mocaccino Moca Ccino

"Perdida, dolorida e esgotada após um grito liberado no sufoco, caiu na terra úmida de chuva outonal..." É assim que uma mulher se encontra em uma madrugada nebulosa e escura. Agora, precisa se manter salva dos perigos da mata.


Thriller Alles öffentlich.

#402
Kurzgeschichte
0
1.3k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Frio sob o Sol

Perdida, dolorida e esgotada após um grito liberado no sufoco, caiu na terra úmida de chuva outonal. Era madrugada e muito provavelmente o dia chegaria. Até lá deveria suportar o breu que envolvia como capa. Não sabia se deveria permanecer parada até o Sol voltar ao céu. Quem sabe, seria o mais inteligente.

Aproximou a mão do rosto e depois afastou tentando entender a intensidade do próprio escuro. Breu molhado. Podia sentir o respingar no próprio vento frio e aquele mundo coberto cheio de vida. O coração acalmou e desacelerou e, aos pouquinhos, os sentidos retornavam à estabilidade para tentar perceber o mundo.

O medo que sentia era das panteras. A mata as tinha presentes. Perigosas. Um aviso aos humanos para se manterem longe. Infelizmente, estava ali contrariando as regras. Era uma invasora que poderia ser morta.

Então, aos poucos, começou a se movimentar para longe da onde havia gritado em desespero. Em uma fuga contra o possível perigo, os passos tentavam ser silenciosos e cuidadosos com qualquer toque nos galhos, folhas e terra. Até que a ouviu Paulina e Eliza.

O coração acelerou e começou a andar na direção do som. Elas precisavam se calar. Era uma tolice mortal. Só que elas falavam como se o mundo quieto e silencioso não fosse uma armadilha dos felinos. Agora andava o mais rápido que podia. O desespero tomou conta.

Paulina e Eliza estavam lá. Contudo, havia mais alguma coisa, a pantera. Corpo grande e peludo encoberto pelas camadas da noite. Olhos se revelando nas sombras pelo brilho agoniante, focados nelas.

Parou atrás das irmãs, que não a haviam percebido ainda, pois estavam de costas. A pantera rosnando e olhando pronta para o ataque. Então o animal a viu assim como ela o enxergava também. Frente a frente. Pronta para aquele ataque.

Ela pulou na frente das irmãs quando o bicho saltou e caiu por cima dela. Entraram em combate. Morreria por elas, mesmo que fosse apenas um reflexo de defesa. Uma grande e breve guerra entre ela e a pantera ascendeu e no mesmo segundo acabou. Por fim, morreu.

O dia pouco a pouco emergia.

Paulina e Eliza observaram o corpo caído. A espingarda e o rifle, na mão de cada uma, cumpriram seu papel. Lílian estava morta. Sob a luz jazia a pantera.

22. Juni 2022 22:51 0 Bericht Einbetten Follow einer Story
0
Das Ende

Über den Autor

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~