New writing contest available! #AParallelUniverse. Weiterlesen.
erincarmel E C

Finalmente terminara As Guerras Napoleônicas e Sasuke voltara para casa no Reino Unido em 1817, mas trará uma notícia que devastará todos e em especial quem mais preza no mundo. Em um mundo de nobres divididos entre alfas, Sasuke precisa procurar como salvar a vida de seu grande amor e parte a uma viagem incerta e cheia de mistérios. Durante sua viagem conhecerá a quem tanto procurou outrora em sua vida. [SasuNaru| ABO ]


Fan-Fiction Anime/Manga Nur für über 18-Jährige. © Todos os direitos reservados

#romance #guerra #yaoi #naruto #sasuke #sasunaru #india #mistico #exotico #epoca #reinounido
33
5.4k ABRUFE
Im Fortschritt - Neues Kapitel Alle 30 Tage
Lesezeit
AA Teilen

Prólogo

Japão, 1740


Durante uma expedição inglesa em uma pequena vila no litoral do Japão, um nobre alfa inglês e sua tripulação composta por betas, procuravam pelo que o alfa julgava ser de extrema importância. Sua presença ali era totalmente pacífica, apenas tomaria o que precisava e partiria. Porém, o que procurava não estava ali, nunca esteve, sentiu-se um tolo por ter acreditado na mulher que encontrara na Índia Britânica. As palavras dela ficaram gravadas em sua cabeça durante anos até conseguir de fato entender o que significava, mas naquele momento sentia que não tivera decifrado corretamente.

A frustação crescia em seu peito com o passar dos dias que residiu na vila, mentiu ser um comerciante e disse procurar por produtos exóticos, mas não era como se eles entendessem seu idioma. Um dia enquanto tentava pela milésima vez se comunicar com as mãos para uma ômega que vendia peixes em um tipo de mercado, sentiu a forte presença de outro alfa, era um tanto intimidadora e muito peculiar. Tratou de espalhar sua presença em resposta o que acabou por resultar em medo generalizado e dor aos muitos ômegas presentes por ali, mas também localizou o pequeno alfa e correu até seu encontro, ambos ficaram de frente a frente e era inevitável ao alfa mais velho não responder aos rosnados que lhe eram dirigidos. O inglês achou muita graça da coragem que aquele alfinha tinha e instigou sua curiosidade sobre o que ele estava tentado proteger, só então percebeu que ele era o único alfa por ali.

Desde o momento que chegara não tinha sido necessário fazer uso de sua presença, esta que possuía um dos maiores alcances em toda a Grã-Bretanha, mas finalmente percebeu que a vila era um pouco maior do que imaginara com aproximadamente 50 moradores, na qual a maior parte manteve-se escondida em um tipo de estrutura subterrânea. Sorriu mais uma vez, pois notou que o povo era formado por ômegas – aqueles que eram submissos a alfas por meio da sua voz e presença de comando, logo nada deveriam saber sobre eles. Ou assim era o que o inglês erroneamente pensou na época.

De repente, como mais uma peça do destino o chão tremeu com tamanha intensidade nunca presenciada por qualquer ser que se encontrava ali e os gritos aumentaram, aqueles que se escondiam eram soterrados, o mercado se destruía pouco a pouco e as pessoas corriam para as pequenas estruturas que eram suas casas. O inglês não chegou a pensar e apenas pegou o pequeno alfa de cabelos tão negros quanto seus olhos e correu em busca de sua tripulação que procurava abrigo, enquanto tentava correr os tremores pararam e correu os olhos pelo perímetro avaliando os estragos que a vila recebera.

O pequeno alfa estava em choque em seus braços e nada fez para escapar de si, por um momento pensou em esquecer o que fazia ali e voltar ao seu navio que, milagrosamente, por recomendação de seu capitão se encontrava a uma distância segura. Contudo, mais uma vez o destino ria de si, o famoso orgulhoso alfa britânico que nunca recorria a religião alguma estava ali por ouvir uma velha sacerdotisa de um templo hindu, e os tremores voltaram em maior intensidade que era difícil permanecer-se em pé e ainda assim manteve o esforço para chegar a praia onde parte da sua tripulação tentava levar um barco até a água, mas estranhamente a mesma se recolhia para o mar.

O desespero tomou conta dos ingleses, sabiam o que viria a seguir e não podiam ficar próximos a praia, as ondas se tornariam imensas e cobririam tudo e todos. O navio já não era o ponto mais seguro e corriam mata a dentro chamando todos que podiam, precisavam se distanciar o mais rápido possível da praia. Novamente o idioma atrapalhava e não havia tempo para convence-los que deveriam fugir, todos ficaram para trás com exceção do pequeno alfa em estado de choque em seus braços. Escutou alguém gritar pelo pequeno, imaginou que deveria ser pelo seu nome que chamavam, mas não registrou a informação.

Conseguiram se salvar naquele ano ao contrário de todos os moradores da vila, que após um tempo, descobrira pelo pequeno alfa que o nome da vila era Uchiha e seu nome era Madara.


Reino Unido


Anos foram necessários para que Madara se adaptasse a nova vida, seu estado de choque durante a tragédia o fez esquecer daquele dia. Mas como todo Uchiha era um pequeno gênio e logo dominou o idioma, assim como outros estudos, mas seu forte eram as aulas de dominância alfa que recebia de seu protetor.

A adoção de um japonês como Madara só foi aceita após ser visto como um inglês pela alta sociedade, portanto, não demoraria muito para que o mandassem ao exército e provasse seu valor por viver em solo inglês.

Os anos se passaram e uma nova guerra se iniciou, deveria participar dela no lugar daquele que o adotou, seria um capitão por ser um legado. Apesar de carregar a genética japonesa, nunca fora um, com seus 21 anos era um total inglês e o melhor alfa entre todo o exército – treinado pelo melhor alfa e queria atender a todas as expectativas.

Durante a primeira batalha era conhecido como legado de Moore, carregando o sobrenome de seu pai adotivo por anos. Isto só mudou quando se mostrou o alfa que treinara anos para ser aterrorizando até o próprio exército, se tornaria o Uchiha mais conhecido de toda a história. Entre tantas guerras por sucessão da monarquia, não existiam planos para Madara voltar para casa, apenas quando recebeu uma carta notificando do falecimento de John Moore, único pai que tivera, decidiu que voltaria.

Em sua volta notou a fragilidade da vida e como John não cultivara ou prezava uma família, por nunca ter se casado ou sequer pensado em mais filhos. O abalo da morte o fez fundar uma nova família, o clã Uchiha, e iria mudar as coisas por ali e passar o legado de alfas que recebeu de John Moore.

21. März 2018 16:19:01 0 Bericht Einbetten 5
Lesen Sie das nächste Kapitel Capítulo 1 - Onde habita a dor

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 1 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!