sophialoren Sophia Loren

Depois de muito tempo sem se verem, Lysandre resolve fazer uma surpresa para sua namorada, Sophia. | Chino, cadê o Lys em Love Life?! |


Fan-Fiction Spiele Alles öffentlich.

#fuffly #romance #lysandre #Love-Life #amor-doce
Kurzgeschichte
0
3.1k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Capítulo Único — Nome do Amor

Sophia Strange estava lutando mais uma vez com seu cabelo cheio de nós. Suas madeixas eram encaracoladas e se não cuidasse bem, não o deixando hidratado — agora estava ressecado pela tinta ruiva — ficava cheio de nós e pontas arrepiadas, que vencia para as de Goku de Dragon Ball.

Ela tinha acabado de tomar um banho, depois de um longo dia de trabalho na cafeteria, na qual era dona do estabelecimento, mas mesmo assim trabalhava ao lado de seus funcionários, pois não gostava de ficar parada em um canto só olhando.

Já tinha vestido seu pijama da Hello Kitty e fazia uma careta para o espelho ao desalinhar o cabelo. Era tarde e não esperava ninguém, então se deu o luxo de ficar logo confortável para dormir.

No quarto, escutou seu celular tocar no ritmo de Sasageyo de Linked Horizon, vulgo música de Shingeki no Kyojin. Sophia bufou pensado ser algum problema. Estava cansada para resolver pendências em plenas onze horas da noite.

Suspeitou também que poderia ser Rosayla, que iria trazer a filha, Thia, para passar o dia ao lado da amiga. Mas nada a preparou para o nome no visor em seu celular e uma foto radiante que piscava a cada toque.

Lysandre. Seu Lys. Há quanto tempo ele não ligava? Fazia uns quinze dias de pura decepção para Sophia. Sabia que ele era ocupado, com a fazenda e agora sendo professor de música, mas não custava nada mandar umas mensagens. Já bastava o tempo que tinham perdido o contato entre os anos da faculdade, com o relacionamento deles ficando tão frio quanto um iceberg.

Graças a Rosayla — atual cunhada dele, digam-se de passagem — eles tinham voltado a se encontrar e ressuscitar o antigo namoro de escola.

Enfim.

Sophia sentiu vontade ignorar, mas o aperto no coração falou mais alto e logo deslizou o dedo aceitando a ligação. Atendeu o celular.

— Lys? — sua voz soou um pouco amargurada e um tanto séria.

— Sophia! — a rouca e melodiosa voz de Lysandre ecoou pela pequena caixa de som do celular, fazendo Sophia se arrepiar — Querida, acabei de chegar à cidade e estou esperando na porta de sua casa. Bom, quase na porta, pois só me lembrava do condomínio e o andar, o número... Bem eu esqueci-

Escutou passos pesados pelo celular e do apartamento no lado direito do corredor, limpo e arrumando de onde estava. Levantou uma sobrancelha curioso.

“Mas o que está havendo?” pensou o albino.

Só foi Lysandre dizer que estava na sua porta que Sophia se esqueceu do desgosto que sentia dele e disparou para o portal da frente, se atrapalhado toda e batendo em raques, quase fazendo a decoração e os caríssimos Funko Pop’s caírem. Pegou a chave, tirou o ferrolho de segurança da porta e a abriu.

E lá estava seu homem, muito bem trajado, com uma versão mais atual de trajes vitorianos, uma camisa branca de botões com manga comprida, um lenço verde perolado em seu pescoço, calças pretas bem cortadas, com alguns detalhes da mesma cor do lenço. Suas feições estavam mais maduras, fazendo do menino gentil da escola em um homem, com o rosto mais quadrado e os cabelos albinos na altura dos ombros, presos com uma fita.

Claro que eles já tinham se encontrado depois disso, lógico, mas Sophia sempre se pegava lembrando-se das antigas feições do adolescente Lysandre.

“Como ele poderia ficar mais bonito do que era?” Pensou Sophia sorrindo boba.

Lysandre abriu um sorriso assim que a viu, quase fechando seus olhos bicolores. Castanho e verde. Aos pés com botas bem lustradas estava um grande baú, muito parecido dos que usavam na época da rainha inglesa Vitória.

— Ah, queri- — o homem foi interrompido pelo enorme pulo e abraço de urso de Sophia, fazendo o escorpiano tropeçar e cair no chão pelo peso. Mesmo assim correspondeu o abraço apertado da mais nova. Sentiu o perfume de cerejeiras nos cabelos molhados dela. Fechou os olhos. — Sentiu minha falta, Sophie?

Era uma pergunta boba, claro que ela tinha sentido. Nem precisava olhar para ela para confirmar.

— É claro, seu idiota! — a ruiva de farmácia se afastou, só um pouco para dar um pequeno soco no ombro dele — Nem liga mais e nem manda mensagem. Pensei que não quisesse mais falar comigo — soltou suas apreensões sem medo. Era uma pessoa bem sincera.

Lysandre a olhou culpado. É ele tinha feito isso, mas não por querer.

— Me desculpe querida. Estava ocupado, precisando encontrar alguém para ficar cuidando da fazenda e fechar os diários de meus alunos. — Lysandre viu quando ela fez um bico indignado. O escorpiano apertou os lábios dela. — Não fique assim. Sinto muito mesmo. Agora vou poder ficar um bom tempo com você. Até mesmo te ajudar no Café.

Sophia arregalou os olhos.

— Sério? — pegou no rosto dele para ver bem aquele mar bicolor.

— Sim, seríssimo, querida.

— Que bom — afirmou Sophia emocionada. E o abraçou forte de novo.

8. Juni 2020 18:25:06 0 Bericht Einbetten Follow einer Story
2
Das Ende

Über den Autor

Sophia Loren Só uma garota que gosta de escrever.

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~