquele story. Printou e mandou para a sua irmã, que surtou no áudio ao saber que eles estavam conversando.

Mas porque na foto dele é o Shrek brisado de maconha, Hinata?

Odiava o fato de sua irmã ser tão atenta com tudo, por mínimo que fosse. A habilidade de observação e percepção parecia que era passada para todas as gerações da família Hyuuga, a inteligência era um talento nato deles.

– Tanta coisa pra reparar e você vai reparar no perfil dele que é um meme? Puta merda.

Se o cara gosta de memes, já é um motivo pra você gostar mais ainda dele. Pelo que vi no perfil dele, vocês combinam. Um roqueiro pra minha irmã do rock pauleira.

Hinata revirou os olhos. A Hyuuga mais velha amava rock e metal, mesmo escutando outros gêneros que achava bom de ouvir. Hanabi amava um bom pop, mas não nega que as influências musicais de sua irmã são ótimas. Hanabi era sua melhor amiga, além de irmã, com que de fato podia contar para tudo. Se tinha alguma pessoa que merecia toda a prioridade na vida, era ela.


§


– Oi – ela respondeu em um instante, quando viu seu celular tocar – achei que você estivesse trabalhando.

Hoje é sexta, meu expediente acaba mais cedo e hoje não tô muito afim de ir pra aula. Já estou indo para casa, na verdade. E você, o que anda fazendo? – a voz era rouca do outro lado da linha. Hinata sorria como uma menina de doze anos.

– Só limpando minha casa mesmo. Hoje é minha matéria a distância e o pessoal do meu estágio me liberou mais cedo. Dei graças a Deus quando minha EAD migrou pra sexta.

Que sorte. Em quatro anos de curso, nunca tive essa bênção, sempre era no meio da semana. Enfim, tudo certo para amanhã?

Ela varria o chão com o celular no bolso, passou a falar com o microfone do seu fone de ouvido. Com a pergunta, seu coração palpitou e fez com que ela se sentasse no braço do sofá marrom, retirando o celular do bolso e fazendo uma pausa de alguns segundos.

Ela estava tensa com aquele encontro com o moço do vagão. Dentro daquelas semanas, Hinata e Naruto estavam sempre conversando, trocando fotos e memes. Ela estava nervosa, pois não saía em encontros há muito tempo, mesmo sendo com alguém que claramente quer a sua presença.

– Claro.

Estou muito ansioso, admito – ele comentou com ela com sorriso na voz. Hinata não deixou de sorrir junto à ele – Irei buscar você aonde? Se não se importar, posso te buscar em sua casa.

– Pode ser na frente da minha casa. Como eu sou meio lerda, assim que você chegar no endereço, me manda uma mensagem. Vou te passar o endereço no Whats.

Perfeito, Hinata. De lá, iremos buscar os outros dois e iremos para o bar. Pode ser?

– Pode, estarei pronta no horário. Não demoro horrores pra me arrumar.

Até por que você nem precisa né, jovem – corou – estarei aí no horário, nem um minuto a mais.

Ela desligou o telefone, olhando fixamente para uma foto que ele havia encaminhado em seu celular. Ele estava deitado de bruços, a foto aparecia somente seu braço que estava escorado e o seu rosto que carregava um belo sorriso, com a descrição "quando você tá cheio de coisa pra fazer mas ainda quer ficar deitado pra sempre".

Imaginava a todo momento em como seria o primeiro choque nos olhares. Ela era uma mulher sonhadora, acreditava que uma pessoa sempre será a destinada em sua vida. Teve algumas experiências que fez com que ela tivesse um maior conhecimento e noção das coisas, mas ainda sentia que não eram as pessoas ideais.

Somente de pensar neste encontro, seu estômago embrulhava e suas mãos enrijeciam. Sensações que não sentia intensamente há bons anos. Não queria aparentar ser uma adolescente de doze anos. Ela precisava ficar calma. Era apenas um bar e as namoradas de seus amigos também estariam lá.

Decidiu deixar os pensamentos para lá, voltando a arrumar sua casa.


§


Ela deu uma última olhada no espelho, vendo se estava tudo nos conformes. Seus cabelos compridos estavam bem alisados e secos. Nas orelhas, usava belas argolas em prata. A maquiagem era leve e ao mesmo tempo sensual, com um delineado "gatinho" bem marcado, cílios postiços e um batom vinho que tinha um certo glow. Sua pele não precisava de produtos carregados, adorava isso.

Passou somente uma base leve para uniformizar a pele, corretivo para dar certa iluminação, um pó para selar o produto, contorno moderado, um pouco de blush e iluminador em cima da maçã do rosto próximo aos olhos e na ponta do nariz arrebitado.

No corpo passou a utilizar uma meia sete oitavos preta, uma saia rodada de cintura alta um pouco mais curta, um body preto de manga comprida simples, um sobretudo preto que ia até a altura das coxas e um chapéu preto para realçar o look. Nos pés, uma bota preta tratorada em verniz.

– Nada mal, Hinata – disse para si mesma, percebendo que seu celular vibrava. Eram sete horas em ponto, como haviam marcado.

"Estou aqui na porta da sua casa. Estou encostado no meu carro, não vai ser muito difícil me achar, pois sou o único na rua, loiro, de camiseta do Kreator e que está com os braços cruzados e com uma surpresa."

"Já estou indo. Só mais cinco minutos."

Ela deu um toque de seu perfume favorito, pegando seu celular e sua bolsa que estava em cima da mesa. Ao sair e trancar a porta, percebeu uma silhueta ao longe, encostada em um carro e de braços cruzados. Sentiu ser observada naqueles segundos em questão, até passar a caminhar em direção daquele homem.

Torcia para não tropeçar com aquele sapato. Ela passou a notar o belo corpo que ele tinha, os braços e as coxas torneados, sua calça em lavagem escura levemente justa e sua camiseta que pedia para ser rasgada. O fogo acendeu. Ele conseguia ser mais bonito pessoalmente do que pelas fotos, uma raridade.

Notou um buquê de lírios brancos em suas mãos. Sua flor favorita.

Como não me lembro dele no metrô? Que saco! – bradou para si mesma.

Ele se ajeitou para poder recebê-la de braços abertos enquanto ela se aproximava de si. Naruto estava com os nervos à flor da pele e, com toda a certeza, Hinata era a mulher mais bonita que havia conhecido em sua vida. Ela tinha um toque sedutor, misterioso, e ao mesmo tempo, era possível ver sua alma no brilho dos seus olhos.

Ela trancou o portão de sua casa e parou em frente ao loiro que estava sem palavras. A troca de olhares foi intensa demais até para os dois. Hinata percebeu como ele era alto e deu um sorriso largo para o maior.

– Olá, Naruto.

Ele a puxou para um abraço inesperado. Ela era pequena o suficiente para ser perfeita para um abraço e caber exatamente em seus braços. Ele tinha a ciência disso enquanto passou a observá-la naquele vagão lotado. Sentiu o cheiro delicado do perfume que ela usava, era apaixonante. Ela parecia um anjo. Ouvi-la balbuciar seu nome lhe causou arrepios.

A Hyuuga amava aquele cheiro do perfume que ele usava. Que homem cheiroso, meu Deus, pensou. Poderia fungar aquele cangote para sempre, se pudesse. Ele, além de lindo, era cheiroso e cavalheiro, como não iria querer agarrá-lo naquele momento?

– Hinata – ele sussurrou para que ela ouvisse calmamente – você está ainda mais linda, se é que é possível.

Ambos sorriram naquele abraço demorado. Após se soltarem, ele entregou aquele buquê para ela. A morena derreteu-se com aquele gesto de cavalheirismo, deixando as flores grudadas em seu corpo.

Ele abriu a porta da frente para que ela pudesse entrar. O carro era bem arrumado e limpo, o som era em uma música que ela particularmente amava muito, a Deceiver Of The Gods, do Amon Amarth. Se lembrou que comentou com ele que amava a banda. Aquilo era proposital.

– Mandou bem – disse para ele, colocando o cinto de segurança.

– Vamos passar na casa de um deles só, tá? Os dois abençoados estão lá.

– Tudo bem. Hoje vocês vão tocar o que no bar?

– Hard Rock.

– Anima muito lá. Soube que essa casa enche bastante! Nunca fui lá mas parece ser um lugar excelente.

– Sim, é uma casa nova mas que todo mundo tá aparecendo por lá. Pinga barata e som foda, novidade que chama a atenção. Quando recebi o convite, nem acreditei. Na hora falei com os caras. Melhor ainda vai ser o cachê mais a bebida a vontade pra banda e quem estiver acompanhando a gente.

Ela ficou levemente vermelha. Não gostava de sair e consumir sem contribuir.

A viagem seguiu rápida. Pararam em frente a uma casa com uma bela decoração na parte de fora. Pegou seu aparelho celular, um S8 Plus Ametista comprado com muito suor, que torcia todas os dias para não ser assaltada, e pôde ver uma mensagem de sua irmã, dizendo "boa sorte, usa camisinha. Não quero sobrinhos agora. Qualquer coisa me liga, se ele for um babaca, me chama pra gente sair no soco. Te amo."

Ela sorriu, mandando uma foto do buquê que havia ganhado. Hanabi mandou vários emojis surpresos e com corações saltitantes. Ele deveria dar uma mancada muito feia para poder ser chamado de babaca agora.

Naruto seguiu do lado de fora, vendo um Itachi afobado para ir para a casa de shows e um Sasuke irritado pelo comportamento do irmão mais velho. Itachi era o baterista da banda e Sasuke o guitarrista solo. Os outros integrantes eram o baixista e, o quando solicitado, tecladista.

– Caralho Itachi, dá pra sossegar, porra? Você está me dando nos nervos, seu filho da puta.

– A mãe é a mesma, cuzão.

Vendo esses dois, tem horas que adoro o fato de ser filho único, pensou o loiro que revirou os olhos naquela troca de palavras amigáveis dos irmãos Uchiha. A bateria sempre ficava desmontada no porta malas do Uzumaki, carregavam apenas a guitarra de Sasuke e alguns amplificadores.

– Tanto faz. As vezes esqueço que eu sou o irmão mais novo.

– Nem vem que hoje eu vou na frente.

Tarde demais.

Itachi abriu a porta da frente do carro, dando de frente com uma Hinata confusa e surpresa com o susto repentino. O Uchiha mais velho arregalou os olhos e deu um belo sorriso para a morena. Naruto ficou visivelmente incomodado com a atitude do amigo.

– Que tesouro é esse aqui que você escondia da gente, Naruto? Moça, com todo o respeito, não é seu aniversário mas você tá de parabéns.

– Desculpa, moça. Ele é demente assim porque fez curso do SENAI mesmo.

Hinata pôde rir da situação.

– Ela é a mulher do metrô que eu disse. Chamei ela pra ir ver o nosso show. O nome dela é Hinata. Hinata, esses são Sasuke e Itachi, – apontou para cada um – meus amigos e integrantes da Konoha.

– Se você não chamasse ela, a gente te sentava no soco. Oi, Hinata, prazer. A gente é tudo doido mas somos gente boa.

– Você tá assustando ela, agora vai pro banco de trás – Naruto disse, indo para o banco do motorista e entrando dentro do carro junto com os rapazes.

– Tá tudo bem, sério. Prazer, meninos.

Eles se acomodaram e colocaram o cinto de segurança, com o loiro visivelmente corado dando a partida no carro. Hinata passou a observar o loiro, deu uma leve risadinha e decidiu tomar uma iniciativa: pousou sua mão na do loiro enquanto ele segurava o câmbio. Ele olhou para ela rapidamente, dando uma piscadela e um sorriso radiante.

Passou a tocar Living' On a Prayer, de Bon Jovi. Todos ficaram ainda mais animados com o som que tocava no carro. Sasuke carregava uma sacola no banco de trás repletas de cerveja, que distribuiu para os três, com exceção do Uzumaki que dirigia.

Woah, we're half way there, Woah, livin' on a prayer, Take my hand, we'll make it I swear, Woah, livin' on a prayer – cantaram em um conjunto, dando risadas no carro.

Naruto encarava a morena após o trecho. Ela havia cantado para ele algumas vezes nos áudios e era ótimo poder ouvi-la finalmente. Era definitivamente unânime: ele estava encantado com a Hyuuga. Era cedo demais poder pedi-la em casamento e pedir para que ela seja a mãe dos filhos dele? Era uma conexão muito forte e esquisita, ele era capaz de muita coisa para tê-la.

Chegaram na casa de shows após alguns minutos de carro. O local estava cheio, e os quatro saíram do carro, avistando uma mesa em específica. Naruto tocou a mão de Hinata, segurando-a e a acompanhando até a mesa. Ela enlaçou os dedos entre os dele, cada toque era um misto de sensações que ela não estava sabendo explicar.

A casa estava tendo um repertório de uma outra banda que estava claramente fazendo cover do Kiss. Os outros três apontavam para uma mesa que tinham sete pessoas, e entre eles, um era uma pessoa bem conhecida pela Hyuuga.

– Hinata? – Todos da mesa em questão olharam para a Hyuuga, notando a semelhança que ambos possuíam – você tá saindo com a minha irmã mais nova? Puta merda hein, Naruto.

Naruto ficou boquiaberto. Em nenhum momento notou a semelhança que ambos possuíam, mas era certeza de que ela era uma versão muito mais bonita do que ele. Todos passaram a gargalhar ali, Hinata mostrou a língua para o irmão mais velho e gargalhou junto.

– Não sabia que vocês eram amigos – ela comentou.

– Pelo visto nem ele sabia que a gente era irmão, olha que você é idêntica a mim. Os anos passam e ele continua lerdo, mano do céu.

– Idêntica não, ela é muito mais bonita – disse, colocando a mão sobre a cabeça – Gente, pra quem não conhece, essa é a Hinata, a moça do trem que eu comentei. Hina, esses são Kiba, Ino, Shikamaru, Temari, Gaara, Tenten e Neji, que você conhece melhor do que a gente.

– Comentou não, você alugou a gente mesmo – Ino comentou, rindo levemente – mas dá pra entender o porquê, um mulherão desse. Senta aí, Hinata. Bebe uma breja com a gente.

– Irônico que eu fui o único que não viu essa foto né, Naruto? É foda, velho – o Hyuuga resmungou, causando risos nos demais.

Hinata sentou entre Naruto e Ino, o loiro envolveu seu braço nos ombros da morena, que segurou a mão dele que havia ficado suspensa. Estava vendo uma garrafa de Skol em cima da mesa e logo passaram copos para eles. A morena adorava qualquer tipo de cerveja.

– Somos os próximos. Hoje aqui está fervendo, viemos em um dia excelente – Neji comentou – deixei meu baixo no meu carro, o teclado do Gaara também está lá. Quando eles acabarem, a gente já fica esperto pra montar as coisas.

Hinata notava que Naruto acariciava sua mão enquanto estavam próximos. As mãos dele eram grandes e ásperas, os dedos calejados tinham um jeito sutil de passar entre os dedos pequenos da morena.

Ela o encarou, vendo-o engolir um pouco de cerveja e ficar com certo bigode de espuma. Os dedos dela passaram no buço do Uzumaki, retirando o excesso de espuma e deslizando sutilmente as unhas pintadas de preto fosco no queixo do rapaz. Ele sorriu.

– Infelizmente vou te deixar só por uns instantes. Queria você lá na frente, para que eu possa ver você e me inspirar mais ainda. Pode ser?

A frase foi sussurrada no ouvido da morena, que assentiu com o pedido. De um outro lado da mesa, o Uzumaki foi atacado com um pedaço de papel embolado. O casal observou o Hyuuga mais velho com os braços cruzados, enciumado por sua irmã mais nova estar nos braços de seu grande amigo.

Hinata deixou seus pertences no porta luvas do carro do loiro. Ao saírem, Hinata, Kiba e as demais meninas saíram em disparada para frente do palco, deixando Shikamaru cuidando da mesa. Ele era preguiçoso demais para sair e ficar dentro da multidão. Ela observou Naruto arrumar seu microfone, com sua guitarra suspensa por uma faixa em seu corpo.

– Boa noite, pessoal. Eu sou Naruto, da banda Konoha. Esses são nossos membros: Neji, nosso baixista, Sasuke, o guitarrista solo, Gaara, o tecladista e Itachi, nosso baterista. Eu sou o vocalista e guitarra base. Espero que curtam nosso som.

A música começou agitada. Whole Lotta Love incendiava aquele bar com pessoas movendo-se animadas. A voz do loiro era rouca na medida ideal, a desenvoltura no palco era perfeita e ela permanecia conectada com a música. Eles são demais!, pensou. O loiro cantava olhando para si, de uma forma carinhosa e que queimava. Eles se desejavam, era notável a quilômetros de distância.

As músicas passavam e eles continuavam ali, animando-se com as músicas. No término da oitava música, Naruto bebia um gole de sua garrafa de água. Ele se posicionou em frente ao palco e olhou atenciosamente ao público.

– Para encerrarmos, queria chamar uma pessoa pro palco. Um passarinho me contou que ela canta muito, queria poder deixá-la cantar algo. Hinata, sobe aqui! – A morena arregalou os olhos, caminhando até o palco totalmente tímida – qual música você vai cantar?

– Pode ser Fear Of The Dark, meninos?

Todos assentiram. Hinata foi pra frente do palco, segurando o microfone, um tanto quanto tímida. Ela nunca havia cantado a frente de tantas pessoas, era uma excelente oportunidade para si.

Ela cantava maravilhosamente bem. Os olhos dela brilhavam na luz, ela conseguia ter a sincronia com os demais presentes e passava a se sentir a vontade naquele palco. Para Naruto, ela não podia ser mais perfeita.

Ao terminar a música e o show, todos agradeceram e passaram a recolher seus pertences e instrumentos. Voltaram a beber logo em seguida, daquela mesma mesa em que Shikamaru estava, mexendo em seu celular e bebendo uma dose de cachaça artesanal.

– Tá com fome? – o loiro perguntou – Vou pegar uma porção de fritas pra gente, quer?

– Se não tiver incluso, pode rachar.

Ele parou por um segundo.

– Não precisa, Hinata.

– Precisa sim, não é só você que vai comer. Fico sem graça de consumir sem ajudar...

Ele pôde beijar a testa da jovem.

– Fica tranquila, relaxa, você tá comigo e é nosso primeiro encontro. Não vão faltar oportunidades para racharmos a conta.

Hinata o encarou, dando a entender que ele queria vê-la mais vezes. A questão era que ela não se sentia confortável. Desde cedo, ela era muito independente e aprendeu a se virar muitas vezes sozinha. Assentiu, pois entendeu que aquilo era um mimo do loiro.


§


As horas iam passando, o bar estava perto de fechar e os amigos estavam moles de tanto beber, com exceção de Hinata e os que dirigiam, vulgo Naruto e Neji. Para finalizar, Naruto foi ao bar e pegou duas garrafas de um coquetel alcoólico barato que eles conheciam muito bem. Ao ver Naruto voltar com aquelas garrafas, ela já pegou a de pêssego para si, deixando a de canela com ele.

– Você não tem cara de quem toma corote, porra – ele a abraçou, dando gargalhadas – agora é que eu quero casar com você mesmo.

– Corotinho de pêssego é vida, amo forte.

Ela abriu a garrafa, virando uma boa quantidade daquela bebida em sua boca. Eles se escoraram na porta do carro do Uzumaki, deixando os amigos distantes na entrada do bar. Naruto a puxou para perto, encarando a morena nos olhos por alguns segundos e dando um sorriso largo para ela.

– Foi ótimo ter chamado você pra vir. O rolê melhorou mil porcento.

– Que nada... Tá falando isso só pra me agradar, né?

– Óbvio que não...

Eles intercalavam os olhares entre os olhos e as bocas de cada um. Naruto depositou a ponta de seus dedos no queixo da morena, fechando os olhos e selando seus lábios em um beijo profundo. O beijo era lento e quente, ele segurava a cintura da morena com vontade, puxando-a para mais perto de si. A morena mergulhou seus dedos nos fios macios e rebeldes, deixando que o ar faltasse.

Os corpos queimavam e suplicavam por mais, a intensidade falava por si só e tinham que se segurar para que não avançassem mais. Ao finalizar, as testas se roçavam e ambos conseguiam apenas se encarar.

– Você acredita em amor/paixão a primeira vista? – ele questionou a jovem, ela não respondeu – eu passei a acreditar desde a primeira vez que vi você.

Ela arregalou os olhos, deu um largo sorriso e beijou a bochecha do loiro, sem acreditar nas palavras que havia acabado de ouvir.

– Por que você não falou comigo no vagão?

– Foi uma coisa muito estranha. Eu estava ouvindo música, irritado porque tinha brigado com meu chefe e eu havia tomado uma bela advertência injustamente. Quando eu notei que você estava ali, eu não tive tempo de pensar em falar com você, minha estação já era a próxima e eu tinha certeza que nunca mais eu iria te ver. Eu tirei aquela foto sua para guardar comigo, assim que tirei, a porta da estação abriu e eu saí. Fiquei admirando aquela foto, até ironicamente ver a sugestão daquela página para curtir. Parecia sinal de Deus, eu juro. Curti a página e mandei sua foto, sem esperança nenhuma... Você estava tão perto mas ao mesmo tempo tão longe, Hina... Fiquei tão feliz com o comentário da sua irmã, entrei no seu perfil mil vezes pra ver se era você mesma, e era... Tão bonita, tão... Você, saca?

Ela continuava encarando o loiro falando, o mesmo estava com as bochechas coradas e a evitava olhar nos olhos. Ela estava arrepiada com cada palavra dita, que, para algumas podia ser "balela", mas que sentia ser verdade.

– Pode parecer muito stalker e estranho, mas eu queria poder te encontrar de novo, por isso apostei minhas fichas ali. A sensação que tive ao te ver, nunca chegou nem perto com alguém. E por isso que se você permitir, quero ter você cada vez mais perto. Você é perfeita.

Ele acariciava o rosto da morena sutilmente. Ela apenas sentia o toque com os olhos fechados, abraçada no corpo do maior. O seu abraço parecia ser um porto seguro e que ela se sentia bem em estar ali. Bem e desejada.

– Pra mim isso é muito novo... – A morena sussurrou pra ele – Eu não sou uma pessoa que se envolve com outras, sempre preferi a minha própria companhia. Ver a forma com que você demonstra isso me assusta um pouco. Não que isso seja ruim, longe disso... Me deixa mais a vontade de conhecer muito mais você. O que me assusta é que nunca achei que alguém fosse se sentir assim com a minha presença.

– Quero poder ser digno de você, Hina. Você é um mulherão da porra, não só no físico, tuas atitudes mostram muito mais. Eu também não fui uma pessoa que namorou muito, sempre fui uma pessoa mais reservada. Enfim, acho que passado é algo que não importa muito agora... Quero pensar no futuro.

Eles bebericaram mais um gole do coquetel alcoólico. Ele olhou no relógio, eram quase quatro horas da manhã e o bar estava fechando as portas. Ino ajudava Kiba, seu namorado a botar pra fora tudo o que havia tomado, enquanto os demais riam da situação ao longe.

– Quando você quiser ir embora, é só me pedir que eu te levo, tá? Sasuke e Itachi nem preciso perguntar se eles querem ir embora, já tão apagados de tão bêbados aqui dentro.

Ambos não queriam que esse encontro terminasse, mesmo com o cansaço batendo e os bocejos começando a aparecer.

– Então vamos, você pode levar os dois pra casa e depois pode me levar, se não for incômodo...

Ele sorriu. Se despediram dos demais, vendo um Neji que fuzilava o loiro com os olhos, seguiram para a residência dos Uchihas, deixando eles lá e seguros.

Quando ficaram sozinhos naquele carro, a música Dust In The Wind aparecia para poder relaxar após uma bela noitada. Ela pegou seu celular do porta luvas, que estava com dez mensagens de sua irmã mais nova. Deslizou a notificação para poder ler depois.

O caminho foi em silêncio. Ambos se encaravam sem proferir uma única palavra. Quando chegaram em frente da residência da moça, ela parou e deu um suspiro. Não queria entrar.

– Obrigada por hoje. Foi muito divertido.

Ele não respondeu, apenas a encarou e acariciou seu rosto. A base passou a abrir um pouco, dando para ver melhor a vermelhidão de sua face.

– Iremos sair novamente, certo? – ele perguntou, vendo a morena assentir – perfeito, então...

– Boa noite, Naruto.

Ela chegou próximo a ele para poder se despedir corretamente. Eles selaram seus lábios em um selinho demorado, que aos poucos se desenvolveu um beijo quente e lento. Eles não queriam mais se soltar.

Ele a segurou pela nuca, puxando-a para mais perto, vendo a menor arfar durante a sequência de toques. O ar faltava dentro daquele carro. O câmbio entre o casal era um empecilho que fazia Naruto voltar a realidade. Ele não queria fazê-la sua ali, queria conhecer a jovem e poder desfrutar sua presença por muito mais tempo.

Não queria deixá-la desconfortável em avançar cedo demais.

Seria um homem morto se Neji soubesse que ele deixou sua pequena irmã magoada.

Eles finalizaram o beijo caliente com uma Hyuuga completamente corada e com os olhos brilhando. O sorriso do loiro foi largo, acariciando as bochechas rosadas da morena. Olhares que não precisavam de palavras para serem aditados. Hinata não queria se precipitar, mas, será esse o "tchan" da sua vida?

Ela deu um último selinho antes de sair do carro e entrar em casa. Ele apenas a acompanhou com os olhos, tendo a certeza de que ela estaria segura e bem. Ao dar um longo suspiro, o Uzumaki deu partida em destino a sua casa.

21. April 2019 18:20:51 0 Bericht Einbetten 0
Lesen Sie das nächste Kapitel Is This Love

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 1 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!

Verwandte Stories