azusakim Jess Sibia

Engana-se quem enxerga o amor como a junção de dois corações, como aroma de café recém feito pela manhã, como brisa do mar trazida com a maré, como um dia de sol fraco e riso frouxo. Amor é intensa chuva, é dia de céu cinza, é gosto amargo de xarope, é tempestade quando você está sem guarda - chuva, é dedo mindinho batendo na quina do sofá da sala. Sejamos sinceros, o amor é uma merda, dessas que a gente encontra em banheiro de rodoviária e que você prefere mil vezes morrer de vontade de fazer xixi do que ter que encara-la.


Fan-Fiction Bands/Sänger Nur für über 18-Jährige.

#yaoi #exo #sebaek #baekhyuncentric
Kurzgeschichte
1
5.1k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Sobre o meu amor e as nossas pontes



Conheço pessoas que morreram de tanto beber, outras que morreram de tanto fumar, já outras sufocavam as próprias lágrimas e acabaram por morrer afogadas nelas e alguns, morreram de remorso ou desgosto. Apesar de mortes como essas mostrarem-se convidativas para pôr um fim em minha existência, preferi ser mais radical do que a maioria das pessoas que conheci, preferi morrer de amor. Engana-se quem enxerga o amor como a junção de dois corações, como aroma de café recém feito pela manhã, como brisa do mar trazida com a maré, como um dia de sol fraco e riso frouxo. Amor é intensa chuva, é dia de céu cinza, é gosto amargo de xarope, é tempestade quando você está sem guarda - chuva, é dedo mindinho batendo na quina do sofá da sala.

Sejamos sinceros, o amor é uma merda, dessas que a gente encontra em banheiro de rodoviária e que você prefere mil vezes morrer de vontade de fazer xixi do que ter que encara-la.

Vai, pode rir, eu tentei soar engraçado então, me ajude rindo da piada ruim. Minha vida por si só é uma comédia, eu mesmo rio de mim todos os dias quando me encaro no espelho e penso o quão fodido eu sou por amar. Por que meu camarada, se puder não ame, não como eu amo, não ame a pessoa errada. Talvez você deva estar se perguntando: mas como diabos eu vou saber que a pessoa não é a errada? Esta é a questão queridos: você não sabe, você nunca sabe, pelo menos não até se pegar planejando a lista de convidados do casamento de vocês onde a maior discussão será sobre a cor das toalhas sobre as mesas. Nesse momento, existe 80% de chance dessa pessoa ser a sua pessoa e 20% de chance de você estar apenas gastando seu dinheiro porque é um verdadeiro trouxa que provavelmente vai se divorciar em dois anos, ou menos.

Bom, eu sequer cheguei na fase da lista de convidados para falar a verdade, eu vivo num eterno 20%, onde meu suado dinheirinho acaba sendo gasto com presentes para namorados que depois do dia dos namorados vão embora levando meus presentes caros. Vocês sabem aquele momento em que você está caminhando sobre uma ponte ponderando sobre a possibilidade de pular ou não e pensando que sua vida que já é fodida o suficiente não pode ficar pior e ai você se lembra que está caminhando usando sua melhor roupa em direção a festa de noivado de seu melhor amigo – vulgo o amor da sua vida de merda – e que você não pode fazer nada a respeito disso? Eu estou assim, agora, neste exato momento. Eu penso que, caramba! Eu não poderia ter escolhido pior.

Eu não sei se vocês acreditam em amor à primeira vista, eu nunca acreditei, até conhece-lo. Oh Sehun, porque você consegue foder com meu psicológico desse jeito? Era manhã cinzenta quando nos conhecemos no primeiro dia de aula na faculdade, eu como um desligadão de primeira, acabei entrando na aula de cálculo 1 do primeiro ano de Engenharia Mecatrônica, coisa que só fui perceber lá pelo segundo período quando o professor resolveu fazer a chamada e eu percebi que não estava na lista. Mas é claro que o nome de Byun Baekhyun não esta na lista, o que um aluno de Letras estaria fazendo na turma de Engenharia? Acabei dividido minha mesa com Sehun neste dia e desde então nos tornamos próximos, do primeiro ao último ano da faculdade.

Eu me formei e assumi um cargo na escola de ensino médio próximo da casa de Sehun e ele, bem, os pais possuem uma empresa enorme e uma caralha de filiais pelo mundo, Sehun ficou dois anos fora nos EUA treinando seu inglês que era uma verdadeira porcaria e, adquirindo experiência com a administração da empresa que um dia será dele. Quando voltou, e isso já tem um ano, eu pensei que seria a hora perfeita para chegar nele e mandar um: então, eu acho que eu não quero só transar com você casualmente, seria legal se sei lá, a gente namorasse? É que eu acho que tô te amando e acho que daríamos super certo. É óbvio que isso foi a primeira coisa que eu fiz quando fui busca-lo no aeroporto junto com alguns de nossos outros amigos, certo?

Errado! Erradíssimo, errou feito, errou rude.

Até porque eu não contava com um imprevisto chamado Bae Joohyun ou como ela gostava de ser chamada na América: Irene. E não, não estamos falando da cabeleireira maníaca do *Girls In The House, estamos falando de uma coisinha adorável de pouco mais de meio metro de altura e com a risada mais divertida e contagiante que eu já ouvi. Eu queria muito odia-la, sério, eu tentei de todas maneiras possíveis eu achei todos os defeitos possíveis naquela menina mas no fim, eu percebi que ela não tinha culpa de absolutamente nada e odia-la por ela amar quem eu amo seria cruel. E foi assim que eu me fodi ao quadrado, transformando a namorada do amor da minha vida em uma das minhas melhores amigas, porque eu não tinha o direito de odia-la e ela, jamais me odiaria por amar Sehun.

Porque convenhamos senhoras e senhores, quem não amaria Oh Sehun?

Eu o amava e percebi isso da pior forma, quando ele me ligou animado dizendo que Bae havia aceitado seu pedido de casamento e eu desliguei o telefone na cara dele, e chorei compulsivamente por pelo menos duas horas. Duas fucking horas chorando como um bezerro desmamado porque Sehun vai se casar. Acabei de cruzar a ponte e já posso ver a árvore do quintal da casa de Sehun, será que ainda dá tempo de voltar e me jogar? Porque sinceramente eu não quero encara-lo, não hoje, não agora depois de já ter ligado bêbado as três da matina gritando e chorando a plenos pulmões dizendo que eu o amava desde a faculdade e que eu queria ser mais que um amigo, que eu era um gandíssimo idiota por nunca ter dito nada, porque afinal ele é bissexual e isso poderia acontecer algum dia. Sehun me ouviu tão pacientemente e murmurou tantos pedidos de desculpas que por um momento eu me senti confortável, mas agora, encarando o portão da mansão dos Oh eu só consigo sentir uma coisa: dor.

Dor porque ele simplesmente me pedia desculpas por não me amar e ele sequer me deve isso, dor porque no fundo do meu coração eu queria ser ela, nesse momento eu queria muito ser Bae, para estar ao lado dele recebendo os parabéns pelo noivado, para usar uma aliança com o nome dele. Ah...Sehun! Eu odeio amar você, eu odeio o quanto eu preciso de você, porque você quer ela, você precisa dela e eu nunca vou ser ela. Eu sinto sua falta quando não consigo dormir, quando estou tomando café, ou quando não consigo comer, eu sinto sua falta no banco da frente do meu carro cantando alto o suficiente para me deixar surdo. Acabaram de abrir o portão para mim, eu estou dentro da festa, encontrei um canto numa mesa próximo a mesa de doces e daqui consigo enxergar você, será que você sente a minha falta como eu sinto a sua?

Porque, caralho você saiu pro intercambio quando ainda tínhamos algo, quando ainda estávamos naquela fase de não saber o que éramos direito, você não era meu namorado, nunca foi. Eu aprendi que amigos também podem nos machucar e quebrar, se eu fizesse com você metade do que está fazendo comigo com certeza você não gostaria dessa merda, mesmo que eu tenha todos os mais sinceros sentimentos, nada adiantaria agora não é?

Ele está caminhando em minha direção agora e eu já posso imagina-lo quando começar a caminhar para o altar daqui a um ano, quando eu vou entrar de braço dado com sua irmã para ser seu padrinho e abençoar sua união. Eu não sei o quão idiota ele pode ser mas, será que ele realmente não percebe o quanto isso acaba comigo? Seu olhar sorri para mim antes mesmo de seus lábios se curvarem num sorriso, eu retribuo porque é para isso que estou aqui, para dar meu sorriso de apoio. Ele está se afastando novamente e eu posso observa-lo melhor daqui, ficar longe é melhor.

Um pensamento me veio à mente agora, talvez ele nunca se importou de verdade, porque pensem comigo: porque raios ele convidaria seu ex ficante para seu noivado sabendo que ele é um fodido apaixonado? Opa, isso rimou e não foi a intenção, eu juro.

E ele olha para ela como se ela fosse a única garota em todo esse mundo, e talvez ele realmente não se importe comigo, talvez ele nunca se importou realmente, talvez ele só precisasse de um consolo as vezes e eu servisse bem. Talvez, talvez e talvez...Talvez ele ainda não tenha enxergado que essa situação toda me mata por dentro. Talvez eu sequer sobreviva até esse casamento acontecer. Você que lê deve estar pensando, nah Baekhyun que bobagem, não vai perder sua vida por coisas assim, vai? Bem meus queridos, querer a gente a nunca quer perder nada por causa de ninguém mas as vezes isso acontece, e quando eu voltar para casa depois de encher a cara com todas as bebidas caras dessa festa a ponte ainda vai estar lá.

Brincadeira.

Eu não estou aqui para falar sobre como suicídio é uma opção, suicídio nunca é uma opção para absolutamente nada. Amores vem e vão, e isso pode doer por um tempo mas um dia isso cura, eu tenho fé que vai curar. Eu me pergunto se ele se pergunta o que poderíamos ter sido e talvez esse seja o meu maior mal: pensar demais no que poderia ter sido ao invés de fazer acontecer, sempre sentindo falta demais do que não deveria sentir.

Desisti da bebida, vai que eu resolvo fazer um discurso e contar sobre os gostos peculiares de Sehun na cama, aposto que a avó dele não está disposta a ouvir sobre isso. Antes que qualquer um pudesse notar escapei da casa, estou de volta a rua caminhando lentamente em direção a ponte da tortura pronto para encarar as águas do rio que passa sob ela. E pensando sobre pontes, as vezes precisamos queimar algumas delas e criar certas distancias para conseguir seguirmos em frente, meu celular vibrou e eu sequer preciso olhar para saber que a mensagem vem dele.



Sehun [Sábado 18:45]
Me desculpe por te deixar desconfortável, eu apenas precisava de você aqui.


Meu psiquiatra vai me matar quando souber que eu cheguei a levantar meu bumbum da cama para ir à essa festa.

Eu [Sábado 18:47]
Tudo bem, nós vamos dar um tempo. Eu preciso de um tempo de você.


Vocês acham arcaico conversas por sms? Sehun detesta redes sociais e aplicativos para comunicação, me obriga a usar sms e eu sinceramente não vejo diferença alguma do kakao talk. Já estou terminando a ponte e são sete horas, nenhuma mensagem a mais e conhecendo o menino Oh como eu conheço, silêncio significa que ele esta de acordo e que vai me deixar com meu tempo, mesmo que esse tempo seja para sempre. Por favor, não odeiem Sehun, mesmo que eu diga que o odeio eu não odeio de verdade, eu o amo demais e odeio a situação em que estamos, apenas isso. Algum dia, eu vou esquece-lo, algum dia eu vou vê-lo com Bae de mãos dadas na rua e não vou me importar, porque eu também vou estar de mãos dadas com alguém mas, hoje não é esse dia ainda.

Vocês se lembram quando eu disse sobre não amar? Bom, eu acho que o certo a dizer é que: vocês devem amar, mas amem de coração aberto e não deixem para falar de ultima hora, o amor precisa ser gritado aos quatro ventos, gritado mesmo sem medo de quem for ouvir. Eu gostaria de poder gritar eu amo Oh Sehun, mas agora eu acho que isso não soaria tão bem. Se eu fosse gritar hoje aos quatro ventos sobre ele, seria algo mais parecido com um:

Oh Sehun eu estou começando a apagar você.

5. August 2018 00:24:36 0 Bericht Einbetten Follow einer Story
1
Das Ende

Über den Autor

Jess Sibia Perdida no meu labirinto de ideias

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~